O Triângulo das Bermudas

O que vem a ser esse tal “Triângulo das Bermudas”?… E as lendas ou fatos ocorridos lá, têm procedência?, são verdadeiros?, e até onde os Extraterrestres estão implicados neles?

O Triângulo das Bermudas ficou assim chamado porque configura-se em um grande triângulo imaginário que abrange a região entre as ilhas Bermudas e o Continente Americano sobre e sob o oceano Atlântico. Como alguns fatos de desaparecimento de navios, aviões e suas tripulações, ocorrem basicamente naquela região, traçou-se linhas imaginárias sobre os mapas da região que assim passou a ser conhecida.

Como e porque ocorrem esses fenômenos?

Antes de mais nada, devo informar também, e que já é de conhecimento dos estudiosos, de que há outras regiões na Terra com as mesmas características do Triângulo das Bermudas e coincidentemente ou não se situam como num cinturão nos mares em volta da Terra, seguindo as mesmas linhas dos paralelos. É famosa também aquela região no mar do Japão onde ocorreram desaparecimentos de embarcações.

Conforme é de conhecimento do leitor, através de expedições, foram encontrados no fundo do mar na região do Triângulo das Bermudas construções antigas, tais como muros extensos, obeliscos e até uma pirâmide similar a pirâmide de Keops, do Egito, pressupondo-se que lá existiu outrora alguma civilização que foi submersa pelas águas.

Conforme sou informado por seres extraterrestres que também se interessam por conhecer o que ocorre nesses locais, já que conforme eles também me afirmam categoricamente, não terem nada a ver com o que já ocorreu ou vem ocorrendo por lá, no fundo dessas regiões que antes estavam à flor da água, está submerso o grande continente da Atlântida e que aquela civilização era bastante adiantada tecnológica e mentalmente e seus membros, tais como, cientistas, sacerdotes, magos etc., já faziam uso da energia magnética e possuíam naves voadoras denominadas Vimanas e, antes de serem totalmente submersos, seguiram para o Antigo Egito, para a Índia (Vedas), levando consigo principalmente os planos das obras arquitetônicas como as das pirâmides, e inclusive das naves e das energias nelas utilizadas, mas, conforme desígnios superiores, algumas coisas eles tiveram que “deixar de lembrar” e outras não, e muitas usinas produtoras dessas energias ficaram submersas com os continentes da Atlântida, da Lemúria e outros, e algumas delas ainda continuam com atividades residuais, ou seja, semi-desligadas, mas ainda emitindo energia magnética, energia esta, conforme a circunstância, muito mais poderosa que a radiação atômica e mais ainda que a eletricidade.

Os fenômenos nessas regiões não ocorrem diuturnamente mas sim, em alguns momentos do dia, da semana, do mês, ou até do ano, ou seja, são acontecimentos esporádicos o que leva aos extraterrestres suporem que em algum momento haja um sincronismo de sintonia entre as energias que estão em atividades submersas, o polo magnético da Terra, os pólos magnéticos dos planetas do sistema solar, o polo magnético do Sol, o polo magnético central do sistema solar e até com outros pontos catalisadores de energia magnética situados no próprio solo da Terra, tais como as pirâmides do Egito e outros.

A convergência desses pontos todos ou de alguns deles com os pontos submersos dá-se o que denominamos (eu e os Ets) de: Ponto Cinético da Matéria, ou Ponto de Cruzamento, ou Ponto de Convergência energética e, quando isso ocorre, abre-se como um portal magnético entre a fisiosfera (terra) e as psicosferas (campos paralelos astrais mentais-espirituais), e naquele momento tudo o que estiver passando ou parado por ali, no mar, na terra ou no ar, é sugado sem se desintegrar passando como está, na forma que se encontra, para o “outro lado”. E se forem seres vivos deverão estar vendo numa esfera especial ou foram pulverizados e desmaterializados no momento da “passagem” energética.

Para que houvesse o retorno daquelas pessoas que passaram para “o outro lado” por aquela espécie de “buraco negro”, ou “quasars”, ou ainda, “sumidouro”, “portal” etc., se porventura não foram desintegradas em sua matéria, seria necessário que o ponto Cinético da matéria, ou de convergência das energias magnéticas, ocorresse novamente com elas na mesma posição e no mesmo local exato, de quando saíram, como isso normalmente não ocorre, pois o desespero leva as pessoas a se movimentarem como alucinadas a procura do que lhes acorrera e o planeta em seu giro sai daquela posição em consonância com o ponto que provocou a “abertura”, então não há a possibilidade de retorno.

A mente do homem é poderosíssima e, tudo o que ele imaginar ou colocar em suas elucubrações fantasiosas ou de ficção científica, já está registrado nos “registros akashikos” do Universo e bem como seu passado em seu planeta de origem e, no momento que haja a possibilidade tecnológica de ser posto em prática aquilo que sua imaginação criou ou gerou, isto ocorrerá com certeza. É questão apenas de tempo e avanço técnico e mental.

Portanto, o que ocorre na região do Triângulo das Bermudas e outras regiões similares, não é produzido pela mente do homem moderno da Terra, nem por seres extraterrestres mais afoitos ou belicosos como é noticiado, mas, há nesses locais uma espécie de técnica-natural de teleportamento, ou a “máquina-do-tempo natural”, e que o homem vem procurando em suas ilações de ficção científica. O Universo já é composto de várias regiões similares, e os extraterrestres os detectam com suas velocíssimas naves e os evitam, desviando-se deles para não serem tragados!

Somente no Espaço Sideral é que esses locais são contínuos e detectáveis pelos instrumentos das naves, e nas regiões submersas da Terra são esporádicos e não detectáveis, por isso eles tentam analisá-los mergulhando e vasculhando-os com suas naves porém, cautelosamente.

Um exemplo típico do uso técnico do ponto de energia Cinética da matéria, ou ponto de convergência dessa energia, são as lutas marciais orientais, mais especificamente os que fazem karatê.

O uso do karatê como hoje em dia todo mundo sabe, é feito com o emprego da parte lateral da mão. Já muitas vezes mostrado em público, quando o ‘karateca”, o lutador que aplica o karatê, quebra pilhas de tijolos, pilhas de telhas ou outros objetos sólidos e volumosos, que uma pessoa qualquer não conseguiria por não ter o treino, a prática e o conhecimento.

O que ocorre é que ao aplicar o golpe apenas com a mão que é de carne e osso, o lutador atinge exatamente o ponto de equilíbrio da matéria, que é o ponto Cinético. Ele não pode errar, nem para mais nem para menos, caso contrário, sua mão é que sairá quebrada. Porque nesses pontos de equilíbrio quando atingido se dá exatamente o desequilíbrio das células e moléculas da matéria, e então ela se parte. A de cima quebra, quebrando as demais e a mão nada sofre, nem uma “dorzinha” sequer.

Nesse golpe quanto maior resistência houver por parte do outro a ser atingido, mais vulnerável e mais quebrado ele ficará. Ao passo que quanto menor for a resistência menos efeito o golpe alcançará. Haja vista que um karateca não conseguirá cortar um peixe com um golpe de karatê, porque o peixe não oferece resistência, não é rígido. Outra forma de se atingir o ponto Cinético da matéria e que ocorre muitas vezes com as pessoas é aquele que com apenas uma folha de papel comum pode se fazer um corte no dedo, ou seja, como isso seria possível com uma folha de papel, material delicado, se não fosse atingido o ponto de equilíbrio da matéria? Com essa mesma folha de papel pode se cortar a veia jugular de um indivíduo e causar-lhe um dano físico irreversível. Outros meios são as vibrações sonoras que podem estilhaçar cristais e outros objetos.

Já fiz um teste com meu violino. Tocando a corda Mi (a mais aguda) numa nota hiper aguda também e, apontando-o para uma teia de aranha na qual a aranha se encontrava próxima ao seu casulo, vi-a cair morta ao chão após eu ter iniciado a vibração. Não sei se as aranhas ouvem os sons, só sei que aquela caiu, despencou de sua teia que se localizava no canto do teto da sala de visitas de minha casa de Ribeirão Pires, há três metros do solo, como se tivesse sido atingida por um raio. Se não foi o som, foi a vibração.

O que me levou a fazer esse teste? Foi por acaso, quando ensaiava o violino em casa notei que quando eu passava por uma determinada nota aguda a aranha se balançava na beira da teia e seguiu para próximo de seu casulo aí então percebi que poderia atingi-la.

O uso do raio “laser” que pode ser regulado para desintegrar pontos de obstrução nas artérias. Não é só o poder da “luz concentrada” mas sim porque é atingido o ponto de equilíbrio, caso contrário, esses locais de obstrução não se desfazem, podendo até acarretar danos na matéria etc., etc.

Outro artefato que pode ser comparado com os fenômenos do Triângulo das Bermudas e locais similares e nos dá uma pálida idéia do que lá ocorre, são as famosas máquinas-caça-níqueis americanas. Quando o jogador consegue atingir ou emparelhar todas as figuras iguais, o ponto é atingido mecanicamente e a máquina se abre deixando cair todas as moedas que contém em seu interior. Enquanto as figuras não se emparelham o “portal” não se abre para o jogador.

No Triângulo das Bermudas, os navios passam com suas tripulações, aviões em esquadrilha. As bússolas de vôo se descontrolam, primeiro sinal da energia magnética se reativando e de repente o piloto não sabe mais onde se encontra, seus companheiros dos outros aviões também falam sozinhos… estão adentrando o “portal para o outro lado’ e tudo se fecha por traz deles desaparecem o mar, os locais de referência e nenhum contato mais com a base… passaram.

Ocorreram casos onde foram encontrados navios com tudo preparado para um almoço ou jantar geral a bordo. Mesa posta, talheres e pratos impecavelmente arrumados, tudo pronto e em seus devidos lugares, porém…, onde estão a tripulação e os passageiros? Sumiram!, simplesmente evaporaram em pleno alto mar, no meio do triângulo. Nada foi tocado. Nenhum vestígio de qualquer tipo de violência. E então o que ocorreu? Como se explica o ocorrido?

Explica-se da seguinte forma: O navio se aproximava do local que naquele momento ia se dar o ponto Cinético ou convergência das energias magnéticas, mas a vibração foi rápida suficiente para dar tempo de passar apenas a tripulação e os passageiros que foram “tragados”, não dando tempo de atingir o navio. Talvez pela polaridade e pensamento dos físicos e das mentes da equipagem. Enfim, passaram para o lado de lá, somente as pessoas e o navio não. Outros casos houve em que desapareceram navio e tripulação e nunca mais foram encontrados!

Os extraterrestres nada têm a ver com os acontecimentos do Triângulo das Bermudas e outras regiões parecidas. Alguns extraterrestres de fora do nosso sistema solar estão implicados em mutilação de animais, queimaduras de pessoas, black-out de cidades como Nova York, São Paulo, rapto de aviões, investida sobre automóveis e casos congêneres, os quais serão fruto de uma explicação especial futuramente.

Há também extraterrestres que caíram com suas naves intactas em solo terrestre e perderam muitas vidas, outros cujas naves explodiram em pleno ar terrestre. Mas para todos esses casos há uma explicação dada por eles mesmos.