Fenômeno paranormal ou espiritual?

Fenômeno paranormal ou espiritual?

Pergunta:

Olá Domingos,

Eu estive conversando com um espírita sobre parapisicologia e ele me falou que a causa dos fenômenos sobrenaturais são causados por espíritos. Eu já afirmei para ele que não, que são causados muitas vezes pelo próprio ser humano. Como separar um fenômeno paranormal de um fenômeno produzido pelos espíritos? Como saber qual é um e qual é outro? Você acha que não podemos radicar e achar que a parapisicologia já explica tudo?

Obrigado,
Ricardo

Resposta:

Oi Ricardo,

Com já expliquei antes, a parapsicologia se rotula de ciência, mas não explica nada fora do seu curto alcance. Os fenômenos espirituais são produzidos por entidades espirituais, que exercem grande influência sobre o ser humano. Essa influência pode ser benigna (positiva) ou maligna (negativa) e é claro que, as entidades sabem como se aproveitar das energias e dos fluídos ectoplasmáticos que rodeiam os seres humanos, dai a parapsicologia achar que tudo o que de sobrenatural for produzido será feito pela mente e cérebro humano, o que é um grande erro!

Abraços.
DYezzi::.

Anúncios

Os ETs que você tem contato se materializam?

Os ETs que você tem contato se materializam?

Pergunta:

Obrigada Domingos, pela resposta

Preciso fazer outra pergunta: Os seres extraterrestres que você mantém contato se materializam? Eles foram fotografados? Estão nos seus livros?

Abraços,
Carmizeth M.

Resposta:

Prezada Carmizeh,

Sim, se materializaram várias vezes, tanto aqui em S. Paulo como em outras cidades onde morei. Mas, nunca tivemos o objetivo de fotografá-los ou desenhá-los, pois eram momentos especialíssimos para nós que, quando nos contatavam, a primeira preocupação de ambas as partes, nossa e deles, era que desse tudo certo, não houvessem falhas que pudessem nos prejudicar. Escreveram mensagens na escrita original deles, com a respectiva tradução para nossa linguagem. Você as encontrará no meu site. Diga-se de passagem que, nós, nos utilizamos de um meio criado por nós que denominamos de “mentografia”, que é a escrita de vivo para vivo, que difere da “psicografia” que é a escrita de mortos para vivos.

Na materialização, eles não fazem uso dos fluídos ectoplasmáticos, que é rejeitado pelos físicos e respectivos campos-de-força (aura magnética) deles, que queima tudo o que for estranho a eles. Uma das condições para quando fazíamos essas recepções, ou materializações, era de que fizéssemos um regime, de um ou dois dias antes, de qualquer substância que eles denominam de tóxicas, como carne, álcool, fumo e finalmente, que ficássemos livres, o que era comum para nós, desse tipo de alimentação, pois havia e há o perigo de todas as vibrações emitidas por eles trazerem de volta contra nós aquilo que estivéssemos expelindo na hora. Portanto, eram momentos seríssimos que vivíamos. Agora não muito mais, pois perdi minha primeira esposa que era, por assim dizer, meu braço direito nessas questões. Agora eles surgem para mim, no meu astral, sem corrermos, ambos os lados, qualquer risco de ficarmos intoxicados em dobro.

Leia meu primeiro livro, onde faço algumas narrações daqueles momentos.

Abraços,
DYezzi::.

Meditações Para o Terceiro Milênio – Psicoscopia

Hoje, excepcionalmente vou abrir espaço nesta coluna para um texto da maior importância e significação, escrito pelo amadíssimo amigo e milenar irmão no ano de 1965, irmão esse que atualmente tem a sua estrutura energética atômica humanizada e humanizada em “habitat” na forma física do preclaríssimo Dr. Domingos Yezzi, residente na capital de São Paulo onde também atua como primeiro violinista de orquestras sinfônicas. Fala sobre temas do mundo do futuro, como o psicoscópo e mentografia. Este é o oitavo artigo de uma serie que ao seu término estará formando excelente apostila sem nada custar ao leitor – aluno a não ser a aquisição do seu exemplar de O Estado de Goiás na banca da sua preferência na capital ou no interior. Eis abaixo e em próxima edição o texto a que me refiro: PSICOSCOPIA.

“Psicoscopia”: Termo criado por mim em função de um aparelho denominado psicoscópio, existente apenas no campo astral (espiritual), descrito pelo espírito de André Luiz, através do médium Francisco Cândido Xavier, em seu livro “Mecanismos da Mediunidade”. Tal aparelho astral, conforme André Luiz, é utilizado pelas entidades médicas para exames psicofísicos de pessoas vivas, sãs ou doentes, às quais, por qualquer motivo, seja de cunho médico ou de estudos analíticos espirituais, tenham que ser submetidas a um exame minucioso, abrangendo todo comportamento celular do perispírito. Desta forma, todo o conjunto psicossomático de um indivíduo, fica exposto em todos os seus pormenores, quando submetido a um exame através do psicoscópio, ou seja, pela psicoscopia.

Ainda conforme descrição de André Luiz, o exame é feito da seguinte maneira: As entidades médicas espirituais, ao visitarem um lar com intenções de submeterem uma pessoa a tal exame, ligam o psicoscópio astral na tomada de energia sutil ou quintescenciada, da qual, se utilizará para funcionar. As entidades colocam o aparelho sobre o corpo da pessoa que se acende totalmente pondo à mostra todos os músculos, glândulas, veias, todos os órgãos internos enfim o corpo humano e toda sua constituição, até o cérebro, abrangendo o corpo astral, que é o perispírito todos os seus órgãos paralelos são expostos em segundos, como se fossem submetidos a um exame radiográfico, com uma diferença, que na psicoscopia, as entidades podem acompanhar ‘in loco” todo o movimento celular e dos organismos de defesa (anticorpos) e bem como, dos agentes causadores das possíveis anomalias e desequilíbrios psicossomáticos do paciente. Podem diagnosticar as causas, mesmo sendo estas de origem perispirituais do passado ou do presente emocionais ou físicas. assim, com esse maravilhoso aparelho, as entidades podem medicar interferindo magneticamente através de induções várias, corrigir os “circuitos” perispirituais e obtendo assim a correspondente regeneração das células físicas. Podem as entidades através de médiuns curadores indicarem o tratamento adequado se assim for necessário.

Baseado nessas possibilidades e propriedades desse aparelho, que eu, pessoalmente acredito existir no campo astral, e que futuramente poderá vir a existir no campo físico dependendo de uma séria pesquisa dos “experts” em eletrônica e em cibernética e bem como, se possível de um entrosamento intuitivo ou indutivo entre eles e os “experts” inventores do aparelho no campo espiritual, e aqui fica a minha sugestão.

Escrevi este trabalho, extraindo excertos da publicação de André Luiz , sem contudo, copiar “ipses literis” o que ele divulgou, servindo apenas da essência do conteúdo daquele trabalho para composição destas minhas idéias, as quais foram vertidas para o papel na tentativa de “ radiografar psicoscopicamente” o organismo ou o conjunto físico espiritual humano no seu viver quotidiano e que passa por mil e uma situações e induções quer vindas do próprio campo ou espaço físico, quer vindas do campo astral ou espaço espiritual.

Mais atualmente, no campo no qual me especializei, através de extenuantes pesquisas vivenciais de mais de 30 anos, que é o campo cósmico ou Extra-terrestre, em contato com seres vivos de outros planetas, os quais queiram ou não os chamados céticos, atuam direta ou indiretamente sobre o comportamento do ser humano da Terra quer se situe este ser humano no espaço físico ou no espaço espiritual.

Atualmente na Terra, o homem vive buscando os aperfeiçoamentos médico-ciêntíficos que lhe permitam maior longevidade ou, pelo menos lhe assegurem órgãos físicos mais perfeitos que permitam a ele viver a sua irremediável velhice com maior lucidez e menos dificuldade. No curso das atuais doações de órgãos, implantes e transplantes que são feitos ainda com grandes riscos, tanto para os doadores e mais ainda para os receptores.

Os problemas das rejeições nos receptores, já é sobejamente conhecido através dos noticiários médicos e pelos órgãos de comunicação em geral. Por isso vou ater-me aos problemas dos doadores, mais propriamente daqueles que doam seus órgãos ainda em vida para que os mesmos sejam extraídos após a sua morte. E, é aqui que começam os problemas ou dilemas pois nem sempre há tempo suficiente para a espera da confirmação da morte física ou morte clínica para que um órgão seja extraído a tempo de não se deteriorar. Ocorrendo vez por outra grandes falhas daqueles que tem sob sua responsabilidade o dever de atestar a morte, tornando um grave problema das confirmações da morte física ou morte clínica como é denominada.

Não só para aquelas pessoas que são doadoras de órgãos e sua morte, tenha ocorrido naturalmente ou acidentalmente, mas principalmente para aquelas pessoas doadoras ou não que são portadoras de doenças nervosas ou psíquicas e que permanecem durante um bom lapso de tempo em estado de vida vegetativa, em estado de catalepsia, confundindo os médicos que atestam sua morte prematuramente sem que a mesma tenha realmente ocorrido provocando assim as dezenas ou centenas de casos de enterramento de pessoas ainda vivas ou a extirpação de seus órgãos doados com seu físico ainda vivo. Além do que entrando agora na casuística eminentemente espiritual, teríamos os problemas dos espíritos arraigados, ou melhor, imantados à matéria e que não conseguem se desprender do corpo inerte, durante um bom tempo após a morte real deste. São presas através de suas próprias produções mentais negativas formam poderosos fios magnéticos que as permite sentir todas as sensações de uma pessoa viva. Consequentemente, se forem doadoras teriam que ser ajudadas em seu desligamento para que seus órgãos doados, fossem extirpados convenientemente, isentos então de qualquer vibração negativa que o espírito em desespero descarregaria sobre ele.

O psicoscópio se inventado entre nos, poderia detectar através de profunda análise que proporcionaria ao chegar as radiações auricas emitidas pelo corpo ainda vivo ou pelo espírito ainda preso ao cadáver. A tonalidade das cores, as reações mais íntimas físicas, mentais e espirituais indicariam com precisão, se o espírito já estaria ou não desligado ou em vias de se desligar do corpo, e, em caso de premente necessidade ajudaria ou facilitaria seu desligamento, permitindo assim, que a junta médica pudesse extrair a tempo os órgãos a serem doados. E ainda conforme as cores emitidas e as demais reações constatadas e mais, tudo aquilo que se pudesse enxergar através da transparência e luminosidade que o psicoscópio provocaria no corpo, seria esquadrinhado, dando visão total da situação pré e pós mortem. Há o problema da voltagem!

Mas, o cérebro espiritual emissor (mentor), gradua o pensamento e a expressão, de acordo com a capacidade do cérebro humano receptor e do ambiente que o cerca, ajustando-se-lhes às possibilidades, tanto quanto o técnico de eletricidade controla a projeção de energia, segundo a rede dos elementos receptivos.

Cada elemento recebe de conformidade com a estrutura que lhe é própria.

A lâmpada em cujo bojo se faz luz, arroja-se de si mesmos os fotônios, que são elementos vivos da Natureza, a vibrarem no “espaço físico”, através dos movimentos que lhe são peculiares, e a alma, em cuja intimidade se processa a idéia irradiante, lança fora de si os princípios espirituais, condensados na força ponderável e múltipla do pensamento, princípios esses com que influímos no “espaço mental”. Os mundos atuam uns sobre os outros pelas irradiações que despendem e as almas influenciam-se mutuamente, por intermédio dos agentes mentais que produzem.

Assim como existem valiosas observações alusivas à química da matéria densa, relacionando-lhe as unidades atômicas, o campo da mente oferece largas possibilidades ao estudo de suas combinações. Pensamentos de crueldade, revolta, tristeza, amor, compreensão, esperança ou alegria, além dos centros especiais que governam a cabeça, o rosto, os olhos, os ouvidos, e os membros, em conjunto com os centros da fala, da linguagem, da visão, da audição, da memória, da escrita, do paladar, da deglutição, do tato, do olfato, do registro de calor e frio, da dor, do equilíbrio muscular, da comunhão com os valores internos da mente, da ligação com o mundo exterior, da imaginação, do gosto estético, dos variados estímulos artísticos e tantas outras quantas sejam as aquisições da experiência acumulada pelo ser que conquista a própria individualidade, passo a passo e esforço a esforço, inalterando-a pelo trabalho constante para a sublimação integral, a face de todas as vias de progresso e aprimoramento que o mundo lhe possa oferecer através das inúmeras romagens no seio da matéria ao longo de todo o espaço de tempo que lhe aprouver, já que para a centelha, o tempo não se torna obstáculo.

A onda mental possui determinados coeficientes de força na concentração silenciosa, no verbo exteriorizado ou na palavra escrita, tendo natureza diferenciada, com características e pesos próprios, adensando a alma ou sutilizando-a, além de lhe definirem as qualidades magnéticas.

Somos naturalmente vítimas ou beneficiários de nossas próprias criações, segundo as correntes mentais que projetamos, escravizando-nos a compromissos com a retaguarda de nossas experiências ou libertando-nos para a vanguarda do progresso, conforme nossas deliberações e atividades, em harmonia ou em desarmonia com as leis cósmicas imutáveis.

Temos então, o fenômeno da perfeita assimilação de correntes mentais que preside habitualmente, a quase todos os fatos mediúnicos. Para a clareza de raciocínio comparemos a organização humana, ou seja, o corpo humano e a sua alma, a um aparelho receptor, quais os que conhecemos nos domínios da radiofonia. A emissão mental oriunda do cérebro espiritual (Mentor) condensando-lhe o pensamento, envolve toda a organização psíquica e corpórea, em profusão de raios que lhe alcançam o campo interior, primeiramente pelos poros, que são miríades de antenas às quais essa emissão adquire o aspecto de impressões fracas e indecisas.

Essas impressões apoiam-se nos centros (chakras) do corpo espiritual (perispírito), que funcionam à guisa de condensadores, atingem, de imediato, os cabos do sistema nervoso, a desempenharem o papel de preciosas, bobinas de indução, acumulando-se ai num átimo e reconstituindo-se, automaticamente, no cérebro, onde possuímos centenas de centros motores, semelhante a milagroso teclado de eletroimãs, ligados uns aos outros e em cujos fulcros dinâmicos, se processam as ações e as reações mentais, que determinam vibrações criativas, através do pensamento ou da palavra, considerando-se o encéfalo como poderosa estação emissora e receptora e a boca por valioso alto-falante.

Tais estímulos se expressam ainda pelo mecanismo das mãos e dos pés ou pelas impressões dos sentidos e dos órgãos que trabalham na feição de guindastes e condutores, transformadores e analistas, sob o comando direto da mente.

O Martírio de Jesus de Nazareth

São Paulo – Semana Santa de abril de 1995

Dedicado às minhas Queridas Conceição e Regiane

O que aqui vai descrito, foi captado pelo processo que denominei de mentografia, que nos permite assistir as cenas que se passaram há milhares de anos atras (quase uma psicometria), nos permite visualizar os mínimos detalhes dos fatos como se naquela época estivéssemos vivendo, ao mesmo tempo que vamos escrevendo ou descrevendo os acontecimentos. Não é igual a psicografia porque este é um processo mecânico, automático, no qual o médium não participa do que está ocorrendo apenas escreve sem vontade própria, sua mão é dirigida pela entidade comunicante.

Na mentografia, além de ser um processo de escrita direta a longas distâncias Inter-Vivos, nós, os médiuns, ou intermediários, participam de tudo, utilizando-se da Telepatia, da Psicometria, da Incorporação Inter-Vivos, da Materialização Inter-Vivos, da Projeção do Duplo-Etérico às longas Distâncias (Viagens astrais) e outros fenômenos.

Acredito que grande parte daqueles que lerão estas páginas e se afinarem com seu conteúdo, com certeza, serão os remanescentes reencarnados da Atlântida da época de Antúlio de Mah-á-Etel que na linguagem atlante quer dizer: Antúlio da Estrela Platinada (Vênus) de há 50 mil anos atrás naquele imenso continente hoje submerso no Oceano Atlântico entre as Américas e as Ilhas Caribes. Hoje, milhares como nós reencarnados e outras milhares ainda no Espaço, desencarnados, mas que vieram seguindo os passos do Grande Mestre Jesus que, naquela época já era um grande líder espiritual programando suas futuras reencarnações através dos tempos e suas missões sempre em defesa do Bem, dos fracos e dos humildes, e que com sabedoria, humildade e mansidão haveria de nos deixar grandes exemplos, principalmente em sua reencarnação como Jesus de Nazaré. Esse grande contigente que poderá estar em sintonia com o que aqui vai descrito, fez e faz parte daquele Clã de espíritos abnegados, missionários mentalistas, amantes do Bem e da Grande Harmonia Cósmica que para Terra vieram oriundos do planeta Vênus, planeta já evoluído naquela época principalmente no que se refere à evolução espiritual, com uma população, uma humanidade bondosa, pacífica, contrária visceralmente à belicosidade e que ainda não mede esforços em sacrificar a própria vida pelos seus semelhantes mesmo que estes não sejam do seu planeta. Haja visto, os grandes e importantes pacifistas de vários países aqui na Terra que soubemos, com certeza, serem eles de origem venusiana, mesmo que isto lhes custe milhares de anos de sofrimentos físicos, morais, espirituais, psíquicos e venham a prendê-los através do karma num planeta e uma humanidade embrutecida como a terrestre.

Esta imensa dedicação humanistica por parte da humanidade venusiana tem lhe custado um altíssimo preço, pois muitos de seus líderes espirituais, outrora livres pensadores quando lá viviam, acabam permanecendo na Terra por dezenas e centenas de reencarnações de prova e de resgate, pois tendo eles grande força mental acabam atingindo seus algozes através da magia e assim pagam por fazerem mal uso dos seus conhecimentos, que os desciam dos objetivos e ideais traçados há milênios. Jesus conseguiu refrear essas forças mentais e perdoar aqueles que o perseguiram. Foi, talvez entre alguns outros uma exceção.

Milhares dos antigos habitantes dos antigos continentes da Lemúria e da Atlântida, antes desses continentes submergirem, eles subiram para o planalto em busca de outras terras e lá deram origem às civilizações de grandes pensadores, hermetistas, humanistas, mentalistas, magos, pacifistas e outros, mais ligados as áreas do psiquismo humano e foram pioneiros entre os Vedas anteriores ao povo Hindu, posteriormente, entre os Hindus, entre os Tibetanos, entre os Egípcios, os Chineses, os Astecas, Toltecas, Maias, os Incas, os Druídas que por sua vez lideravam os Celtas. Enfim, povos que predominantemente se apegavam à magia, a feitiçaria, entre os Ciganos povo nômade que teve sua origem na Índia e se espalhou pelo mundo conservando seus antigos costumes e é claro, entre as raças pós-diluvianas que foram os Babilônios, os Assírios, os Macedônios e outros que se mesclaram com os reencarnados oriundos da estrela Capela e que formaram as raças do Oriente Médio, os assim chamados arianos e israelitas que redundaram na formação de uma humanidade técnica e mentalmente mais arrojada dando ensejo à miscigenação racial para a acolhida do nascimento da ramificação genética que faria brotar o Mestre-dos-Mestres, Jesus.

Após todo esse tempo e toda essa miscigenação racial e a redistribuição de espíritos pelos quatro cantos do globo, bem como a fusão com outros espíritos belicosos vindos do Capela (o famoso paraíso perdido da raça adâmica) os quais pela sua índole e cupidez, empáfia, malignidade, perversidade, etc., etc., também deram origem à povos guerreiros, conquistadores, usurpadores, vilipendiadores das raças e respectivos conhecimentos, pode Jesus programar seu renascimento de há dois mil anos atrás em Belém na Judéia, e que depois também foi acolhido entre os Essênios que faziam parte daquele seu antigo clã da Atlântida.

Há também a outra parte dos que lerem estes relatos que não concordará com o seu conteúdo por falta da afinidade e da sintonia fina com os fatos e também porque os seus dogmas, preconceitos e fanatismo de toda a sorte inclusive o religioso, não conseguirá admitir ou entender que o Espírito de Jesus é um espírito humano como todos os nossos espíritos ou o espírito de cada um de nós.

Acreditem se quiserem, uma vez Ele nos disse através da telepatia e projeção de sua imagem dentro do astral ou psicosfera de nossa casa de Ribeirão Pires: “- Os seres humanos necessitam sempre temer ou acreditar em algo maior que eles, algo sobre-humano, algo sobrenatural, por isso colocam a mim dentro de uma redoma cósmica de onde eu não possa sair, para que eles dêem vazão às suas faltas através de adorações e promessas, esquecendo-se eles que eu fui e sou ser humano e quero estar junto ao ser humano, meu trabalho no planeta de onde vim e na Terra sempre foi em prol do ser humano. Preciso dialogar com o ser humano e gosto de ser visto como tal, por isso, eles e suas religiões não admitem que eu e outras entidades elevadas possamos descer e entrar em contato com os seres humanos através de outros seres humanos. É uma questão de sintonia e nivelamento de vibrações e isto eu faço sempre. Não gosto de situar-me num pedestal. Sou o que sou hoje, graças a ajuda de outros seres humanos de uma grandeza de alma infinita, sem a qual o Cristo tanto apregoado não existiria; entre estes seres maravilhosos está o aparelho que capta hoje estas linhas (minha esposa), o seu companheiro, sua filha e dezenas de outros”.

Para mim que agora estou compilando aquilo que nos fora dito há anos atrás, é uma dádiva muito especial poder comentar e escrever sobre o Grande Mestre, mas para isto tenho que reportar-me aos “porquês” de sermos nós em fazê-lo e tentar explicar como isto foi possível e através de quais dons e fenômenos conseguimos fazê-lo.

Só após o nosso desenvolvimento psíquico, mediúnico e o desenvolvimento das faculdades paranormais como: a psicometria, as projeções do duplo-etérico (viagens astrais), (saídas fora do corpo conscientes), desdobramentos (saídas do corpo inconscientes (durante o sono mas com lembranças do que ocorreu), (não se trata neste caso, de sonho, que, tenho para ele uma explicação à parte), e ainda outros fenômenos tais como, a vidência, a clarividência, a audição astral, a visão das cores áuricas ou aurividência e etc. Todos esses desenvolvimentos ocorrem no decorrer do tempo e exigem uma dose de sacrifício pessoal muito grande, além de regimes alimentares afim de tornarem o físico se não mais leve, pelo menos mais liberto para transitar ou permitir que seu perispírito transite mais livremente entre os campos físicos e astrais ou entre a fisiosfera (crosta terrestre) e as psicosferas (campos espirituais).

O perispírito liberto do físico e com sua mente já preparada para todos os eventos que lhe surgirem, ou seja, isto eqüivale a dizer que ele tem obrigatoriamente que estar isento dos medos, preconceitos e tabus, dos religiosíssimos de todo o tipo, da obtusidade própria, da falta de cultura espiritual, das mazelas kármicas que o inibiriam para qualquer propósito mais elevado, principalmente aquele de poder avistar-se e dialogar com entidades mais elevadas, entre estas a figura luminosa do Grande Mestre Jesus e outros avatares de outros orbes, ou de outras regiões cósmico-siderais.

Somente após longo treinamento desde a infância e com a ajuda de grandes entidades e do nosso Mestre Jesus, pudemos voltar gradativamente ao passado longínquo de nossas origens. Tudo está registrado em nossa extensa “fita magnética” ou “video-fita”, que fazem parte dos registros akáshicos siderais, mas há a necessidade de se ter conhecimento e a mente aberta para adentrarmos cada fase desses registros a sem barreira de tempo e de espaço.

Voltando ao início da vinda de Jesus para a Terra, Ele próprio nos mostrou com imagens mais nítidas que uma TV moderna que Ele fora Cristi-ien, Governador Geral do Planeta Vênus, portanto Jesus é de origem venuziana. Mostrou-nos sua esposa lá em Vênus naquela época, a belíssima Mah-hára que posteriormente, milhares de anos depois viria a ser sua amada de coração Maria Madalena que o ajudaria, da sua maneira, a levar a cabo sua missão. Hoje tenho o privilégio de ter esses espírito como minha Amada, instrutora e protetora espiritual.

Em Vênus foi feita uma reunião entre as Entidades Espirituais de lá e os Engenheiros Siderais mais os líderes vivos do planeta, entre eles Cristi-ien, Mah-Hára, Maria, José e outros que muito mais tarde acompanhariam a Jesus, decidiram que após o desencarne de todos lá em Vênus viriam para a Terra, na época para os continentes da Lemúria e Atlântida até o apogeu da civilização lá reinante, e ao chegar o declínio e sua conseqüente submersão, esses espíritos subiriam e reencarnariam em outros continentes para juntarem-se em nova plêiade de pensadores e humanistas visando sempre a evangelização dos povos que seriam exilados vindo de outras constelações e trariam uma enorme soma de revoltados, negativos e belicosos. Isso foi levando milhares de anos, com centenas de sucessivas reencarnações daquelas que se propunham auxiliar, e durante todo esses tempo as modificações telúricas foram ocorrendo na Terra, movimentação da crosta, dilúvios, guerras longas e fratricidas.

Jesus e sua clã, ou melhor, Cristi-ien e sua gente foram nascendo, morrendo e reencarnando em várias regiões do planeta, principalmente nas regiões compostas por astrais místicos tais como: a antiga Índia, o Tibete, o Egito, o Alto Oriente onde se inclui a China, a Mongólia, a Ásia Central, o Japão e etc., até que faltando mais ou menos dois mil anos para o fim do novo ciclo terrestre teria que nascer o Avatar Jesus e sua Clã mística.

Eu e minha clã, originamos do planeta Marte, após aquela decisão sideral, viemos nos juntar com os venusianos aqui na Terra, também a partir da Lemuria e da Atlântida, com uma diferença, o povo de Vênus que é essencialmente mentalista, amante da paz e do silêncio restringiu-se à mística, à cabalística, ao amor ao próximo e as causas humanitárias. O povo marciano, igualmente muito evoluído e mais afeito às novas invenções, um povo mais lépido, mais “elétrico” e é claro com “estopim mais curto”, veio também em ajuda aos venusianos amparando-os nas inovações técnicas, contudo serem os marcianos também amantes da paz, do amor ao próximo, do silêncio, tinham e ainda tem mais propensão às defesas físicas através da tecnologia e aparatos bélicos, a música, as artes, aos esportes etc…. Enquanto o venusiano trava a sua batalha silenciosa através dos poderes mentais e da magia, o marciano, muitas vezes extravasou e ainda agora, com menos freqüência, a sua batalha no “tete-a-tete”, no corpo-a-corpo.

Por isso, na época de Jesus, Ele sempre preferiu escolher para estar ao seu lado, pessoas cuja índole fosse mais próxima a índole venusiana, os mansos de coração, como ele os chamava e ao perguntar-lhe “porque Ele com os poderes que tinha não petrificou aqueles que O fustigavam, transformando-os em estátuas para serem contempladas pelas futuras gerações, como lição, para que jamais esquecessem”, Ele respondeu-me: meu querido, eu dizia também que deviam amar uns aos outros e que eu não viera para mudar a Lei, nem a Lei dos homens, nem a Lei de Deus, porém, não me era proibido não sofrer dor; pois eu sabia, e a experiência do tempo milenar em que vivi na Terra ensinou-me como isentar-me o mais possível da dor física, afastando do meu corpo físico o meu espírito e com ele o duplo-etérico que é o agente da dor. Porém, nem sempre isso era totalmente possível devido a falta de concentração interior e o burburinho da turba um tanto enlouquecida ou tomada pela sanha malévola dos fanáticos sacerdotes-políticos e os açoites e estacadas dos carrascos.   Eu sabia também que não seria a minha dor ou meu sofrimento físico que iriam permitir a redenção da humanidade, pois, antes de mim naquele mesmo lugar, dezenas de pessoas foram sacrificadas tanto ou mais que eu, e muitos, aos milhares, seriam ainda sacrificados em meu nome, em guerras e outros acontecimentos nas centenas de anos que se seguiram à minha morte. Portanto, a redenção da humanidade seria feita através dos ensinamentos deixados como coluna mestra da moral, da espiritualidade e do novo comportamento social humano, e foi isso que tentei fazer!

Foi quando assintosamente respondi: “- Ah! se eu estivesse por lá naqueles momentos!(fiquei sabendo que me encontrava na Grécia no momento da crucificação de Jesus). Ao que o Mestre respondeu: “- Eu agradeço ao Pai por você não ter estado lá, pois se estivesse, você poderia ter desviado os acontecimentos para pior, eu não cumpriria o que vim fazer, você acumularia outras culpas e a missão de todos nós estaria arruinada. Esta missão, como você sabe, foi programada há milênios atrás fora do ambiente terráqueo por todos nós em conjunto com os Engenheiros Siderais com vistas à doutrinação e elevação do padrão mental e espiritual da imensa população de exilados de outros orbes que seriam enviados para a Terra, planeta relativamente novo e como forte potencial para o desenvolvimento de novas criaturas já em grau de inteligência avançada. E como os Engenheiros Siderais sabem por experiência em milhares de outros planetas nesta e noutras galáxias, que a maior parte desses espíritos exilados passam de planeta para planeta sem se modificarem, pois entram no circulo vicioso do desamor, do mal e todas as vicissitudes imagináveis e inimagináveis e retornam a estaca zero a despeito do sofrimento a que se sujeitam e mesmo com ensinamentos e sofrimentos de outrem por eles. Por isso, há milênios já estão sendo preparados os locais de nova acolhida para eles em outros locais do Universo e, logicamente, outros espíritos se sacrificarão por eles lá a onde se alojarem. Assim é Deus, assim é o progresso e a evolução dos seres que habitam os milhões de mundos criados e que forem sendo formados.

Sempre haverá chance para todos, porém, o tempo de estagnação e de demora na evolução é por conta de cada um desses espíritos. Poderíamos denomina-los de espíritos afeitos a colonização de orbes e humanidades em evolução, e, como colonizadores que são, pagam seu preço para isso, completou o Mestre. 15/4/95

Nestes dias da chamada “semana santa”, vê-se por todos os meios de comunicação milhares de pessoas revivendo os dias de martírio de Jesus de Nazaré, em alguns locais com a encenação parecida com a que ocorreu há dois mil anos atras. Muitos revivem na própria carne deixado-se chicotear física e moralmente. Há milhares entre essas pessoas cheias de boa fé que tentam lembrar a atual humanidade os ensinamentos do Mestre, mesmo dentro dos dogmas, preconceitos e fanatismo.

  • Aqui faço um adendo, apenas para mostrar que muitos que seguiram Jesus e não são do planeta Dele, hoje se encontram reencarnados no Brasil para futura missão nos dias das transformações finais, alguns conseguimos detectar através da psicometria, é o caso de Marcos o Evangelista, hoje um dileto amigo, outros, sabemos que fizeram parte mas, não nos foi dado saber seus nomes ainda a que são induzidas por suas religiões e crenças. O livre arbítrio continua a prevalecer, pois Jesus nada pediu a respeito e nem deixou algo escrito de seu próprio punho sobre o que Ele fez ou disse, o ser humano sempre culposo reflete grupalmente a sua consciência negativa e de arrependimento de última hora. Porém, há também entre milhares de pessoas aquelas que revivem tudo com escárnio, sadismo, maldade belicosa e maligna e tiram proveito e lucros de toda a sorte, sobre aqueles acontecimentos, deixando bem claro que para eles a lição de nada serviu, continuam aguardando o Messias para eliminá-lo novamente. Mas, o Núcleo Central é magnânimo e vai continuar lhes dando as chances de redenção através dos séculos vindouros, porém, o preço a pagar lhes será alto.

Minha esposa querida que há vinte e oito meses está acamada, em estado quase vegetativo, digo quase, porque ela não se levanta, fala pouco, ouve tudo, enxerga bem, raciocina como criança, não faz suas necessidades fisiológicas sem ajuda e emagrece como se estivesse secando, o que me faz chorar e me lamentar como criança, viveu e participou verdadeiramente naqueles dias de martírio do Querido Mestre e hoje, no leito como se quisesse se auto punir de algo que ficou em seu espirito sofre silenciosa e expurga de si e principalmente de nós as toxinas das nossas mazelas milenares.

Pelo que me foi permitido saber através do fenômeno da psicometria, ela sempre foi mulher em todas as reencarnações na Terra e mesmo em Vênus, por isso, mesmo doente e como quase todo o gênero feminino ainda conserva aquela “pitada” de ciúme e sofre ao ver e sentir que não pode estar por inteira comigo e mais ainda quando alguma outra mulher se aproxima de mim. Isto eu não posso evitar pois é próprio dela. Mas, o que tem isto a ver com este capitulo sobre o Amado Mestre, tem muito, pois ela na época Dele também sentia por Ele a mesma coisa e ainda pelo que nós aqui particularmente sabemos ela que foi ou teria sido um grande amor da vida Dele, então, dentro deste contexto, faz parte do Seu Martírio, também! Um martírio que eu passei e estou passando com muita honra apesar das inconveniências. As mulheres, ou melhor dizendo, o gênero feminino de todos os reinos da Natureza são os seres que mais sabem amar o homem e também são os que mais sabem odiá-lo e odiar aos demais seres quando não conseguem atingir os seus objetivos. Deus – O Núcleo Central Cósmico quando gerou o gênero feminino o dotou de todas as qualidades e imperfeições mais que ao homem. Por isso elas são geradoras também e os homens, ou gêneros masculinos, são unicamente reprodutores. A mulher por ser geradora é a célula-mater da espécie humana e por isso, torna-se martírio, vive em constante martírio e é martirizadora.

Ao meu ver o gênero feminino é a Benção Divina materializada. Consequentemente, pelo que pude deduzir no transcorrer dos meus contatos com o Mestre, Ele além de ter sido martirizado fisicamente, martirizado emocionalmente pois amou muito a humanidade e amou silenciosamente, porém intensamente seu antigo amor e companheira Venusiana Mah-hára que, posteriormente seria a pedra moral de sua missão na Terra, Maria Madalena, hoje um grande espirito que também tem martírio. Martírio, porque sofre na carne, na mente e no espirito o que Ele veio sofrendo. Se apenas sofresse não teria importância mas, não posso vê-la sofrer e nem a minha Querida Filha ou meu Querido genro. Na verdade não posso ver ninguém sofrer, e sem demagogia religiosa, não poderia presenciar nosso Mestre sofrer, com certeza eu interviria com a força nem que fosse para sacrificar minha própria vida. Atualmente, talvez, eu agisse diferentemente!

Mas o Pai, O Núcleo Central Cósmico, através das Inteligências que O compõe, programa tudo com antecipação e dentro das possibilidades normais sem exceder-se, deu a proteção ao Divino Mestre. Digo sem exceder-me pois, o Mestre Jesus nasceu como ser humano comum filho de ventre de mulher, feito de carne e osso, com dores e sentimentos iguais a todos os mortais, poderia ter sido liquidado mesmo antes de dar os primeiros passos.

O Pai Celestial, não o fez vir com uma couraça de aço ou com exercito super armado a fim de que ele pudesse ser defendido e pudesse romper barreiras que iria enfrentar. Contudo, deu-lhe uma proteção indireta, desviando seus caminhos dos caminhos dos seus algozes enquanto era necessário fazê-lo. Haja visto, milhares de crianças mortas a mando de Herodes, em seu lugar, outras milhares mortas antes por Moisés à caminho do deserto em direção a Terra prometida, isso três mil anos antes. Iluminou Seu caminho assim como o caminho daqueles que O queriam ver nascer. É o caso da famosa estrela de Belém que se movimentava nos céus guiando os três reis magos e outros seguidores daquele que seria o Mestre dos Mestres. Conforme fui informado, aquilo era uma nave de Vênus que veio acompanhar o nascimento aqui na Terra de seu Cristi-ien e estava repleta de lideres daquele planeta.

Após todo aquele martírio que Jesus passara, antes de seu desencarne ficou no ar toda a vibração emitida por Ele. Toda a Terra, mas principalmente a região onde Ele se encontrava, foi como que alterada por aquela vibração toda; a Natureza se transformou, o tempo mudou, nuvens foram atraídas pelo intenso magnetismo reinante. Seu corpo foi envolto num simples sudário de linho que depois ficou impregnado como se uma intensa radiação, registrando todas as marcas do Seu suplicio. O corpo desapareceu como por encanto e conforme sou informado, o pessoal de Vênus de dentro de uma nave que pairava a grande altura se incumbiu de pulveriza-lo através de aparelhos com raios desintegradores (a guisa de composição da temida bomba de neutrons que só destroi o físico humano ou outros físicos) fazendo-o desaparecer de sob o manto de linho e sugando as partículas para dentro de um recipiente no interior da nave e, assim, acabando com todos os vestígios humanos de Jesus que poderiam também serem disputados pelos mesquinhos e fanáticos seres humanos e suas seitas, principalmente pela magia negra. Assim, como foram outros objetos que sobraram de Sua missão aqui na Terra, tais como o madeiro da cruz, o cálice da Santa Ceia (o chamado Graal) e outros, inclusive o santo sudário que hoje é motivo de disputa entre a igreja, a ciência e os fiéis. Imagine o leitor se o corpo de Jesus tivesse permanecido em seu sepulcro!

Portanto, o martírio de Jesus de Nazaré foi a pedra angular da filosofia e da religião na Terra. Esse martírio rompeu todas as barreiras físicas, morais, espirituais, mentais, de fisiosfera e de todas as psicosferas planetárias. Houve uma reação de todas forças, negativas, neutras e positivas desta periferia da Via Láctea.

Jesus de Nazaré e Seus feitos foram uma espécie de espelho refratário para a humanidade da Terra e dos demais planetas de nosso sistema solar. Nesse espelho, todos viram refletidas suas falhas e seus acertos, grandes e pequenos, do passado do presente e do futuro. Ninguém, após a vinda Dele, poderá alegar inocência ou ingenuidade a respeito do que é o Bem e ou que é o Mal. O Karma da Terra e de cada habitante foi reforçado, a Lei Universal e seus códigos ficaram mais claros para todos, além do que, sobre essas leis paira a Justiça Divina e não a corrupta e inócua justiça dos homens.

O que Ele mui sabiamente dizia e previa através de suas parábolas, já vem ocorrendo há muito tempo. O mundo caminha para seu estertor que já se aproxima céleremente. Os dois sóis previstos no Apocalipse e o fim da “Babilônia” aproximam-se. A Besta virá dos céus e não será um homem, dizemos nós.

Talvez o mundo não escape de uma terceira conflagração, mesmo com tudo aquilo que Mestre deixou como lição ao ser humano de dois mil anos para cá. Todas lideranças siderais e cósmicas, pelo que eu sei, estão empenhadas para que não ocorra uma terceira grande guerra, mas, as toxinas do planeta Terra estão tão acumuladas e o ser humano tão desumano que poderá haver a necessidade de uma drenagem dessas toxinas através da dor coletiva. Essa drenagem ocorrerá mesmo sem a terceira guerra mundial, pois o gigantesco planeta Sidérius se aproxima e mudará as orbitas dos planetas dos seus movimentos atuais, aí então prevalecerá o que diz o Apocalipse: “E o céu desaparecerá”!

A missão do Grande Mestre Venusiano Cristi-ien foi preparar as milenares gerações que se seguiriam após a Lemúria e Atlântida para o advento final do assim chamado fim dos tempos que agora está bem próximo. Apenas mais uns poucos anos. Sim, porque mesmo a Lemúria, a Atlântida, Sodoma e Gomôrra terem desaparecidos com todas as suas raças e civilizações, dilúvios e hecatombes várias terem ocorrido de 50.000 (cinqüenta mil) anos para cá, ainda assim, não era o fim dos tempos porque não houve mudanças radicais em nosso Sistema Solar e o planeta Terra ora se inclinava em seu eixo, para um lado ou para outro permanecendo na atual posição no espaço.

Agora não. O Sistema solar em seu todo está se transformando numa Super Nova, ou seja, para quem o olhar ou avistar de fora ele estará inchando para logo explodir e se transformar em dois novos sistemas solares eqüidistantes um do outro, tendo o nosso Sol líder de um sistema e o planeta Júpiter como líder do outro. Sidérius o gigantesco planeta que se aproxima passará entre os dois, ou melhor, obrigará o nosso sistema solar a se transformar em dois. O planeta Terra sairá de sua atual órbita solar, rolará no espaço, atrás do seu sol, com ele levará milhões e milhões de vidas. Não haverá como até então, mudanças apenas climáticas e raciais mas sim, planetárias para dar inicio a uma Novas Era, Novos Tempos, encerrando um gigantesco tempo sideral ao qual viemos pertencendo.

Como Ele mesmo, o Mestre, previra, o Joio será separado do Trigo e todas as gerações que compuseram a humanidade atual da Terra e de outros planetas do nosso sistema solar, em fase de evolução, tiveram suas oportunidades de progresso e espiritualização. Se não aproveitarem, recomeçarão do ponto de partida, noutras regiões siderais e em nova ambientação provando assim que até a paciência Divina tem seu limite.

O mestre Jesus veio várias vezes, em centenas de reencarnações, em muitas delas se sacrificando como na sua última missão de Jesus de Nazaré para nos transmitir isso tudo. Felizes aqueles que O compreenderam, pois lhes será reservada a famosa Terra Prometida. Para os que não O compreenderam ou não quiseram compreender, terão seu “habitat” condizente com a sua índole e vocação. Para isto foi o Martírio de Jesus de Nazaré.

Foi necessário esse martírio?. Ele e as altas Entidades Espirituais dizem que sim, pois tinha que haver uma marca indelével, uma passagem inesquecível para a humanidade que seria gerada dois mil anos após.

Houve um enorme trabalho das Entidades Siderais Reencarnacionistas na formação milenar, antes do nascimento Dele, daquilo que eu chamo de “Meridiano Genético”, fruto do Grande Plano Sideral e Cósmico, pelo qual a herança genética resultaria como meta final na geração de um ser especial, hiper-sensivel como Jesus de Nazaré que não se juntaria com mulher alguma, nem com sua própria mãe e nem geraria filho algum. O Meridiano Genético começaria para Ele e terminaria com Ele. Daí o seu Martírio, aparentemente desumano e aparentemente abandonado a sua própria sorte.

Vale a pena lembrar que muitos mártires houveram na Terra e que também foram crucificados, entre eles o famoso Spartacus que foi considerado posteriormente pelo mundo comunista como primeiro “proletário sindicalista” , mas no entanto, não teve a vida regrada e espiritualizada como a Dele e nem a mesma sabedoria e amor pela humanidade, e muito menos a visão de Avatar Clarividente como Ele tinha.

Neste momento (26/04/95), minha Querida Esposa Conceição, Sua antiga discípula Mah-hára, passa um martírio hospitalar doloroso através de agulhas, seringas bisturis, um processo que hoje completa vinte meses, similar ou pior que o Dele, pois pertence ela ao mesmo Meridiano Genético Espiritual, e como Ele, aceita tudo passivamente, pacificamente, nos dando um exemplo de uma grandiosidade espiritual só percebida e vivida por seres de Alta Hierarquia e, eu pessoalmente torno-me tão pequenino frente a ela e a Ele que não tenho outra saída senão a de chorar, chorar copiosamente como um ser ínfimo e de me envergonhar das minhas fragilidades humanas e se pudesse seria reduzido a pó aos Seus pés.

Por isso, este capitulo e tudo o mais que fiz de bom nesta e em minhas vidas passadas, dedico a essa maravilhosa criatura, esse anjo de amor e bondade que Jesus permitiu me acompanhasse durante todos esses milênios pois Ele sabia que eu iria precisar de alguém ao meu lado que fosse mais forte, mais nobre e mais elevado espiritualmente que eu, que essa minha Querida companheira de todas as horas, Minha Esposa Conceição Aparecida Yezzi, para a qual peço a Ele remeter toda a Sua Energia Cósmico Sideral Restauradora, para que Ela se restabeleça, volte a andar e juntos, possamos passar às massas todo o conhecimento que em nossas almas antigas está armazenado e o amor que em nossos corações está palpitando e que juntados ao Dele possam ainda, a tempo reconduzir muita gente ao caminho do Bem e da Verdadeira, assim como a Minha Querida Filha Regianne (Sara) outro Anjo que me acompanha e sofre por mim, sem que eu mereça tanta consideração; tudo é dedicado a Ela também, e agora ao Paulo meu estimado genro, e a minha netinha Giulia.

Tenho certeza de que Jesus lá nas Alturas onde Ele se encontra, está saudoso e martirizado por ter deixado um anjo maravilhoso como esta Minha Amada, aqui na Terra, mas assim mesmo peço a Ele que não a leve de mim, que permita que eu ainda seja capaz de fazê-la feliz e aí então, sim Ela poderá estar ao lado Dele tendo cumprido sua árdua missão aqui na Terra que foi a de me acompanhar e zelar por minha alma e por milhões de pessoas.

O Núcleo Central Cósmico – Deus, através dos Seus Engenheiros Siderais, em um dos quais espero me tornar um dia, mesmo que esteja longínquo esse dia, faz tudo certo, tudo é regido por Leis Naturais, tudo é planificado com margem de exatidão impressionante, que deixa o ser humano comum da Terra abismado, perplexo é sem atinar com a Consciência Maior. Pensa que pode fazer o que bem quer sem que nada lhe aconteça de volta. O choque de retorno é inevitável e como dizia muito bem O Mestre: – “A semeadura é livre mas a colheita é obrigatória”.

Eu devo estar colhendo o que plantei! E, apesar de ter o privilégio de saber muita coisa e estar em contato ininterrupto com seres vivos de outros planetas através das “aberturas” paranormais ou mediúnicas e com Entidades Elevadas da Terra e ainda com dezenas de tipos diferentes de seres Elementais, estou um tanto revoltado e inconformado com o que Minha Querida está passando. Olho-a e choro. Choro e olho-a. Não encontro uma saída de conforto espiritual e mental para o meu ego, apesar de se me apresentarem várias saídas, todas teóricas, mas só de teoria não se pode viver!

O que é bom para os outros pode não ser bom para mim e vice-versa. Por isso, comprovadamente o exemplo dado pelo Grande Mestre serviu, serve e servirá enquanto este ciclo planetário durar que, a dor física é a forma natural que o corpo humano encontrou para expulsar as toxinas dele próprio e principalmente do perispírito que por sua vez as expurga da alma e permite a esta se desprender sem apego as coisas e causas da matéria, libertando-se assim para vôos mais altos em direção de Volta a Fonte Criadora, ao Núcleo Central Cósmico – Deus.

O Mestre pessoalmente não precisava padecer aquele martírio tão doloroso mas, tornou-se passivo a ele assim como Minha Querida o faz agora, porque ambas são almas afins, almas gêmeas e necessitam estarem juntas na Eternidade. Sei que um dia perderei este meu Anjo, quer no físico, quer no Páramo Celestial, pois ela voará com certeza muito mais alto que eu, mas resta-me o consolo de saber que fui considerado pelo Criador quando[1] colocou-a há milênios ao meu lado.

Jesus provou que tudo é perene neste mundo.

Ninguém precisa ou deve apegar-se demasiadamente ao mundo da terceira dimensão, deve sim, conservar o instinto de autodefesa, deve zelar pelo seu vaso de carne e osso que é o corpo, que lhe foi presenteado pelas Entidades Reencarnacionistas e pelos seus ancestrais que zelando pelo corpo deles mantiveram firme o Meridiano Genético para ele nascer da forma como nasceu. Se for perfeito, é porque seu perispírito fez jús a essa perfeição e se não for perfeito é porque tem que passar por uma drenagem de alguma toxina que o iria prejudicar mais ainda no futuro.

Tudo o que Jesus de Nazaré tinha que fazer na Terra parecia obedecer a uma matemática coerente, racional onde o número 12 e seus múltiplos tinham e têm vibração definitiva. Os números múltiplos de 12 são o nº 3, e nº 4 o nº 6 e o nº 9. Então vejamos a titulo de curiosidade esta minha simples pesquisa:

12 são o número de planetas que compõem o nosso sistema solar (três ainda não detectados pela ciência)

12 são as constelações que no Zodíaco exercem influencia na Terra.

12 são os signos correspondentes na Astrologia que são regidos pelo Zodíaco.

12 meses formam o ano terrestre.

12 horas formam o tempo do dia.

12 horas formam o tempo da noite.

12 são os meridianos que formam o dia.

12 são os meridianos da noite.

12 são os trabalhos de Hércules, na mitologia grega.

12 são os Cavaleiros da Tavola Redonda, do Rei Arthur.

12 são os números de sons da Música.

12 são o número de cores correspondentes aos 12 sons.

12 são os “chakras” ou vórtices do campo psíquico.

12 são os “plexos” do corpo humano.

12 são os meridianos do corpo humano catalogados pela medicina chinesa.

12 foram os Ministros do Governo do Brasil Novo que em 25/03/95 (na Semana Santa!), a medida de nº 168 foi aprovada por 39 deputados, numero: 3 + 9 = 12.

12 é o total formado pelas 4 estações climáticas na Terra ou seja 3 meses de primavera, 3 meses de verão, 3 meses de outono e 3 meses de inverno: 3 + 3 + 3 + 3 = 12 ou seja 3 x 4 = 12.

12 são as tribos de Israel que no capitulo 7 do apocalipse de João menciona os 144 mil “selados” ou escolhidos para permanecerem na Terra. Decompondo-se este número 144 ÷ 12 tribos = 12 mil “selados”.

12 é o número que compunha os membros da família direta de Jesus, assim distribuídos:

José com a primeira mulher Débora:

por ordem alfabética os seguintes 5 filhos e irmãos de Jesus:

Cleófas
Eliezer
Jacob
Judas
Matias

José com a segunda mulher Maria:

por ordem de nascimento, os seguintes 6 filhos e irmãos de Jesus:

Andréa (Homem)
Efraim
Elizabete
Hannah
Jesus
José

12 portanto, foram os familiares irmãos de Jesus mais Maria que foi mãe que gerou Jesus.

12 apóstolos foram os escolhidos por Jesus, cada um representado um planeta, uma constelação do Zodíaco e um signo da astrologia.

12ª jornada da Via Sacra – a Caminho da Cruz, morre Jesus,- [ com 33 anos ou 3 x 3 = 9 ou 3 + 3 = 6 + 3 { nº do 3º planeta Terra } ou 3 x 3 x 3 = 27 = 2 + 7= 9 ]

24 é o número de anciãos mencionado no Apocalipse de João capítulo 5 versículo 8 (24, número divisível por 12 e etc.,)

Portanto, Jesus estava circunscrito a uma matemática sideral que rege o nosso sistema solar e principalmente a Terra e a sua humanidade, senão vejamos mais um pouco dessa lógica sideral que eu analisei, ainda sobre a ronda do nº 12 e seus múltiplos, seus enigmas e influencias:

Conforme a Ciência da Astronomia e a futura ciência da Astrologia informam, o Sol leva 25.920 anos na sua passagem pelas 12 constelações do Zodíaco e consequentemente também pelos 12 Signos Astrologicos. Em cada ano, portanto cada 12 meses, passa pelas 12 constelações e 12 signos que segundo a Astrologia exercem influencias várias, positivas ou negativas sobre os seres humanos, os quais são: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes.

E eu sou informado que o nosso sistema solar é formado por 12 planetas e que os Magos da Babilônia e Jesus já sabiam disso, por isso, o Mestre escolhera 12 apóstolos, cada um representando uma constelação, um signo e um planeta, três tipos de influencias que somadas e decompostas ficam 3 x 12 = 36 = 3 + 6 = 9[2] . Os planetas que formam o nosso sistema solar são : Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Äga (ainda não descoberto), Urano, Oswen (ainda não descoberto), Netuno, Plutão e Fesp (ainda não descoberto).

Os três planetas ainda não descobertos levam o nome que seus próprios habitantes dão a eles, conforme sou informado.

Como o Sol percorre o Zodíaco nos seus 360º (graus) decompondo-se o nº 360 temos: 3 + 6 + 0 = 9. Este percurso é portanto para cada ano = 12 meses. Atrasa-se 50 segundos em cada ano ou l (um) grau em cada 72 anos, decompondo-se o nº 72, temos 7 + 2 = 9. Isso faz com ele mude de signo com intervalos aproximados de mais ou menos 2.160 anos, decompondo-se o nº 2.160, temos: 2 + 1 + 6 + 0 = 9. Leva pois 25.920 anos para percorrer em sua passagem pelas 12 constelações e 12 signos do Zodíaco, decompondo-se em multiplicação esses números, temos: 2.160 x 12 = 25.920. Decompondo-se em multiplicação também 25.920, temos: 2 + 5 + 9 + 2 + 0 = 18 = 1 + 8 = 9.

Aqui entram dados importantes que incidem na sobrevivência e na permanência do homem sobre o planeta Terra, dificultando-lhe assim as viagens espaciais, caso não haja proteção e compensações vibratórias adequadas.

Comparando-se o homem (microcosmo) com o Universo (macrocosmo), temos: Conforme a Ciência, o homem respira 18 (1 + 8) = 9 vezes por minuto. Multiplicando-se 18 por 60 minutos, temos: 18 x 60 = 1.080 que multiplicando-se 24 horas, temos: 1.080 x 24 = 25.920 vezes por dia, exatamente o percurso que o Sol leva em sua passagem pelas 12 constelações do Zodíaco.

Lembrando que o ano na Terra é de 12 meses e, se dividirmos os 360 graus em que o Sol percorre todo o Zodíaco por 12, temos: 360 ÷ 12 = 30 que seria a quantidade exata de dias de cada mês, decompondo-se os nº 360 e 30, temos : 3 + 6 + 0 = 9; 3 + 0 = 3, e 3 + 9 = 12. No caso de dias estou desprezando as frações de 30 que dariam mais 5 dias do calendário terrestre atual. O correto seria ter o nosso calendário terrestre com 30 dias para cada mês e não 28,29,30 e 31 como até agora; ocorre porém que a contagem terrestre dos dias baseia-se no movimento de translação da Terra em torno do Sol, que dá 365 dias, daí a pequena diferença.

O povo Maia se utilizava em seu calendário de 30 dias para cada mês, baseava-se portanto, no movimento do Sol e não no movimento da Terra.

Se ao invés de decompormos o nº 365, multiplicássemos ele por ele mesmo, temos: 3 x 6 x 0 = 18 que é igual a 1+ 9 = 9 ou 360 x 360 = 1296000 = 1 + 2 + 9 + 6 + 0 + 0 = a 18 = 1+ 8 = 9 = ou 9 x 3 que é o nº do planeta Terra na posição do sistema solar, ou seja, a Terra é o 3º planeta do sistema solar = 27 = 2 + 7= 9 ou 2 x 7= 14 = 1 + 4 = 5 que a diferença entre o nº de quantidade de dias entre a contagem do calendário Maia e o atual calendário em uso. Assim como o nº 360 é o número de graus de uma circunferência.

Se multiplicássemos o nº 2.160 decomposto por 12, temos: 2 x 1 x 6 x 0 = 12 = 1 + 2 = 3 x 12 = 36 = 3 + 6 = 9, ou 3 x 6 = 18 = 1+ 8 = 9.

A Constelação de Sagitário, signo no qual me orgulho de ter nascido é o nono signo do Zodíaco ou signo nº 9 dentro dos 12 signos da Astrologia, decompondo-se esses dois números, temos: 9 +1+ 2 =12 = 1 + 2 = 3 sempre múltiplo de 12!

Penso que com a demonstração acima Jesus não nasceu por acaso no 12º mês do ano terrestre, no dia 25 que decompondo-se é igual a 1 x 2 = 3 x 2= 6 x 5 = 30 = 3 x 0 = 3, ainda o número do planeta Terra! Ele também não escolheu por acaso 12 apóstolos que além do nº 3, é o número da quantidade de planetas do nosso sistema solar que cada um representava e que com Ele, Jesus representando o Sol perfaz a quantidade de 13 astros do nosso sistema solar número este também ligado a magia, ao azar, a cabala como sendo um número diabólico no qual também são baseados os números de jogos de azar da loteria, dos cósmicos e um número que quase todo o ser humano por tradição e também crendice teme e procura desviar-se espavorido. Os americanos a temem tanto que evitam de numerar seus edifícios de apartamentos ou de comércio, com o número 13; exemplificando se o edifício tiver 15 andares a numeração pula do 12º para 14º e assim por diante.

Paganini, que diziam ter parte com o diabo, o que não é verdade! Ele mesmo, hoje ainda desencarnado, nos diz telepática e textualmente que isso não é verdade mas, que ele apenas se aproveitava, para granjear mais fama e popularidade, desse jargão popular, compôs seu 13º Capricho para violino-solo dando-lhe tal conotação melódica que esse capricho é denominado de “o gargalhar sarcástico e zombeteiro do diabo”! Mas Paganini mesmo nos diz que, se o populacho e fanáticos da época tivessem um pouco de senso de observação, notariam que ele só tocava ou preferia tocar no seu violino “Garnérius del Gesú” ou seja Guarnério de Jesus, cujo símbolo no seu interior, marca do liutáio (artífice produtor de violinos) era e é uma cruz! (ver capítulo sobre Paganini)

Quem ler a biografia de Wagner outro grande compositor da música clássica (este de origem venusiana), fez hinos ao planeta Vênus, verá o quanto sua vida foi regida pelo misterioso nº 13!

Com esta singela demonstração desde Jesus a Wagner quis eu dar uma pálida pincelada numerológica e dizer aos leitores que todos somos frutos de uma Alta Matemática Cósmica, Racional, Exata, Divina, que é elaborada no Núcleo Central Cósmico Deus, de onde todos nós originamos!

SP 30/04/95 às 10h31

[hr]

[1] Obs: No momento da edição deste livro quero deixar registrado que Minha Querida Esposa foi para junto do Mestre dos Mestres em 19/03/96

[2] Aqui cabe uma observação: o número 3, o número 6 e o número 9 estão sempre presentes em quase tudo o que se relaciona com os temas siderais ou cósmicos. Talvez porque a Terra seja o terceiro planeta do nosso Sistema Solar e o seu movimento no espaço e tudo que girar é ternário, ou seja 3 por 4 ou 6 por 8. Quem for músico sabe.

A Origem de Deus – Núcleo Central Cósmico

Era o Nada Absoluto…, a Não Manifestação da vida, em todos os seus graus, gênero e número, nos campos Físicos, Mental, Espiritual, Cósmico e Sideral. A não manifestação do Tempo e do Espaço, desde o Átimo, desde o Átomo, no Micro e no Macrocósmo. A não manifestação da Inércia pela não manifestação do Movimento e, em não havendo todo as essas manifestações, não há a manifestação da Luz, da Sombra, do Positivo, do Neutro, do Negativo, do Calor, do Frio; não há portanto, a manifestação de Deus ou do Núcleo Central Cósmico. Não há qualquer manifestação Vibratória. E assim, supomos que, sendo nós, cada um de nós, seres ou coisas da Natureza, uma dessas manifestações Divinas ou todas elas reunidas em nós, assim se deu o Início dos Inícios- O Ruído do Silêncio, antes do surgimento de Deus!

Por Auto deformação, ou seja, a deformação operada sobre si mesma(o), e em não havendo as manifestações que mencionei no parágrafo anterior, enfocada no sentido cosmosófico dos acontecimentos, ou ainda, na parte invisível do Espaço Sideral, a Mínima Manifestação que ocorresse, seria a Deformação do “Status Quo” vigente antes do “start” ou partida Inicial ou Inercial, se quiserem alguns. Entenda-se que esse estado de Não Manifestação Geral e considerado por mim e pelos seres extraterrestres, como sendo a formação primária de algo e qualquer modificação oriunda de uma primeira manifestação nada mais! O resto são conjecturas e problemáticas somente resolvíveis por mentes de abertura em ângulo de 360 graus, mentes panorâmicas, jamais pelas mentes obtusas, irracionais, complexadas, sempre em pânico e temerosas de descobrirem a verdade, preferem viver de tabus, de dogmas, preconceitos e subserviência.

Admito que a criatura humana tem seus limites e barreiras naturais do saber, do conhecimento, as quais só serão removidas à medida que sua evolução psicossomática for ocorrendo através dos tempos, que podem ser milênios, mas será que ainda estamos no tempo de ter que admitir a existência daquele “velho barbudo” ligando as chaves dos geradores universais?!…

Nessa Espontânea Geração surgiu a Divina Consciência, posteriormente aglutinou-se Deus e surgiu o Núcleo Central Cósmico após bilhões de anos o que nos dá o sentido de eternidade, pois de lá para cá, houveram outros bilhões de anos para a formação do Plasma Cósmico e dentro dele, ainda no invisível, as partículas cósmicas do futuro universo sideral visível que iria surgir do microcosmo para o macrocosmo. Nada de “Big-Bang”, como insinua a Ciência. Ou seja, Deus começaria pelo fim no dizer da ciência. Faria primeiro uma gigantesca esfera ou bola para depois fazer explodir e espalhar seus pedaços pelo espaço sideral!. Isso não só não seria prático para uma Divindade Maior, como de uma infantilidade a toda prova, além do que seria anti-natural. Subentende-se que tudo deveria ter começado de uma esfera gigante, pois para montar essa esfera gigante Deus teria que começar de uma microesfera até chegar na grande, então não seria mais racional, sendo Ele Deus, já espalhar as microesferas pelo Universo e sobre estas ir revestindo-as com seus “ingredientes” divinos? É claro que essas esferas foram crescendo formando-se em tamanho e volume, alguns milhões delas foram explodindo, bipartindo-se e espalhando outras partículas pelo Universo, isto sim seria natural, seria racional.

Se pedíssemos à uma criança terrestre que após ter ganho um pedaço grande de argila, ela fizesse várias bolas, racional e psicologicamente, ela não iria começar fazendo uma bola gigante e sim já distribuir a argila em várias bolas menores. Penso que Deus “que deve ser mais que uma criança”, faria o mesmo e mais naturalmente!

Voltando ainda ao sentido de eternidade para uma mente limitada como a nossa, é muito vago, mas não é impossível de ser imaginado à mercê da lógica, basta pensarmos que fora dos limites físicos planetários e para Deus, não existem o passado, o presente e o futuro, apenas o Eterno Presente!

O Núcleo Central Cósmico Deus contém dentro de Si, os Raios, a Centelha de cada coisa ou ser existente ou por existir na imensidão universal. Como um Grande Focal, expande de Si suas Radiações para dentro e para fora de Si, formando o Invisível Sideral, o Cósmico, compondo e regendo o Microcosmo.

Sobre esse espalhado microcosmo, refletem-se seus Raios Divinos, que formarão o Visível Sideral que se transformarão mais tarde em gigantesco Macrocosmo.

“No Universo tudo se passa com naturalidade e automatismo-inteligente. O Núcleo Central Cósmico Deus, exala ou irradia seus vários tipos de manifestação, em forma de ondas de comprimento específico, dando à cada uma delas propriedades particulares de geração ou criação, a Luz, os Planetas desde o micro ao macrocosmo, as plantas, as Centelhas, ainda não providas de perispírito, o qual só é adquirida quando essa centelha penetra ou “se resfria “ no mundo das formas, tangíveis ou não, o Fogo, o Calor, a Água, o Ar, os Gases, os Organismos vários existentes na Fauna, na Flora, a Energia, as Radiações Cósmicas, as Radiações Magnéticas, a Matéria, a Anti-Matéria, os Mundos Paralelos ou Esferas Psíquicas (Psicosferas), o Vácuo e outras milhões de manifestações.

O Núcleo Central Cósmico como um Grande Focal, se propaga indefinidamente e não “está preocupado ”em saber ou manter controle se a Centelha Humana ainda não lapidada, vai procurar suas formas neste ou naquele planeta, perto ou distante, no solo no mar, no ar, na floresta, em meio a oxigênio e hidrogênio, ou gases, ou se ela será branca, amarela, vermelha ou negra, se terá mãos, pernas, tronco, cabeça, olhos, ouvidos, boca, sexo, pois sabe que ela se adaptará ao novo “habitat” e o “habitat” se adaptará a ela, um moto-contínuo sem fim. Apenas irradia cada coisa ou ser, expande, gera, cria.”

“As Centelhas, conforme o comprimento de onda no qual foram geradas inicialmente, serão personalizadas pois cada uma, apesar de poderem ser divisíveis, contém partículas infinitesimais que as diferenciam entre si no Tempo e no espaço, além de serem influenciadas pela diferença átimica em que foram geradas e pelas regiões que terá que atravessar no Cosmo até chegar ao seu destino direcional espontâneo, natural e “automático” que foi impulsionada e atraída, quando então escolherá seu “habitat”, seu corpo, seu progresso evolutivo positivo ou negativo. Em todas as escalas ou escolhas nunca haverá retrocesso no seu progresso de volta ao Criador, haverá apenas maior ou menor demora no seu estágio inercial, maior e menor encurtamento da distância que a separa do Núcleo Central Cósmico seu Centro Gerador”.

“Os popularmente chamados buracos negros ou sacos de carvão, ou quasars, cientificamente, espalhados pelo Espaço Sideral, são fontes de energias primárias das quais o Núcleo Central Cósmico se utiliza retirando as energias distribuindo-as pelas galáxias para a manutenção do equilíbrio universal, para a formação dos mundos visíveis (siderais) e invisíveis (cósmicos). Dessas regiões de grande conturbação magnética é que se originam os raios-cósmicos que bombardeiam os sóis e planetas, inclusive a Terra. Esses raios são a maior fonte de energia que alimentam e propulsionam as naves (volitores) ou popularmente ‘discos-voadores’. Os ‘quasars’ fornecem todo material necessário para o equilíbrio e harmonização cósmica; nelas encontram-se também o paralelismo da anti-matéria (ver capitulo “O Sol é Frio”).

“Sou informado de que mesmo numa nave altamente avançada tecnologicamente tem que desviar-se desses ‘quasars’ que são perigosíssimos para a navegação interplanetária, pois se houvesse uma falha e a nave não conseguisse desviar-se seria irremediavelmente tragada e jamais sairia de lá”.

“O Universo não se originou de fantásticas explosões que a Ciência denomino de “Big-Bang”, conquanto, tenham ocorrido explosões de “supernovas” dando origem, pela divisão, em outros sistemas solares, durante esses bilhões de anos de existência do Universo, e este foi sendo gerado pelos vários tipos de radiações exaladas pelo Núcleo Central Cósmico e expandidas pelas vastidões siderais e que foram dando origem gradativa das galáxias, sistemas solares, planetas, planetóides, meteoros, meteoritos, cometas, e tudo o que brota sobre eles”.

“As formas arredondadas dos sois e dos planetas são um simples resultado deles estarem em movimento, girando sobre si mesmos há milhões da anos. E o que os obriga a girar sobre si mesmos e em torno do sol é uma conjugação de fatores formada pelos seus pólos positivos e negativos em relação ao Ponto Magnético Central do Sistema Solar, em torno do qual o Sol também gira, as radiações solares e suas descompensações térmicas (pois cada planeta tem um lado escuro (a noite) e outro lado claro (o dia) dentro do vácuo o que lhes dá uma espécie de impulso inicial e inercial permitindo-lhes aquele moto-contínuo giratório e os mantendo em órbita.

A camada atmosférica de cada planeta com maior ou menor quantidade de oxigênio que dentro do vácuo forma um campo-de-forças planetário (à guisa de uma astronave ou vice-versa) lhes permite viajar no Espaço atraídos e ao mesmo tempo repelidos pelas polaridades magnéticas enquanto as radiações os mantém continuamente em órbita (não devemos esquecer que no vácuo todo corpo tem peso zero).

Os movimentos iniciais lhes foram dados quando ainda eram apenas núcleos invisíveis para depois passaram a ser visíveis em meteoritos, meteoros, planetóides, planetas e sóis. Se um ser vivente pudesse sair para fora da galáxia e pudesse vê-la de uma distância relativa, veria que ela é um corpo gigantesco quase compacto com todos os pontos ligados entre si por linhas magnéticas que são as “estradas siderais” pelas quais navegam as espaçonaves em vertiginosas velocidades, e interligando esses pontos pela luz de cada sistema solar, formando um todo luminoso, sempre dentro do imediato e simultâneo Eterno Presente. Veria que os espaços entre os planetas e seus sois e entre cada sistema solar que, avistados de dentro da Terra são distâncias gigantescas , de fora nada seriam, não sobraria espaço algum parecendo um todo solidificado. Assim como em nosso corpo físico “visto de fora” parece não haver espaço intercelular nenhum, “não há vácuos interatômicos inúteis”, sendo tudo aproveitado e tudo tendo a sua função, a sua razão de ser”.

“Nosso Espírito, Nossa Mente, Nosso Cérebro, estão imersos nessa vasta energia, nesse prana ou Plasma cósmico que lhes permite viver o Eterno Presente e obter o domínio de tudo que existe vencendo as barreiras do conhecimento. Podem plasmar, transformar, transmutar, criar, desintegrar, tudo ao seu livre arbítrio e receber de volta as ondas de retorno. Podem ser o Centro Criador do “habitat” onde se encontrarem (a Força Mental pode ser avassaladora tanto positiva quanto negativamente).

Quando O Mestre dos Mestres, Jesus, dizia “- Vós sois deuses e poderão fazer ainda mais do que eu fiz”, muito humildemente e de uma sabedoria cósmica impar, quis se referir ao Nosso Espírito que possui poderes latentes realmente inacreditáveis para aquelas que ainda não atingiram o grau de conhecimento, de emancipação e de domínio sobre si mesmos suficiente para colocá-los em harmonia com os seres mais evoluídos e com as super-inteligencias do Universo. Realmente, creio sermos todos nós deuses em miniatura, cópias exatas em imagem e semelhança do Deus Maior, O Núcleo Central Cósmico”.

“Feliz do ser racional ou infeliz dele, no dia em que o seu Passado encontrar o seu Presente”, naquele momento dar-se-á o choque-de-retorno e as suas ações pretéritas se transformarão em reações, vindo a baila inexoravelmente tudo o que foi feito de positivo ou negativo, mesmo o que estiver escondido no interior mais recôndito do seu ser.

Se essas ações foram positivas e as ações do seu presente também, tudo continuará positivo, se ao contrário, as ações do passado foram negativas e as do presente também, tudo continuará negativo. Porém, se as ações do presente foram positivas em maior número e grau do que as ações negativas do seu passado, tudo lhe será positivado, ou ao contrário, se suas ações do passado foram maiores em negatividade em número e grau do que as ações positivas do seu presente, tudo lhe será negativado.

Prevalecerá como na álgebra da matemática: sinais iguais = soma, sinais diferentes ≠ diminuição, prevalecendo o sinal do maior. Dar-se-á também, como exemplo, o assim chamado “ponto de viragem da química”, quando a última gota transforma a cor do líquido e assim por “diante”. Neste caso, o ser racional poderá ter a certeza absoluta ‘que receberá de acordo com suas obras” e, se ele “nada deve, nada deverá temer”. Se a soma dos sinais for positiva, não haverá má sorte, abandono por parte de Deus, ou causalidade, ou coincidência, pois ele estará fazendo juz ao que semeou. Se já tem muito dinheiro e muita saúde, terá sempre mais, se “for um pé frio” estará cada vez pior e nem o Criador mudará seu destino, pois o Criador, gerador das Leis que envolvem o Universo é sempre o primeiro a respeitá-las.

Cada um é responsável pelos seus atos como também pelo seu Livre Arbítrio. “A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória” – já dizia o Mestre dos Mestres, Jesus”. Porem, isto não significa um determinismo infalível, sem esperança alguma e para aqueles que viveram na “aparente clandestinidade mental, espiritual”, há sempre a possibilidade do karma ser negociado entre seus mentores e os mentores cósmicos mais elevados objetivando uma nova missão para seus protegidos.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, os Raios que conformarão os pequenos mundos físicos em grandes sois e planetas nas estrelas e cometas. Esses outros gigantescos, mas, pequeninos sois siderais, que por si, tendo a mesma função de um Núcleo Principal Diretor, aglutinarão e aquecerão os mundos que os rodeia, os futuros mundos habitados.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, a Luz, a Sombra, os Movimentos. Cada coisa, cada ser, são resultado do resfriamento de um de seus Raios Siderais. Raios que seguem para todos os quadrantes do Universo. Esses raios contém o átimo de Inteligência, que subcoordenam cada átomo. Chocam-se com cada Sol, Planetas, e neles fazem brotar a Função do Seu Potencial Criador.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, por choque e entrechoques, ações e reações, por pulsação, atração, repulsão, a luz se faz presente, e como ela os seres viventes. Formados o Micro e Macro, leis Mecânicas e Psíquicas se formam no interior do Universo; a Sístole e a Diástole movimentam perpetuamente, o Universo e sua Expansão.

Um tipo de raio forma o solo, outro raio forma a água, outro ainda forma as plantas, mais outro, subdivide as espécies, um outro forma a atmosfera condizente com cada “ habitat”, um novo, dá forma à vida em relação ao “habitat”. Inicialmente, aos tipos primários, em conseqüência, vem os secundários. Novo raio forma os Elementais que brotam, se originam, captam e vão controlar, equilibrar e harmonizar os Elementos dentro dos seus respectivos mundos e, por eles serão os grandes responsáveis, os polonizadores, os pais. Delimitarão e controlarão sua expansão, facilitando ou não, suas fusões ou seus intercâmbios.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Formados o Micro e o Macro, aglutinam-se e lançam-se de si vibrações fisioquímicas, gerando Linhas e Cinturões de Força Magnética, formando Vácuos, Buracos e Bolsões de onde novas energias brotarão. das vibrações sairão novas Leis que determinarão condicionamentos físicos, psíquicos, para a formação dos “habitats”, para a geração e criação de habitantes, para a formação de habitações para que muito mais tarde possam estar aptas a acolher, a vida bruxuleante, a vida rastejante, a vida aquática, a vida volitante, que evoluirão com o Tempo.

Tempo sem Tempo. Espaço sem Espaço para o Núcleo Central Cósmico que está em tudo e em todos, e que nunca retrocede nem regride, só evolui. Mas, ocasiona a existência do Passado, Presente e Futuro, no Seu Eterno Presente! Num moto-contínuo sem fim, Ultra Veloz e Ultra Lento, nada havendo para comparação pois tudo sai de Si e tudo retorna a Si.

Esse imediatismo Divino se resume na inexistência de quaisquer tipo de barreiras, físicas, mentais, espirituais, cósmicas e siderais. Pois as reações se dão instantaneamente para o Núcleo Central Cósmico Deus!

E o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Lança de Si, como um fotônio, a Centelha Humana, pensante, separando por micromilionéssimo de diferença, na geração, na criação, a centelha masculina, da centelha feminina. Dando à feminina os trejeitos e o dom material inato, não se importando em qual planeta ele tenha que formar seu futuro corpo.

As centelhas procuram, procuram seus futuros corpos, como meios de serem tangíveis e de poderem continuar manipulando o Universo agora já criado para elas. Achando para si seus físicos adequados em seus respectivos planetas, onde foram arremessadas e “resfriaram” suas vibrações. Almas conseguem adquirir um corpo mais denso feito de matéria “grosseira” como os dos terrestres e os habitantes do planeta Fesp (o último planeta do sistema solar, além de Plutão), outras só conseguem corpos energéticos, menos densos, porém ainda assim físicos. Muitas delas conseguem uma evolução mais rápida por terem ido parar em um “habitat” mais sutil, mais rarefeito. Estas, alcançando os degraus evolutivos mais rapidamente, conseguem a alta espiritualização e a tecnologia condizente, procuram então ajudar as menos favorecidas, mas todas buscam a caminhada de ascensão, evoluindo e se lapidando sempre e num futuro estágio de volta ao Núcleo, sua fonte geradora.

Brotaram expansivamente do Núcleo Central Cósmico, formaram-se e exploraram seus mundos, algumas rastejantes outras volitantes. Procriaram-se entre si, usando seus dons, seus conhecimentos, dentro de seus respectivos ‘habitats”, palmilharam, do mais baixo ao mais alto nível ou grau, podendo descer, planar ou subir sempre a escala do Progresso Criador Divino, de conformidade com suas índoles que lhes foram forjadas, formadas, criadas, desde o momento que foram “resfriadas”. Percorrem os tortuosos caminhos, na matéria, no astral e no mental. Aquelas que conseguem unir, nivelar o mental, o astral, o físico, em níveis elevados, espiritualizados, tendem sempre a prosseguir alterando, enquanto, as demais estacionam no Tempo e no Espaço e refazem seus aprendizados através de chances infinitas, de reencarnações incontáveis e em situações inimagináveis. Todas, porém, têm chances iguais, e , as Leis formadas antes delas mostram-lhes seus novos caminhos, árduos, penosos e sofridos, ou, fáceis, suaves e elevados.

Formarão e explorarão seus novos mundos físicos ou mundos paralelos (psicosferas). Fomentarão a criatividade e a expansão do progresso físico, mental e espiritual, ou ainda, estacionarão na sua própria inércia. percorrem o micro e o macro, as psicosferas (astral) , e seguem transmutando outros mundos. Novos degraus para as centelhas que são imortais, que resfriadas, se aquecem e voltam lentamente a serem vapor em ascensão habitando os mundos superiores, que por índole ou por dom, essas maravilhosas centelhas divinas se situarão em Altos Patamares.

“O que está embaixo está em cima”.

“O que está em cima está embaixo”.

São o reverso cósmico-sideral contínuo, imutável!

Surgem novos mundos físicos, novos universos paralelos, bruxuleiam novos precisos instantes nos mundos das formas, nos mundos etéricos. E, as centelhas agora homens, as centelhas agora mulheres, sexuadas como nos mundos inferiores, assexuadas, como nos mundos superiores, similarmente nos demais reinos, seguem sempre para o Progresso Evolutivo.

As órbitas dos sóis e planetas. As órbitas das luas e cometas. orbitas por onde essas grandes naves redondas, globais e girantes, caminham. Tudo em perfeita harmonia, numa sinfonia macrocósmica, pelas quais passam pequenos acordes em forma de naves Discoides, Fuseiformes, Esféricas, Trapezoidais, Triangulares, hexagonais e outras. Passam e atravessam, seguem pilotadas por seres que têm dentro de si a centelha e a sabedoria divinas. são seres que encontraram suas metas. “O conhecimento desceu sobre suas chamas”!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, e Ele é tão fantástico e imparcial que, quando as suas criaturas começam a se acomodar em seus “status quo”. nos seus estágios avançados ou não, faz passar um grande corpo celeste com orbita cíclica milenar e em sentido contrário a seus sois, que tem a função de mudar e de deslocar as demais orbitas que pareciam estacionárias, intactas, e dar novos caminhos e novas chances para as respectivas humanidades, e novos traçados cósmico siderais para cada sistema solar. Para os que já evoluíram ou vão evoluir. Àqueles que se sentiam “donos-da-verdade” em seus “habitats” primitivos, e nessa acomodação esqueceram-se uma das outras e de si próprias.

Nada no Universo é ou pode permanecer estático! Tudo é Luz e Movimento.

Por isso, periodicamente, ciclicamente, independentemente da vontade ou inteligência dessas humanidades, essas orbitas são alteradas previamente. Previamente, porque o Núcleo Central Cósmico através dos seus Engenheiros Siderais, fazem nascer nos locais, milhares de anos antes dos acontecimentos, os avatares, os clarividentes, os oráculos, os evangelistas em função de um Jesus e outros, que vêm com a finalidade de alertar as mentes, evoluir os costumes e fazer previsões para que o ser humano mais espiritualizado enfrente esses acontecimentos sem muito sofrimento e possam ser eles próprios deslocados para outras situações em patamares de vida mais condizentes com seu novo “status quo”.

Essas alterações cíclicas são executadas por um gigantesco astro solar, com massa de mais ou menos vinte e nove vezes maior que a do nosso Sol, denominado por nós de “SIDÉRIUS”. O “chupão” que mudará o Zênite, provocará o aparecimento das chamadas “supernovas” e, o nosso sistema solar já está sendo avistado por seres de outros sistemas como uma próxima supernova onde ocorrerão brevemente radicais modificações.

Essas supernovas explodirão, espalhando pelo Cosmos, novos mundos, novos seres, novos horizontes, novas atmosferas, novas localizações no Espaço, tudo para que hajam chances iguais, mesmo que muitos venham a sofrer dores físicas e morais, venham a repetir arduamente, milenarmente suas terríveis lições, seus aprendizados.

Jamais uma Centelha oriunda do Núcleo central Cósmico sofre solução de continuidade, pois ela é o próprio Núcleo Central cósmico, traz dentro de si tudo o que foi formado Nele. Traz dentro de si todos os dons e poderes para poder galgar todos os degraus. Do Positivo, ao Negativo, ao Positivo. dentro desse Infinito Universo que é o Núcleo Central – Deus.

Visto assim “de cima para baixo”, a centelha sentirá que é gigantesca em poder mas também é minúscula e impotente.

Assim como, o Núcleo Criador de tudo, não está nem um pouco preocupado com a região do Espaço Cósmico Sideral onde a Centelha vai nascer, também não está preocupado com a região que seu físico deverá perecer. Tudo se movimenta, tudo circula, tudo se transforma em tudo. “Quem nada dever, nada deverá temer!”. Pois “à cada um de acordo com as suas obras”, receberá exatamente o necessário, nem mais nem menos!

Porém, “Ai de Ti ou Feliz de Ti no dia em que o Teu Passado encontrar o Teu Presente”!

A Lei dos Sinais Cósmicos Algébricos funcionará e o atingirá inapelavelmente, transformando o teu atual momento num acumulado de fatos negativos ou numa somatória de positivismos. E nada, nada mesmo! a não ser a Própria Centelha produtora das ondas vibratórias iniciais, sejam desarmonizantes ou harmonizantes, poderá ter a força de mudar seu Choque de Retorno, sua Reação em Cadeia abrasadora.

Se toda a Centelha é o Núcleo, a ela caberá medir sua conduta, “Pois vós sois deuses e poderão fazer coisas incríveis no Universo”!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, apenas as centelhas conservam a sua natureza inicial, não se transformam em pó, mas só o que for matéria em volta delas, em seu redor.

As Centelhas saem do Núcleo, percorrem os vários patamares da vida, sempre ascencionalmente. Levam milênios e mais milênios, para depois retornarem ao Núcleo. deixam de ser criaturas, passam a ser Deus! Juntam-se àquelas outras milhões de inteligências que brotaram no Nada Absoluto, durante as convulsões iniciais da Auto-Deformação, da Espontânea Geração, da Aglutinação para a formação do Núcleo Central Cósmico Deus!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Mundos voláteis mais avançados, são gerados para a futura morada das Mônadas, dos Espíritos e Mentes Superiores, dos denominados, Arcanjos, Anjos, Serafins, Querubins e outros, para onde seguem sem cessar. Alguns milhares seguem para a formação de corpos físicos ou energéticos em mundos rústicos ou sutis, outras milhares retornam à Fonte e vão engrossar o feixe vibratório que forma o Núcleo Central que é e sempre será sua Pátria Original. O Plasma Cósmico então para existir fica como se “bafejado” pelo Hálito Divino ou ainda como se permanecessem “nadando” na Saliva Divina.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. E, as Centelhas Primárias que saem da emissões do Núcleo, têm a propriedade de se duplicarem. São, por assim dizer, hermafroditas, podem gerar Centelhas Menores e estas, outras menores e assim subseqüentemente “de cima para baixo”, mas nunca ao contrário, nenhuma Centelha Menor consegue ou tem a propriedade de gerar uma Centelha Superior, porém, por estarem mais próximas dos mundos podem e são responsáveis pela geração ou criação dos Seres Elementais, entidades ligadas à matéria responsáveis dentro de suas características próprias pela expansão e equilíbrio natural dos écos-sistemas de cada mundo. E um dia todas retornam ao Núcleo, num gigantesco ciclo Cósmico-Sideral. assim como toda a matéria. Volta ao pó, ao microcosmo de onde saiu.

Aqui faço um parênteses para explicar que tudo o que aqui foi e vai ser escrito foi obtido pelo processo que denomino de: MENTOGRAFIA.

De Onde Viemos, O Que Somos e Para Onde Vamos

Gênesis Moderna

Captado em 1967, revisto e atualizado em 1995 (13-10-95)

Dedico este capítulo aos Meus Anjos; Minha Querida e Saudosa Esposa Conceição Aparecida, Minha Filha Regianne e ao Meu Querido Genro Paulo e agora a minha netinha Giulia.

O nascimento de minha filha se deu no mesmo dia e ano a que iniciamos a captação deste assunto. Essas três criaturas, O Criador – O Núcleo Central Cósmico – Deus, colocou-as em minha vida e motivaram-me a continuar sempre as pesquisas e a continuar com o relato destas vivências. Seus exemplos de vida, suas atitudes carinhosas para comigo e de uns para os outros, deram-me exemplos de perseverança, coragem e desprendimento, sem o que, não me seria possível ter chegado até aqui.

Ao Grande Engenheiro Sideral, Gósbolau, da Galáxia Centrífugas, distante aproximadamente de nós 100 milhões de anos luz (conforme o sistema de mensuração vigente), que sendo um dos responsáveis pela aglutinação do Nosso Sistema Solar, projeta-se diuturnamente entre nós e vem nos buscar com nosso duplo-etérico e nos leva pelo Espaço Sideral a dentro para que coletemos os ensinamentos e os transmitamos à humanidade. Mostra-me através das imagens cósmicas o que pela Mentografia aqui vai escrito.

Ao outro Grande Engenheiro Sideral, Rasmeian, da mesma Galáxia Centrifugas, que reveza com Gósbolau e nos faz presenciar outras facetas da construção do Universo.

Com esses dois maravilhosos e super poderosos seres, que se apresentam para nós como duas gigantescas chamas que saem do solo e se erguem à altura de um edifício de quatro a cinco andares, podemos saber o valor e significado exatos das palavras Cosmosofia, Cosmogonia, Cosmologia e Cosmografia.

Ao maravilhoso comandante da nave do planeta Kiont, Dornete e seus tripulantes que tanto vêm nos ajudando, transmitindo-nos, para nós os demais seres dos outros planetas do nosso sistema solar, informações sobre o gigantesco plante Sidérius, astro transformador, que vem dirigindo em direção ao nosso sistema solar, e por aqui passará brevemente e todas as conseqüências resultantes de sua passagem. O planeta Kiont, de Dornete, se situa no décimo primeiro sistema solar mais próximo do nosso para dentro do espiral de nossa Galáxia, a via-láctea.

Quero deixar registrados meus eternos agradecimentos a todos os seres extraterrestres que vêm nos ajudando com suas mensagens e suas projeções de imagens de seus “habitats” e de suas naves para nós, e que desde criança nos acompanham “par-a-passo”, não nos “perdendo de vista” um minuto sequer, para que nossa missão não fosse interrompida até agora, entre eles, aqui só não os nomes de alguns, pois são centenas e eu não poderia lembrar o nome de todos mas, no decorrer das próximas edições cada um aparecerá com sua mensagem: Meus Pais queridos de lá de onde eu vim. Heclóss e Zanácla, Alléss (governador geral) e Arténias, Mercléias e Tirce, minha querida irmã Etliéls e querido irmão Zânflis, Ducléssclass e Donclér (ex. capitão Mantel da força aérea americana), Rubers, Elmides, Valliss I, Valliss II. (que está em Plutão), Valliss III , Klerkur de Plutão, todos de lá de onde eu vim para reencarnar aqui a milênios. Aos Queridos Aislan, Crislér, Jansle, do planeta Oswen, aos espiritualíssimos Kórpkéns, do planeta Netuno, Wórléns e Megakalé, do planeta Saturno, aos gentilíssimos Junót, Lyres e Benót, do planeta Júpiter, aos inteligentíssimos Ink, do planeta Ága, Irlíe, do Sol; Glonk e Trarêz, do planeta Plutão, do Niê-Rodí, do planeta de Jesus – Vênus, Zar-Xíss e Tash-Kassá, do planeta Mercúrio, ao Jarlós, do planeta Urano, ao Kromíl*, do planeta Plutão mas que fica pairado com sua nave na atmosfera do último planeta do sistema solar Fésp e de lá nos remete as imagens, ao Záskl, do planeta Arráki da oitava galáxia, ao Herb, também de um sistema solar distante, ao Timer, de outro planeta fora de nosso sistema solar ao Nk (nék) aquele comandante que examinou dentro de sua nave aquele casal americano que foram abordados em uma estrada dos EUA e a dezenas de outros seres extraterrestres que eu mencionarei em capítulos outros. Não poderia deixar de agradecer ao comandante Dornete e sua tripulação que vem nos informando sobre a rota do gigantesco planeta Sidérius, com sua nave de mais de 400 metros de comprimento (vide croquis da nave na pag) pertencente ao planeta Kiont do 11o. Sistema Solar distante do nosso.

Não posso esquecer do casal de médiuns, os saudosos Pedro Duarte Silva e Guiomar Ventura, da cidade de Rio Grande da Serra, que conosco fizeram muitas sessões de mentografia em sua casa, onde pudemos receber muitas mensagens.

As entidades espirituais da Terra que vêm nos protegendo e nos auxiliando com outras informações e mensagens, o primeiro deles o Grande Mestre Jesus de Nazareth, ao caboclo José da Barreira, responsável pela nossa formação e desenvolvimento mediunico; outros índios desencarnados, meu protetor direto Falcão Ligeiro (Tamandaré) da nação Cheyenne, o índio Tapúia, protetor de minha esposa e outro protetor dela o aborígene Manikuan da antiga civilização Maia, aos protetores de minha filha Zántius-Zendas da antiga e submersa Lemúria, a Adrian Kadésh médico entre os Tuarégs do deserto árabe, ao nosso inseparável Hunessúe que viveu no Egito como médico há aproximadamente 3.000 anos atras é só porque levantou os olhos para uma princesa egípcia que passava, foi emparedado!, hoje ele é o nosso médico espiritual, ao grande Pétrus sacerdote da antiga Atlântida, e assim a milhares de outros que os leitores tomarão contato no decorrer dos próximos volumes.

Aos Elementais todos, principalmente aqueles que nos acompanham e que pertencem a cada reino dos elementos: Terra, Água, Fogo e Ar e Florestas. Assim cada um deles vem nos assessorando com os conhecimentos minuciosos sobre seus elementos e até sobre os animais, entre esses elementais cito os pequenos gnomos Horst e seus cinco amiguinhos, cada um deles com seu nome, é claro, mas que vou mencionar em capítulo específico, sempre os chamei de Horst & Cia., que em nossa casa de Ribeirão Preto, no bairro da Ribeirânia, ao amanhecer, enquanto eu e minha esposa dormíamos, eles faziam uma pirâmide humana, um subindo no ombro do outro, ou seja, composta de três embaixo, dois sobre os três e Horst em cima de todos, apertavam o interruptor de luz na parede (tipo Pial) e acendiam a luz do quarto em nosso rosto, como para que acordássemos. Escutávamos o botão sobre a cabeceira de nossa cama estalar e mover-se e víamos em nosso astral aqueles seres pequeninos empilhados, rindo gostosamente. E nós riamos com eles. São pequeninos e vestem-se com seus gorros pontiagudos, sapatilha com pontas para cima ao estilo dos irlandeses antigos, com aqueles cintos largos e afivelados, calças justas até as botinhas, parecendo “Robin Woods” em miniaturas. São seres excelentes. Brímer que mais parece um anjinho barroco com seus cabelos encaracolados e bem loiros. Brímer é um elemental do ar, como ele nos diz, vem das regiões do Arco-Iris. Fedine um elemental da floresta com sua voz aguda e do tamanho de uma criança ou de um anãozinho .Não usa roupas é verde como clorofila. Está sempre alegra é assexuado e desprovido de qualquer malícia, sempre puro como a natureza. Fedine é um Duende da Floresta.

Outro elemental da floresta é um Fauno ou Pan que acompanha minha filha. É um ser maravilhoso com um sorriso largo, dentes alvíssimos, tem o formato do corpo metade humano, e para baixo da cintura parece um caprino com os cascos idênticos. Possui dois pequenos chifres que se salientam de dentro dos seus cabelos encaracolados. Não gosta que o chamemos de Éros. É prestativo e nos transmite uma calma, uma serenidade e uma pureza infantil, apesar de sabermos que é jovem, quase adulto.

Acho que o compositor Debussy deve ter visto um deles ao compor sua música “A tarde de um Fauno”. Discorrerei sobre isto nos próximos volumes.

Às nações de pretos-velhos e negros desencarnados que também muito contribuíram para que até aqui chegássemos. E assim, dezenas, que dentro dos seus limites de ação e de conhecimento levaram-nos (nós que nesta altura poderíamos ser chamados de bruxos modernos) às da assim chamada Direita que também tudo fizeram para alcançarmos nossos objetivos. Destas duas facções espirituais nos ocuparemos em um capítulo especial tal é a vastidão de detalhes que gostaríamos de transferir ao conhecimento dos leitores.

* Lembrar do amigo de Glonk que casou com uma moça de Marte
MISK e SAFSA (filho) ELVERCI
Sumabre (entidade captada por Alléis)
Rasmeia

A Figura do Rosto Humano no Solo Marciano Fotografada por Sonda Americana

Muito se tem falado e escrito a respeito do assunto sobre aquela figura desenhada no solo de Marte e que se parece com o rosto do Mestre dos Mestres Jesus, consequentemente, muitas controvérsias e muitas idéias antagônicas e por vezes absurdas tem sugerido. O que não deixa de ser interessante pois atrai a atenção da opinião pública mundial e principalmente a brasileira em torno do que seria ou não seria aquela figura, e se a mesma foi feita por algum ser vivente daquele planeta, desta forma, de uma maneira ou de outra , todos procuram entender o que há em Marte se passa realmente.

Muita gente, ao longo desses anos, tem me perguntado sobre o que eu acho e o que nos dizem os extraterrestres. Eu respondo exatamente o que recebo deles, ou melhor diretamente dos dirigentes daquele planeta amigo. Através do processo de Mentografia (escrita direta a longas distâncias, intervivos que, para quem não sabe, é a maneira mais rápida e mais precisa de se fazer um contato ou uma intercomunicação entre dois cérebros interplanetários, não importando as distâncias astronômicas que os separam). E, a resposta que eles me dão sobre aquela figura em Marte é a seguinte:

“Trata-se apenas de um acidente geológico ou “marciológico” do solo marciano, produzido por erosões eólicas”, ou seja, produzidas pelos ventos marcianos há centenas de anos. São montes e vales ou ainda “campos” que sob a luz solar e consequentemente sombreamentos formam o que foi visto a distancia pelas câmaras fotográficas da sonda artificial terrestre. Rosto esse, agora ligado a figura do Grande Mestre terrestre, Jesus. Como se alguém na Terra pudesse afirmar qual era o rosto verdadeiro de Jesus se em pleno século XX terrestre, duvida-se ainda da veracidade da imagem do rosto e do corpo de Cristo que ficaram dolorosamente impregnadas no assim chamado Santo Sudário; tido por uns como verdadeiro e por outros como grande falsificação. (Farei uma explicação sobre o Santo Sudário em capítulo específico). Desta forma, onde ficamos? Se todos os rostos de Jesus conhecidos pela humanidade terrestre foram criados pela imaginação dos grandes mestres da pintura e da escultura através dos séculos!

Nem mesmo Lucas, o Evangelista que era médico, escritor e pintor, sendo ele o único que conseguiu pintar o rosto de Maria, mãe de Jesus, que se encontra hoje na Iugoslávia, pois esteve com ela pessoalmente, não pintou nem de memória o rosto de Jesus! Daí queremos cientificamente ou não ligar a Jesus um efeito físico da natureza do solo marciano à uma hipotética idéia coletiva daquilo que seria o Seu rosto, há uma grande distância. Não que eu ache seja isso impossível, pois para as mentes avançadas e para os Engenheiros Siderais nada é impossível. Isto sem levar em conta de que existiram e existem pelo mundo afora, milhares de “sósias-jesuinos” em todas raça terráqueas.

Assim sendo, nada tem a ver o que possivelmente foi fotografado em Marte com qualquer semelhança humana, trata-se de pura coincidência, assim como as famosas depressões do solo lunar foram vistas durante muitos anos, aqui da Terra, como sendo a figura daquele soldado romano que depois passou a ser chamado de São Jorge e que, com seu “cavalo”, pousava na lua para ser avistado daqui pelos religiosos fervorosos que querem ver santos por toda parte em busca de proteção e milagres, porém, desapontados, desencantados tão logo o homem pisou o solo lunar pela primeira vez fotografando-o milhares de vezes!

Quanto a idéia de um eminente cientista terrestre que aventou a hipótese de ter sido aquela imagem fruto das impregnações do conteúdo mental dos próprios cientistas que manipulam o projeto – Marte da Nasa ou ainda, estendendo-se mais, achando que as impregnações sobre os filmes fotográficos serem fruto mental da maioria do povo terrestre que almejava que lá em Marte houvesse uma forma qualquer de vida, acho que até poderia ser válida porém, não conduz com a realidade.

Quanto a existência de vida em Marte, posso assegurar ao povo da Terra, que há vida e que é muito mais inteligente e mais avançada que a nossa.

Aquele eminente cientista têm toda a razão de pensar nas impregnações mentais sobre os filmes, devido as muitas experiências realizadas na terra com paranormais e ter-se conseguido resultados surpreendentes, porem, contra a hipótese dele eu diria que há muito mais pessoas na Terra incrédulas em Jesus e a grande parte dos cientistas é cética, acreditam que a vida só pode haver na Terra e os fenômenos paranormais ainda não estão ao alcance deles por não terem aparelhagem adequada para mensurá-los, e seus conteúdos mentais são inversamente apostos às minorias crédulas.

A meu ver eles dão a entender que desejam e torcem para que não haja vida em outros planetas, se é que já não a encontraram, pois isso mudaria radicalmente seus modos de pensar, de agir e de pesquisar, e eu então pergunto: “- Por que esse conteúdo mental pouco lisonjeiro dessa grande maioria incrédula e cética, não haveria de impregnar contrariamente os filmes, o solo marciano? ou seja, mostrando a ausência e a impossibilidade de vida em Marte?

Claro, que se pudesse, impregnaria, partindo do mesmo raciocínio do emitente cientista que simplesmente esqueceu-se de mensurar, de avaliar, e que põe por terra suas hipóteses, o que é perdoável, porém, não invalida suas experiências dentro do “habitat” terrestre em relação as pessoas e seus males físicos.

Àquele eminente cientista, emito meu voto de louvor e confiança pela grandiosidade de seu raciocínio e pelo seu árduo trabalho na experiências que vem realizando em prol da ciência e da Coletividade. É ele detentor de uma mente panorâmica em ângulo de 360 graus, e com grandes objetivos!, porém, para nós a realidade é outra.

Outras Observações

Com relação as mensagens recebidas de entidades espirituais (desencarnados), o processo utilizado é o da psicografia que é processo de escrita mecânica direta entre mortos (espíritos) e vivos (médiuns). As mensagens recebidas de seres de outros planetas (seres encarnados), o processo utilizado é o da mentografia que é o processo de escrita direta inter-vivos à longas distâncias, e que também faz uso a telepatia, incorporação inter-vivos, projeção do duplo-etérico, materialização energética sem o uso do ectoplasma, psicometria, vidência, clarividência e outros.

Em ambos os processos, quando as mensagens estiverem aqui em forma de manuscritos, a grafia predominante é a do médium que não pode deixar de intervir devido a grande dificuldade de adaptação imediata tanto do espírito desencarnado e mais ainda dos seres de outros planetas. Portanto, a grafia fica um tanto modificada parecendo um pouco a grafia do médium e um pouco a grafia do ser emissor da mensagem. Isto não invalida de forma alguma o seu conteúdo, idéias e intenções do espírito ou ser manifestante, o qual, só adquire sua total personalidade no momento que assina a mensagem ou quando a transmite no seu idioma original.

Esta observação se faz necessária porque logicamente haverão aqueles que tentarão comparar as grafias aqui expostas com aquelas entidades que viveram na terra e deixaram alguma coisa escrita.

Quando a mensagem for mostrada já datilografada é porque tomamos o cuidado de transcreve-las na época que foram emitidas para  facilitar a leitura daqueles que a leriam na época, uma parte será demonstrada em “fac-símile” da forma como foram escritas na ocasião.

Aqui selecionamos algumas delas para que o leitor tome conhecimento dos vários tipos de fluxos de mensagens que viemos recebendo durante o tempo que fizemos nossos trabalhos de pesquisas.

Peço ao leitor que se atenha, se possível, apenas no teor e conteúdo das mensagens e aproveite o que lhe for útil. Quanto a fonte emissora da mensagem se é legítima ou não, deixe entregue ao sabor do Tempo e de Deus, que futuramente haverão de ser comprovados.

Nossa intenção é de levar ao leitor as várias nuânces, as coisas pitorescas e bem particulares de nossas pesquisas. Não tememos críticas ou julgamentos de quem quer seja, pois temos certeza de nossa pureza de propósitos.

Mentografia

“Mentografia é o processo de escrita direta a Longas Distâncias Inter-Vivos e que se utiliza dos fenômenos da Telepatia, da Projeção do Duplo-Etérico à Longas Distâncias (bilocações ou viagens astrais), da Incorporação Inter-Vivos, da Clarividência, da Materialização Inter-Vivos, da Psicometria, da Cromosofia e muitos outros”.

A mentografia difere da psicografia que é escrita direta-mecânica entre mortos (desencarnados) ou Espíritos e Vivos (médiuns). Na mentografia somos levados a presenciar “in-lóco” os fatos ou acontecimentos, vendo e ouvindo tudo e após, em segundos, fazermos as transcrições para nosso entendimento, enquanto nosso cérebro e não o cérebro do emissor dirige nosso braço e nossa mão para escreverem. Porém, tudo é feito em grandes quantidades sem voltar atrás para saber o que já foi escrito. Daí, surgirem alguns erros de concordância, erros gramaticais, ou alguma repetição exagerada de frases. Mas nestes casos, a parte revisional do texto se encarrega de fazer as devidas correções sem descaracterizar a minha forma de escrever.

Os seres extraterrestres podem nos explicar muitas dúvidas com respeito ao Universo e ao Mundo de cada um deles, porém, há propriedades intrínsecas do espírito humano do terrestre e outras muito pessoais e particulares de quem escreve e só o “proprietário” desses registros, se o mesmo for um espírito esclarecido, elevado e bem vivenciado na Terra poderá explicar. E é o que tento fazer vez por outra, quando também, eles, os extraterrestres lançam as dúvidas e as perguntas sobre o que eles precisam saber sobre nós.

Voltando ao Grande Focal – O Núcleo Central Cósmico Deus, a impressão que me foi transmitida é a de que Ele por impulso próprio, ou por polarizações diferentes entre si, gera em torno de si próprio, como se fosse uma gigantesca bola ou esfera de luz girando em torno de um eixo imaginário, espargindo raios, faíscas, radiações, para todos os lados. E nesse giro, Ele, dentro do plasma cósmico faz girar as galáxias e estas fazem girar seus bilhões de sistemas solares. Cada sistema solar, pequeno ou grande como o nosso que possui doze planetas e não nove como a Ciência detectou até agora, gira em torno de seu sol que também esparge radiações para todos os lados. É um gigantesco movimento-sincronizado sempre em expansão.

A Ciência calcula que existem no Universo cerca de trinta e cinco bilhões de galáxias, com formas diferentes tais como: Espirais, circulares, centrifugas, esféricas, alongadas e etc., sendo que algumas, ainda no dizer da Ciência, possuem mais de um trilhão de estrelas cada, e nos parece que a Ciência não está incluindo nesse número os planetas e planetóides que giram em torno de cada estrela e que sejam um sistema solar. Neste caso, havendo outros planetas eles existem aos trilhões, então o número de planetas que compõem cada galáxia duplica-se, triplica-se, quadruplica-se e indo mais longe!

Ainda no dizer da Ciência, a nossa Galáxia a Via-Láctea, possui em torno de mais de bilhões de estrelas sem contar os planetas! Haja “Big-Bang” para ser explodido e assim Deus poder Criá-las todas!. Portando a despeito de toda consideração que os cientistas, Pesquisadores e a Ciência em si são merecedores, fico com minhas teorias e afirmações, pois, parecem-me ter mais lógica, mais fundamento e chegaram até mim remetidos por mentes muito mais evoluídas que nós.

Contudo, devido ao processo bem humano de captação das informações, são passíveis também de enganos. Não me considero o dono da verdade e estou sempre pronto ao diálogo e as discussões sobre o assunto. Críticas, quem as fizer, tem que provar por “A+B” que estou errado. Senão, os deixarei falando sozinhos!

Vou tratar agora do assunto sobre o Nosso Sistema Solar e seus Doze Planetas.

Claro que as antigas civilizações como as da Atlântida Lemúria e outras, principalmente as mais próximas dos nossos dias como: os Caldeus, os Egípcios, os Vedas, os Essênios, quase todos tinham conhecimento de Astronomia e Astrologia, já catalogavam os signos e consequentemente, tinham conhecimento da existência dos doze planetas do nosso Sistema Solar, daí os doze signos sob as influências planetárias e não só as influências das constelações zodiacais. O próprio Mestre-dos-Mestres Jesus nomeara ou escolhera seus doze apóstolos para representar cada um dos planetas em torno do Sol carismático que era Ele.

Mentografia: é um termo criado por nós para designar a escrita inter-vivos a longas distâncias, difere da Psicografia que é a escrita entre mortos (entidades espirituais) e vivos através dos processos mecânicos da mediunidade. Neste processo podem-se dar outros fenômenos, conjuntamente, que são: clarividência, psicometria, vidência, tradução imediata dos caracteres de escrita extraterrestre para nossa escrita, ou como são pronunciadas foneticamente, isto é, as letras são terrestres, mas, o som das palavras são nos originais. Um exemplo: Se um russo escrevesse através de nós, ele poderia escrever em russo mesmo ou em português como seriam pronunciadas, apesar de continuarmos não entendendo nada, saberíamos a sua fonética e só após, através do nosso cérebro ele buscando as palavras equivalentes seria feita a tradução imediata. Com os extraterrestres que escrevem em seus ideogramas é mais complicado ainda.

Telepatia: denominamos de contato frio, apesar de distinguirmos o timbre de cada voz em nosso cérebro e sabermos quem está entrando em contato conosco, não sentimos o calor humano, os sentimentos, enfim toda a gama dos sentimentos existentes, nem mesmo a temperatura corpórea de quem mantém o contato.

Desdobramento: Ocorre durante o sono, quando o espírito se liberta do corpo por vontade própria ou, no nosso caso, quando é atraído para lugares nunca vistos e com seres de outros planetas e, quando retorna ao corpo a maioria das pessoas quando dizem que sonham, porém vivem cenas mais comuns ou recordam-se durante o sono de cenas que já se passaram em outras vidas e as vezes premuniam algo que vai acontecer, mas tudo ocorre inconscientemente, sem que elas possam controlar através da sua vontade própria os acontecimentos, por isso o desdobramento serve também para que as entidades-guias das pessoas possam dar a elas as instruções necessárias para seu quotidiano e serve também para as entidades negativas “mui amigas” da pessoa busquem-na para dar continuidade as tramas contra ela própria ou que ela tenha pedido para participar contra outras pessoas. Os pesadelos também fazem parte do desdobramento. É muito difícil separar-se um sonho de um desdobramento. Normalmente classificamos o sonho propriamente dito como sendo estático o espírito não deixa o corpo, somente o subconsciente trabalha. As pessoas devem procurar atentar para isso e aprender lenta e gradativamente a separar um do outro.

Projeção do Duplo-Etérico à Longas Distâncias: Viagens Astrais, neste caso, este tipo de contato é muito raro, contudo tenha sido muito mais freqüente conosco, ocorrendo em dias previamente determinados pelos Extraterrestres, pois há necessidade de certos regimes ou abstenções aconselháveis de alguns alimentos e bebidas, fumos, etc., Estes últimos,  nunca  utilizamos. Este processo, é consciente de ambas as partes, tanto da nossa como da parte dos extraterrestres. O físico fica em estado letárgico enquanto saímos fora do corpo, ou seja o Duplo-Etérico que é o agente sensível, o agente da dor é atraído para dentro das naves juntamente com nosso perispírito e o mental. Desta forma, é possível para esses veículos agirem como um “repórter de campo” transmitindo tudo que vêem e sentem para o nosso cérebro que fica semi adormecido sentado na poltrona para depois podermos escrever os detalhes. Já quando os extraterrestres fazem eles mesmos a projeção, ou seja, saem dos seus corpos e vêem conversar conosco, seus corpos não permanecem em letargia pois eles tem um domínio muito maior sobre si mesmos e o fazem enquanto pilotam suas naves, como aqui um pianista faria no seu piano a melodia na mão direita e o acompanhamento na mão esquerda, os hemisférios cerebrais funcionam livres separadamente.

As vantagens dessas projeções ou viagens astrais é que permitem-nos viajar dentro das naves sem sofrermos as variações ambientais, ou de velocidade e nossa flora de bactérias, tanto as intestinais como as outras não são afetadas, e os extraterrestres correm menos riscos de serem contaminados assim como nós também.

Este tipo de projeção do Duplo-Etérico à qual venho sendo treinado desde criança, não só para manter os contatos mas porque meu espírito possui essa vivência desde os primórdios da Atlantida e muito mais no Egito Antigo, e bem como, minha saudosa esposa que conheci quando tinha 16 anos. Ela, também, veio sendo treinada e adquirindo uma perfeição maior ainda, é muito rara nos padrões que fazemos e é por isso que talvez tenhamos conseguido chegar a esses contatos, apesar do grande sofrimento que individualmente passamos para chegarmos até aqui.

Contudo não nos achamos privilegiados, porém, não nos é possível ensinar, pois não há como ensinar. É inato, é nascer para isso, persistir sem desanimar e vencer os medos e os tabus interiores. Ser metódico, fazer os regimes adequados de alimentação, cultuar a potencialidade do espírito e da mente; ter ao seu lado entidades e seres de mentes poderosas para nos amparar nos momentos difíceis de aflição e de desânimo. Ler muito a respeito e procurar seu engrandecimento interior positivo, além, também, de exercícios respiratórios lentos e profundos antes de iniciarmos cada “viagem”.

Através da projeção do Duplo-Etérico podemos ver e sentir o interior das naves, os sistemas de painéis de controle, os seres, suas conformações físicas, o material da nave, seu sistema de propulsão, contudo nunca nos foi permitido ver os detalhes ou seja como e porque funcionam. No dizer deles seria muito perigoso para qualquer ser terrestre estar a par do sistema de propulsão, pelas razões interesseiras que alimentam o homem. Podemos enxergar através de seus potentes aparelhos, podemos olhar na tela de controle de bordo e aprendermos o funcionamento do Cosmo, do Sideral, do Sistema Planetário e trazer para nosso físico que fica gravando tudo dentro de nossa casa, para depois escrever.

Conforme o leitor poderá verificar em capítulos específicos mais adiante, este tipo de contato através da projeção do duplo-etérico, nos levou a prestar serviços e a assistir “doentes espirituais” e ver cenas horripilantes no Baixo Astral Terrestre ou naquilo que chamamos de Psicosferas Negativas para Regeneração, e até visitarmos e nos encontrarmos com seres no Polo Norte, no Polo Sul, em temperaturas a 50º, 60º graus negativos e nossos organismos sempre sem sair de nossa casa nada sentiram. Assim em densas florestas tropicais como as do Amazonas, sem sermos molestados por animais ou insetos de qualquer natureza. Muitas e muitas vezes, no início, tivemos a nítida impressão de termos morrido e não sabíamos como retornar ao corpo. A sensação não é de medo ou pavor, mas, sim de estupefação e espanto.

Temos, também, sido levados a conhecer, simplesmente a passeio, outros locais no globo, como por exemplo as Pirâmides do Egito em seu interior. Temos retirado espíritos e duplo-etéricos de pessoas mais chegadas a nós e as temos levado a passear e a visitar locais, parentes e amigos, além de prestarem, também, sua forma de auxílio. Temos sido vistos e sentidos por outras pessoas sensitivas, como se materializados em suas casas, em seus quartos, enfim, a projeção do duplo-etérico a longas distâncias, a nosso ver, será o veículo do amanhã para o futuro ser humano mais evoluído.

Vidência Psicométrica: este tipo de fenômeno que ocorre conosco, acorria muito com a minha saudosa esposa, nos permitem ver, assistir, sentir, vivênciar nossas próprias vidas passadas e as vidas das pessoas que quisermos examinar ou ainda das pessoas que nos pedem auxílio. As cenas se passam com tanta realidade e nitidez que as vezes pensamos estarmos vivendo “In loco” aquelas vidas e ver-mos as pessoas como elas eram e são realmente em seus espíritos. Este tipo de contato ou fenômeno não se atém apenas às pessoas, mas, também, a objetos, a coisas e a música que tem a propriedade de fixar-se em nossa mente e em nosso espírito fazendo com que voltemos ao passado quando a ouvimos na época, pois suas propriedades sonoras, seus acordes e melodias depois de se transformarem em sons, transformam-se em gás colorido de acordo com cada tipo e que por sua vez interpenetra nosso chakras, plexos, poros, sistema endócrino, nossa mente e nossa alma, fazendo-nos viajar no mundo das imagens e das recordações. Mais ainda se ela vier acompanhada de letra como na música popular, e na música lírica. E o compositor, com sua idiossincrasia particular, também é levado ao passado, quando a compõe formando assim uma corrente universal psicométrica que envolve pessoas de toda classe e formação. Portanto, esse tipo de fenômeno que também é raro permite ao seu portador, reconstituir fatos históricos que passaram muito tempo sendo considerados como lendas e transformá-los em veracidade ou dar a eles um novo  enfoque ou visão.

Incorporação Inter-Vivos: este tipo de contato e por conseguinte de fenômeno, é raríssimo também. Consiste em um espírito de uma pessoa ou ser vivo tomar o corpo de outro ser vivo.

Exige um preparo muito grande de ambas as partes contatantes pois, difere muito da incorporação normal entre mortos e vivos praticada pelo espiritismo. Neste caso o espírito incorporador leva para o “incorporante” todos os seus sintomas físicos, tais como: temperatura corpórea, pressão sangüínea, potencial vibratório, potencial de intelectualidade. Isto acarreta sobre o “médium” que chamei de incorporante Uma série de transformações e mal estares que por vezes desregulam seu metabolismo mesmo que seja por algumas horas. E o nosso contato com seres extraterrestres nos mostrou muito essas variações pois, dependendo do planeta que ele venha, seu metabolismo é quase que oposto ao nosso e na simples aproximação do duplo-etérico deles do nosso físico faz baixar nossa temperatura corpórea, ao mesmo tempo que aumenta nossa pressão sangüínea, nossas pulsações se aceleram ou se reduzem, fora outros tipos de desarmonias e que nos causavam os maiores sofrimentos.

Minha saudosa esposa se queixava muito disso e pior ainda é que ela já tinha propensão a essas desarmonias e tinha também essa missão. Foi muito difícil conciliar as coisas e infelizmente, não devido a esses contatos, mas, por talvez estar no seu destino, ela acabou tendo enfarte, diabete e finalmente derrame cerebral. Desta forma, podemos dizer esse tipo de contato “Incorporação Inter-Vivos” é muitíssimo raro e também muitíssimo arriscado. Ela chegou a incorporar espíritos de pessoas já em estado físico terminal e que queriam deixar suas despedidas a seus parentes e isto, além de ser doloroso para o médium, o é também para quem conversa com ele.

Aqui vai, então, um lembrete aos que quiserem tentar fazer este tipo de contato: não o façam sem antes terem a certeza do seu alto padrão de sintonia vibratória, sem antes fazerem uma consulta prévia aos seres que já os estiveram contatando por outros meios e ao mesmo tempo, vai aqui também este lembrete aos seres extraterrestres que não exponham as pessoas a esses tipos de incorporações antes de uma longa  preparação de aproximação lenta e gradativa do médium a ser escolhido para evitarem danos físicos irreparáveis.

Quando esse tipo de incorporação ocorre, o ser entra falando em seu linguajar próprio inteligível e aos poucos vai encaixando seu cérebro ao cérebro do médium até que comecemos a entendê-lo.

Materialização Inter-Vivos: este tipo de contato é de fenômeno também muito raro. O ser extraterrestre devido a sua alta vibração não se utiliza do fluído ectoplasmático fornecido normalmente pelos médiuns de efeitos físicos, pois este tipo de fluído carnal é imediatamente desintegrado ao contato com suas auras e vibrações, por isso eles buscam elementos da atmosfera e próprios elementos para poderem se manifestar e se tornarem visíveis e tangíveis como se estivessem vivos e falando ali em nossa frente, normalmente por telepatia interferindo em nossas correntes cerebrais. O tempo de duração variou entre 30 e 40 minutos, quando o fizeram conosco.

É digno de menção um fato que ocorreu em nossa residência de Ribeirão Pires quando lá morávamos. Um dos nossos maiores contatos extraterrestres, o líder do Planeta Oswen (o 9º planeta do nosso sistema solar, ainda não descoberto pela ciência e que se situa entre o planeta Urano e Netuno) que se chama Aislan e tem aproximadamente 2,10 de altura, é todo ele redondo, ou seja, cabeça redonda, olhos redondos e de uma beleza e força sem igual, corpo grande redondo sem ser gordo mas bem forte, mãos longas também e que não possuem dobras ou seja aquilo que denominamos como falange, falangeta, dois pés grandes, também com dois dedos largos em cada  pé, assexuado, anda totalmente nu mesmo entre nós. Apenas de uns anos para cá adotou um tipo de vestimenta parecendo tecida de fios metálicos cor de alumínio e fosforescente para quando faz incursões em solo terrestre. Toda a tripulação vem com ele, em sua belíssima nave em forma de tubos circulares que giram sobre seu próprio eixo, assustadoramente. Numa noite ele veio nos visitar sem nos avisar. De surpresa se materializou em nossa cozinha . Estávamos sentados na sala em poltronas separadas e até nossa cachorra Kelly, que era do tipo “dog alemão” de porte grande também estava deitada numa poltrona especialmente reservada para ela. De onde estávamos dava para avistarmos a cozinha através do corredor a uma distância de uns 12 metros. Aislan, sorridente, mostrando suas gengivas como de um bebê da Terra, pois não usam dentes e a boca pequena um tanto arredondada também, vinha se aproximando lentamente sem qualquer ruído. Ele é tão grande que parecia bater a cabeça no teto. Não conseguiu passar pela porta da cozinha e a outra de acesso a sala que ficavam sempre abertas. Quando  adentrava a passagem da sala, nossa cadela Kelly ao invés de rosnar, latir e procurar se levantar e investir contra ele, ao contrário, começou a olhar firmemente para Aislan e a gemer a grunhir como se tivesse apavorada e foi virando sua cabeça para traz e desmaiou, perdeu os sentidos ficando completamente imóvel, dura sobre sua poltrona. Aquilo nos preocupou e fizemos menção de levantarmos e ir até ela para ver o que ocorria. Aislan nos fez um sinal que não tocássemos nela, falando que o cérebro dela tinha entrado em curto ao vê-lo, devido as vibrações naturais que emite através dos seus olhos a tinham atingido. Ele foi até ela, passou sua grande mão sobre sua cabeça e sobre seu corpo todo e então sim, pediu-nos que a colocássemos na área de serviço que logo em seguida ela iria ficar boa. E foi um trabalho enorme para minha esposa e eu tirarmos a Kelly dali desacordada, pois desmaiada e grande como ela era pesava mais ainda. Fizemos depois de muito custo e Aislan tudo assistia sorrindo meiga e passivamente. Minutos depois a Kelly se levantou e saiu para o quintal. Nós e o Aislan continuamos o nosso papo vis-à-vis. Assim, temos dezenas de outros casos, de informação, das curiosidades que ocorreram conosco neste campo.

Uma tarde, logo após o almoço eu, minha saudosa esposa saímos para ir ao supermercado. Voltamos lá pelas 16:30h. Lembramos de termos fechado todas as portas de nossa casa, que por sinal era grande. Quando chegamos, entramos na casa pela porta da garagem que dava para a sala, foi quando com grande espanto vimos um homem alto de cabelos cor de tijolo avermelhado sentado no sofá. Ele tinha as pernas bem compridas e parecia não caber na largura do sofá, a parte de suas coxas ficava para fora, enquanto que seu tronco ficava encostado no sofá em posição bem reta. Olhos amendoados e bem verdes que lhe davam um toque bem contrastante com seus cabelos e orelhas compridas altas, grandes, rentes a cabeça. Os cabelos estavam cortados a maneira irlandesa, ou seja, soltos a vontade. Sabíamos que ele tinha cabelos longos e estranhamos. Vestia um terno ao estilo europeu, paletó quadriculado, chamado “tweed”. Grandes sapatos que nos parecia em torno dos nº 48 a 50. Ele abriu um sorriso enorme e mostrou seus dentes alvos parecendo mais pérolas encrostadas em suas gengivas, como pérolas cortadas ao meio. Perguntou: “- Que tal, estou parecendo um de vocês?”. Levantou-se e desfilou, demonstrando grande dificuldade em andar. Pisava com dificuldade. Nós lhe respondemos: — “está ótimo, ninguém diz que você não é daqui, está parecendo um estrangeiro. Ele respondeu: “— Ótimo, era isso que eu esperava, mas temo me condenar devido ao calçado, os seus tipos de calçados não servem bem nos meus pés que para vocês são muito esquisitos”. Era Járlós, de Urano, quem estava ali materializado parecendo ser de carne e osso como nós e, durante o dia. Aí ele tirou os sapatos e nos mostrou seus pés, eram como de patos com aquelas membranas ligando um dedo ao outro e eram mais largos que o sapato. Járlós nos informava que naquele momento estava em Manaus, no Amazonas e que andava entre o povo que não estranha muito por haver lá muitos estrangeiros altos. Járlós tem 2,30 m de altura. É um gigante! Disse-nos Járlós que andava entre o povo, passeava de ônibus, passava pelas catracas (roletas) sem pagar, apenas olhando nos olhos do cobrador e gostou muito de tomar os sorvetes de massa que eram feitos por lá. Estava também colhendo plantas, alguns répteis como cobras, rãs e sapos para levar ao seu planeta que é como ele diz constituído de maior parte de água. Estava fazendo experiências com as plantas e frutos para produção de futura alimentação para os terrestres.

Perguntamo-lhe como conseguia aqueles trajes ao que ele nos respondeu: “- Não perguntem, foram conseguidos à nossa maneira, porém, sem causar danos a quem quer que seja”. Conversamos mais um pouco. Ele disse que já estava no tempo de ir. Despediu-se fazendo um sinal e sorrindo, sumiu, evaporou desaparecendo como por encanto. Eu e minha saudosa Conceição rimos de felicidade.

Data da compilação: 01/02/97 às 19:18hs