Respondendo Para o Lado de Lá

Perguntas feitas ao autor por várias entidades espirituais, talvez com intuito de testar seus conhecimentos, e que o autor tenta responder imparcialmente e às vezes com cunho pessoal.

06/10/86 às 2h40

1)                 Pode um espírito evoluído como Mozart, Paganini, Beethoven e outros que se conservam desencarnados no Astral, tendo que reencarnar em outros vultos famosos ou não, voltarem à suas formas de músico ou daquela encarnação que os tornaram conhecidos, após um novo desencarne?

RESP.: Para um espírito evoluído nada é impossível, mais ainda, tudo é possível. Sabemos todos que uma entidade desencarnada conserva aglutinadas sobre seu perispirito, as partículas energéticas de sua última forma física quando vivia, porém, ela pode se transfigurar nas personalidades que quiser, mesmo que nestas configurações ela tenha vivido em remotíssimas encarnações, boas ou más; das quais ela necessite fazer uso para ser reconhecida por aqueles que com ela conviveram na época, ou tenha ela que exercer alguma indução psicossomática kármica ou não, sobre alguém vivo ou do seu mesmo plano astral. O Perispírito, no meu conceito, ainda é matéria, mas rarefeita é claro, mas ainda sim, matéria, e sendo assim pode ser moldada ou plasmada pelo Espírito como ele bem quiser, pois, a semelhança de uma poderosa fita magnética comum, ou uma precisa e ao mesmo tempo preciosa memória cósmico-etérea que registra tudo o que se passou ou o que se passa no Cosmos desde a sua criação personalizada, dando ao Espírito um caráter particular, distinguindo-o dos demais que existem no Universo, dando-lhe também uma freqüência vibratória própria e consequentemente uma sintonia adequada. Por vezes, um Espirito evoluído ou não tendo necessidade de se transfigurar ou trasmutar-se em “alguém” que ele tenha sido, faz uso de processos mediúnicos e extrai os fluídos da aglutinação ou de desaglutinação que vão resultar na transmutação de energias de médiuns (intermediários) do campo físico e do campo astral para os efeitos de indução psicométrico-plasmático sobre aquelas a quem ele desejar ser relembrado.

Deve ser levado em conta nesse processo, que para qualquer Espírito evoluído ou não tem tendências lógicas e karmicas de se fixar sempre na sua última reencarnação pois por mais simples ou mais famosa que esta possa ter sido, ela não pode ser desvalorizada, ao contrário, tem tanto ou mais valor que as anteriores pois será por esta última que ele terá sido qualificado para se situar em patamares de progresso evolutivo correspondente a tudo o que ele tenha produzido no decorrer das suas dezenas ou centenas ou ainda milhares de reecarnações passadas.

Todos os registros encontram-se fixados no Espírito e, basta sua simples vontade para que esses registros venham a tona e sejam energizados ou materializados.

2)                 Pode um espírito de um suicída reencarnar sem os defeitos kármicos que seu ato iria deixar sobre ele?

RESP.: Esta pergunta tem muito haver com a primeira, pois se o Espírito for evoluído ele poderá corrigir sobre si próprio as mazelas provocadas por ele ou por outros. A consciência de um ser é uma parte daqueles registros etéricos que podem elevar ou rebaixar esse ser em todos os graus do progresso psicossomático. Quando falo em consciência, refiro-me não só a do suicída que se sentido culpado (mea-culpa) forma sobre o espirito a desarmonia celular do espirito, resultando nas mazelas que deformarão nas futuras regiões físicas as reencarnar-se mas também nas consciências daqueles que convivem com ele ou foram direta ou indiretamente responsáveis pelo ato suicída, os quais, queira o suicída ou não continuam também com o seu “mea-culpa” e desta forma, ao mentalizarem ou apenas ao relembrarem-se dele o verão nas imagens de suicida e isto ajudará a aglutinar as partículas de desarmonia celular do perispírito e do ambiente que “prende” o ser um sofrimento “ad-eternum” no astral inferior até que todos saiam daquele circulo vicioso negativista que atrasa em anos e não raras vezes, em séculos o progresso livre daquele ser.

Porém, se ele for evoluído entrará em sintonia maior e apesar de ter que passar pelas agruras de seu ato por ter provocado o encurtamento de sua própria vida e ter provocado nos que o amavam a dor e o descontrole emocional, físico e social, poderá atrair mentores afeitos a esse mister, conhecedores profundos da ciência espiritual de como corrigir as desarmonias corpusculares do perispírito e assim, aquele infeliz ser evoluído poderá sanar em menos tempo que o esperado os seus defeitos e retornar ao convívio dos demais seres humanos sem qualquer problema físico ou mental.

Como se vê, a lei do karma é implacável, inexorável em quase todos os pontos, mas, na sua exatidão cósmica deixa aberturas também exatas para que qualquer um de nós seres humanos possamos entrar, desde que possuamos os registros essenciais que são a sabedoria, que é o domínio do conhecimento cósmico, a humildade e o amor ao próximo. Com apenas esses três requisitos dentre outros que poderemos optar no momento de nossa necessidade e compormos nosso “quantum vibratório”, poderá um ser atingido por qualquer infelicidade adentrar aos mundos superiores da mente e do espirito, sem qualquer protecionismo vulgar.

3)                 Pode um espírito reencarnado que tenha sofrido um aborto ou morte prematura logo ao nascer, retornar ao Astral em sua forma anterior de adulto?

RESP.: Igualmente ás perguntas anteriores, pode; desde que não adentre aos círculos vingativos, os quais, por conseqüência são penas kármicas.

Há vários fatores que levam o espírito a ser abortado do ventre de sua nova mãe, entre eles:

  1. Ter sido esse espírito um grande praticante de atos abortivos propositais e maldosos, podendo ter sido uma própria mãe, ou um agente abortador, tais como parteiras, médicos ou criminosos passionais ou criminosos acidentais os quais, pelo “mea-culpa” não se auto-perdoaram e nem receberam o perdão de suas vítimas, provocando sobre si e sobre todos os que participaram dos acontecimentos aquelas desarmonias astrais e psicofísicas.
  2. Um espírito evoluído do astral-terrestre, ou seja, um extraterreno que em nova missão regeneradora a favor dos vivos não consiga se fixar no feto devido ao seu alto grau de potencialidade espiritual, e sua “alta voltagem” mental-espiritual não consegue se estruturar ou se “encaixar” no novo e frágil invólucro carnal, matando-o antes mesmo de nascer. Nestes casos, o Espirito reencarnante poderá voltar imediatamente ao seu estado anterior de evolução, mas as vezes, prefere tentar conservar-se em forma de feto no astral mas com a sua consciência adulta vigilante ao lado afim de melhor poder aglutinar sobre si as novas partículas emanadas do físico em formação para facilitar-lhe novo empreendimento à vida física, mas quase sempre esses espíritos muito evoluídos necessitam de várias tentativas infrutíferas as quais ocasionam a morte prematura de seus fetos e às vezes já na tenra idade até que numa delas possa conseguir seu intento, porém, todos esses fatos são realizados em consonância kármica e muitas vezes eles tentam nascer em úteros de mães com passado de provas kármicas cujos espíritos saberão o por que de tanta “infelicidade” material, mas, mesmo assim podem elas estarem recebendo como prêmio em forma de “faca de dois gumes” um novo avatar com uma missão angelical ou técnico-científico.
  3. A entidade reencarnante pode ser oriunda de um outro planeta (extraterrestre) qualquer, mais evoluído ou não que a Terra, deste sistema solar ou de outro sistema solar dentro da nossa galáxia, a Via-Láctea, ou de outras galáxias, o processo é o mesmo e é o mesmo mecanismo, a diferença está no choque vibratório inter-energético de uma matéria composta de partículas e órgãos diferentes para a nossa matéria carnal com órgãos muito complicados como o pâncreas, os intestinos, os testículos e outras glândulas por vezes inexistentes noutros corpos físicos de extraterrestres.

Um ser extraterrestre além de possuir seu físico de conformidade com seu habitat natural tem consequentemente, uma compleição física até anti-natural à nossa e quando “desencarnam” levam para o Astral de seu planeta todas as partículas energéticas que formavam seu corpo físico, as quais, formarão seu corpo astral ou perispírito que posteriormente ao voltar se encarnar lá mesmo em seu planeta ou aqui na Terra interferirá na formação do seu novo corpo no próprio habitat ou em novo corpo físico na Terra.

Nos casos de reencarnes de seres extraterrestres na Terra há de se levar em conta o fator rejeição natural entre as partículas que o compõe e as outras que formarão o novo feto. Além do que há a temperatura corpórea perispiritual para mais ou para menos, e que influirá na pressão e corrente sangüíneas do novo feto ocasionando distúrbios sem conta no metabolismo e no sistema endócrino do novo feto, os quais, fatalmente acarretarão sua morte física. Muitas vezes nesses casos o feto nem chega a ser animado.

Em todos os casos das três perguntas acima, todos podem voltar ao seu estágio de adulto, alguns retornaram àquele estado quase que sob explosão outros precisam permanecer em estado fetal e outros, como espírito permanecem ao lado da futura mãe sem encarnar, apenas pulsando sobre o novo feto e caso haja o aborto eles acompanham tudo e tudo sentirão também e por vezes ficam ainda mais acabrunhados, sem ação, sem nada poderem fazer apesar de ambas as consciências, a do feto e a do espírito reencarnante estarem intimamente ligadas por laços magnéticos firmes e sensíveis. Ambos sofrem quando o nascimento não dá certo.

4)                 Como fica o fator genético frente às sucessivas reencarnações de um espírito, evoluído ou não, e quais seriam as técnicas e mecanismos que os Mentores Espirituais empregam para fazer o “encaixe” de um espírito reencarnante em células físicas cujo gene tenha que vir desequilibrado na sua contextura a fim de dar àquela entidade a oportunidade de resgate? Há preparações prévias desses desvios genéticos ou tudo ocorre naturalmente?

RESP.: Para os Mentores Reencarnacionistas não existem dificuldades ou embaraço para poderem “encaixar” um espirito reencarnante desequilibrado e que tenha que nascer com defeitos físicos externos ou internos e resgatar, drenar ou desintoxicar seu perispírito em uma vida de sofrimento e provas, pois tudo ocorre “naturalmente” dentro de uma programação preestabelecida.

Mesmo que o fator genético seja um fator preponderável através do qual as Entidades Superiores teriam maior ensejo e facilidades em fazer nascer alguém que precisa resgatar suas dívidas consigo mesmo ou com os elementos humanos contra os quais se responsabilizou, nem sempre esse fator é levado em conta, ou seja, aquela ramificação familiar poderá ter sido em milênios um fator genético imutável, sempre perfeito, sem desvios de qualquer ordem, seja ela psíquica, emocional, ou física, se for necessário, será permitido um desequilíbrio genético momentâneo pelo conteúdo vibratório do espírito reencarnado que, por incapacidade de emitir as pulsações adequadas para o útero de sua mãe, no momento da aglutinação das células matrizes que darão origem a seu novo corpo, dando origem as futuras falhas físicas e mentais das quais será portador durante algum tempo de sua vida ou durante sua vida toda.

Alguém perguntará: Mas o que seus futuros familiares tem a ver com as culpas e resgates pelos quais ele terá que passar? Não será uma injustiça para com aquelas pessoas ou descuido das Entidades Superiores para com elas?

Se o espirito reencarnante vai renascer num determinado lar, ou vai ser filho de mãe solteira e pois irremediavelmente, vai causar sofrimentos a todos inclusive ao pessoal médico e paramédico dos sanatórios, hospitais, cadeias e etc., onde ficará internado, é porque eles tem ligações kármicas com ele e entre si. No lar, ele ficou de ser recebido e amparado. A mãe solteira comprometeu-se com ele em colocá-lo no mundo e nosocômios , todo o pessoal aderiu aquela missão socorrista, porque não só quiseram ganhar mais pontos na espiritualidade mas também estão endividados com seus pacientes.

Tudo é conseqüência de uma reação em cadeia prevista e adrede-preparada “naturalmente” para que os fins sejam atingidos.

Mas e quando não há qualquer ligação kármica com qualquer pessoa hoje reencarnada? É muito difícil não haver, pois nas vidas passadas ele não brotou do nada, sempre houve alguém que concorreu para que ele viesse ao mundo. Mas, digamos que não haja, digamos que ele seja um espírito alienígena que necessita nascer na Terra e não tenha alguém para recebe-lo dando-lhe um novo corpo!. Neste caso, as Entidades Superiores procuram e escolhem para ele seus novos familiares, conversam com eles em espírito, normalmente pessoas que precisam e pedem para ter um filho mesmo que seja para cumprimento de resgates. O fato deles não terem filhos até aquele momento também já é karmico, um karma mais psicológico do que social ou de provas; nestes casos, lhes é concedida a benção de ter um filho e lhes é explicado o objetivo do reencarne doloroso. Eles aceitam em espirito durante o sono e ficam felizes em poder contribuir astralmente. Entre os pesquisados e posteriormente escolhidos para serem os futuros tutores do espirito reencarnante, encontram-se os agrupamentos de prostituição, de viciados em drogas, em bebidas, de degenerados de toda a espécie, entre presidiários, entre doentes mentais, entre retardados, os quais, quase todos por si só, devido suas mazelas, já fornecerão naturalmente um físico deteriorado geneticamente e que o espirito reencarnante irá lançar mão avidamente porque necessita nascer. É uma oportunidade imperdível para ele. Quando não são esses agrupamentos, o espirito reencarnante se “incumbirá”, também devido as suas incapacitações de reproduzir um novo corpo são, de deteriorar sobre si próprio o seu ‘meridiano-genético”.

Aí estão então expostas as técnicas e mecanismos utilizados pelos Mentores Espirituais e os fatores genéticos e preparatórios para o reencarne de um espirito evoluído. Seja qual for seu tipo de dívida, sem esquecermos que a medida em que a Ciência fornece novos meios como os nascimentos de provetas, aqueles mentores terão novos mecanismos para serem utilizados, tudo dentro de uma harmoniosa lei de ação e reação universal.

5)                 Por que Jesus não deixou nada escrito quando esteve na Terra?

RESP.: Jesus, um Avatar, um sábio reencarnado entre os homens e com uma missão restauradora da fé e dos costumes entre aqueles homens de conceitos tribais e patriarcais, quase analfabetos, rústicos e de índole selvagem que não acreditavam em nada, de pouca fé, tinha que deixar algo para o futuro, algo que marcasse sua presença inovadora, mas humilde e redentora cujos atos e exemplos teriam que sobreviver ao tempo, às raças e costumes até o fim dos tempos, até nós homens do século XX, e após.

Ele sabia que haveria confusão sobre a sua vida e sobre os seus atos, pois os homens, sendo inconstantes e matreiros iriam deturpar tudo o que ele fez com boas intenções e, se deixasse alguma coisa escrita do próprio punho, esses mesmos homens teriam a justificativa ou o bode expiatório para aquilo que conviesse aos seus maus propósitos. Haveria, como hoje há aqueles e aquelas facções filosófico-religiosas ou não que brigariam entre si e se matariam tendo como motivos justificáveis as palavras escritas por Jesus e que poderiam ser sempre o “pivot” das tragédias religiosas ou de seus desacordos ou litígios, como ocorre assim mesmo hoje em dia apenas por ouvirem dizer muito vagamente sobre o que ele possivelmente dissera ou não dissera, quanto mais se ele tivesse escrito! Desta forma, prevendo, ou antevendo tudo isso até nossos dias o grande Mestre preferiu que os humanos analisassem e se baseassem no “Espirito das palavras” e não nas “ palavras do Espirito”, preferindo “à confusão sobre o que ele teria dito à confusão sobre o que ele teria escrito”- conforme sabiamente nos retransmitiu o grande Ramatis. E, eu confio nessa maravilhosa sabedoria de Jesus que ‘enxergava” longe.

6)                 Como é possível a um espirito desencarnado conservar o seu perfume predileto que usava quando em vida, a ponto de ser reconhecido, ou sua presença sentida no Astral de uma residência mesmo que as pessoas daquela residência não o conhecessem quando vivia?

RESP.: Partindo do principio e da realidade que os campos paralelos ou astrais ou como eu os denomino: Psicosferas são um fato, ou seja, existem, e sendo uma cópia do outro, tudo o que for materializado no campo físico tem seu ‘duplo” ou cópia no astral ou vice-versa e desta forma inclui-se desde as menores as maiores partículas, que vão desde os perfumes, aromas e odores e até o que é muito mais comum entre espíritos inferiores os maus-cheiros em cujos perispíritos ficam agregados e exalam de seus físicos recém-putrefactos ou das regiões abissais e pantanosas do astral inferior. Tudo fica agregado, dependendo muito do grau de evolução do Espirito para que essa materialização ou a indução seja plasmada ou no campo físico ou no campo astral. Sim, porque no campo espiritual tudo é muito mais sensível e mais concreto e até mais perceptível do que no campo físico. Assim como o perispírito conserva sobre si todos os detalhes e pormenores de sua vida física, é claro que um aroma, um perfume, um odor, um cheiro, bom ou ruim, permanece imantado à ele, o resto é indução ou plasma obtidos através do ectoplasma que sem o saber, os circunstantes, ou moradores fornecem para que as coisas se tornem reais, individual (para um único médium) ou coletivamente. Da mesma forma, tudo pode ser desmaterializado utilizando o perispírito e os mentores, do mesmo processo e do mesmo mecanismo psicofísico. Por isso, antigamente causava espanto as casas ditas “mal assombradas” nas quais, via-se personagens, ouvia-se ruídos e sentia-se os aromas e toda a magia ali reinantes. Ainda elas existem, mas em menor número apenas em locais cujas entidades ainda permanecem em estágios de prova e em lenta evolução espiritual, acrescidas ou mantidas por seres vivos completamente ignorantes ou desconhecedoras do funcionamento prático do campo astral e mental.

7)                 Até onde o que vai escrito na Bíblia é verdadeiro? ocorreu mesmo? há alguma coisa que não condiz com a realidade e por que? O que há de verídico entre o Velho e o Novo Testamento, quais os pontos de confronto e de choque?

RESP.: O que aqui vai é a minha opinião pessoal e com total isenção de ânimo a respeito do Velho e do Novo Testamento, apesar de saber, através do fenômeno da psicometria de minha esposa e de mim próprio, além de possuir mensagens de Entidades de Alta Linhagem, termos participado indiretamente na composição de um dos evangelhos do Novo Testamento, penso que tanto o Velho quanto o Novo Testamento são, em última análise, um conjunto de livros históricos que registra toda uma fase do início das modificações sócio-religiosas e filosóficas que presumiram ou anunciaram para todas as gerações que nos antecederam de lá para cá, o começo do fim de uma era e o início de uma nova era para a Terra, após o ano 2.000.

Nesse conjunto de livros denominado Bíblia não foram agrupados todos os livros existentes e de outros autores da época. Houve de certa forma um escolha preestabelecida pelas autoridades clericais da época de sua confecção, para que fossem juntados os livros que hoje conhecemos publicamente. Desta forma, creio eu que muita coisa não ficou publicada ou registrada na Bíblia, e, aquilo que chegou até nós sofreu muitas alterações devido as dificuldades naturais de tradução ao pé da letra ou melhor “ao pé do real significado”, além do que, sofreu grandes interpolações a gosto dos interessados da época em deter em suas mãos o poder e os conhecimentos subjugando a massa popular dentro daquilo que seus interesses escusos exigiam.

Por isso, para mim, todo o conteúdo bíblico só tem valor quando analisado pelo ângulo do Espírito das Palavras e não pelo ângulo das palavras do Espírito. Para mim não importa quem tenha dito tal ou qual passagem bíblica, mas sim, se aquela passagem pode ser útil para todos os seres humanos como um conjunto e não se ela apenas serve para esta ou aquela facção da humanidade. As verdades ou as realidades só são úteis ou boas e servem a toda a humanidade, caso contrário não são úteis. Mesmo para tudo aquilo que na época eu escrevi procurando sempre não colocar em dúvida o que disseram os demais evangelistas. Era mister que assim se fizesse ou desmoronariam todos os conceitos cristãos e todo um trabalho gigantesco de pessoas e entidades que precederam e sucederam a Cristo e o próprio trabalho e sacrifício do Mestre-dos-Mestres seria destruído, seria em vão. Tudo foi feito conforme os designos do Alto, ou seja, de Entidades mais elevadas que nós.

Há na Bíblia passagens marcantes do feito do ser humano dentro das áreas físicas e psíquicas, lógicas e psicológicas e que não podemos desperdiçar. São lições de vida, científicas sob os aspectos mais rústicos e transcendentais ao mesmo tempo, em que várias gerações patriarcais a partir de Moisés nos legaram seus costumes, suas condutas e seus “modus-vivendi”, dos quais muitos ensinamentos podemos extrair ainda, apesar de estarmos adentrando o século XXI e tudo estar mudando, mas, os fundamentos estão ali sem sombra de dúvida.

Por isso, respeito a Bíblia por esse ângulo de ponto de vista, extraio o que puder para servir ao bem geral da humanidade deixando o restante como arquivo da memória histórica dos povos.

Ninguém tem o direito de impor a outros ou a si próprio o que vai escrito na Bíblia, tem isto sim o dever de analisar e procurar absorver sem fanatismo de qualquer espécie e transmitir da mesma maneira para os outros o que aprendeu, sem precondicionamentos.

8)                 Como se explica aquela melhora de saúde que um paciente terminal passa antes de morrer? Ou seja, todos que estão ao lado dele incluindo os médicos juram que ele vai ficar bom, já está bom e, no entanto horas depois ele vem a falecer, deixando todos constrangidos e atônitos?

RESP.: Quando um paciente terminal bem quisto por seus familiares e seus amigos ou, servirá vivo aos interesses escusos de seus inimigos, forma-se ao seu redor tanto no físico como no astral, uma densa camada de fluidos magnéticos e ectoplasmáticos emitidos e exalados pelos pensamentos e sentimentos daqueles circunstantes que atrelam fortemente o espírito desencarnante altamente susceptível e sensível à esses fluidos o que não lhe permite nem “ir” e nem “ficar”, causando-lhe angústias, medos e sofrimentos diversos. Naquele momento, forma-se uma espécie de “circuito fechado” entre as correntes mentais dos vivos, dos desencarnados ligados ao paciente e do próprio paciente, isto da ensejo a uma “ delongada” sobre vida das células físicas alimentadas pelos fluidos ectoplasmáticos semi-materiais e pelo magnetismo que como um forte imã polariza o espirito mais tempo ao corpo que já não tem mais condições clínicas de vida. Diga-se de passagem que esses recursos ou recursos similares que quando encarnados entrem em estado de “catalepsia programada” mantendo seu físico semimorto nas tumbas e saem em busca do alimento energizador para mantê-los naquele estado por séculos; esse alimento é o sangue humano ou não que os revitaliza e permite a continuidade de seus atos diabólicos, mas, este é um assunto para ser tratado à parte com mais detalhes, farei mais adiante.

Quanto ao paciente que da ares de querer sobreviver, isto é feito pelos Mentores que se utilizam momentaneamente de técnicas reencarnacionistas fazendo-o reanimar-se ao mesmo tempo que induzem aos médicos, os quais, são enganados por seus aparelhamentos a pensarem que realmente ele vai sobreviver. Dão a notícia auspiciosa aos circunstantes e o próprio paciente ouve também e aí dá-se aquele alívio total e neste alívio, ocorre quase que automaticamente e naturalmente a quebra daquele circuito fechado de correntes várias. Todos se retiram aliviados e suspirando alegremente, quando então os Mentores sozinhos com o paciente, adormecem-no, e cortam-lhe os fios principais que prendem seu perispírito ao corpo e imediatamente ele se desliga e parte, falecendo.

Quando os circunstantes e médicos retornam sem ativarem os “por quês” o encontram morto e nada mais podem fazer.

Isto é necessário, justamente para evitar outros sofrimentos psicossomáticos ao moribundo, os quais, podem prejudicá-lo na sua saída ou desencarne. Porque o magnetismo pessoal do moribundo que por desconhecimento esteja sofrendo o pavor de deixar o corpo, esteja negativado, e por que o magnetismo de todos os circunstantes tentando “salvá-lo:, esteja positivado. Nestes casos, a Lei dos opostos prevalece e o positivo “prende” como se tivesse ganchos, o negativo e o faz permanecer no corpo já inerte por muito mais tempo que o necessário, ou o faz prolongar seu desligamento alimentando-o com uma espécie de tonus ou energia suplementar, que só vem a prejudicar sua ascensão ou desvencilhamento da crosta terrestre, ou fisiosfera.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s