Nem tanto ao Mar nem tanto à Terra. Nem tanto ao Mal, nem tanto ao Bem.

Início: São Paulo, 18/ 08/94 às 21:00h

Durante essas mesmas pesquisas vivenciadas sobre o psiquismo humano e sobre a dualidade das forças e energias cósmico-siderais no Universo; muitas dessas pesquisas sobre mim mesmo, sobre fatos ou acontecimentos ao meu redor e ao longo de minha vida.

Notei que quanto mais o ser humano terrestre, friso bem, terrestre, se aperfeiçoa fisicamente buscando a transcendência, a evolução espiritual, mais ele se torna vulnerável em seu contexto físico, em seu corpo material correndo o risco de perder esse físico extemporaneamente sob o inevitável choque sobre si, dessa dualidade cósmico-sideral das energias opostas e ao mesmo tempo paralelas, que são o positivo e o negativo, que resultam para o terrestre quase sempre no Bem e no Mal, impondo-lhe a inexorável Lei Kármica, a Lei de Ação e Reação.

Conclui que se um indivíduo na terra buscar especificamente durante sua vida a pureza física para atingir mais rapidamente o desiderato espiritual, ou seja, sua ascensão mais abrupta, como fizera um Jesus e outros avatares, perderá seu físico também abruptamente ainda jovem e muitas vezes com muito sofrimento, como Ele e outros famosos mártires, isto porque o ser terráqueo fica desguarnecido das forças telúricas, ou seja, as energias que se irradiam do núcleo da Terra, como se ele ficasse desprovido do chamado “fio terra” ou fio de descarga no solo terrestre e, como esse núcleo ainda não se encontra centralizado geologicamente, pois o planeta Terra não está corretamente posicionado, em seu eixo imaginário, em relação ao Sol e ao seu sistema solar; o que vai ocorrer no final deste século, quando então a Terra terá seu eixo verticalizado e depois, então, provocará as irradiações corretas das energias telúricas do centro do globo escoando-as harmônica e homogeneamente, de dentro para fora, sobre a crosta terrestre, os seres, as plantas, a água e até para o ar, protegendo-os de uma ambientação insalubre como está ocorrendo até agora.

Após essa verticalização, todos vibrarão sob e sobre a proteção dessas energias que não mais permitirão a existência de bactérias, insetos nocivos ao “habitat” novo e outros desequilíbrios naturais e psicossomáticos que afetam direta e indiretamente a humanidade desde os seus primórdios.

Desta forma, um ser humano em busca da perfeição desde há milênios atras não encontra respaldo energético em seu próprio “habitat”, o qual, o obriga a ter que manter um equilíbrio constante, contínuo, com as forças por vezes deletérias afim de poder sustentar o equilíbrio físico e espiritual de sua vida, ou seja, esse indivíduo ou ser para poder viver e disseminar suas idéias e ideais por toda a vida quase que precisa ter “um pé na água outro na terra”, “acender uma vela à Deus e outra ao diabo”, o que dentro dos princípios cristãos seria uma aberração, uma heresia, não o é dentro dos princípios cósmico-siderais!

Para o Núcleo Central Cósmico, os princípios e vocações humanas tem valores secundários. O equilíbrio Universal, a harmonia celestial é que são mais preponderantes, pois sem estes, não haverão outros princípios jamais. Durante minhas pesquisas tenho tido que dosar essas forças para poder manter esses equilíbrios e princípios fundamentais.

Mas alguém perguntará: – Então o ser humano necessita ser mundano para poder viver bem? Respondo, não tem que ser mundano pejorativamente, mas sim, tem que ser do mundo onde nasceu e vive. Tem que saber dosar, equilibrar as energias que o circundam ou que fluem sobre ele e que saem de si próprio.

Nos meus contatos interplanetários registrei que os seres de planetas mais evoluídos que a Terra e que ainda possuem seus físicos materiais ou de carne similar ao físico do ser humano terrestre, vivem bem ligados aos seus planetas de origem, ligados as energias oriundas do solo e da natureza planetária, mas, tudo com harmonia e naturalidade, espontaneamente, o que faz daqueles seres ainda dependentes da matéria, viverem como se fossem seres espirituais dentro do próprio físico, o que ;lhes permite absorver melhor as emanações vindas do centro planetário e do sol, astro líder de todo sistema solar, formando assim o binômio vibratório positivo entre o “habitat” e o habitante, entre o “habitat” e seu sistema solar e assim por diante.

Seriam bem apropriados aqueles ditados terrestres populares que dizem: “Se, se está na chuva é pr’a se molhar”, e outros ditados similares. Eu acrescentaria à eles: “Se se vive na Terra, nem tanto ao corpo nem tanto ao espírito e se se está no solo e pr’a se “solar”! Em outras palavras quero dizer que, a vida é um dom emanante de Deus ou do Núcleo Central Cósmico, é um dom divino natural e deve ser usufruída integralmente por todos os serres de todos os reinos, vegetal, animal, mineral e “atmosferical” e não pode e nem deve ser interrompida sob qualquer pretexto.

No planeta Terra, infelizmente, devido a desarmonia de irradiação existente, mais o desleixo, a usura, a belicosidade do ser humano, surgem os insetos e animais daninhos que prejudicam a vida natural sobre o planeta, então neste caso se faz necessário o uso de um controle artificial para o equilíbrio dessas pragas, mas isso não será por muito tempo; pois conforme sou informado pelos amigos extraterrestres, as modificações telúricas se farão sentir há uns dois ou três anos antes do ano 2.000.

Mas, antes disso, haverá distúrbios de toda a natureza e todos os quadrantes do globo como se as forças telúricas e siderais entrassem em choque violento dentro do nosso sistema solar e mais diretamente sobre o planeta Terra, planeta em total desarmonia cósmico-sideral, choque tão violento que todos os seres viventes ou não, e nestes estão incluídos as entidades espirituais de alta vibração pensarão que Deus é o maior inimigo do Universo!

As forças negativas que vibram nos mundos paralelos do baixo-astral e em outras psicosferas serão revolvidas a tal ponto que também entrarão em choque entre si, aumentando e fomentando ainda mais os distúrbios até que a Luz desaparecerá de sobre o planeta o qual, entrará em total escuridão e frio glacial rolando pelo Espaço como seixo perdido até encontrar sua nova órbita solar quando então novo “habitat” se formará sobre ele propiciando a germinação de uma nova e mais avançada forma de vida. Naquele novo estágio, esse dualismo de forças positivas e negativas, ou o bem e o mal, já serão mais controláveis porque os novos seres que surgirão no novo “habitat” já virão mais espiritualizados e o próprio “habitat” já dará condições para a perfeita harmonia telúrica cósmico-evolutiva ansiada e ensaiada há milênios antes.

Tudo tem seu tempo prescrito no Universo, inclusive o fim do ciclo planetário, ou como alguns clarividentes previram, o fim os Tempos, também tem seu momento exato. Os movimentos de sístole e diástole dentro do Universo determinam as modificações, a expansão, o surgimento o desaparecimento dos corpos siderais (visíveis) e cósmicos (invisíveis), desde o microcosmos ao macrocosmos. Esses movimentos são como se fossem o movimento respiratório do Núcleo Central Cósmico Deus. Portanto, o ser humano, seja ele de que planeta for, é muito pequeno, diminuto, frente a esse gigantesco Universal.

Não estou aqui apregoando o materialismo, ao contrário, afirmo que o espírito é a chama divina comandante e manipulador da matéria ou da energia condensada. Sem o concurso do espírito não haveria vida consciente ou inconsciente em qualquer planeta, mas mesmo assim a vida não deve ser interrompida propositadamente a título de fuga do campo material, pois isso acarreta desarmonias psicossomáticas sobre o ser, acarreta desarmonias nas psicosferas ou campos paralelos que rodeia este ser, provocando reações em cadeia intermináveis que o prejudicarão em sua ascensão espiritual, acompanhando-o inapelavelmente nas vidas subsequentes.

E como eu sei que já fui bruxo, mago (que é um bruxo mais alquimista) em vidas passadas, sei que para se denominar as forças dos elementos, a força dos elementais e tudo que rodeia e envolve o ser humano, se faz necessário comunicar-se com elas em todos os campos e momentos, e existem campos e momentos apropriados que obedecem regras simples, porém precisas sem as quais não se obtém os resultados almejados, e se quem lidar com essas forças não estiver com um “fio” na terra e outro na natureza não fará a canalização ou sintonia fina para mentalizar e manipular as energias que exalam desses elementos e elementais. Por isso, quem apenas se dedicar a sua elevação espiritual não terá tanta facilidade, apesar de saber como conseguir reunir e agrupar as forças que estão abaixo do seu nível espiritual terá que se utilizar de sub-condutores de energia. E, os que se dedicarem apenas ao seu enriquecimento material ou apenas viver na matéria no “viver-por-viver’ também não terão tanta facilidade mas estarão mais propícios a serem sub-condutores ou canais transformadores e até geradores dessa energias, principalmente as telúricas que estarão mais próximas de si pela sua natureza comum.

Desta forma, há que se obter o equilíbrio bem dosado sobre si próprio dessas energias, a fim de que elas obedeçam ao nosso comando imediata e simultaneamente para que não ocorram descontroles prejudiciais os quais, inevitavelmente depois de ocorridos voltam-se contra quem os produziu. É o “feitiço virando contra o feiticeiro”!

Volto a enfatizar, não estou aqui querendo dizer que para se poder viver na Terra há que “se acender uma vela à Deus e outra ao diabo”; não é bem assim, mas deve se fazer ou se buscar o equilíbrio das forças predominantes enquanto o planeta Sidérius não chegar e refazer todo o nosso sistema solar.

Com relação ainda a esse equilíbrio de forças ou de energias positivas e negativas, pude constatar através de diálogos espirituais com entidades afins e através de viagens astrais, que, quando há interesses mútuos entre as entidades chamadas do Bem e as entidades chamadas do Mal, ao invés de travarem-se batalhas espirituais, mentais ou mediúnicas formam-se acordos, barganhas e até mesmo conluios para que determinados objetivos maiores sejam atingidos, tais como: proteção de pessoas físicas, pessoas jurídicas locais, cidades, países ou comunidades inteiras, mais ou menos neste sentido: “Mandem retirar aqueles perturbadores de sobre tal pessoa ou de sobre tal localidade que em troca libertaremos tal ou qual entidade, ou tal ou qual localidade”.

E o que é isso senão uma forma astuciosa de manter-se equilíbrio de forças? Pois pude concluir também que assim como o Bem é inquebrantável, o Mal também o é se senão souber como domesticá-lo.

Mas perguntarão: -Noutros planetas evoluídos há a necessidade de se manter esse equilíbrio? Há que se ter esses temor constante?

Não, dessa forma que ocorre na Terra, pois aqui sendo um planeta em evolução é palco de expiações, as mais diversas e é muito mais assolado pelas energias negativas, pois estas fazem parte da lapidação deste “habitat” e de seus habitantes, o qual já pela sua própria constituição física demonstra o grau ainda rústico e inóspito da vida que tem que levar. Sendo o único habitante do sistema solar que carrega em seu complexo físico os intestinos que produzem e necessitam de bactérias (flora intestinal) para se manter vivo.

Nos planetas evoluídos a freqüência ou sintonia é outra, vibra-se ainda em vida nas altas freqüênciais, ou ondas cerebrais ultra-curtas o que não permite a entrada das energias negativas que quase sempre estão situadas nas baixas freqüênciais.

O ser humano extraterrestre, possuindo uma vida mais objetiva e visando mais o todo planetário sem os baixos sentimentos não planetário sem os baixos sentimentos não dá vazão a falhas e doenças físicas e psíquicas vivendo o verdadeiro paraíso que o terrestre já perdeu há milênios e que tão cedo não vai encontrar, ou melhor, só encontrará após sua mudança interior e a alteração do seu “habitat”, dos seus usos e costumes, nada espiritualizados.

O planeta Terra sendo um planeta relativamente novo comparado com os demais planetas do sistema solar e devido a isso atraiu para si civilizações desarmonizadas psíquica e espiritualmente de outros planetas longínquos que para cá vieram em busca da desintoxicação karmática para seus espíritos.

Contudo recrudescentes no negativismo, voltaram a repetir seus atos nefastos e desarmonizantes para consigo mesmo e para com as civilizações que aqui brotaram dando ensejo assim a formação de um “habitat” essencialmente negativo com a predominância das chamadas forças do mal que por sua vez deram origem ao satanismo e do qual fazem parte os também assim chamados “anjos decaídos”, os demônios e afins.

Nesse “habitat” negativo foram sendo formados os campos de atuação propícios as maquinações de domínio do mal sobre o bem e só não ocorreu a dominação total do mal devido a ajuda ou interferência de forças positivas, oriundas de outras esferas cósmicas e siderais poderosas e o concurso de avatares evoluídos, como um Jesus e outros bem antes Dele, milhares e milhares de anos antes que com grandes sacrifícios, sofrimentos e abnegações pessoais foram germinando aqui e ali no orbe as sementes do bem, do – “amai-vos uns aos outros” – até chegar aos nossos tempos atuais com alguns resultados enobrecedores. Porém, ainda assim, nota-se pelos acontecimentos maléficos gerais que aquele domínio inicial do mal continua a querer prevalecer. Ele arregimenta milhões de criaturas vivas e desencarnadas na prática da desarmonia astral vibratória, nos usos e costumes do ser humano terráqueo que tende a cada dia que passa a se degenerar mais e mais.

Como a sombra é o oposto da luz, o negativo é o oposto do positivo, forma-se então o campo de atuação das forças malignas que agem nas sombras, na escuridão e nos campos magnéticos onde a incidência da luz solar é quase nula. A luz solar age sobre as sombras e sobre a escuridão como uma imensa guilhotina que corta toda e qualquer atividade negativa. No caso da Terra, a luz refletida pela Lua durante a noite é um forte magnetismo condutor, sendo luz fria proporciona um campo ainda maior para interação do negativismo e das forças malévolas que se alimentam desse “status-quo” vigente naquele período, para assim interpenetrarem os “chakras” e plexos dos seres vivos e desencarnados sejam de que natureza forem.

(5/9/94 às 22 horas).

Jesus, quando de sua passagem pela Terra na Sua reencarnação de Cristo, nos legou uma grande e eterna lição que é o dom de perdoar.

Ele enfrentou e foi morto pelas forças negativas, as quais, naqueles terríveis momentos estavam bem afloradas e personificadas nas figuras de seus algozes Caifás, Anás (sogro daquele), os fariseus fanáticos, judeus relapsos conspurcadores da boa fé do povo, além daquela sociedade romana degradada e corrupta!

Tudo estava contra Ele. Mesmo muitos dos seus seguidores o abandonaram nos momentos mais difíceis, traíram-no, mudaram de lado acusando-o e pedindo a sua morte na cruz.

Fico aqui imaginando que força interior maravilhosa Ele teve para vencer a mágoa e o desapontamento que aquela gente lhe causava. Isto para um espírito superior com Ele deve doer mais profundamente que as dores dos flagelos físicos.

Eu, que nada sou perto Dele, não consigo administrar essas desditas, fico impulsionado para dar a esses tipos de pessoas o devido corretivo, numa punição fria e calculista. Então, realmente Ele, Jesus, é e sempre será o maior de todos!

Não levantou um dedo contra ninguém, nem sequer emitiu um pensamento vingativo o que poderia ter feito como qualquer ser humano, mas ao contrário, acendeu-se mais interior e exteriormente, formando em torno de si uma aura protetora, um campo-de-força poderosíssimo que fez com que as ondas de choque negativas retornassem a quem as produzia, e ainda agora, quase dois mil anos depois, e após dezenas e milhares de reencarnações daquela turba, ainda retorna à ela em forma de doenças, as mais atrozes, fazendo a devida drenação purificadora das toxinas de seus espíritos.

Jesus, não agrediu ninguém, mas não pode interromper a colheita obrigatória do que foi plantado pelas mentes belicosas e insidiosas da época..

Portanto, com o sacrifício Dele, formou-se no Astral e na Crosta terrestre uma espécie de gigantesco espelho global kármico, dentro do qual o planeta Terra gira como uma *esfera concêntrica, que faz refletir e retornar sobre todos os seres e coisas os reflexos dos raios mentais e das ações negativas ou positivas de todos que produzem, e como este planeta é um vale de lágrimas – dito pelo próprio Mestre – os reflexos que retornam desse espelho são distúrbios, desarmonias, dores, aflições doenças novas e arrasadoras, catástrofes, hecatombes e episódios negativos inusitados, havendo pouquíssimos reflexos positivos.

Por isso, volto a frisar que quem quiser conseguir viver razoavelmente equilibrado neste planeta desequilibrado, deve viver “nem tanto ao Espírito e nem tanto à Matéria”, falo em nome da “racionalidade vivencial”, pois só esta poderá levar o ser humano a atingir algumas metas até o final do ciclo planetário que se aproxima celebre.

E, sabendo como sei que nada sou para julgar os atos de quem quer que seja, muito menos de um Jesus, que considero Meu Abençoado Mestre; apesar de saber também que vivi naqueles momentos e fui um dos narradores bíblicos que teve a oportunidade e a Graça de ter entrevistado pessoalmente a Maria-mãe de Jesus, acho que se Jesus assim tivesse tentado agir, ou seja, como se diz muito hoje em dia, tivesse Ele atraído contra si o ódio, o despeito, o ciúme daquelas mentes pervertidas, talvez Ele conseguisse “dobrar” aquelas mentes sujas, sórdidas e “domesticá-las”, traze-las para Seu lado e assim invertendo-lhes a polaridade, do negativo para o positivo, das sombras para a luz, da cegueira cultural para a visão clara do saber. Mas, a sabedoria Dele é muito maior que a nossa e com Ele integravam-se as Inteligências Cósmico-Siderais dos Anjos e Arcanjos, dos Senhores Celestiais que guiam os Destinos, ou o karma do planeta Terra e, se tudo aconteceu como aconteceu, é porque assim deveria ser. Seria o Maktub -”assim estava escrito”, dos árabes.

A leva de espíritos negativos e super inteligentes que foram atraídos para a Terra é maior que as forças positivas que por elas zelam, razão pela qual somente os acontecimentos de fim de ciclo fará as acomodações necessárias expurgando para outros orbes afins esses espíritos que deverão recomeçar seu aprendizado através da dor e do sofrimento desde a idade-da-pedra ou antes ainda. Se os milênios que esse novo período durará para eles não for suficiente, haverão novos outros milênios a disposição deles e milhões de outros orbes que os receberão de “braços abertos”, aguardo-lhes o plantio do solo, a semeadura da espiritualidade e do progresso tecnológico. Serão, como estão sendo na Terra, os “colibris” transirrigadores do pólen das flores Divinas, nem que para isso, continuem sendo negativos e belicosos.

Essa é a Lei Maior – a Lei Cósmico-Sideral – formada naturalmente, dentro do Universo pelo Núcleo Central Cósmico Deus!

São Paulo, 18/9/94 às 11:40 h

* Como se fosse uma esfera sólida (Terra) dentro de outra ôca (espelho)
Anúncios

2 comentários sobre “Nem tanto ao Mar nem tanto à Terra. Nem tanto ao Mal, nem tanto ao Bem.

  1. Oi Heitor,

    O ser humano necessita pertencer ao Mundo, ou seja, se ele é terrestre e está vivo, tem que procurar não contrariar a natureza para a qual ele foi feito. Ou seja, O Criador, criou entre todos os reinos, principalmente no reino animal, o masculino e o feminino. E o Mestre acrescentou (se foi ele mesmo quem disse): Crescei-vos e multiplicai-vos, ou seja, esses dois tipos de sexualidade existem para poderem se procriar. Fora disso, seria uma desarmonizaçao da natureza, mas não quer dizer um pecado da natureza, pois ela não peca, ela permite a manifestação e fornece os meios para isso. O ser humano é que deve procurar se adaptar e não causar mais desarmonizações, contudo, nem sempre isso é possível, devido ao grau de atraso ou adiantamento mental e espiritual e sobre tudo social desse ser humano. Logo, se ele não pertecencer a um desses dois sexos, terá que procurar a possível harmonização entre ele e a sociedade e entre ele e ele mesmo. Nunca se esquecendo de que, se hoje ele veio de um jeito, amanhã poderá vir do jeito justamente ao contrário do que ele é hoje, e o que ele plantou vai colher irremediavelmente. Portanto, ninguem é ninguém para julgar alguém! Tem-se que tentar ajudar no que for possivel para sua adaptação ou readapatação na vida.

    Abraços,
    DYezzi::.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s