Homenagem ao Futuro Compositor Ultra-Sônico D.Yezzi

Não é só a música que agrada a GRIEGs e troianos e nem só de PONCE vive.

E se MOSSOLOV não existe mais para se bater, mas só caracú e coragem, não é só tomando um COPLAND de CHOPIN da BRAHMS numa mesa de um BACH ou se SMETANA vida alheia que se passa o tempo pensando ou não CHERUBINI aos outros.

SIBÉLIUS campos VERDI ali existem, também existem MONTEVERdis para passear. As flores ainda não MOUSSORGSKY e até os BEE-THO-VENS cantam nas altas árvores e os últimos RESPIGHIS do orvalho da noite já secaram, então, não sejamos filhos da PUCCINI, nem VIVALDIS, tampouco LEONCAVALOS para vencermos na vida.

CZIBULKA, FALLA demais, nosso coração não OFFENBACH aos outros que não conseguem SCRIABIN boas coisas sobre nós. Ele estará BELLINI por dentro, sempre CLEMENTE, GLINKAndo como quase tudo, mesmo quando as BRUCHs estiverem soltas tentando a BOCCHERINI a todos, CEZAR FRANCKs na maior parte da vida. Faça uma LISZT de coisas boas, esqueça a RAVEL, não DVORAK os outros que isso STRAVINSKY tudo e deixa os nervos em PENDERECKY. Mesmo que a NEVEN possa cair em sua vida, haverá os SAINT- SAËNS que formam a harmonia cósmica para o deleite de seus ultra-ouvidos.

WAGNER devagar, num andante com moto, ou num andantino, talvez num allegro ma num troppo, ma vivacce assái. DONIZET sempre as ações para não cair num moto-perpetuo sem fim de largos, prelúdios a árias tristes e adágios lamentosos. Ad-libitum se puder, pois, Con Rigore nem sempre ajuda.

Se possível, scherzando sempre, construa sua CORELI de FAURÊs gloriosas, pendure um BERLIOZque e o sinta ROSSINI seu pescoço e DEBUSSY na varanda da paz.

MASSENET assim for possível, não VILLA-LOBOS; MENDELSOHN palavras, expressões e composturas. Você se DARIUS MILHAUD se algo lhe ferir os ouvidos usando um band-HAYDN, ou ponha um SCHUMANNço de algodão para não escutar coisas MAHLER.

Estamos no mesmo BARTOK, talvez não BELLA, esqueça tudo é meio-dia; já é hora de MOZART. Peça seu BIZET à parmegiana e não deixe de PAGANINI a conta.

E quando quiser recordar, abra o ALBIONI da vida e não permite que os outros STRÁUSS os seus dias futuros.

ENSCHUBERT as lágrimas, meu amigo, PONCHIELLis de lado, HANDEL depressa, pegue a sua bebida preferida deGLUCKte-a poco-a-poco, rittenutto, a sotto-vocce e a tempo; poderá ser, se preferir, CHABRIER amargo ou doce ou mesmo GROFÉ com leite. Há GOUNODs p’ra tudo. ENESCO você sempre teve razão! HINDEMITHe-se quase tudo conquanto discorde-se de algumas coisas e RICCI de outras.

Não se esqueça ao se despedir de nos dizer TCHAIKOVSKY.

P.S.: Todos nós gostamos muito do BORODIN chocolate que você nos ofereceu, estava um DELIBES. Só faltou mesmo as BALAKIREVs de GOMES.

De seus colegas do Centro de Pesquisas da Ford

Rudge Ramos, 02/12/74

Mensagens de Ramatís

Caro amigo MASRÁCHIMIR, igualmente fundador de um templo de iniciados na Indochina, pela primeira vez contato-me com você através da escrita. Não o fiz antes por encontrar certa dificuldade no modo de entrosamento entre eu e o aparelho. Sua sensitividade (dela) além de ser diversificada é um tanto diferente das demais, mas como tudo tem que ter um começo, aqui estou eu, apenas para dizer-lhe algumas palavras amigas.

Primeiramente quero congratular-me com você, pelo seu livro.

Isso amigo, continue sua obra, pois ela será a conclusão da sua missão junto à Terra. Seu espírito sempre deixou marcas positivas em sua caminhada, agora feche com chave de ouro distribuindo as verdadeiras pérolas de seu livro aos “porcos”, sim, por que não? A estes principalmente, pois são os que mais necessitam, são os mais carentes.

A Humanidade já está entrando para a fase da maturidade, por isso está um tanto perdida necessitando de alguém que lhe ensine a caminhar para a frente e para o alto agora mais do que nunca. É mais do que necessário uma sacudida nos homens, pois se há seitas negativas que retardam o seu próprio progresso a também de outros, há também os positivistas que apesar de serem positivistas encontram-se perdidos. Mentes perdidas, espíritos perdidos, e consequentemente físicos perdidos. Não sabem como devem agir, procuram algo e não encontram e com isso retardam o seu progresso.

As obras que você já deixou para traz serviram para acordar a humanidade, cada qual no seu tempo, é preciso agora, como já falei acima concluir a de agora para a humanidade atual, tenha a certeza de que você terá êxito, pois está assessorado por Plêiades de entidades de alto padrão. Bem meu amigo, por hoje despeço-me, pois o aparelho está bastante cansado. Continuarei um outro dia.

Ramatís

Dirigida a mim. Captada por minha esposa diretamente (psicodatilográfica), como Ramatís faz com seu médium principal, Ercílio Maez . Rib. Preto. 13/03/80, 3:15h.

Conforme explicação mental, dada em seguida, por Ramatís, no século X depois de Cristo, meu nome era MASRÁCHIMIR, um mestre iniciado que liderava uma plêiade de discípulos Homens e Mulheres, entre os quais se encontravam o amigo Dr. Gil Vicente, o Dr. Almeida, o Dr. João Evangelista, e minha esposa. Ramatís liderava outra plêiade de discípulos, somente homens.

Universo Conturbado

Outrora, na bucólica paisagem terrestre, os homens e a natureza harmonizavam-se mais e estavam mais conscientes, eram mais puros, mais inocentes apesar da vida agreste. Eram ignorantes, mas não maldosos.

Foram-lhes dadas chances de progredirem, de elevarem-se e de degrau em degrau chegaram a civilização. de pigmeus tornaram-se gigantes. Para todas essas chances que lhes foram dadas, foi preciso movimentar-se até seres de outros mundos, foi recrutada uma legião de seres prontos a sacrificarem o seu “status” e descerem a Terra afim de tornar o homem mais homem, mais gente, para não ficar sendo apenas rebotalho humano.

O que fez o homem dessas chances? Alçou vôos mais altos, muito mais alto do que sua mente pode suportar. Criou inteligência, sabedoria, avanço tecnológico, etc.

De larva rastejante, tornou-se fênix. Muitos conseguiram sair-se bem, elevaram-se tanto, que essa elevação conseguida, está virando-se como uma arma contra seu próprio peito, pois tornaram-se receosos de baixarem à cata de irmãos necessitados. Colocaram-se em seu pedestais a ditarem normas e fórmulas. Fizeram da Terra o que hoje ela é; fomentou-se guerras, crimes, ódios, etc., daí para se tornar um circulo vicioso, uma bola de neve foi apenas um passo, então surgiu o “karma” para ver se criava um jeito de fazer de certa forma, as pessoas redimirem-se fatalmente de seus erros.

Se hoje o Universo terrestre encontra-se conturbado, a maior parcela de responsabilidade cabe aos “elevados”, àqueles temerosos da contaminação natural do meio ambiente terrestre, pois os demais arriscaram-se a descer e foram envolvidos pelo emaranhado de choques e entrechoques das emanações mentais do homem já então embrutecido, assumiram suas novas posições e conseqüentes responsabilidades. Não fugiram à luta, não se acovardaram e tão pouco permitiram que outros menos evoluídos servissem de cobaias psicofísicas e assim resgatassem indiretamente as culpas ou as responsabilidades que só a eles caberia sanar. Desceram para poderem subir mais firmemente e não fizeram como aqueles outros “elevados” que s e apartaram para não descerem com medo de nunca mais poderem subir.

A conturbação se faz presente também porque existem os que em nada crêem. Não crêem nem na sua própria existência. São desprovidos da faculdade de amar, de criar e de viver.

São negativistas, são céticos, destroem todo o animo daqueles que os rodeiam. São uns infelizes fracassados, não crêem no amor porque nunca o sentiram e nem o inspiraram. Não crêem num ideal porque só tiveram apetites e ainda assim não conseguiram satisfaze-los. São como caracóis humanos, escondidos em sua casca de onde só saem para destruir os brotos novos das plantas, deixando em seu caminho um traço viscoso.

Por outro lado, deve-se dar méritos a muitos homens, pois através de migrações em migrações a Terra transformou-se no único planeta do Sistema Solar que possui versatilidade incríveis. A começar pelas variadas raças e línguas, cada povo trazendo sua arte musical, seus costumes e crenças. A Terra tem honra de ser – pasmem amigos – a escola para seres evoluídos de outros mundos. É aqui que eles aprendem muita coisa, sem se deixarem contaminar.

Enfim, amigos o que quero dizer com tudo isso é que falta pouco tempo para que se complete esse Ciclo, não somente para a Terra, mas para todo o Sistema Solar e parte desta Galáxia.

É preciso dar um basta a essas aberrações, afim de que todos tenham chances de se redimir dentro da mesma existência. É preciso dar um basta ao se cortar abruptamente existências de um Beethoven, de um Mozart, de um Chopin, de um Lincoln, de um Luther King, de um Gandhi e de centenas de outros grandes vultos que muito mais poderiam ter legado à humanidade se não fossem tolhidos pelo “karma”.

O homem quando perdoado dentro da mesma existência, aceita mais corajosamente a luta, às vezes tomba extenuado mas nunca vencido, porque sabe que há sempre duas mãos estendidas, prontas para o erguer. Sabe que o sol consegue sempre, mesmo através de cerrada vegetação, coar um raiozinho de luz que ilumina e aquece. E assim perdoando ele terá mais capacidade de criar um mundo melhor, onde impere sempre o circulo sadio do Amor, e saiba mais convictamente perdoar para ser perdoado.

Ramatís

Mensagem captada por C.A.Yezzi às 23 horas do dia 27/03/1980 em Ribeirão Preto.