O Espírito do Natal

24/12/95 às 18h

Um forte ruído batendo na parede de meu quarto e ricocheteando no chão, chama-me a atenção para informar-me que os extraterrestres estão conosco. Este é o sinal típico da onda magnética emitida pela aparelhagem de Glonk, do planeta Plutão. É um ruído intrigante e até assustador se quem o ouve, não esta acostumado a ele. Conforme informou-me Glonk das outras vezes, ele não poderia aumentar a intensidade dessa onda e nem focaliza-la sobre as matas ou diretamente sobre as pessoas pois poderia queima-las. Ele o faz com fraca intensidade diretamente de Plutão de dentro de um sistema de aparelhagem complicado para nós, pelo qual ele observava-me, ouve-me a voz e o meu pensamento, e assim pode dirigir a onda sobre a parede ou sob o teto dos cômodos da casa, sem atingir-me diretamente ou atingir qualquer outra pessoa ou animal que estiver por perto. Toma ele o cuidado também de não atingir qualquer aparelho elétrico eletrônico para não danifica-los irremediavelmente.

Hoje é véspera de Natal, domingo, acabei de sair de uma crise de desespero, chorando alto e blasfemando após ter ido fazer a limpeza de higiene intima e fisiológica de minha Querida Esposa, a qual, alheia a tudo o que eu me lamentava e chorava por ver todos os lençóis sujos de fezes e de medicamentos pediu-me para ligar a televisão e desligar logo em seguida e assim um moto-contínuo desesperador. E eu fora de mim, sentindo-me só e abandonado, enquanto a vizinhança com seus burburinhos característicos da alegria reinante prepara-se para as festividades da ceia noturna de natal de hoje a noite.

Quanto disparate, quanta descompensação juntas. Enquanto um ri o outro chora! Enquanto um festeja de alegria outro grita de dor! Dor na alma, dor moral, dor da humilhação, dor sem dor; é a dor da dor!

Estou sozinho com ela, minha querida filha e genro, estão em sua casa ou na casa dos parentes dele preparando-se para as festas. Com muita justiça e merecimento, pois agora é o tempo deles; eu já tive o meu. Aproveitei o que pude dentro da minha parca possibilidade. Nada reclama do Criador! Pois sou grato a Ele por tudo o que tenho recebido, pois é também o que mereço.

O que lamento é ver e sentir que uma maravilhosa criatura como minha querida tenha que passar por isso, tenha que se sacrificar para a elevação de outros e de nós próprios. Este espirito, que não viu Jesus nascer, mas viu-o morrer, esteve ao lado Dele o tempo todo.

Conforme um pesquisador, esta data de 25 de dezembro, foi estipulada pelo evangelista Lucas após ter ele próprio pesquisado e conversado com Maria e tê-la pintado em quadro, o qual, se encontra hoje na Iugoslávia ou Checoslováquia.

Nos dias que antecedem esta data e nesta própria data, a humanidade terrestre fica acometida de um sentimento de bondade, compreensão, amor e caridade, o que não ocorre durante os outros meses do ano, pois o Espirito do Natal paira no ar do globo terrestre, em todos os quadrantes, e assim disseminando o amor infantil puro, ingênuo sem preconceitos de raça ou de religião, de política ou guerra. O espirito maravilhoso de Jesus conseguiu tudo isso apenas com a sua lembrança, com a sua presença.

Os dias que antecederam ao seu nascimento, ao contrario de hoje em dia, foi o terror para muita gente, principalmente para os varões que nasceriam na época e que tiveram suas cabeças cortadas a mando do impiedoso Herodes, que temia o que chamavam de o rei dos judeus que nasceria em breve e poderia tomar o lugar daquele potentado ignóbil e ignorante pagão!

O Espirito do Natal também pairava no ar na época, de forma contrastante e os pais daqueles inocentes ou pseudo-inocentes levando-se em conta a Lei do Karma, pela qual nada ocorre por acaso, viviam momentos de terror, de dor e angustia pela perda de seus primogênitos. E o Espirito do Natal pairava no ar. Assim como hoje, quando milhares de inocentes morrem de fome pelo mundo todo, enquanto outros tem a sua mesa farta, para logo em seguida jogarem grande parte no lixo num tremendo descaso para com o resto da humanidade sofrida.

Jesus, um Espirito Higienizador, desde quando pisou neste planeta Terra pela primeira vez, há 50.000 anos atras no continente hoje submerso da Atlântida, veio para higienizar a aura deste planeta e de sua humanidade da época e futura pois, o planeta fora escolhido pelos Engenheiros Siderais para expurgo e correções morais e espirituais karmáticas de civilizações que para cá viriam para receber seu aprendizado cósmico – sideral afim de reassumirem seu patamar evoluído já adquirido em seus orbes de origem, mas, que por revolta e resistência haviam perdido e decaído por milênios. Assim que Ele surgiu começaram a vir a tona as mazelas humanas dos habitantes da época até a submersão total da Atlântida.

Como já me referi em oportunidades várias em Vênus, planeta de sua origem, onde sua civilização já na época bastante evoluída ligada as coisas da mentalização e onde Ele ocupava a posição do líder geral, chamava-se Cristi-i-en, na Atlântida chamou-se Antúlio de Maha-ethel que na linguagem do povo atlante quer dizer: Antulio da Vênus Platinada, e após muitas reencarnações em vários pontos do planeta sempre exercendo a função higienizadora, moral espiritual e filosófica, veio nascer há dois mil anos atras como Jesus Cristo ou Jesus de Nazaré, de lá para cá deu-se então a sua missão higienizadora final, de fim de ciclo, pela qual, afloraram todas as mazelas humanas acumuladas durante milhares de séculos atras e assim, vem ocorrendo até hoje, quando Ele se encontra no Espaço como Regente Espiritual Maior do planeta Terra, planeta este que Ele adotara para si.

Antes, milhares de anos antes de Seu nascimento iniciaram-se as degladiações filosóficas e o assentamento dos códigos morais e religiosos para unificação das massas, primeiramente de cunho patriarcal, mais tarde com grandes avatares como o faraó Akhenaton, Moisés, Confúcio, Buda, Zaratrusta e profetas gloriosos, vieram as leis morais e as previsões de Sua vinda, e mais degladiações e disputas entre os poderosos da época. Mas mesmo com toda aquelas previsões e ações funestas não conseguiram impedir o Seu nascimento que foi acompanhado pelos Mentores de seu planeta e por uma nave daquele planeta (a Estrela de Belém) que volitava lentamente sobre a região onde Ele nasceria higienizando magneticamente o astral protegendo-o de qualquer atitude intempestiva de seus surdos e ocultos milenares inimigos.

Ele assim nasceu, e brilhou desde pequenino, e Sua aura poderosa higienizava tudo a grandes distancias, de onde Ele humildemente se encontrava. Do cosmo os Engenheiros Siderais que com Ele planejaram Sua missão renovadora, tudo assistiam e o protegiam também.

Ele conseguiu, através de suas parábolas e sermões contagiantes arregimentar multidões, que o seguiram e o adoraram até a Sua morte na Cruz. Após Sua morte, novas degladiações recrudesceram e milhares de seus seguidores, denominados cristãos foram sacrificados. Adeptos se formaram em torno de Seu nome. Religiões e legiões de fanáticos apareceram para novamente se digladiarem entre si em nome Dele. Cruzadas fratricidas e “guerras santas” foram realizadas em nome de Cristo, como desculpas para os déspotas religiosos estarem de posse da poder da Igreja, poder esse carregava para essa mesma igreja toneladas de ouro, tesouros e propriedades de valor incalculável e que granjeavam mais poderes aos seus lideres, os quais até hoje exercem esses poderes ficticiamente em nome de Jesus, e no natal, em nome de Jesus Menino.

Em contra partida, novos avatares vieram surgindo cheios de boas intenções e que conseguiram pouco a pouco firmarem as bases sólidas do cristianismo e de uma filosofia de vida voltada a espiritualidade. Grandes compositores compuseram livros e louvores em nome de Jesus. Musicas sacras e as tais chamadas profanas porque não eram compostas por membros da Igreja ou porque pertencessem a outras facções religiosas como as de um Bach, foram compostas para Jesus e por Jesus, com um único propósito de engrandecer o Seu nome e levar a meditação seus seguidores e não seguidores.

Portanto, o Espirito do Natal veio seguindo todos os acontecimentos na Terra, os acontecimentos bons e maus . O espirito do Natal sempre pairou no ar, sempre higienizando o astral, as mentes, os sentimentos, e se fazer presente as pessoas e as situações que cercam o ser humano da Terra. Fazendo convergir para os crédulos e incrédulos as energias restauradoras superiores, mesmo que estas durem apenas alguns dias por ano. É como uma injeção de esperança, renascimento do ser superior que existe dentro de cada um de nós.

O Menino Jesus que hoje nasceria há 1995 anos atras e que seria o Mestre dos Mestres anos mais tarde, veio para mudar para melhor o ser humano e se não conseguiu, na sua totalidade, fez com que milhares sentissem a existência do Reino de Deus e procurassem a sua elevação espiritual.

No dia de Natal, infelizmente o que menos é lembrado é o aniversário de Jesus! O que ocorre é uma espécie de síndrome pantagruélica e síndrome da compra e venda, mas, se isso faz com que a humanidade seja mais unida, menos beligerante, menos maldosa, menos egoísta, que assim seja! Em nome do nosso Líder Espiritual Maior e do planeta Terra, juntamente com outros grandes lideres espirituais tais como : Maomé, Khrishna Murti, Buda, Confúcio, Jeová e outros.

Que o Espirito do Natal paire sempre no ar! Mesmo que dentro desta atmosfera espiritual e magnética eu sofra como hoje estou sofrendo por amor a uma criatura maravilhosa que Deus pois no meu caminho e que se tornou minha esposa.

S . Paulo, 25/12/95 às 00.37 h

Anúncios