Meditações Para o Terceiro Milênio – Psicoscopia

Hoje, excepcionalmente vou abrir espaço nesta coluna para um texto da maior importância e significação, escrito pelo amadíssimo amigo e milenar irmão no ano de 1965, irmão esse que atualmente tem a sua estrutura energética atômica humanizada e humanizada em “habitat” na forma física do preclaríssimo Dr. Domingos Yezzi, residente na capital de São Paulo onde também atua como primeiro violinista de orquestras sinfônicas. Fala sobre temas do mundo do futuro, como o psicoscópo e mentografia. Este é o oitavo artigo de uma serie que ao seu término estará formando excelente apostila sem nada custar ao leitor – aluno a não ser a aquisição do seu exemplar de O Estado de Goiás na banca da sua preferência na capital ou no interior. Eis abaixo e em próxima edição o texto a que me refiro: PSICOSCOPIA.

“Psicoscopia”: Termo criado por mim em função de um aparelho denominado psicoscópio, existente apenas no campo astral (espiritual), descrito pelo espírito de André Luiz, através do médium Francisco Cândido Xavier, em seu livro “Mecanismos da Mediunidade”. Tal aparelho astral, conforme André Luiz, é utilizado pelas entidades médicas para exames psicofísicos de pessoas vivas, sãs ou doentes, às quais, por qualquer motivo, seja de cunho médico ou de estudos analíticos espirituais, tenham que ser submetidas a um exame minucioso, abrangendo todo comportamento celular do perispírito. Desta forma, todo o conjunto psicossomático de um indivíduo, fica exposto em todos os seus pormenores, quando submetido a um exame através do psicoscópio, ou seja, pela psicoscopia.

Ainda conforme descrição de André Luiz, o exame é feito da seguinte maneira: As entidades médicas espirituais, ao visitarem um lar com intenções de submeterem uma pessoa a tal exame, ligam o psicoscópio astral na tomada de energia sutil ou quintescenciada, da qual, se utilizará para funcionar. As entidades colocam o aparelho sobre o corpo da pessoa que se acende totalmente pondo à mostra todos os músculos, glândulas, veias, todos os órgãos internos enfim o corpo humano e toda sua constituição, até o cérebro, abrangendo o corpo astral, que é o perispírito todos os seus órgãos paralelos são expostos em segundos, como se fossem submetidos a um exame radiográfico, com uma diferença, que na psicoscopia, as entidades podem acompanhar ‘in loco” todo o movimento celular e dos organismos de defesa (anticorpos) e bem como, dos agentes causadores das possíveis anomalias e desequilíbrios psicossomáticos do paciente. Podem diagnosticar as causas, mesmo sendo estas de origem perispirituais do passado ou do presente emocionais ou físicas. assim, com esse maravilhoso aparelho, as entidades podem medicar interferindo magneticamente através de induções várias, corrigir os “circuitos” perispirituais e obtendo assim a correspondente regeneração das células físicas. Podem as entidades através de médiuns curadores indicarem o tratamento adequado se assim for necessário.

Baseado nessas possibilidades e propriedades desse aparelho, que eu, pessoalmente acredito existir no campo astral, e que futuramente poderá vir a existir no campo físico dependendo de uma séria pesquisa dos “experts” em eletrônica e em cibernética e bem como, se possível de um entrosamento intuitivo ou indutivo entre eles e os “experts” inventores do aparelho no campo espiritual, e aqui fica a minha sugestão.

Escrevi este trabalho, extraindo excertos da publicação de André Luiz , sem contudo, copiar “ipses literis” o que ele divulgou, servindo apenas da essência do conteúdo daquele trabalho para composição destas minhas idéias, as quais foram vertidas para o papel na tentativa de “ radiografar psicoscopicamente” o organismo ou o conjunto físico espiritual humano no seu viver quotidiano e que passa por mil e uma situações e induções quer vindas do próprio campo ou espaço físico, quer vindas do campo astral ou espaço espiritual.

Mais atualmente, no campo no qual me especializei, através de extenuantes pesquisas vivenciais de mais de 30 anos, que é o campo cósmico ou Extra-terrestre, em contato com seres vivos de outros planetas, os quais queiram ou não os chamados céticos, atuam direta ou indiretamente sobre o comportamento do ser humano da Terra quer se situe este ser humano no espaço físico ou no espaço espiritual.

Atualmente na Terra, o homem vive buscando os aperfeiçoamentos médico-ciêntíficos que lhe permitam maior longevidade ou, pelo menos lhe assegurem órgãos físicos mais perfeitos que permitam a ele viver a sua irremediável velhice com maior lucidez e menos dificuldade. No curso das atuais doações de órgãos, implantes e transplantes que são feitos ainda com grandes riscos, tanto para os doadores e mais ainda para os receptores.

Os problemas das rejeições nos receptores, já é sobejamente conhecido através dos noticiários médicos e pelos órgãos de comunicação em geral. Por isso vou ater-me aos problemas dos doadores, mais propriamente daqueles que doam seus órgãos ainda em vida para que os mesmos sejam extraídos após a sua morte. E, é aqui que começam os problemas ou dilemas pois nem sempre há tempo suficiente para a espera da confirmação da morte física ou morte clínica para que um órgão seja extraído a tempo de não se deteriorar. Ocorrendo vez por outra grandes falhas daqueles que tem sob sua responsabilidade o dever de atestar a morte, tornando um grave problema das confirmações da morte física ou morte clínica como é denominada.

Não só para aquelas pessoas que são doadoras de órgãos e sua morte, tenha ocorrido naturalmente ou acidentalmente, mas principalmente para aquelas pessoas doadoras ou não que são portadoras de doenças nervosas ou psíquicas e que permanecem durante um bom lapso de tempo em estado de vida vegetativa, em estado de catalepsia, confundindo os médicos que atestam sua morte prematuramente sem que a mesma tenha realmente ocorrido provocando assim as dezenas ou centenas de casos de enterramento de pessoas ainda vivas ou a extirpação de seus órgãos doados com seu físico ainda vivo. Além do que entrando agora na casuística eminentemente espiritual, teríamos os problemas dos espíritos arraigados, ou melhor, imantados à matéria e que não conseguem se desprender do corpo inerte, durante um bom tempo após a morte real deste. São presas através de suas próprias produções mentais negativas formam poderosos fios magnéticos que as permite sentir todas as sensações de uma pessoa viva. Consequentemente, se forem doadoras teriam que ser ajudadas em seu desligamento para que seus órgãos doados, fossem extirpados convenientemente, isentos então de qualquer vibração negativa que o espírito em desespero descarregaria sobre ele.

O psicoscópio se inventado entre nos, poderia detectar através de profunda análise que proporcionaria ao chegar as radiações auricas emitidas pelo corpo ainda vivo ou pelo espírito ainda preso ao cadáver. A tonalidade das cores, as reações mais íntimas físicas, mentais e espirituais indicariam com precisão, se o espírito já estaria ou não desligado ou em vias de se desligar do corpo, e, em caso de premente necessidade ajudaria ou facilitaria seu desligamento, permitindo assim, que a junta médica pudesse extrair a tempo os órgãos a serem doados. E ainda conforme as cores emitidas e as demais reações constatadas e mais, tudo aquilo que se pudesse enxergar através da transparência e luminosidade que o psicoscópio provocaria no corpo, seria esquadrinhado, dando visão total da situação pré e pós mortem. Há o problema da voltagem!

Mas, o cérebro espiritual emissor (mentor), gradua o pensamento e a expressão, de acordo com a capacidade do cérebro humano receptor e do ambiente que o cerca, ajustando-se-lhes às possibilidades, tanto quanto o técnico de eletricidade controla a projeção de energia, segundo a rede dos elementos receptivos.

Cada elemento recebe de conformidade com a estrutura que lhe é própria.

A lâmpada em cujo bojo se faz luz, arroja-se de si mesmos os fotônios, que são elementos vivos da Natureza, a vibrarem no “espaço físico”, através dos movimentos que lhe são peculiares, e a alma, em cuja intimidade se processa a idéia irradiante, lança fora de si os princípios espirituais, condensados na força ponderável e múltipla do pensamento, princípios esses com que influímos no “espaço mental”. Os mundos atuam uns sobre os outros pelas irradiações que despendem e as almas influenciam-se mutuamente, por intermédio dos agentes mentais que produzem.

Assim como existem valiosas observações alusivas à química da matéria densa, relacionando-lhe as unidades atômicas, o campo da mente oferece largas possibilidades ao estudo de suas combinações. Pensamentos de crueldade, revolta, tristeza, amor, compreensão, esperança ou alegria, além dos centros especiais que governam a cabeça, o rosto, os olhos, os ouvidos, e os membros, em conjunto com os centros da fala, da linguagem, da visão, da audição, da memória, da escrita, do paladar, da deglutição, do tato, do olfato, do registro de calor e frio, da dor, do equilíbrio muscular, da comunhão com os valores internos da mente, da ligação com o mundo exterior, da imaginação, do gosto estético, dos variados estímulos artísticos e tantas outras quantas sejam as aquisições da experiência acumulada pelo ser que conquista a própria individualidade, passo a passo e esforço a esforço, inalterando-a pelo trabalho constante para a sublimação integral, a face de todas as vias de progresso e aprimoramento que o mundo lhe possa oferecer através das inúmeras romagens no seio da matéria ao longo de todo o espaço de tempo que lhe aprouver, já que para a centelha, o tempo não se torna obstáculo.

A onda mental possui determinados coeficientes de força na concentração silenciosa, no verbo exteriorizado ou na palavra escrita, tendo natureza diferenciada, com características e pesos próprios, adensando a alma ou sutilizando-a, além de lhe definirem as qualidades magnéticas.

Somos naturalmente vítimas ou beneficiários de nossas próprias criações, segundo as correntes mentais que projetamos, escravizando-nos a compromissos com a retaguarda de nossas experiências ou libertando-nos para a vanguarda do progresso, conforme nossas deliberações e atividades, em harmonia ou em desarmonia com as leis cósmicas imutáveis.

Temos então, o fenômeno da perfeita assimilação de correntes mentais que preside habitualmente, a quase todos os fatos mediúnicos. Para a clareza de raciocínio comparemos a organização humana, ou seja, o corpo humano e a sua alma, a um aparelho receptor, quais os que conhecemos nos domínios da radiofonia. A emissão mental oriunda do cérebro espiritual (Mentor) condensando-lhe o pensamento, envolve toda a organização psíquica e corpórea, em profusão de raios que lhe alcançam o campo interior, primeiramente pelos poros, que são miríades de antenas às quais essa emissão adquire o aspecto de impressões fracas e indecisas.

Essas impressões apoiam-se nos centros (chakras) do corpo espiritual (perispírito), que funcionam à guisa de condensadores, atingem, de imediato, os cabos do sistema nervoso, a desempenharem o papel de preciosas, bobinas de indução, acumulando-se ai num átimo e reconstituindo-se, automaticamente, no cérebro, onde possuímos centenas de centros motores, semelhante a milagroso teclado de eletroimãs, ligados uns aos outros e em cujos fulcros dinâmicos, se processam as ações e as reações mentais, que determinam vibrações criativas, através do pensamento ou da palavra, considerando-se o encéfalo como poderosa estação emissora e receptora e a boca por valioso alto-falante.

Tais estímulos se expressam ainda pelo mecanismo das mãos e dos pés ou pelas impressões dos sentidos e dos órgãos que trabalham na feição de guindastes e condutores, transformadores e analistas, sob o comando direto da mente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s