A Casuística dos Discos Voadores

Há muitos anos dedico-me de corpo e alma a minha missão de “contato”. Vim fazendo minha formação sócio-econômica, na qual entraram as formações escolares, música e outras tantas atividades, dentre elas a parapsicologia, o mediunismo e a escrever tudo, desde meus oito anos quando apenas “garranchava”, mesmo assim escrevia tudo isso, paralelamente, de um assunto ao outro e os Extraterrestres e a Minha Saudosa Conceição, que foi um deles reencarnado, me ajudaram quase 100% (cento) em tudo. Sem ela e sem eles eu não chegaria até aqui. Tendo me defrontado com muitas crises financeiras, pessoais, crises emocionais e outras, porém, nunca abandonei minha opção que sempre foi levar o conhecimento às grandes massas. O momento se aproxima célere, o tempo urge, e este meu livro, com certeza dará um novo alento, uma nova luz a esses “tidos como mistérios do século:” os discos voadores”.

Portanto, ao passar desses anos todos,  procurei manter-me incógnito, mas com uma vontade louca de falar, porém, sendo aconselhado pelos Meus Mentores Extraterrestres, que no dizer deles não era chegada a hora e eu não me achava maduro. Então, fui me pondo a par de vários acontecimentos funestos entre os terráqueos e extraterrestres e vice-versa, mas vim aprendendo com eles o porquê disso ocorrer. E, agora encontro mais do que nunca as explicações para esses fatos.

Desde os primórdios da Terra que a humanidade trava lutas fratricidas em busca da sobrevivência e entra século, sai século, ao invés de se buscar meios mais avançados e mais amistosos para facilitar e aumentar essa sobrevivência, o homem sempre preferiu tirar, roubar do outro o que este outro conseguira ter de melhor. E isto só ocorria através dessas guerras e para mostrar sua força, seu domínio aperfeiçoou cada vez mais o aparato de guerra. Isto foi incutindo entre um e outro, ou seja entre o perdedor e o vitorioso, o pavor de uma invasão de seus domínios e o pavor de ser subjugado. Haja vista, no decorrer desses milênios quantos conquistadores vieram surgindo, massacrando povos, comunidades inteiras e após sendo vencidos ou irem desaparecendo no tempo para surgimento de outros tipos e outras medidas já agora políticas e econômicas para domínio de um povo ou de um país, ou de vários países ao mesmo tempo.

Grandes e mortíferas armas foram inventadas, exterminadoras, já há mais de 10 ou 15 mil anos atras entre os Vedas, povo que antecedeu a raça hindu. De lá para cá, a guerra e o pavor de uma invasão traumatizou a raça humana. E o homem até hoje teme o desconhecido e ao invés de procurar aprender e procurar saber antes do que se trata  prefere atacar e se possível matar antes e depois perguntar.

O seres extraterrestres, ou seja, os seres vivos que habitam outros planetas dentro de nosso sistema solar e fora dele, vêm incurssionando sobre a Terra há milhares de anos e vêm pesquisando, analisando de forma discreta e algumas vezes até mais assustadoramente o nosso “modus vivendis”, sempre sabedores que o terráqueo é um ser que quanto mais se moderniza mais amedrontado se torna. E, mesmo com reencarnações de seres extraterrestres entre nós, aumentou-se o conhecimento das ciências e filosofias mas aprimorou-se também as armas de exterminação. Quando não bélicas, utiliza-se a arma política a econômica obrigando este e ou aquele povo viver em dependência do outro, sendo a inofensiva caneta uma das maiores armas indiretas, porém também arrasadoras que os governantes de países mais potencialmente  poderosos tem facilmente à mão.

A vinda de Espíritos Extraterrestres entre nós aumentou o grau de pesquisa e de conhecimento na face da Terra, mas ao adentrarem a este sistema de vida pernicioso e traumatizante e dentro de um físico terrestre passou a ser um deles e como tal passou também a defender-se de tudo e ser mais destemido ainda, já que possui dentro de si maior discernimento e um grau de vivência espiritual maior, piorando ainda mais as coisas pois agora as lutas se travam entre inteligências a mais potentes.

Surgiram então cérebros preconizadores e super inventivos entrando pela ficção e se aproveitando do clima astral existente entre as nações aperfeiçoaram sua técnica na eletrônica, nas imagens e através de filmes sempre acentuando esse lado das invasões e do pavor do desconhecido, fomentam as invasões dos extraterrestres sempre com intenção belicosas, nunca amistosas.

Porém, esquecendo-se que se realmente esses seres que eles imaginam em seus livros e em suas telas tivessem mesmo essas intenções, há muito tempo atras já teriam dominado a Terra, já pela raiz, ao invés de colocarem aqui prepostos espirituais a fim de ensinar o terrestre o caminho da evolução espiritual e não o da conquista efêmera como ocorrera com os Atilas, Gengis-kãs da vida.

Por conseguinte, após o “advento oficial” dos discos voadores no tempo da 2º grande guerra e em 1948 quando esses aparelhos foram batizados de “UFOs” – Objetos Voadores Não Identificados” surgiram então os industriais das inovações extraterrestres, piorando mais ainda o trauma já existente e mais ainda ao serem encontrados vestígios de queda de algumas dessas naves em território americano e suas tripulações carbonizadas. Ai então foi mais um prato cheio para tais industriais terem como desenhar e dar vida aos biótipos de um ser extraterrestre e assim explorarem essa rica veia que hoje rende milhões de dólares aos seus produtores. Produtores esses, muitos dos quais tentam levantar a ponta do véu dos possíveis segredos existentes entre os seus governos e a massa em geral. Criou-se então os dois lados, ou as facções pró e contra a existência desses seres e a massa sedenta e ao mesmo tempo intrigada com essa polêmica e seu natural pavor do desconhecido assiste emocionada o desenrolar dos acontecimentos sempre sem saber o que realmente existe de verdade nisso tudo.

Criou-se então três facções principais a facção paga com verbas astronômicas para desmentir e provar que os discos voadores não existem e alegam como objetivo final a pretensa “defesa nacional”. E é claro que entre as grandes potências a defesa nacional deve sempre estar em primeiro lugar para reprimir qualquer tipo de invasão, por mar, pela terra e pelo ar. Só que eles se esqueceram que há outro tipo de invasão que é mais perigosa, lenta e mais progressiva, a invasão pela mente, desta nos ocuparemos mais adiante. A outra facção é aquela que também reúne outra verba astronômica para provar que os discos voadores existem, contudo, não saiba explicar suas procedências e intenções. E a outra facção é a da massa da população em geral que paga ou gasta verbas igualmente astronômicas para assistir essa contenda e se divertir com as ilusões técnico-visuais que lhe são mostradas cada vez mais requintadas devido ao aperfeiçoamento técnico como são produzidos. Na verdade, existe uma 4º facção, mais sorrateira e talvez até bem intencionada que é a facção dos que importa é a geração das  imensas fortunas oriundas dessas produções que esses litígios, curiosidades e traumas coletivos resultam.

Como se pode notar, o ser terrestre vive da falha dos incautos que no fundo é ele próprio, explorando a si mesmo.

E onde verdadeiramente se situam os extraterrestres, o que pensam e o que esperam desse ser humano?

Agora aquele tipo de invasão mental explicado no capítulo sobre os “Vórtices Energéticos da Terra”  e que é praticada por prepostos extraterrestres infiltrados entre a massa e que promovem o “contato” com seus ‘postos avançados”, os quais podem se situar no interior de seus planetas de origem distantes, no interior de cavernas, ou nas grandes florestas ou ainda dentro de gabinetes, disfarçados, nas grandes ou pequenas cidades, e ainda, o que é ,mais facilitado, no Astral inferior da Terra e entre os cultores da magia negra que são manipulados para atingirem as fraquezas humanas, não se dando conta disso, pensando que estão tirando proveito próprio do caos psíquicos que geram entre os incautos.

Os seres Extraterrestres em sua grande parte buscam o equilíbrio mental e a harmonização e trazer ensinamentos para aumentar o nível de progresso na Terra. Por isso e por tudo que já mencionei anteriormente, agem com cautela e procuram não levar pânico entre os terrestres. Pesquisam e aterrissam em locais ermos, para evitarem causar distúrbios interrupções nos centros e usinas produtoras de energia, produtos químicos altamente tóxicos que se em seus armazenamentos se rompessem causariam grandes estragos e mortes na Terra e eles seriam considerados, aí sim, seriam os Ets  os culpados e responsáveis por esses atos irracionais.

Portanto, alguns acontecimentos funestos havidos entre seres terrestres e extraterrestres, ou entre naves e aviões terrestres em raras exceções que poderei explicar mais adiante, ocorreram por descuido, por acidente, ou pela alta inteligência acompanhada de um grande grau de ingenuidade por parte de tripulações jovens de extraterrestres, que como eu digo sempre, quanto mais inteligente fisicamente for o ser, seja ele extraterrestre ou terrestre parece se tornar mais ingênuo, desprovido de malícia ou perspicácia, e é então que ocorreu acontecimentos que no pensar do homem da Terra são sempre provocados por seres extraterrestres invasores e com más intenções.

Há casos já conhecidos na literatura dos pesquisadores da ufologia, dos quais tomei conhecimento, inteirando-me desses fatos narrados no  ponto de vista dos terráqueos. Levei ao conhecimento dos Extraterrestres com os quais eu e minha saudosa esposa mantivemos contato e entre os quais alguns participaram diretamente.

É claro que não pude tomar conhecimento de todos, nem seria possível, mas, uns dois ou três que talvez possam levar ao leitor o conhecimento e a análise do que realmente aconteceu.

Um dos mais conhecidos foi o caso do Capitão Mantell acorrido nos Estados Unidos da América. Não vou narrar aqui “ipsis literis” o que a literatura ufológica já o fez, e o leitor poderá recorrer a ela, mas sim ao conteúdo que é ao meu ver, mais importante:

Uma esquadrilha de cinco aviões a jato F-80, os primeiros jatos da época no final dos anos 40, fazia seu vôo rotineiro de treinamento quando um objeto brilhante de formato discoidal foi avistado acima de onde eles se encontravam. Iniciaram a perseguição após terem comunicado à torre de controle da base que os avistava e também ao objeto através do radar. O Capitão Mantell que era  o líder, ordenou aos outros quatro que aterrizassem de volta a base e que ele iria perseguir o objeto até uma altitude de 20 mil pés (cerca de mais ou menos 6.500 metros). Se até aquela altitude ele nada conseguisse, retornaria também. Lá embaixo na base aérea todos estavam acompanhando as imagens e a voz do Capitão Mantell. Em dado momento ouviu-se a voz de Mantell dizer mais ou menos isto “- É inacreditável! É imenso! Enquanto os operadores do radar viam as imagens de seu avião se aproximando do objeto voador. Logo em seguida ocorreu a explosão do avião e seus pedaços, como que se ele tivesse se desintegrado, foram encontrados a mais de três quilômetros do local e nenhum vestígio do seu corpo.

Em meados dos anos 1966/1968 mantivemos contato com os seres líderes do governo do planeta Marte que nos informaram o seguinte: “- Realmente houve aquele acidente com uma de nossas naves e uma avião terrestre mas, não houve culpa ou intenção de nossa tripulação em fazer acontecer aquela coisa horrível para nós que nos marcou muito internamente e a tripulação, composta de quatro jovens que beiravam as idades entre 18 e 20 anos no tipo de contagem de tempo que vocês usam, foi punida severamente. Ocorreu que como eram jovens e de certa forma inexperientes e até ingênuos esqueceram que os aparelhos da Terra são feitos de metal, para eles foi uma situação inusitada, inesperada e casual, nunca havia ocorrido aquilo antes com nossas naves e nem com as outras de outros planetas. Os jovens da tripulação avistaram o F-80 de Mantell vindo em sua direção. O que fizeram então pairaram a nave no espaço e disseram entre si “vamos deixa-lo  nos ver já que está tão curioso! Reduziram o potente campo de força da nave ao mínimo necessário para combate das bactérias da atmosfera terrestre,  porém o avião  se aproximava velozmente e em dado momento, por ele ser feito de metal e pelo campo da nave estar reduzido, o avião foi atraído, imantado  de encontro a nave, ao invés de ser desviado ou repelido como eles esperavam. Porém, ao pressentirem o perigo, ligaram o campo de força para tentarem escapar porém, o avião já se encontrava muito próximo e a desintegração foi inevitável. Os jovens ficaram atônitos e havia uma segunda nave muito acima deles e que acompanhava tudo sem nada poder fazer. Essa nave também tinha 4 jovens em sua tripulação.

Podem ter certeza o povo e as autoridades da Terra que os oito foram punidos em plena juventude, com a própria vida, dentro do nosso sistema sócio-judicial, não que os tenhamos condenado à morte, mas, eles próprios sacrificaram-se despojaram-se de todo o seu bem estar e das comodidades que o nosso planeta lhes oferecia, tanto tecnicamente como vivencialmente para se dedicarem de lá para cá a ajudarem o povo terrestre a harmonizar a vida e costumes desde a guerra que aí vocês chamavam de Guerra do Vietnã. Portanto, foi um lamentável acidente que nós marcianos altamente responsáveis, ao contrário do que somos imaginados pelas mentes férteis de alguns terrestres, sofremos e lamentamos profundamente.

Outro famoso acontecimento também ocorrido nos Estados Unidos é aquele que a imprensa divulgou na época e hoje em dia muito explorado pelos ufólogos e pelo cinema, de que uma nave extraterrestre caiu e explodiu em solo americano e foram encontrados vários corpos de humanóides pequeninos e um com vida.

Nada posso dizer no que tange as informações fornecidas pelo governo americano pois não tenho acesso e nunca me interessou ter acesso a elas. O que sei foi através da imprensa. Porém, através dos meus contatos extraterrestres fui informado que na verdade aquela nave era do planeta Mercúrio onde os seres são pequeninos cuja estatura varia entre 90cm, 1.10cm e usam uma espécie de película sobre o globo ocular devido estarem mais próximos das descargas de raios ultravioleta e infravermelho que saem do Sol, mas que eles perderam três naves e não uma só. Também ocorrera um acidente por descuido das tripulações pois um dos princípios de funcionamento ou de propulsão dessas naves é o da energia magnética e sem saber o porque pois os instrumentos das naves nada acusaram, havia interrupções nas linhas magnéticas que passavam ou ainda passam sobre aqueles locais e como os caminhos dessas naves são essas linhas, ao tentarem passar sobre essas interrupções houve um tremendo atrito entre as naves e a atmosfera, tendo uma  das naves explodido e outras duas teres se encandecido internamente como uma lâmpada de gás néon intoxicando e matando a tripulação dando tempo apenas para que o sistema de propulsão se desligasse mas, as naves caíram intactas ao solo tendo em seu interior os corpos carbonizados dos tripulantes. Uma quarta nave veio para recolher os espíritos dos que se pereceram e levá-los de volta a Mercúrio para reencarnarem. O que foi feito das naves eles também não sabem.

Outros acontecimentos muito comuns são os casos dos chamados “abduzidos” que na época eram chamados de “raptados” pelos extraterrestres. Houve um caso divulgado pela imprensa brasileira, na época, de um casal de São Paulo. Ele seria um médico e em viagens de carro pelo interior da Argentina, o casal resolveu descansar dentro do carro num local ermo e no dia seguinte foi encontrado no México e atônitos sem saber como explicar às autoridades mexicanas como foram parar lá dentro do seu carro, tiveram que recorrer a embaixada brasileira naquela nação para poderem sair do país. Não sei dizer até onde é verdade este acontecimento, porém, consultando nossos contatos extraterrestres, eles nos disseram que realmente muitos fatos foram ocorridos e isto se deve a uma espécie de brincadeira sarcástica e ao mesmo tempo insinuante por parte também de algumas tripulações que indiretamente quiseram mostrar às autoridades terrestres que se quisessem ter más intenções poderiam fazer o que quisessem dentro da Terra sem que ninguém pudesse fazer nada para os deter.

Os casos de “abduzidos” que mantiveram relações sexuais com mulheres extraterrestres dentro de suas naves. Também tomei conhecimento através do noticiário, nunca me interessei em conversar com os protagonistas, porém não deixei de comentar os fatos com nossos contatos, e o que me foi explicado foi o seguinte: Esses fatos são verdadeiros e foram praticados por seres de outros sistemas solares cuja população corria o risco da falta de miscigenação racial por haver a falta de cruzamentos com outras raças extraplanetárias ou que estavam em busca da criação de outro biótipo por possuírem uma técnica de engenharia genética altamente evoluída. Desta forma e isentos de dogmas, preconceitos morais ou tabus religiosos saem a busca do sêmen que acham adequado para realizarem suas experiências genéticas e após acompanharem o ser humano “escolhido” durante um bom tempo através de suas aparelhagens precisas, descem com suas naves após uma indução a distância sobre a pessoa e a convidam a ter relações diretas com a fêmea deles que será a matriz, ou portadora daquela semente preciosa para eles.

Depois, lá em seu planeta trabalham para correção do que for necessário sobre os genes, como por exemplo: o ser terráqueo possui intestinos e nós sabemos que muitos extraterrestres são desprovidos desse órgão que, como eles mesmos dizem, nos fazem sermos putrefactos em vida e damos um nome pomposo as bactérias que o compõem, de “flora intestinal” para que elas não se envergonhem e “pulem” fora do nosso organismo e nós morramos. Nestes casos, a engenharia genética deles retira do genes o que se refere aos intestinos e colocam o órgão que eles possuem em seus corpos físicos que é uma espécie de bolsa estomacal, e assim eliminam ou acrescentam, diminuem ou aumentam, outras partes do seus futuros corpos. Desta forma, através desse tipo de “injeção sangüínea” promovem o surgimento de um sangue novo, que dará início a uma nova raça entre eles.

Dá-se também o inverso, ou cruzamentos de homens extraterrestres com mulheres terrestres que são acompanhadas a distância em sua fase de gestação e quando dão a luz o fruto desse cruzamento, esse fruto será um novo ser é levado posteriormente ao planeta deles e lá reiniciar novos cruzamentos e a formação de novas raças, muitos desses “frutos” retornam a Terra posteriormente e aqui agem como emissários ou avatares de novos costumes e novas filosofias de vida.

Portanto, apesar de se utilizarem de meios um tanto não convencionais para os terriolas não haveria outra forma de fazê-lo pois, como eu já disse anteriormente, o ser humano, teme e foge de tudo que desconhece ou tenta exterminar o desconhecido. Assim mesmo, devido a essa psicose que se instalou na mente humana há milhares de anos, o ser “abduzido” retorna da nave cheio de hematomas, e irritações epidérmicas além de ter sua mente parcialmente “apagada” para não entrar em choque traumático que seria pior. Mas mesmo com todos esses cuidados muitos incidentes não foram possíveis de serem evitados pelos Extraterrestres.

Outro caso que tomei conhecimento o que aconteceu com um rapaz na cidade de Pirassununga – Est. de São Paulo. Ele se encontrava no campo, se não me engano na roça, quando viu pousar um objeto brilhante, pequeno com antenas e que estava sobre um tripé escamoteável. Do alto do objeto através de uma abertura que se abria, saltaram como se voassem até o chão duas ou três criaturas, e ele apesar do medo que tomava conta dele, ficou próximo às criaturas que conversavam entre si em forma de guinchados, ruídos esquisitos, que não pareciam vir de seres humanos. Ele incontidamente ofereceu-lhes cigarro. Uma das criaturas pegou o cigarro conversaram entre si novamente com aqueles mesmos ruídos e o jogaram fora sem nada dizer a ele e, incontinente, puxaram uma espécie de arma e emitiram sobre suas pernas um tipo de raio que o paralisou em pé a distância de uns 2 a 4 metros do aparelho e imediatamente foram como que sugados para dentro da nave, da mesma forma como saíram, ou seja pelo ar e como um raio sem fazer qualquer ruído o aparelho subiu e desapareceu. O rapaz ficou imobilizado por um bom tempo e levado ao hospital local constatou-se lesões, vermelhões sob os locais onde os raios incidiram. E tudo ficou por isso mesmo apesar dos exames a que foi submetido nada foi descoberto que provasse a existência daqueles estranhos seres.

Ao perguntarmos diretamente àqueles seres evoluídos que conversaram conosco telepaticamente, eles nos responderam — Viemos de um planeta distante e nada conhecíamos sobre as reações dos terrestres porém, por cautela, para que o rapaz não se aproximasse ao levantarmos vôo pois ele seria desintegrado, preferimos paralisá-lo momentaneamente o que lhe causaria apenas escoriações que em breve desapareceriam. Os terráqueos pensaram logo que nós o atacamos sem que ele não nos tivesse feito alguma coisa. Nada disso, apenas evitamos um mal maior. O que eles queriam? que nós o desintegrássemos com o campo de energia emitida pela nossa nave ao levantar vôo?…

Há os casos verídicos de “abduzidos” que são levados para dentro das naves e lá são colocados minúsculos receptores e transmissores dentro dos seus crânios e depois eles são trazidos de volta para servirem de “intermediários’ entre o mundo deles lá distante e o mundo terrestre. Perguntados os nossos contatos, nos responderam que esse tipo de ação é feita por seres altamente evoluídos tecnicamente mas quase sempre não espiritualizados que se utilizam de meios anormais para obterem informações diretas porém, acabam prejudicando os “sensitivos” por desconhecerem a fragilidade do sistema psicossomático terrestre, por vezes incapazes de se libertarem desses aparelhinhos e terem suas correntes cerebrais alteradas ficando deslocados no meio social em que vivem e tendo, na maior parte das vezes que recorrem a tratamentos psiquiátricos. Realmente nós extraterrestres que não nos utilizamos desses meios também não os aprovamos. Porém. há uma questão um tanto delicada mas que tem que ser levada em conta. É a questão kármica desses tipos de abduzidos que possuem seus Mentores espirituais e que por motivo kármico deixam passar tais atos sobre eles, pois algo deve haver em suas vidas presentes ou passadas que provoca essa abertura áurica e dos plexos e chakras para que permita que seja feita a drenagem de toxinas acumuladas em seus perispíritos e muitas vezes aqueles seres extraterrestres encontram seus afins aqui na Terra, espíritos da mesma origem planetária. É muito delicado opinar-se pró ou contra nestes casos, mas todos os seres do Universo sabem das Leis Cósmicas que os regem, portanto, se contrariarem-nas serão as próximas vítimas nem que se passem milênios.

Há o nosso caso específico que como já narramos no capítulo “Como tudo começou”, viemos sendo acompanhados e assistidos pelos seres extraterrestres desde os nossos oito anos de idade, isto pelo que nos lembramos, pois conforme somos informados nos acompanham há milênios. Em nosso caso especificamente, catalogamos sete tipos de contatos explicados aqui: Mentografia, Telepatia, Desdobramento, Projeção do Duplo-Etérico à Longas Distâncias (Viagens Astrais), Vidência Psicométrica, Incorporação Inter-Vivos, Materialização Inter-Vivos.

Anúncios