A Dor, A Desgraça, A Saúde, A Alegria, A Sublimação

Olho para mim mesmo, olho para minha mulher em estado quase vegetativo em seu leito, imóvel há quase três anos após um derrame cerebral agudo, olho para minha querida filha agora recém casada, olho para meus irmãos de sangue, e vejo um passado de grande labuta e sofrimentos vários. Chego até meus finados pais, meus finados sogros, todos sem exceção sofredores, que nada tiveram em vida a não ser dor, desgraças e sofrimentos e lamentos, e agora choro muito mais ao tentar ajudar minha querida companheira.

Tenho ímpetos de revolta interior e exterior, chego a dar murros nas paredes, erguendo os punhos para o Alto e blasfemando em alta voz contra tudo e contra todos. Ninguém escapa de alto a baixo e vice-versa. Culpo a tudo e a todos.

Sinto-me completamente abandonado mesmo vendo-me cercado por Entidades Extraterrestres Superiores e Entidades Espirituais da Terra, tidas como angelicais.

Mesmo assim não me conformo. Acho que estou semeando na pedra ou dando pérola à porcos. Vejo que optei pelo mais difícil “o querer ser bom”, e de pouco me valeu. Só aumentou ainda mais meus sofrimentos e o sofrimento dos entes que eu amo.

Apesar de saber as causas desta luta para a sobrevivência digna, causas registradas em vidas anteriores e que me foram mostradas através da psicometria na minha tela mental-astral, acho que as coisas poderiam ter sido mais facilitadas e proteladas “sine-die”, mas justamente agora que nos propusemos disseminar o conhecimento por nós acumulado no decorrer de milênios de nossas existências, justamente agora quase não nos é permitido faze-lo.

Mas alguém mais elevado, do “lado de lá” nos “cutuca” os ouvidos mentais dizendo: – “Olhe para traz e para baixo e você se sentirá bafejado pela sorte. Você verá que há casos bem piores que o seu”! E eu respondo acintosamente: – “Por que só devo olhar para baixo? Por que não para cima? Será que é para que não veja os que estão melhores que eu?”

Logo vem a resposta: – “Cada um tem exatamente o que merece. E você deve agradecer pelo que recebe, pois é exatamente o que esta merecendo no momento. Você mesmo poderá melhorar seu padrão de merecimento”.

Tenho é que me conformar e continuar lutando para melhorar minhas vibrações e as vibrações de toda a humanidade terrestre, através do meu positivismo e dos conhecimentos que tento trazer até ela. Passados alguns momentos de reflexão e de relaxamento, entrei em movimento de projeção astral e psicométrica, quando me foi mostrado o seguinte:

A parte emotiva, emocional, sentimental de uma humanidade, que abrange todo e tipo de sentimento, negativo ou positivo. Sentimentos esses que podem ser controlados e dirigidos, só são produzidos por seres irracionais, pois estes apenas possuem o ato de sobrevivência que consiste em defesa e ataque, emitindo as emoções mentais da dor física. As emanações resultantes dessas dores físicas vão se aglutinando nas psicosferas rústicas de cada planeta, mais próximas às crostas desses planetas, como se fossem uma camada rarefeita de matéria deletéria, invisível a olho nu. Portanto, compondo uma espécie de amálgama poderoso para o interior do qual retornam os perispiritos desses animais após seus desencarnes, para posteriormente, recompostos energicamente serem atraídos para o renanscimento em novos corpos físicos.

Isto é feito quase que mecanicamente, instintivamente, dando prosseguimento a manutenção de cada espécie e para aquisição do progresso ascensional lento, mas sempre em direção ao aperfeiçoamento físico e espiritual.

Portanto, as regiões umbralinas, ou as psicosferas negativas , ou chamadas também de baixo astral, em inglês “undergrownd”, só começaram a existir após o advento do ser humano na crosta visível de cada planeta. O próprio ser humano tido como ser racional ao emitir seus pensamentos negativos e atos correspondentes dirigidos contra si próprio, contra seus semelhantes, contra a natureza, resultam como conseqüência, a formação do mesmo tipo de amalgama, psicosferas ou bolsões de matéria deletéria, quintessenciada e dando origem aos chamado mundos paralelos compostos de campos em afinidade ou em sintonia direta com aquele tipo de ser, dentro dos quais esse mesmo ser irá “habitar” após seu desencarne. Para lá seu perispirito será atraído e reenergizado, desintoxicado à semelhança dos reagentes homeopáticos, ou seja “o semelhante com o semelhante se cura”.

No inicio da existência da vida na Terra, quando o “habitat” terrestre era rústico e o ser humano vivia em cavernas, furnas, na floresta, e outras habitações bucólicas, quando este ser humano desencarnava quais eram as suas “formas pensamento”? Quais eram suas emanações mentais?

É claro que só podiam ser aquilo que avistavam antes de morrer, ou seja : seu “habitat” inóspito, com suas cavernas, furnas, lodaçais, animais monstruosos, seus semelhantes humanos peludos, belicosos, horrendos, medrosos e a total falta de conhecimento do que o esperava do lado de lá. Nem sabia se havia o “outro lado”.

Desta forma, tudo que ia se formando na psicosfera condizente a ele era de conformidade às suas plasmias mentais. Após seu desencarne ele ia sendo atraído para aquela região e nela, como se ainda estivesse vivo, dava continuidade ao seu ciclo de vida animalesca.

Já em sua respectiva psicosfera o ser “homo-sapiens” ou o primata “contruia” em seu novo habitat o que imaginava ser bom para ele e lá ia “vivendo”, até ser novamente atraído para novas reencarnações. Assim, durante milênios, tudo ia sendo forjado tanto do lado de cá da vida, como do lado de lá. Essas regiões não foram desfeitas e serviriam, como servem hoje em dia, para receber os espíritos que apesar de serem mais modernos, vivem mental e fisicamente à maneira dos seres primitivos.

Porém, outros seres foram surgindo, mais avançados espiritualmente, vindo de outras orbes e suas emanações mentais foram resultando no aparecimento de outras regiões paralelas, outros bolsões astrais condizentes com cada grupo que ia desencarnando e automaticamente para lá atraídos.

Foram surgindo as esferas dos suicidas, dos viciados em álcool, viciados em sexo, em drogas, os que ficaram presos a determinadas doenças, os que se dedicaram as curas dessas doenças, as esferas dos socorristas, dos médicos, dos políticos, dos militares, dos religiosos, dos magos, dos místicos, dos hipócritas, dos criminosos, dos afetados pelos dolos culposos, e milhares de outras regiões.

Foram surgindo as esferas dos músicos, dos mentalistas, dos místicos, dos elementais , dos angelicais e sublimando cada vez mais de conformidade com seus novos habitantes, até chegar ao mais alto cosmo, as esferas dos engenheiros siderais e assim por diante. Não é difícil de se entender do porque de haver tantas regiões no “céu” como na Terra.

O grande Mestre Jesus dizia: – “O que se liga na terra será ligado no Céu”, o que se desliga na Terra também será desligado no “Céu”. Ele, melhor que ninguém sabia disso tudo e também dizia: -”Na casa de meu pai há muitas moradas”.

Como definiria visualmente essas esferas e as denomino psicosferas? Trazendo as imagens para o leitor moderno diria que elas são como gigantescos “compact-discs” ou “Cds” uns sobrepostos aos outros em sentido horizontal e outros em sentido vertical, outros ainda intercalando-se ou sobrepondo-se a eles em sentido diagonal, sendo o orifício central desse CD imaginário, seria o globo terrestre. Para que o leitor visualize um pouco melhor é como se Terra fosse o planeta Saturno e tivesse centenas de gigantescos anéis uns sobre os outros horizontalmente, verticalmente e em diagonais. Esses anéis ou psicosferas são invisíveis a olho nu, só são visíveis mediunicamente ou através das aparelhagens super sensíveis e sofisticadas dos seres extraterrestres, super evoluídos.

A passagem de uma esfera inferior para as superiores se dá através de ligações energéticas ou vórtices cuja entrada só é descoberta ou conhecida pelos seres que habitam as psicosferas mais adiantadas, caso contrario, todo e qualquer ser inferior, malévolo, diabólico ou mesmo doente psiquicamente, invadiria as esferas que não lhes dizem respeito e não lhes são afins, Isto evita a desarmonização entre as psicosferas que passam a ser mundos estanques com seu “Modus – Vivendi” próprio. Entretanto, dentro de sua respectiva psicosfera o ser inferior poderá se locomover como quando em vida na terra.

Essas locomoções se fazem através da mente, das vibrações de volitação ou de projeção do pensamento para os espíritos superiores, cuja vontade é suficiente para os levar para onde quiserem ir. Entretanto, mesmo os mais poderosos tem dificuldades pois necessitam baixarem suas vibrações para poderem descer as psicosferas inferiores e mesmo até nós na crosta terrestre. Cada psicosfera possui os veículos adequados para trafegarem de uma esfera à outra, conforme as necessidades.

Por isso cada forma pensamento tem endereço certo, chegam ou não ao objetivo de quem as pensa, dependendo da força e vontade inerciais imprimidas ao pensamento. Se, o alvo a ser atingido por outra pessoa do mesmo quilate e teor mental negativo do “remetente”, o alvo será atingido, inapelavelmente, tendo os feixes vibratórios e ondulatórios mentais “engrossados” por outras emissões negativas de outros inimigos daquela pessoa.

Porém, se a pessoa visada for positivo, tiver seus pensamentos sempre com tendências elevadas, sua aura, que é o seu campo de força, estará acesa e continuamente alimentada pelas correntes mentais de seu pensamento positivo, queimará, destruindo por completo as emanações negativas contra, ou as rechaçará de volta aos seus emissores pegando-os de surpresa pois estarão com seus campos de força abertos, desguarnecidos e neste caso, absorverão todos os miasmas emitidos por eles próprios. Assim, também, funcionam os campos de força das naves extraterrestres que volitam no espaço sideral sem nada temerem.

Devo lembrar que as formas pensamento adquirem o formato que idealizamos, ou seja um punhal, um revolver, um chicote, uma espada, ou apenas faiscas com ondulação potente, enfim, tudo aquilo que imaginarmos a nossa mente plasmara e remeterá para onde quisermos, assim como, quando fazemos nossas orações, se as fizermos bem dirigidas pensando nas palavras que estamos dizendo e no mentor à quem solicitamos, elas atingirão o alvo, seremos ouvidos e o retorno será sempre favorável a nós.

O ser humano ainda não avaliou o seu potencial mental. Se esse potencial for alguém como um mago, que esta acostumado a lidar com essas energias, elas serão mais potentes ainda, e atingirão o alvo na região certa e com precisão, mesmo que ele seja negativo, pois é necessário que o alvo ou pessoa em questão seja mais potente e positivo que ele, para não ser atingido. Daí, haver muita feitiçaria e muita desarmonia entre os vivos, pois, o mago, ou feiticeiro não precisa estar entre os vivos, pode estar entre os desencarnados e se aliar aos canais redivivos (médiuns e pessoas malignas) aqui na Terra para dar soluções e maquinar suas más intenções juntamente com quem o invocou.

Mas, a Lei de Reação é implacável, para quem faz o mal uso de seus potenciais ou poderes, colherá de volta o que lançou, se houver tempo colherá na própria existência ou então irremediavelmente nas próximas, quando estiver indefeso.

As entidades desencarnadas além de sofrerem a auto punição (as vezes sem que se dêem conta) permanecendo em seu estado negativo por dezenas, centenas de anos não usufruindo do maravilhoso progresso cósmico sideral, receberá de volta também quando retornar ao corpo físico, corpo este que já nascerá sob as mais dolorosas situações e mazelas.

Portanto, a dor física e moral, as desgraças, as desarmonias gerais, a saúde, a felicidade, a sorte, a alegria, a sublimação e todos os demais fatores e sentimentos que movem o ser humano ou o imobilizam em situações várias, são resultado do “quantum” vibratório e da força mental de cada um, pensamento ruim resultado, péssimo, pensamento bom, resultado ótimo.

O pensamento além de poder ser controlado e dirigido, têm um predomínio sobre os demais requisitos de um ser humano, porque além dele poder ser lançado, pode ser captado e sobre tudo ele pode ser sintonizado sem que hajam barreiras para impedir que as emanações irradiantes possam ser impedidas de seguir em seu curso inicial, a não ser pelo próprio ser emissor das ondas mentais.

São Paulo, 24/ 02/ 96 – 13h53

Nem tanto ao Mar nem tanto à Terra. Nem tanto ao Mal, nem tanto ao Bem.

Início: São Paulo, 18/ 08/94 às 21:00h

Durante essas mesmas pesquisas vivenciadas sobre o psiquismo humano e sobre a dualidade das forças e energias cósmico-siderais no Universo; muitas dessas pesquisas sobre mim mesmo, sobre fatos ou acontecimentos ao meu redor e ao longo de minha vida.

Notei que quanto mais o ser humano terrestre, friso bem, terrestre, se aperfeiçoa fisicamente buscando a transcendência, a evolução espiritual, mais ele se torna vulnerável em seu contexto físico, em seu corpo material correndo o risco de perder esse físico extemporaneamente sob o inevitável choque sobre si, dessa dualidade cósmico-sideral das energias opostas e ao mesmo tempo paralelas, que são o positivo e o negativo, que resultam para o terrestre quase sempre no Bem e no Mal, impondo-lhe a inexorável Lei Kármica, a Lei de Ação e Reação.

Conclui que se um indivíduo na terra buscar especificamente durante sua vida a pureza física para atingir mais rapidamente o desiderato espiritual, ou seja, sua ascensão mais abrupta, como fizera um Jesus e outros avatares, perderá seu físico também abruptamente ainda jovem e muitas vezes com muito sofrimento, como Ele e outros famosos mártires, isto porque o ser terráqueo fica desguarnecido das forças telúricas, ou seja, as energias que se irradiam do núcleo da Terra, como se ele ficasse desprovido do chamado “fio terra” ou fio de descarga no solo terrestre e, como esse núcleo ainda não se encontra centralizado geologicamente, pois o planeta Terra não está corretamente posicionado, em seu eixo imaginário, em relação ao Sol e ao seu sistema solar; o que vai ocorrer no final deste século, quando então a Terra terá seu eixo verticalizado e depois, então, provocará as irradiações corretas das energias telúricas do centro do globo escoando-as harmônica e homogeneamente, de dentro para fora, sobre a crosta terrestre, os seres, as plantas, a água e até para o ar, protegendo-os de uma ambientação insalubre como está ocorrendo até agora.

Após essa verticalização, todos vibrarão sob e sobre a proteção dessas energias que não mais permitirão a existência de bactérias, insetos nocivos ao “habitat” novo e outros desequilíbrios naturais e psicossomáticos que afetam direta e indiretamente a humanidade desde os seus primórdios.

Desta forma, um ser humano em busca da perfeição desde há milênios atras não encontra respaldo energético em seu próprio “habitat”, o qual, o obriga a ter que manter um equilíbrio constante, contínuo, com as forças por vezes deletérias afim de poder sustentar o equilíbrio físico e espiritual de sua vida, ou seja, esse indivíduo ou ser para poder viver e disseminar suas idéias e ideais por toda a vida quase que precisa ter “um pé na água outro na terra”, “acender uma vela à Deus e outra ao diabo”, o que dentro dos princípios cristãos seria uma aberração, uma heresia, não o é dentro dos princípios cósmico-siderais!

Para o Núcleo Central Cósmico, os princípios e vocações humanas tem valores secundários. O equilíbrio Universal, a harmonia celestial é que são mais preponderantes, pois sem estes, não haverão outros princípios jamais. Durante minhas pesquisas tenho tido que dosar essas forças para poder manter esses equilíbrios e princípios fundamentais.

Mas alguém perguntará: – Então o ser humano necessita ser mundano para poder viver bem? Respondo, não tem que ser mundano pejorativamente, mas sim, tem que ser do mundo onde nasceu e vive. Tem que saber dosar, equilibrar as energias que o circundam ou que fluem sobre ele e que saem de si próprio.

Nos meus contatos interplanetários registrei que os seres de planetas mais evoluídos que a Terra e que ainda possuem seus físicos materiais ou de carne similar ao físico do ser humano terrestre, vivem bem ligados aos seus planetas de origem, ligados as energias oriundas do solo e da natureza planetária, mas, tudo com harmonia e naturalidade, espontaneamente, o que faz daqueles seres ainda dependentes da matéria, viverem como se fossem seres espirituais dentro do próprio físico, o que ;lhes permite absorver melhor as emanações vindas do centro planetário e do sol, astro líder de todo sistema solar, formando assim o binômio vibratório positivo entre o “habitat” e o habitante, entre o “habitat” e seu sistema solar e assim por diante.

Seriam bem apropriados aqueles ditados terrestres populares que dizem: “Se, se está na chuva é pr’a se molhar”, e outros ditados similares. Eu acrescentaria à eles: “Se se vive na Terra, nem tanto ao corpo nem tanto ao espírito e se se está no solo e pr’a se “solar”! Em outras palavras quero dizer que, a vida é um dom emanante de Deus ou do Núcleo Central Cósmico, é um dom divino natural e deve ser usufruída integralmente por todos os serres de todos os reinos, vegetal, animal, mineral e “atmosferical” e não pode e nem deve ser interrompida sob qualquer pretexto.

No planeta Terra, infelizmente, devido a desarmonia de irradiação existente, mais o desleixo, a usura, a belicosidade do ser humano, surgem os insetos e animais daninhos que prejudicam a vida natural sobre o planeta, então neste caso se faz necessário o uso de um controle artificial para o equilíbrio dessas pragas, mas isso não será por muito tempo; pois conforme sou informado pelos amigos extraterrestres, as modificações telúricas se farão sentir há uns dois ou três anos antes do ano 2.000.

Mas, antes disso, haverá distúrbios de toda a natureza e todos os quadrantes do globo como se as forças telúricas e siderais entrassem em choque violento dentro do nosso sistema solar e mais diretamente sobre o planeta Terra, planeta em total desarmonia cósmico-sideral, choque tão violento que todos os seres viventes ou não, e nestes estão incluídos as entidades espirituais de alta vibração pensarão que Deus é o maior inimigo do Universo!

As forças negativas que vibram nos mundos paralelos do baixo-astral e em outras psicosferas serão revolvidas a tal ponto que também entrarão em choque entre si, aumentando e fomentando ainda mais os distúrbios até que a Luz desaparecerá de sobre o planeta o qual, entrará em total escuridão e frio glacial rolando pelo Espaço como seixo perdido até encontrar sua nova órbita solar quando então novo “habitat” se formará sobre ele propiciando a germinação de uma nova e mais avançada forma de vida. Naquele novo estágio, esse dualismo de forças positivas e negativas, ou o bem e o mal, já serão mais controláveis porque os novos seres que surgirão no novo “habitat” já virão mais espiritualizados e o próprio “habitat” já dará condições para a perfeita harmonia telúrica cósmico-evolutiva ansiada e ensaiada há milênios antes.

Tudo tem seu tempo prescrito no Universo, inclusive o fim do ciclo planetário, ou como alguns clarividentes previram, o fim os Tempos, também tem seu momento exato. Os movimentos de sístole e diástole dentro do Universo determinam as modificações, a expansão, o surgimento o desaparecimento dos corpos siderais (visíveis) e cósmicos (invisíveis), desde o microcosmos ao macrocosmos. Esses movimentos são como se fossem o movimento respiratório do Núcleo Central Cósmico Deus. Portanto, o ser humano, seja ele de que planeta for, é muito pequeno, diminuto, frente a esse gigantesco Universal.

Não estou aqui apregoando o materialismo, ao contrário, afirmo que o espírito é a chama divina comandante e manipulador da matéria ou da energia condensada. Sem o concurso do espírito não haveria vida consciente ou inconsciente em qualquer planeta, mas mesmo assim a vida não deve ser interrompida propositadamente a título de fuga do campo material, pois isso acarreta desarmonias psicossomáticas sobre o ser, acarreta desarmonias nas psicosferas ou campos paralelos que rodeia este ser, provocando reações em cadeia intermináveis que o prejudicarão em sua ascensão espiritual, acompanhando-o inapelavelmente nas vidas subsequentes.

E como eu sei que já fui bruxo, mago (que é um bruxo mais alquimista) em vidas passadas, sei que para se denominar as forças dos elementos, a força dos elementais e tudo que rodeia e envolve o ser humano, se faz necessário comunicar-se com elas em todos os campos e momentos, e existem campos e momentos apropriados que obedecem regras simples, porém precisas sem as quais não se obtém os resultados almejados, e se quem lidar com essas forças não estiver com um “fio” na terra e outro na natureza não fará a canalização ou sintonia fina para mentalizar e manipular as energias que exalam desses elementos e elementais. Por isso, quem apenas se dedicar a sua elevação espiritual não terá tanta facilidade, apesar de saber como conseguir reunir e agrupar as forças que estão abaixo do seu nível espiritual terá que se utilizar de sub-condutores de energia. E, os que se dedicarem apenas ao seu enriquecimento material ou apenas viver na matéria no “viver-por-viver’ também não terão tanta facilidade mas estarão mais propícios a serem sub-condutores ou canais transformadores e até geradores dessa energias, principalmente as telúricas que estarão mais próximas de si pela sua natureza comum.

Desta forma, há que se obter o equilíbrio bem dosado sobre si próprio dessas energias, a fim de que elas obedeçam ao nosso comando imediata e simultaneamente para que não ocorram descontroles prejudiciais os quais, inevitavelmente depois de ocorridos voltam-se contra quem os produziu. É o “feitiço virando contra o feiticeiro”!

Volto a enfatizar, não estou aqui querendo dizer que para se poder viver na Terra há que “se acender uma vela à Deus e outra ao diabo”; não é bem assim, mas deve se fazer ou se buscar o equilíbrio das forças predominantes enquanto o planeta Sidérius não chegar e refazer todo o nosso sistema solar.

Com relação ainda a esse equilíbrio de forças ou de energias positivas e negativas, pude constatar através de diálogos espirituais com entidades afins e através de viagens astrais, que, quando há interesses mútuos entre as entidades chamadas do Bem e as entidades chamadas do Mal, ao invés de travarem-se batalhas espirituais, mentais ou mediúnicas formam-se acordos, barganhas e até mesmo conluios para que determinados objetivos maiores sejam atingidos, tais como: proteção de pessoas físicas, pessoas jurídicas locais, cidades, países ou comunidades inteiras, mais ou menos neste sentido: “Mandem retirar aqueles perturbadores de sobre tal pessoa ou de sobre tal localidade que em troca libertaremos tal ou qual entidade, ou tal ou qual localidade”.

E o que é isso senão uma forma astuciosa de manter-se equilíbrio de forças? Pois pude concluir também que assim como o Bem é inquebrantável, o Mal também o é se senão souber como domesticá-lo.

Mas perguntarão: -Noutros planetas evoluídos há a necessidade de se manter esse equilíbrio? Há que se ter esses temor constante?

Não, dessa forma que ocorre na Terra, pois aqui sendo um planeta em evolução é palco de expiações, as mais diversas e é muito mais assolado pelas energias negativas, pois estas fazem parte da lapidação deste “habitat” e de seus habitantes, o qual já pela sua própria constituição física demonstra o grau ainda rústico e inóspito da vida que tem que levar. Sendo o único habitante do sistema solar que carrega em seu complexo físico os intestinos que produzem e necessitam de bactérias (flora intestinal) para se manter vivo.

Nos planetas evoluídos a freqüência ou sintonia é outra, vibra-se ainda em vida nas altas freqüênciais, ou ondas cerebrais ultra-curtas o que não permite a entrada das energias negativas que quase sempre estão situadas nas baixas freqüênciais.

O ser humano extraterrestre, possuindo uma vida mais objetiva e visando mais o todo planetário sem os baixos sentimentos não planetário sem os baixos sentimentos não dá vazão a falhas e doenças físicas e psíquicas vivendo o verdadeiro paraíso que o terrestre já perdeu há milênios e que tão cedo não vai encontrar, ou melhor, só encontrará após sua mudança interior e a alteração do seu “habitat”, dos seus usos e costumes, nada espiritualizados.

O planeta Terra sendo um planeta relativamente novo comparado com os demais planetas do sistema solar e devido a isso atraiu para si civilizações desarmonizadas psíquica e espiritualmente de outros planetas longínquos que para cá vieram em busca da desintoxicação karmática para seus espíritos.

Contudo recrudescentes no negativismo, voltaram a repetir seus atos nefastos e desarmonizantes para consigo mesmo e para com as civilizações que aqui brotaram dando ensejo assim a formação de um “habitat” essencialmente negativo com a predominância das chamadas forças do mal que por sua vez deram origem ao satanismo e do qual fazem parte os também assim chamados “anjos decaídos”, os demônios e afins.

Nesse “habitat” negativo foram sendo formados os campos de atuação propícios as maquinações de domínio do mal sobre o bem e só não ocorreu a dominação total do mal devido a ajuda ou interferência de forças positivas, oriundas de outras esferas cósmicas e siderais poderosas e o concurso de avatares evoluídos, como um Jesus e outros bem antes Dele, milhares e milhares de anos antes que com grandes sacrifícios, sofrimentos e abnegações pessoais foram germinando aqui e ali no orbe as sementes do bem, do – “amai-vos uns aos outros” – até chegar aos nossos tempos atuais com alguns resultados enobrecedores. Porém, ainda assim, nota-se pelos acontecimentos maléficos gerais que aquele domínio inicial do mal continua a querer prevalecer. Ele arregimenta milhões de criaturas vivas e desencarnadas na prática da desarmonia astral vibratória, nos usos e costumes do ser humano terráqueo que tende a cada dia que passa a se degenerar mais e mais.

Como a sombra é o oposto da luz, o negativo é o oposto do positivo, forma-se então o campo de atuação das forças malignas que agem nas sombras, na escuridão e nos campos magnéticos onde a incidência da luz solar é quase nula. A luz solar age sobre as sombras e sobre a escuridão como uma imensa guilhotina que corta toda e qualquer atividade negativa. No caso da Terra, a luz refletida pela Lua durante a noite é um forte magnetismo condutor, sendo luz fria proporciona um campo ainda maior para interação do negativismo e das forças malévolas que se alimentam desse “status-quo” vigente naquele período, para assim interpenetrarem os “chakras” e plexos dos seres vivos e desencarnados sejam de que natureza forem.

(5/9/94 às 22 horas).

Jesus, quando de sua passagem pela Terra na Sua reencarnação de Cristo, nos legou uma grande e eterna lição que é o dom de perdoar.

Ele enfrentou e foi morto pelas forças negativas, as quais, naqueles terríveis momentos estavam bem afloradas e personificadas nas figuras de seus algozes Caifás, Anás (sogro daquele), os fariseus fanáticos, judeus relapsos conspurcadores da boa fé do povo, além daquela sociedade romana degradada e corrupta!

Tudo estava contra Ele. Mesmo muitos dos seus seguidores o abandonaram nos momentos mais difíceis, traíram-no, mudaram de lado acusando-o e pedindo a sua morte na cruz.

Fico aqui imaginando que força interior maravilhosa Ele teve para vencer a mágoa e o desapontamento que aquela gente lhe causava. Isto para um espírito superior com Ele deve doer mais profundamente que as dores dos flagelos físicos.

Eu, que nada sou perto Dele, não consigo administrar essas desditas, fico impulsionado para dar a esses tipos de pessoas o devido corretivo, numa punição fria e calculista. Então, realmente Ele, Jesus, é e sempre será o maior de todos!

Não levantou um dedo contra ninguém, nem sequer emitiu um pensamento vingativo o que poderia ter feito como qualquer ser humano, mas ao contrário, acendeu-se mais interior e exteriormente, formando em torno de si uma aura protetora, um campo-de-força poderosíssimo que fez com que as ondas de choque negativas retornassem a quem as produzia, e ainda agora, quase dois mil anos depois, e após dezenas e milhares de reencarnações daquela turba, ainda retorna à ela em forma de doenças, as mais atrozes, fazendo a devida drenação purificadora das toxinas de seus espíritos.

Jesus, não agrediu ninguém, mas não pode interromper a colheita obrigatória do que foi plantado pelas mentes belicosas e insidiosas da época..

Portanto, com o sacrifício Dele, formou-se no Astral e na Crosta terrestre uma espécie de gigantesco espelho global kármico, dentro do qual o planeta Terra gira como uma *esfera concêntrica, que faz refletir e retornar sobre todos os seres e coisas os reflexos dos raios mentais e das ações negativas ou positivas de todos que produzem, e como este planeta é um vale de lágrimas – dito pelo próprio Mestre – os reflexos que retornam desse espelho são distúrbios, desarmonias, dores, aflições doenças novas e arrasadoras, catástrofes, hecatombes e episódios negativos inusitados, havendo pouquíssimos reflexos positivos.

Por isso, volto a frisar que quem quiser conseguir viver razoavelmente equilibrado neste planeta desequilibrado, deve viver “nem tanto ao Espírito e nem tanto à Matéria”, falo em nome da “racionalidade vivencial”, pois só esta poderá levar o ser humano a atingir algumas metas até o final do ciclo planetário que se aproxima celebre.

E, sabendo como sei que nada sou para julgar os atos de quem quer que seja, muito menos de um Jesus, que considero Meu Abençoado Mestre; apesar de saber também que vivi naqueles momentos e fui um dos narradores bíblicos que teve a oportunidade e a Graça de ter entrevistado pessoalmente a Maria-mãe de Jesus, acho que se Jesus assim tivesse tentado agir, ou seja, como se diz muito hoje em dia, tivesse Ele atraído contra si o ódio, o despeito, o ciúme daquelas mentes pervertidas, talvez Ele conseguisse “dobrar” aquelas mentes sujas, sórdidas e “domesticá-las”, traze-las para Seu lado e assim invertendo-lhes a polaridade, do negativo para o positivo, das sombras para a luz, da cegueira cultural para a visão clara do saber. Mas, a sabedoria Dele é muito maior que a nossa e com Ele integravam-se as Inteligências Cósmico-Siderais dos Anjos e Arcanjos, dos Senhores Celestiais que guiam os Destinos, ou o karma do planeta Terra e, se tudo aconteceu como aconteceu, é porque assim deveria ser. Seria o Maktub -”assim estava escrito”, dos árabes.

A leva de espíritos negativos e super inteligentes que foram atraídos para a Terra é maior que as forças positivas que por elas zelam, razão pela qual somente os acontecimentos de fim de ciclo fará as acomodações necessárias expurgando para outros orbes afins esses espíritos que deverão recomeçar seu aprendizado através da dor e do sofrimento desde a idade-da-pedra ou antes ainda. Se os milênios que esse novo período durará para eles não for suficiente, haverão novos outros milênios a disposição deles e milhões de outros orbes que os receberão de “braços abertos”, aguardo-lhes o plantio do solo, a semeadura da espiritualidade e do progresso tecnológico. Serão, como estão sendo na Terra, os “colibris” transirrigadores do pólen das flores Divinas, nem que para isso, continuem sendo negativos e belicosos.

Essa é a Lei Maior – a Lei Cósmico-Sideral – formada naturalmente, dentro do Universo pelo Núcleo Central Cósmico Deus!

São Paulo, 18/9/94 às 11:40 h

* Como se fosse uma esfera sólida (Terra) dentro de outra ôca (espelho)

O Karma

“Dedico este capitulo a todos aqueles que de forma direta ou indireta ajudaram-me ou obrigaram-me a raciocinar com lógica sobre o karma, quer sejam eles encarnados ou não, aos seres extraterrestres e principalmente àqueles do planeta de onde vim”.

03/10/94, às 16:30h

O que é o karma (do sânscrito), ou ainda a Lei de Causas e Efeitos, ou Destino, ou Maktub (o assim estava escrito) dos árabes e muçulmanos ou eu digo – “ Ai de Ti ou Feliz de Ti no dia em que o teu passado encontrar o teu presente”!? Como o karma é produzido? É possível desfazê-lo se ele já é uma determinação prévia, ou seja, se ele já uma Lei Cósmica-Sideral e foge ao domínio do ser humano comum e das entidades espirituais?

Como as milhões de Leis que foram criando, sendo geradas no Universo Sideral à medida que este ia sendo formado nas galáxias, sistemas solares, planetas, planetóides, satélites naturais que são regidos pela Lei da Gravidade, Lei da Inércia, Lei da Sístole e da Diástole, Lei da Luz e das Sombras e milhões de outras, o karma, que é um termo extraído do Sânscrito e que significa Ação e Reação, Causas e Efeitos, e, no final das contas Destino, foi criado a partir da geração física do ser humano nos planetas em evolução como a Terra.

“A cada ação mental ou não, do ser humano há uma reação diametralmente oposta a ela e que inapelavelmente atinge o seu produtor ou espirito ou cérebro emissor inicial.”

A ação mental se dá quando o indivíduo ou ser racional emite um pensamento positivo ou não sobre outro ou sobre qualquer coisa. E, a ação oposta se dá quando o indivíduo racional reage mentalmente positivo ou negativo com formas estereotipadas de pensamento tentando combater ou mesmo atingir ou ainda se defender da emissão de seu oponente.

Estas formas pensamentos variam de conformidade com o grau de conhecimento e de intelecto tanto do emissor inicial (ação) e do reagente (reação). E, ao emitir um pensamento o cérebro produtor cria, cristaliza mesmo, a forma daquilo que deseja à ourem, ou seja, se é um pensamento negativo de vingança por exemplo, e o autor deseja eliminar seu desafeto, constatei a saída de ondas mentais em forma de punhais, balas de armas de fogo, armadilhas mil, mãos fechadas em forma de socos, mãos abertas em forma de bofetadas, raios de cores sanguinolentas que seguem em vertiginosa velocidade em direção ao coração a cabeça ou o corpo da pessoa visada e em direção do seu lar e sobre todos os membros de sua família.

Constatei também que quando a pessoa visada tem firmeza de pensamento, busca a elevação mental ela forma uma couraça protetora bem luminosa em toda a extensão do seu conjunto psicossomático ou seja corpo físico e perispírito que o protege desintegrando a onda maléfica que se for muito potente retorna ao seu emissor levando à ele tudo o que ele desejou ao outro e, é engrossado o feixe ondulatório por outras mentes maldosas que também desejam pega-lo.

Vi também que quando os demais membros da família da pessoa visada igualmente são elevadas mesmo sendo crianças contam com a ajuda de seus mentores (anjos de guarda), a onda mental negativa retorna em grupo ao seu emissor desguarnecido em suas defesas e aberto para colher sua próprias produções mentais, suas maquinações. Vez por outra essas ondas negativas quando não conseguem desarmonizar o psicossomatismo das pessoas visadas, atingem os animais da casa, que como um pára-raios sucumbem no lugar delas.

Mas, quando essas pessoas possuem uma sólida formação mental-espiritual até os animais existentes no lar são protegidos pelas auras positivas envolventes e por alguns elementais ou crianças espirituais que zelam por eles. Por isso, aquele ditado que diz que “quem está com Deus está protegido”, aqui se aplica muito bem. Bem como aquele outro; “quem não deve não teme”, também cai muito bem.

A Lei do karma se desfaz quando os envolvidos, vitima ou algoz, ao invés de se vingarem mutuamente um ao outro, emitem pensamentos e sentimos de perdão sincero, e o algoz aceita o perdão e também se perdoa a si próprio. O circulo karmático vicioso prosseguirá se qualquer uma das partes não estar convicta de que perdoou, ou foi perdoado ou se perdoou.

Portanto, de nada valerá um dizer – Eu te perdôo!, se aquele que precisa do perdão não se perdoar, Continuará ele em espirito com a sua consciência dizendo – “Mea Culpa, Mea Máxima Culpa”, e reencarnará com o propósito de receber em vida o dano que causou ao outro, seja dano físico, moral ou espiritual e só se contentará quando for punido por aquele que foi ofendido, causando portanto, mais dano àquele se o mesmo revidar ou por outro qualquer que cruze o seu caminho.

O karma é um produto da Consciência humana mas regido por Leis Cósmicas. Mesmo quando esta consciência destroi a Natureza, em todos os seus reinos, animal, vegetal, mineral, gasoso, aquático, a Natureza se volta contra ela (a consciência no ser humano), fazendo seu físico ou mesmo seu espirito sofrer os danos diretos que causou em si próprio, por exemplo : alguém perecendo sob uma arvore que cai, ou foi picado ou mordido por um animal, perecendo sob uma pedra, ou soterrado, ou afogado ou qualquer outro “aparente” acidente, Aqui cabe a frase do Mestre Jesus – “Quem com ferro fere com ferro será ferido”, ou quase – “Olho pôr olho, dente pôr dente”, digo quase porque esta lei dos judeus antigos preconiza a vingança pura e simples sem o racional ou sentimental, mas no fundo, a Natureza, Deus, ou como eu e os Ets. chamamos O Núcleo Central Cósmico, exerce as Suas Leis sobre os indivíduos uma espécie de vingança passiva de uns contra os outros ou deles contra eles próprios. Essa é a Lei do Atavismo kármico!

Nos planetas evoluídos espiritual e tecnicamente não existe o karma porque a ação interferencial não é produzida. Nos planetas só tecnicamente evoluídos, seus cientistas conseguem amenizar o karma da doença interferindo e corrigindo no genes do indivíduo, porém, nem sempre conseguem corrigir naquilo que advém de acidentes fortuitos.

Mesmo um ser evoluído tecnicamente quando visita outro planeta mais inferior e lá pratica arbitrariedades, tais como: raptos, exames físicos em seus habitantes contra a vontade destes, como se estes fossem animais mais inferiores, causando-lhes traumas físicos, psíquicos, sociais, causando acidentes, pânicos propositais, interferindo na vida animal, sacrificando mesmo algumas espécies, está sujeito a Lei kármica Universal e mais tarde ou mais cedo o que ele praticou volta-se contra ele, esteja ele onde estiver.

Atualmente, está havendo muita interferência de seres de outros planetas, evoluídos apenas tecnicamente, nos cérebros humanos da população terrestre, introduzindo nos cérebros de alguns “escolhidos”, colocando-lhes micro aparelhos à guisa de transmissores (implantes), fazendo com que estas pessoas sem consentirem sirvam-lhes de “olhos” e de “ouvidos” entre os terrestres, e quase sempre causando-lhes todo o tipo de incomodo e desarmonias psicofísicas e sociais, nestes casos, os seres que assim procedem, estão sujeitos a todas as sanções da Lei do karma e elas os atingirão com certeza, pois, os Engenheiros Siderais estão de olho neles e mesmo que passem os milênios, eles um dia reencarnarão em missão de prova no planeta dentro do qual produziram as anomalias e lá as colherão em si próprios e chorarão de saudades do seu “paraíso” perdido, como veio a ocorrer com os exilados de Capela e de outros orbes aqui na terra.

A minha frase – “Ai de ti ou feliz de ti quando o teu passado encontrar o teu presente”, sintetiza esse atavismo kármico e tenta explicar que o karma a despeito do que a maioria da humanidade pensa, principalmente as comunidades ligadas ao espiritismo, ao espiritualismo, ao esoterismo e as seitas mentalistas, não resulta ou abrange apenas as ações positivas e neutras e suas conseqüências, isto vale dizer que só recebem benefícios, tudo dá certo para ele, em tudo que coloca a mão ou interfere vira ouro, ou é bem quisto em todos os lugares, ou ainda aquele que sempre “ficou em cima do muro”, sempre quis ficar neutro sem definição de posicionamento tem seus karmas, ou seja, é kármico também o destino dessas pessoas.

Na Terra tudo é kármico, tudo tem um determinismo por ser este planeta, um planeta de expiação e aqui se paga altos preços por sermos réus, sermos bons ou ficarmos neutros. É claro que tudo é relativo e tem seu peso e sua medida, mas, nada escapa desse determinismo devido o ser humano terrestre não ter padrão de conduta racional e uma moral elevada.

Dentro da Terra, devido a várias circunstancias de alta toxidade astral, mental, espiritual e ambiental, a própria Natureza acaba tendo o seu karma, o seu determinismo, haja visto, as hecatombes as desarmonias do eco-sistema em todos os quadrantes do planeta. Mas o “pivot” principal de tudo isso, seja negativo, neutro ou positivo é o ser humano terrestre que desde tempos imemoriais “cutuca a onça com vara curta” no dizer popular, ou seja, é o autor das ações primarias contra ele próprio, contra seu semelhante e contra seu próprio planeta, e após tantos milênios de desarmonização geral, entre guerras e outras mazelas de todo tipo, as respostas ou reações do planeta no seu todo psicofísico, estão chegando avassaladoras em forma de doenças graves e terminais como a AIDS e a Ebola que estão dizimando coletividades inteiras de forma quase irreversível.

Isso é kármico ? Claro que é, pois, mesmo sendo essas doenças altamente contagiosas, transmissíveis até pelo ar, elas só atingiram aqueles que de uma forma ou de outra, no passado ou agora no presente tenham contribuído para o aparecimento delas, e estejam se situando karmicamente ao alcance dos seus tentáculos. Não há o acaso.

Mas, nos tempos atuais toda a humanidade está sujeita a esse drama, pois o “habitat” terrestre está quase totalmente contaminado, bem como, as psicosferas que o rodeiam exalam miasmas deletérios o que torna mais difícil sua reciclagem geral, além do que todas as esferas naturais que o compõem, nas florestas, em terra, no mar e no ar estão sendo progressivamente aniquiladas.

O que o grande Mestre Jesus dizia há 2000 anos: – “Ajuda-te que te ajudarei ”, foi esquecido, foi menosprezado pelos terráqueos que agora terão que assumir suas conseqüentes ondas de retorno, ou choque drásticos através da dor.

Alguém perguntará: – “mas não há inocentes que possam escapar dessa dizimação”? Toda a humanidade é culpada pelo que vem ocorrendo ?

A resposta seria sim. O planeta Terra está saturado e sua humanidade também. Há necessidade de uma drenagem da toxidade reinante e ao mesmo tempo uma paralisação por algumas dezenas ou centenas de anos dessa produção incessante de desarmonização, caso contrário, o planeta e o sistema solar não resistirão e haverá um desequilíbrio total do planeta e parcial do sistema com conseqüências imprevisíveis.

A camada de ozônio se desfazendo da atmosfera terrestre, doenças avançando, o tóxico e a bebida dominando o psiquismo humano, ameaças de conflitos beligerantes entre os povos, a cobiça, a sanha do poder, as religiões em choque, os fanáticos provocando atentados avassaladores, o crime sem motivo aparente e os acidentes nas estradas mundiais dizimando inocentes (aparentemente), destruição total do eco sistema mundial aumenta assustadoramente, o mar, o ar, e a terra, quase totalmente contaminados por poluentes os mais terríveis, os quais estão exterminando a flora, a fauna aquática e até o seu teor de sal, ou seja, uma das maiores fontes de alimentação humana.

Assim, a Terra candidata-se a retornar a Era dos Gases Metanos e dos grandes e monstruosos animais pré-históricos e a ser um dos planetas mais inabitáveis do nosso sistema solar, durante inicialmente por mais de 500/ 800 anos futuros. E não será preciso que seres de outras planetas mais avançados nos alertem desse futuro, quase certo, do planeta Terra, basta que raciocinemos sobre a desmensurada conduta do terráqueo sobre o controle, sobre a produção dos poluentes anti-naturais que joga sobre seu próprio “habitat”, para concluirmos que logo não haverá mais campo para a habitabilidade deste sofrido planeta.

O planeta Terra já está, irremediavelmente, comprometido karmicamente com as gerações futuras a curto prazo, isto é, aquelas gerações que assim mesmo tentam um renascimento na crosta terrestre; sem mencionarmos todo o comprometimento, também kármico com as gerações que no Astral ou Psicosferas terrestres ficam no aguardo da melhoria do “habitat” para poderem reencarnar.

Por que comprometimento kármico e os estragos e desarmonias incidem sobre a parte física, geológica do planeta?

E’ kármico porque vai atingir o que chamo de “meridiano genético” do ser humano, conseqüêntemente, chegando a desarmonizar-lhe o psiquismo, e todo o conjunto psicossomático com mutações irreversíveis, causando-lhe (talvez para melhor) sensíveis alterações fisico-biológicas que se ocorressem hoje elas seriam classificadas de aberrações da Natureza.

Por exemplo: toda essa tendência atual do ser humano pender para o homossexualismo masculino e feminino, e que ele chama de terceiro sexo para desculpar-se frente a Sociedade, pode resultar uma mutação futura na qual as futuras gerações serão assexuadas, ou seja nascerão sem os órgãos genitais, como em planetas mais evoluídos, porém, até chegar lá, haverá muitas aberrações fisiológicas no ser humano. As drogas, incrementadas violentamente poderão distorcer-lhe o cérebro físico e o cérebro perispiritual, ou seja, todo o conjunto psicossomático, além dos sistemas linfáticos, circulatórios, hormonais, endócrinos, auditivos, respiratórios, esqueléticos, musculares, etc., etc., causando-lhe sérias desarmonias nesses primeiros 500 anos de readaptação às nossas condições habitacionais que irão se formando lenta e gradativamente no novo planeta Terra.

Traduzido em várias línguas como sendo o Destino. O karma é na realidade o fatalismo embutido dentro de cada ser humano que no seu subconsciente o tem registrado e nem ele mesmo sabe o porque, mas reconhece que algo funesto ou benéfico vai ocorrer um dia e que terá que se ajudar para evitar ou para fazer ocorrer. O que não se pode fazer é entrar-se no karma alheio pois corre-se o risco de atrairmos para nós os “miasmas” psíquicos desses karmas, aumentando-lhes o potencial degenerador e piorando as situações alheias ou as nossas. Quando positivadas podemos e devemos procurar interferir na tentativa de ajudarmos na eliminação daqueles miasmas negativos, na cura de uma doença, na ajuda psíquica ou material, com conselhos e ajudas sociais para minorar o karma alheio e bem como o nosso. Mas tomar as dores inconseqüentemente como inocentes ou ingênuos úteis, não, pois seremos levados para o fundo por aquele que esta se afogando em seu karma, e em desespero, sem noção do que faz, nos envolverá momentaneamente mas que poderá marcar nossas vidas e aumentar nossos khármas porque algumas ações poderão ser tornadas por nós inadvertidamente que resultarão em novos khármas ramificados, um verdadeiro “moto perpetuum” psicossomático.

Os extraterrestres, muito sábios, olham, assistem e acompanham-nos em tudo a distância e só interferem naquilo que lhes for permitido universalmente, caso contrário, tornam-se aparentemente frios e calculistas, dando-nos a impressão que não estão ligando para nada e que só pensam neles. Porém, eles, com visão mais profunda que as nossas, sabem e são “instruídos” para não interferirem em karma alheio, mesmo que quem eles pretendem ajudar seja um deles reencarnado na Terra. Já houve muitos casos de interferência externa que surtiu muito sofrimento para alguns extraterrestres desde os primórdios da Terra.

Por isso a Lei Kármica é uma lei quase personalizada que se forma em torno do ser humano tenha ele consciência ou não, seja ele rústico ou politizado, atrasado ou adiantado física ou espiritualmente, e se torna uma lei coletiva quando a somatória dessas individualizações funde-se e busca o dreno coletivo para expurgo de suas toxinas. Torna-se branda quando o ser está em busca constante de sua evolução e sabe perdoar e perdoar-se permanentemente.

A Lei do Perdão é uma das únicas Leis Universais que conseguem interferir e até interromper a Lei Kármica, pois ambas são reflexos da produção mental, espiritual e do sentimento interior de cada ser humano.

Vou aqui tentar explicar como a Lei Kármica funciona na pratica da vida quotidiana dentro do planeta, na crosta e nas psicosferas, e em outros planetas quando seus habitantes entram em relacionamento com o “habitat” terrestre e, dentro do que me foi dado conhecer, a Lei Kármica entre os próprios seres extraterrestres.

Partindo do principio que no planeta Terra não existe o acaso, a não ser em rarissimas expiações e nestes casos, produzidas, por espíritos que aqui reencarnariam, ou melhor, encarnam pela primeira vez o que também já é uma exceção pois os que aqui nascem, o fazem por prova ou atavismo kármico ou em novas missões são portanto espíritos quase sempre muito antigos, independentemente do grau de evolução, muitos deles recomeçando do zero.

Desde um natimorto até uma morte acidental ou criminosa são reações kármicas, apenas o suicídio que apesar de ter as causas com conotações kármicas, as reações podem ser evitadas se o espirito tiver forças e acreditar nele mesmo. E são vários os tipos de suicídio, ou seja o suicídio lento e gradativo, que é o apego à vícios vários, como, o álcool, o fumo, as drogas e outros tipos de ingestão conscientes ou o suicídio rápido e abrupto que é o extermínio da própria vida antes do tempo previsto. Portanto, se há tempo previsto é porque o suicídio não está incluído nele.

Sabe-se nos meios espiritualistas que o espirito com tendências suicidas é de difícil recuperação, é como se ele trouxesse dentro de si um tipo de bactéria ou miasma deformativo de sua personalidade que o leva de reencarnação em reencarnação em fuga constante de suas responsabilidades para com a vida, para com a sociedade e para com o mundo e, nessas fugas apela para o suicídio e para cada suicídio que comete vai peregrinar por regiões umbralinas de grande sofrimento e autopunição, mesmo assim lhe são dadas novas oportunidades de vida progressista e duradoura mas, falha quase sempre e traz consigo como apêndices simbióticos, ou seja, como se lhe aproveitassem os mesmos fluídos e miasmas que exala, espíritos seus inimigos dos quais ele tenta fugir sempre os quais, muitas vezes foram também compungidos por ele ao suicídio também.

Desta forma, o circulo vicioso negativo fica formado e as entidades reencarnacionistas que os protegem e auxiliam tem enormes trabalhos de longos anos, perdidos apenas num átimo de insensatez momentânea. É claro que nesse tempo progressista e duradouro lhe é “contabilizado” o tempo que ele “deixou de viver” em vidas que ele cometeu o suicídio, ou seja, se ele contava em vida anterior com tempo previsto de vida de 80 anos e cometeu o suicídio aos 40, deixou de viver ou encurtou 40 , neste caso, o seu tempo natural de vida nesta encarnação seria também de 40 anos; sem cometer suicídio, desencarnando por distúrbios físicos. Cada caso é um caso e pelo que sou informado, todas são estudados nos mínimos detalhes e por isso há as exceções que aparentemente fogem às regras.

Os chamados khármas coletivos quando desencarna muita gente ao mesmo tempo, tais como terremotos, bombardeios em tempo de guerra ou não, desastres com aviões ou navios, atentados monstruosos (ultimamente em voga), e outros, todos estão previstos na Lei Kharmica pois, todas as pessoas envolvidas estavam, por assim dizer, marcadas para estarem juntas naquele momento terrível pois alguma ação conjunta produziram em seu passado, ou contra a Natureza ou contra outras pessoas. “E, o seu passado encontrou o seu presente” alterando-lhes os sinais algébricos cósmicos de positivo para negativo fazendo-os colherem o que plantaram. Não existe o acaso, o que existe é o atavismo kármico e o fator surpresa é importantíssimo para que os resultados ou reações sejam conclusivas.

No caso de uma ação assassina como os atentados ou assassinatos coletivos (extermínios), ou outras ações mal intencionadas, as reações são implacáveis, e o retorno daquelas ações voltam a colher seus semeadores, no tempo e no espaço, na primeira oportunidade, e nenhuma força superior ou inferior os livrará do “choque de retorno”.

Portanto, o que esta acontecendo hoje é o mesmo que aconteceu ontem, no passado remoto, um “moto-perpetuo” sem fim, alterando-se apenas os personagens, seus corpos. O algoz de ontem é a vitima de hoje e assim pelos séculos afora até que suas consciências despertem para o perdão reciproco e para si próprio e, não havendo o perdão, terminado o ciclo planetário, esses personagens seguem habitando mundos inferiores onde reiniciarão suas vidas do ponto zero, através de sofrimentos inenarráveis até que sejam expelidos de seus perispiritos as toxinas acumuladas da recrudescência maligna. “Deus tarda mais não falta “, diz o ditado popular, e realmente assim acontece.

Na verdade, o que entra de acontecimento novo entre essas facções viciadas em todo o tipo de malefício é a presença de avatares como um Jesus, que baixam suas elevadíssimas vibrações para, entre elas darem exemplos e ensinamentos de renuncia, amor fraternal coletivo e desapego às coisas da matéria, justamente para tentar impulsiona-las em direção ao Espirito, ao transcendental, a Deus. Contudo, esse sacrifício resulta em grande sofrimento desses Iluminados, sofrimento esse que gera novas facções, novos conflitos ideológicos, novos khármas compulsivos que duram gerações e mais gerações vindo a se acalmar com a limpeza espiritual do planeta onde esses acontecimentos ocorrerem.

De onde se conclui que a lei do karma num planeta em evolução está em tudo e em todos, mesmo até no reino mineral, vegetal, aquático e gasoso e sobre tudo no reino psiquico-espiritual.

A cada mínima ação, mesmo uma ação infinitesimal, (veja-se as ações e reações dos microorganismos, tais como, miasmas, bactérias, protozoários e etc., que, reagem a medicação formando um campo de defesa e se tornando imunes a ela) isto significa que as leis cósmico-siderais vão sendo formadas à cada ação e a cada reação e não se trata de punição divina, mas sim de um mecanismo Universal Natural.

Dou um exemplo simples e palpável: “Jogando-se uma pedra sobre a extensão de um lago, fazendo-a ricochetear sobre as águas uma, duas, três vezes ou mais, formar-se aí naturalmente uma nova lei, ou seja, a outra pedra que for atirada se obedecidos o mesmo angulo, o mesmo impulso e as águas forem as mesmas em estado de movimentação ou inércia, esta pedra fará o mesmo movimento de ricocheteamento da anterior.

Assim como existem leis mecânicas e de aerodinâmicas para um simples vôo de uma mosca, de um pássaro ou ave maior, num avião, um foguete, dentro e fora da atmosfera terrestre, e etc. E muitas vezes o formato do inseto poderia contrariar as leis de aerodinâmica descobertas pelo homem porém, não contraria as Leis Universais, pois se o primeiro inseto “agiu, reagiu e voou”, o segundo e os seguintes farão o mesmo.

E’ o exemplo simples da pedra que mencionei. Entram aqui vários fatores ligados ao “habitat” inicial que reage ao receber sobre si vibrações de outros leis desde quando era um simples microcosmo e veio forjando novas leis interiores que também se inter-reagem dando campo ao nascimento de seres viventes e bem como aos seres inanimados de todas os reinos incluindo-se os da atmosferas, a qual, também é formada após ações e reações do futuro planeta em relação ao seu sol.

Desta forma O Núcleo Central Cósmico – Deus – se manifesta desde o infinitesimal núcleo da formação das galáxias, poeiras cósmicas, sois (estrelas) planetas, quasars (buracos negros), cometas, asteróides, planetoides, meteoros, meteoritos, enfim, tudo o que há no Universo Visível (sideral) e invisível (cósmico). Nada escapa as leis naturais de formação e existência, as quais, dão origem ou dão como resultado as Leis de Causa e Efeito, ou karma, dentro de cada habitat. As centelhas vão sendo geradas e lançadas naturalmente, indiscriminadamente, para todos os locais do Universo, sem tempo e sem espaço, perto ou distante e assim, os mundos vão se formando e com eles seus “habitats” e dentro destes, seus habitantes, adequados as necessidades e de acordo com essas necessidades surgem as ações e logo a seguir surgem também as reações, gerando mutações de todas as maneiras podendo haver um aglutinação separada de negativos e outra de positivos ou as duas juntas no mesmo local do Universo. Não esquecendo que o Neutro também é gerado disso tudo e tem suas leis próprias.

Portanto, as Leis Universais que dão origem as leis kharmicas circunscritas a cada planeta ou região no Espaço são resultado do equilíbrio de forças contrastantes entre si que autônoma e sistematicamente se corrigem com as causas e efeitos, as ações e reações produzidas por mentes humanas ou espirituais, físicas ou transcendentais, não havendo nunca o efeito sem causa, em qualquer região do Universo.

Sou conhecedor de que mentes poderosas, tecnicamente evoluídas, podem retardar o efeito, protelando o choque de retorno sobre suas humanidades, As vezes por milhares de anos, porém não indefinidamente, não de forma perpétua pois, chegará sempre o momento da sua “colheita obrigatória” quando essas próprias mentes guindadas por forças espirituais mais poderosas que sua tecnologia, serão obrigadas a se esporem as reações das causas que provocaram há tempos atrás, mesmo que esses tempos possam parecer uma eternidade para seres de planetas mais inferiores cujo tempo de vida útil é mais curto, planetas estes que aquelas mentes outrora poderosas tecnologicamente, porém não espiritualizadas, terão que habitar para se reciclarem e distribuir conhecimentos.

Quando me refiro as ações e reações Universais que ocorrem também e principalmente sem a intervenção humana ou da sua tecnologia, dou como exemplo o nascer e o por do Sol e a influência da Lua e dos astros na vida natural do planeta Terra.

Ao nascer, o Sol com seus raios fulgurantes e penetrantes, “liquidam” com todos os agentes das sombras, da humidade, fazendo brotar outros agentes da luz e do calor.

Ao se pôr, o Sol da ensejo ao reaparecimento daqueles agentes e de outros que só sobrevivem na noite, auxiliados pelos raios frios da Lua, os quais, influenciam as mentes e espíritos afeitos aos momentos lúgubres, bucólicos e mesmo às mentes doentias ou lunáticas que cultuam os miasmas do magnetismo lânguido sub-repticiamente longe do calor e dos raios solares diretos.

Quantas ações e reações advém desse período de vinte e quatro horas na terra?

Quantas “mortes” e “renascimentos”, quanto determinismo kármico atávico e quanta onda de choque de retorno são produzidas naturalmente, “vitimando”, “punindo”. vidas, seres e personagens desde o micro ao macrocosmo físico e espiritual em todos os quadrantes e psicosferas da Terra ocorrem com aceitação e a anuência de todos os envolvido?

Só o ser humano, dito como ser racional, se rebela e contraria esses ditames fazendo aumentar ainda mais as ações e reações sobre si mesmo!

Então o que é o karma, senão fruto do equilíbrio, da harmonização, do desequilíbrio, da desarmonização, do positivismo, do neutralismo e do negativismo que ocorre sobre tudo o que existe no Universo e conseqüentemente, dentro de cada planeta e suas respectivas psicosferas!

Alguém perguntará: – “como se dá então a premonição, a clarividência, a profecia e outras adivinhações se, como explico o karma é o determinismo, fruto de ações e reações que já se passaram, ou seja, já é o resultado efetivo dos fatos” ?

Eu respondo :- Ocorre que nos registros etéricos astrais também denominados de “registros akáshicos”, ficam arquivadas todas as ações e reações de cada indivíduo ou ser e de toda coletividade de seres físicos e espirituais, viventes na fisiosfera “crosta terrestre” e nas psicosferas ou mundos paralelos de todo o Universo, ações que já passaram e que estejam ocorrendo.

Forma-se então no Cosmo um gigantesco arquivo de resultados imutáveis, os quais poderão ser consultados “ad-eternum” através do fenômeno ou dom da psicometria no que tange ao passado e ao presente, quanto ao futuro, esses mesmos arquivos akásicos fornecem dados equacionados extraídos da somatória do sensitivo, seja ele vidente, clarividente, premonitor ou profeta, a visão do que possivelmente acontecerá se determinadas ações continuarem sendo mantidas no mesmo teor e objetivismo.

Por exemplo; Se o ser humano terrestre continuar com a sua índole belicosa, e beligerante sem que por si só altere essa conduta, fatalmente nos tempos atuais próximos terá como resultante uma guerra total, global, com exterminação da vida sobre o planeta. O mesmo ocorrerá se esse mesmo ser não alterar seus conceitos de vida, mudando seus objetivos, acabando com sua insensata ganância e a busca de lucros fáceis sem se preocupar com o eco-sistema do planeta e essa desenfreada poluição ambiental.

Qualquer que seja o sensitivo, que é um ser especial sintonizado com os registros akáshicos poderá predizer antevendo esses acontecimentos funestos.

Porém, há os casos especialissimos que obedecem um “programa” pré estabelecido por ele próprio e as entidades superiores do planeta ou sistema solar ao qual pertence esse planeta os Engenheiros Siderais, o caso de um Jesus, por exemplo, cuja vinda a Terra vinha sendo profetizada milhares de anos antes.

Neste caso os profetas ou clarividentes sintonizados com os registros akáshicos “consultam” esses “programas” pré estabelecidos pelo Alto e a margem de erro é mínima.

Já nos casos da belicosidade podem errar muito, devido haver a possibilidade de mudanças das ações belicosas iniciais do ser humano ou ainda, haver interferências de entidades superiores ou de extraterrestres positivos visando salvaguardar a vida de seus prepostos aqui na Terra.

Assim, também se dá nas vidências pessoais ou particulares ou ainda individuais para o ser humano comum, ou seja, quando ele recorre a um vidente ou cartomante seria, para indagar sobre seu futuro ou suas vidas passadas.

Nesses casos, fica a disposição do vidente uma micro-milionésima parte daqueles gigantescos registros akáshicos, mas mesmo assim com grande margem de erro no tocante aquilo que não foi programado antecipadamente por ele e seus superiores no astral e com mínima margem de erro para aquilo que fora programado e que neste caso pode ser chamado de karma, destino ou determinismo. Se faz necessária uma sensibilidade bem apurada do sensitivo para entrar na sintonia exata e não cometer enganos ridículos e até fatais para sua carreira, que poderá ser interrompida com o bloqueio de seus dons mediúnicos.

Portanto, o karma sendo a Lei de Causa e Efeito, havendo a causa, o efeito é quase que irreversível transformando-se em determinismo e se é determinismo os resultados são matemáticos e podem ser captados, lidos, profetizados, centenas ou milhares de anos antes que aconteçam, podendo ate sofrerem alterações, também estas previstas com antecedência ou não, ou não sofrerem as alterações devido aos entraves provocados pelas próprias ações ou causas, estas não alterações também podem ser previstas com antecipação.

Para os seres humanos mortais e que vivem em planetas inferiores como a Terra o karma circunscreve-se ao passado e presente. Para as entidades espirituais já evoluídas, após seu desligamento do físico perecível não haverá mais passado, presente e futuro, mas, tudo fica transformado em Eterno Presente, e a entidade tem possibilidade de passar de um para outro instantaneamente, sem qualquer barreira a não ser a falta de conhecimento.

O mesmo ocorrendo com os seres extraterrestres bem evoluídos, que apesar de serem seres vivos habitando outros planetas, tem o conhecimento suficiente para viajarem no tempo e no espaço instantaneamente.

O karma é como se fosse uma linha de vara de pescar, a qual, o homem tem a liberdade para lança-la para onde quiser e sempre trazer coisas boas, mas que quase sempre a lança em locais errados e em momentos incertos e acaba se enrolando com a própria linha, levando mais tempo para desenroscar-se do que lança-la!

Mas, há também o karma compulsivo que ;é produzido pelo próprio ser sobre ele mesmo, por vezes entidades vingadoras, seus algozes, e a maior parte das vezes por uma deficiência ou miasma cerebral físico e espiritual que o abriga a cometer o suicídio em vidas sucessivas ou, para fugir às responsabilidades, pânico da próprio vida, desgostos interiores milenares, que o faz peregrinar pelas regiões abissais dos suicidas e danificar seu próximo físico sem que haja possibilidade de uma intervenção superior, já que ele próprio escolhe por livre arbítrio, e por falta de conscientização e de conhecimento espiritual sobre os atos e as conseqüências oriundas desses atos.

Com o advento da psicanálise, psicologia e agora, da parapsicologia, há um maior controle e prevenção desses casos, porém, o karma continua a existir e a ser registrado nos Registros Akáshicos.

Todo o ser humano com características acima, deve ser vigiado, amparado diuturnamente por seus médicos físicos, por seus parentes e durante a noite pelas entidades que se responsabilizaram pelo caso, pois durante o sono, esses seres humanos tendenciosos retornam ou são atraídos por seus algozes ou por amigos e companheiros do mesmo sofrimento, assim como outros viciados, a conviverem por algumas horas naquele antigo ambiente deletério a fim de matarem a “saudade” mutua existente entre eles, lembranças de alguma divida não resgatada ou não são utilizados como instrumentos psíquicos para atingirem outros encarnados com a mesma “vocação”, quando então , retornando ao corpo que está dormindo trazem consigo todos os miasmas daquele antigo ambiente astralino, e o saudosismo masoquista de por fim a sua nova vida através do suicídio ou, fazendo outros suicidarem-se, atingindo vingativamente de forma indireta seus familiares ou amigos para puní-los de algo que ele acha que foram coniventes ou, levando ao vício, ao mesmo vício, que estejam passando. Não se contentam em sofrer sozinhos. Por isso, são atos karmicos, que eu denomino de karma compulsivo.

Outro ângulo que deve ser analisado e comentado sobre a Lei de Ação e Reação em reposta a muitas perguntas que recebi é o seguinte Jesus o maior dos sábios que surgiram na face da Terra disse uma frase que consta dos evangelhos que é a seguinte : – “Se alguém lhe bater numa das faces do rosto, ofereça a outra face “- Até a onde consiste aí a nossa lei de defesa pessoal, moral etc. ?, neste caso, se reagirmos haverá a lei kármica contra nós? O que realmente quis dizer?

Eu tento expor dentro daquilo que me foi explicado por Entidades Vivas Superiores de outros planetas, mais evoluídos que o nosso: Primeiramente, Jesus era pelo gesto da não reação justamente pensando em proteger o ofendido pela quebra da lei kármica naquele momento, ou seja, como ninguém sabe o que fez no passado remoto, em reencarnações anteriores, poderia, se reagisse, entrar num circulo vicioso e é o que realmente vem acontecendo apesar dos seus sábios conselhos, de, ao defender-se provocar novas ações e reações que o prenderia junto ao seu algoz pelas dezenas ou centenas de anos seguintes e, a não reação do ofendido dá margens ao perdão espontâneo e evita novas descargas de ódio, raiva, vingança, mortes físicas, morais e perispirituais, sim porque o perispírito também “morre” do lado de lá para vir reencarnar-se cumprir a lei do karma com seus resgates compulsórios, irreversíveis.

Ele quis dizer que se o perdão e o amor incondicional ao próximo nos livraria do choque de retorno. E aí as perguntas continuam: Mas, frente a uma arma de fogo, ou outro tipo de arma, a um assalto, etc., deveríamos nos deixar matar, ser assaltados? E as respostas que eu recebo, explicativas são estas : Jesus não disse que deveríamos suicidarmo-nos! É necessário que saibamos que quando recebemos um corpo físico temos que zelar por ele e pelo do nosso próximo, caso nossa ação seja exigida.

Portanto, se for em defesa do nosso patrimônio carnal, devemos reagir e nos defender e ir em defesa daqueles que estão sob a nossa guarda ou que no momento precisarem de nós, caso contrario, entraremos ou cairemos na lei do karma cometendo o suicídio involuntário, encurtando nossa vida antes do tempo normal previsto, e neste caso, é claro, as reações ou choques de retornos no Astral serão mais brandos contra nós mas, existirão e desses choques, se não estivermos preparados para o perdão, geraremos novas reações contra os algozes, pois advirão dai reencontros kármicos futuros onde procuraremos então revidar “caçando” durante as vidas e mesmo no Astral aquele ou aqueles que nos ocasionarem danos irreparáveis.

E se não defendermos outros que correm riscos a nossa frente, a Lei do Karma nos apanha pela falha de omissão. Neste caso, não nos perdoaremos futuramente, bem como aquele que foi atacado também não nos perdoará pela nossa omissão, fora nossos familiares e os familiares dele, amigos e a sociedade em si. Em ambos os casos “pecamos” por não reagir e por não defender! E sendo assim o que fazer?

Respondo agora por mim: – Não havendo karma contra mim ou contra aquele que tentarei defender, as ações dos algozes não encontrarão eco, ou seja, a bala da arma do agressor não atingirá o alvo, sua arma não disparará, o atentado não terá efeito danosos e assim por diante. Mas se o agressor voltar a atacar, ou se sentirmos que ele nos atingirá inapelavelmente. Neste caso é obrigatório de nossa parte nos defendermos e a quem nos pede socorro. Se tivermos uma arma, a usaremos em defesa pessoal ou em defesa de outrem, tirando a vida, ferindo, alijando o agressor, sem sombra de dúvidas! O mesmo ocorre com os profissionais da policia e da defesa da sociedade. Eles estão ali para isso e devem cumprir sua missão.

Mas não advirão reações devido a isso?

Sim e não! Vai depender muito da mente de cada um, a qual, deve estar preparada para essas funções de defesa, auto defesa, caso contrario, o “Mea Culpa” predominará em sua consciência pessoal espiritual que o levara a querer resgatar algo que não deve! Além da mentalidade vingativa do agressor que continuará vibrando negativamente contra aqueles que o impediram de cometer aqueles atos criminosos. Criminoso é sempre criminoso e só, o conhecimento, só a espiritualização quebrará esse circulo vicioso que tende a brotar dessas contendas.

Porém, com todos esses riscos, eu pessoalmente, mesmo conhecendo tudo o que conheço da parte espiritual, cósmica e sideral, não teria dúvidas em usar os meios mais drásticos de defesa que estivessem as minhas mãos, mesmo que tivesse que tirar a vida do agressor. O resto ficaria por conta das Entidades Superiores em terem que aparar as arestas de um possível reação negativa contraria.

Essa Lei do karma tem tantos meandros que é meramente difícil mas, não impossível de explicá-los todos. Mas para o bom entendedor meia palavra ou o pouco que estou penetrando basta para que ele equalize, em todos os sentidos e para cada momento de sua vida, as soluções ou anti-soluções, se assim posso chamar, para que ele racionalmente não resvale em reações dolosas e dolorosas tanto para seu físico como para seu perispírito ou seu conjunto psicossomático. A cada ação uma reação em sentido contrario no mesmo valor, assim é a lei do karma.

Portanto, volto a frisar, a Lei de Causa e Efeito, Lei do karma, Lei de Ação e Reação ou o que Moisés quis enfatizar chamando de Olho por Olho Dente por Dente, é uma Lei só, mas, uma lei natural, onde cada coisa, cada ser, cada planeta, cada galáxia, do micro ao macrocosmo produz sobre si mesmo sem determinismo, sem destino, o “assim estava escrito” ou “maktub” dos povos maometanos muçulmanos, e somente a conscientização do ser, ou a alteração ou mutação natural de tudo no Universo poderá altera-la, mudando seu curso e amenizando seu choque de retorno.

Deus ou Núcleo Central Cósmico concorre apenas, e não determina, dá ao Universo a ambientação que propicia o funcionamento dos fenômenos de sístole e diástole, de luz e sombra do positivo neutro e do negativo, da expansão ou retração dos Corpos no Espaço e no Tempo, na Inércia ou no Movimento, no Passado, Presente e Futuro que constituem o Eterno Presente, a Manifestação do Não Manifestado, o Cósmico e o Sideral e tudo o mais, cabendo a Centelha, que se origina desse Núcleo Central Cósmico e administração, por assim dizer, do equilíbrio, da harmonização consciente dessas ações e reações.

Não há interferência Divina direta na Lei do karma, mas sim uma anuência a existência do Livre Arbítrio de tudo o que existe no Universo!

O mesmo se pode dizer em relação as doenças, umas passageiras, outras de período curto, outras no período longo. As indolores, as doloridas fisicamente, as de efeito moral e as mortes físicas rápidas, lentas e sofridas, acidentais ou criminosas. Todas elas, todos os casos sem exceção, as causas são sempre espirituais e karmáticas, mesmo que a medicina é a ciência geral convencional digam que não!

O ser humano sempre teve o seu passado, suas centenas de reencarnações, principalmente os da Terra, são rarissimas os espíritos com uma única encarnação! Se é a primeira dele no planeta Terra com certeza matemática ele vem expatriado, expulso ou requisitado de outros orbes mais adiantado ou mais atrasados que a Terra, por conseguinte, já traz em si mesmo a “folha corrida” ou prontuário kármico, que o submeterá as provas relativas aos seus antigos atos ou ações por mais remotas que elas possam ter existido. Jamais se apagarão!, boas ou mas. Isto ocorre porque estamos no limiar do terceiro milênio e não na formação do planeta. Se fosse naquela ocasião sim, poderiam encontrar os milhares de trogloditas ou “homo-sápiens” com sua primeira encarnação, atentem os leitores para o termo, estou dizendo encarnação para eles e não reencarnação que condiz mais com os tempos atuais de fim de século e do ciclo.

O Núcleo Central Cósmico – Deus – concede, ao invés de permitir, que entidades superiores, portanto mais elevadas espiritualmente, possam intervir em favor de seus protegidos, reencarnados ou não, a fim de tentarem amenizar o karma, protelando, desviando os detalhes pré-traçados em troca de outros comprometimentos mais positivos que permitem a restauração dos registros akáshicos com ações renovadoras que funcionam algebricamente, ou seja, sinais iguais soma-se, diferentes se o maior for positivo, se o maior for negativo tudo vira negativo, ou tudo vira positivo.

Vou utilizar-me aqui de expressão quase que irreverente, quase uma heresia para aqueles que ainda compreenderam o conteúdo do Núcleo Central Cósmico – Deus -, digo quase porque o que aqui menciono é o que realmente ocorre se verdadeiramente usarmos a lógica, ou seja : “um doente terminal arrependido de suas faltas pede de última hora piedade, perdão, faz mil e uma promessas que nunca fez e nunca teve pelos outros durante sua vida toda, e Deus, como respondesse diz a ele com voz elevadíssima, suavíssima, bondosíssima : – “Tudo bem, você está perdoado, a piedade que agora você pede lhe é concedida, aceito suas promessas, porém, … vai morrer assim mesmo!… E vai desfrutar das suas afinidades no Umbral até que expurgue de si mesmo as toxinas e aprenda a harmonizar o que você desarmonizou e distinga o positivo, do neutro e do negativo!

Esse é o karma, essa é a Lei de Ação e Reação, Lei de Causa e Efeito, do Olho pôr Olho, Dente pôr Dente, do Assim Estava Escrito, do “A cada um de acordo com suas obras”! ou do “Ai de Ti ou Feliz de Ti quando o Teu Passado encontrar o Teu Presente”!

D.Yezzi, S. Paulo

A Mãe Solteira

A mãe solteira, essa mulher mágica grandiosa que amando ou não seu futuro filho, faz das tripas coração para sobreviver sob as avalanches de problemas, dúvidas, incertezas, inseguranças, abandono, falta de carinho, solidão e sem vislumbres positivos quanto ao seu futuro e ao futuro do seu bebê.

Muitas se desesperam por se verem caídas em desgraça, por pensarem que até Deus as tenha abandonado naqueles terríveis nove meses que permanece com seu filho em seu ventre, outras pensam em suicídio, aborto, muitas os cometem tresloucadamente, outras resignadas e firmes decidem seguir na caminhada com firmeza e renuncias mil por não deixarem faltar nada ao seu ente querido que vai nascer.

A estas me dirijo principalmente e àquelas também, pois cada uma vive de sua maneira seu universo e o sentem da forma que o seu nível de conhecimento lhes permite ver e sentir. Ambas, as mais fraquejantes e as mais fortes, as mais pobres e até as mais ricas, são sem dúvida alguma grandes heroinas da humanidade e infelizmente poucas reconhecem o dom Divino que é o ato de por no mundo um novo ser.

Desconhecem sua trajetória kármica do passado longínquo e muito menos o seu presente e o seu futuro, por isso, dentem-se desamparadas pela sociedade e por Deus, mas na verdade, elas estão recebendo um presente dos Céus pela dádiva de poderem ser mães e darem o seu corpo para a formação de um novo corpinho para ser o altar de carne de um novo espírito que teria forçosamente que vir a nascer por ela e só por ela se desenvolver.

Portanto, essas heroínas anônimas, devem se sentir predestinadas por Deus para serem as portadoras da luz Divina que, por meios diferentes ou linhas tortas colocam no mundo novos seres que poderão servir de grandes esteios familiares e grandes bases para o próprio futuro delas mesmas suas mães sofredoras. Esses seres muitas vezes e as vezes raras brotam para serem ao mesmo tempo o amparo de suas próprias mães ou as âncoras que farão com que elas trilhem novos caminhos para o Alto e para seu equilíbrio espiritual e físico, chamando-as às responsabilidades para um novo viver sadio e objetivo com vistas na desintoxicação dos seus perispíritos cheios de culpas e mazelas ou leva-las pelo esforço e dedicação material a alimentarem em si próprias, o conceito da verdadeira mãe que é aquela que não só da luz mas se dedica a criação e a educação daquele espírito que veio através dela e portanto necessita dele para seu caminhar na vida.

Entretanto há aquelas mães solteiras que apenas dão seu corpo para dar a luz ao novo espírito, são as chamadas parideiras compulsórias, ou seja, aquelas mulheres que servem ao Criador para pôr espíritos no mundo que só poderiam vir através delas utilizando-se do seu sistema genético e que seriam rejeitados por outras ou pelo mundo se elas não existem. São portanto, abençoadas da mesma forma, pois estão contribuindo para o renascimento de almas que virão para cumprirem sua missão entre os vivos entre a humanidade e na sociedade da qual participarão.

Muitas dessas almas são de graus elevados e como já foi constatado historicamente, passam a ser heróis famosos e desbravadores de novos caminhos, levando a humanidade a novos descobrimentos, a novos conceitos de sabedoria e de resgate kármico coletivo. Desta forma, sem a existência da mãe solteira, esses personagens não existiriam, e devemos à elas grandes feitos da humanidade, grandes exemplos de humildade, dedicação, resignação, sofrimento, abnegação amor expontâneo e heroísmo.

Abençoadas sejam todas as mães solteiras que se apegam aos seus filhos mesmo sabedoras de que eles são portadores de defeitos físicos irreparáveis ou de defeitos mentais que muitas das vezes os levam a cometerem crimes hediondos e até a matarem suas próprias mães, conseqüência do forte peso kármico que entrelaça seus destinos.

Abençoadas também aquelas mães solteiras que conseguem fazer de seus filhos grandes homens ou homens e mulheres comuns, mas honestos e batalhadores e que por sua vez, colocarão no mundo outros seres que darão orgulho a suas avos que outrora foram estas mães solteiras.

Abençoadas as mães solteiras que apenas parideiras colocam no mundo seres que alegrarão outras famílias sendo delas o esteio, a base de sua união familiar e darão também enorme contribuição a humanidade, positiva ou negativamente. O importante é que esses seres teriam que vir ao mundo e só poderiam vir através dessas mães, abnegadas e sofredoras, que por nove longos meses os carregaram em seu ventre, aqueles que elas pensaram em rejeitar e expulsar sem dó nem piedade e não o fazendo resgataram com esses mesmos seres e com a humanidade, grande parte de suas dívidas kármicas.

A mãe solteira, por ser quem são, mulheres sós e abandonadas pela sorte, são a meu ver dignas dos maiores elogios e são as maiores heroínas da humanidade, que Deus pôs no mundo e cumpriram seus deveres a custa de muita dor, suor e lágrimas.

A Entidade “Pomba Gira”

Por longos anos vim estudando o comportamento de determinadas entidades e suas influências sobre os seres humanos, no caso da entidade denominada de “Pomba Gira”, na Umbanda e no Candomblé e bem como nas correntes negativas como na quimbanda. Posso dizer que são entidades arraigadas ao sexo e tudo o que provém de suas funções e disfunções. São entidades cujo teor vibratório, cuja sintonia com as aberrações e induções sexuais, são muito fortes e profundas. São como os Elementais da Natureza que cada um é ligado ao meio em que brotou e nesse meio, seja a água, mar ou rio, cachoeira, mata, ar, fogo, animais, minerais e outros, possuem o poder de manipular, unir, aglutinar, harmonizar, desarmonizar, construir ou destruir.

No caso específico dessas entidades “Pomba Gira” que são incumbidas dessas funções ligadas ao sexo das mulheres, não se trata de um elemental mas sim de espíritos desencarnados, femininos, cujo karma espiritual e cujo desencarne ocorreu por desapontamentos sentimentais dolorosos nas suas últimas reencarnações na Terra, na maioria deles, tendo perdido a vida na prática do sexo ilícito, ou tendo sido assassinadas nos momentos do exercício sexual, ex-mundanas que sem ter outra escolha e tendo aquela afinidade no Astral formam-se em agrupamentos afins com o firme propósito da vingança sobre seus algozes agora reencarnados como mulheres ou como homens ou ainda como homoxessuais masculinos ou femininos. São atraídos por grupos de magia ou de “religiosos” das religiões ou seitas afro-brasileiras, no caso do Brasil, para agirem dentro do campo de sua atuação, que é a função sexual, através de paixão ou do amor forçado, para aumentar a atração sexual entre casais antagônicos que nunca se imaginariam juntos, ou destruir em nome de outros a atração natural entre casais normais que se amam. São “comprados”, através de presentes e oferendas além de satisfazerem sua índole vingativa e se satisfazerem também sexualmente. Muitas e muitas vezes perseguem seus algozes durante várias vidas sempre tentando saciar sua sede de vingança levando-os a cometerem os piores desatinos e aberrações sexuais, transformando-os também por sua vez em outras “Pombas Giras” ou “Exús”, que são os mesmos tipos de entidades ligadas ao masculino.

Essas entidades agem sorrateiramente freqüentando locais de baixo astral, quartos de motéis, dancing, locais de vícios e orgias, onde se bebe e se adentra aos caminhos sem volta das drogas. A mulher ou homem, ou os homossexuais de pensamento em afinidade com essas entidades, são impelidas e compungidas a fazer sexo nas piores situações e contra as suas índoles pois são semi tomadas à distância e mais ainda no momento do ato sexual, e aí passam a se comportar como se fossem outra pessoa, fugindo dos seus critérios habituais, atraindo para si e, principalmente, para as partes genitais as piores doenças provocadas por protozoários (outras entidades disformes) que se imantam sobre aquelas partes e sobre a pessoa, intoxicando-a e ao seu perispírito, também pelos “miasmas”, ou seja, bactérias que ficam no ar e no astral produzidas pelas pessoas envolvidas. Nestes casos, se for uma pessoa que possui família que está em casa e nada tem a ver com o que aquelas pessoas fazem fora do lar, são “contaminadas” também indiretamente, surgindo daí doenças, mal estares e desarmonias inexplicáveis, no meio científico.

Portanto, não vai aqui qualquer intenção de semearmos um falso puritanismo ou conservadorismo fora de propósito, mas sim, alertarmos para o que tecnicamente ocorre.

Imaginemos pois, dentro do contexto já explicado, que, se os “miasmas” e “Protozoários” permanecem nos locais de baixo astral, penetrando ou interpenetrando a tudo e a todos os locais, tais como motéis, bares, “dancings” e outros antros de meretrício, são contaminadas astralmente e depois ingeridas pelos freqüentadores inadvertidos.

Portanto, não estamos aqui, contra isto ou aquilo, nada temos contra essas entidades, as quais dentro do contexto universal fazem o seu papel e, muitas vezes, são “utilizadas” por outras entidades com finalidade de fazerem renascer espíritos que nunca seriam aceitos por uma mãe normal. Veja-se o gigantesco número de mães solteiras existentes no mundo e a enorme quantidade de menores jogados pela ruas, na maior parte, frutos de nascimentos forçados ou forjados por essas entidades. Isto não significa que todas as crianças nascidas de encontros fortuitos ou casuais seriam espíritos que não nasceriam se não fossem usados esses métodos astrais, apenas, tiveram que nascer assim e só poderiam vir ao mundo através da concorrência ou ajuda daqueles pais e que foram “ajudados “ por essas entidades vingativas e zombeteiras. Mas, nestes casos, as seqüelas kármicas recaem mais sobre a mãe-solteira que tem que carregar em seu ventre aquela criança indesejável ou inesperada para aquele momento, e mantê-la sob sua guarda e manutenção, às vezes na pior situação de vida e na penúria total, enquanto o pai inescrupuloso retorna a seu “lar doce lar’ se for casado, ou desaparece no mundo sem deixar vestígios. Se for solteiro, pouco se importando com o que vai acontecer com aquela mãe infeliz e com o destino daquela criança que fez nascer.

O mesmo acontece com aquela entidade, que se diverte no astral presenciando a desgraça ou o desconforto em que colocou ou provocou para aquela mãezinha que vai ter que fazer das tripas coração para assumir sozinha o seu novo filho. Muitas não suportam o peso, doam ou vendem seus filhos e no auge do desespero cometem suicídio indo parar ao lado da entidade vingativa que, por sua vez se compras, se regala de satisfação em ver sua vingança concretizada e ter sua ex-algoz agora ao seu lado como mais uma “Pomba Gira”.

Essas entidades também tem muita força sobre outras “Pombas Giras” reencarnadas e que vem ao mundo para servirem de instrumento de discórdia e desarmonia entre lares e seres humanos honestos e que gostariam de passar por esses terríveis momentos.

O importante é afastar essas entidades através de trabalhos e orações especiais que as levem para tratamentos espirituais e emitir-lhes muita luz, pois quem está iluminado não pode e nem quer fazer mal a ninguém.

Seria conveniente, doravante, que os proprietários e freqüentadores desse locais se preocupassem com a limpeza Prévia do Astral e das instalações ambientais para pelo menos não permitirem essas contaminações. “Porém, sei que isto é uma utopia, ou seja, jamais será feito pois esses ambientes só dão lucro se forem quanto mais ruim, melhor”.

Outro detalhe que observei e observo e pode ser notado por qualquer pessoa, é que as mulheres que tem afinidade com essa entidade ou que sejam “Pombas Giras” reencarnadas tem predileção pelo uso das cores vermelho e preto. Vai desde o batom, as roupas íntimas, as coisas que escolhem e o ambiente que freqüentam. Portanto, o carmim (vermelho vivo), o preto é uma indicação vulgar dessas entidades e as coloca em sintonia direta com as energias negativas e maléficas. E as “médiuns” usadas por estas entidades afeitas a luxúria e ao esplendor da vaidade, vivem pintando as unhas, repintando-as, quase que diariamente e vivem diuturnamente frente ao espelho a se contemplarem. Na verdade, é a Entidade Pomba Gira que se regala com tudo isto e absorve os fluídos que exalam dessas condutas da fraqueza feminina.

Alguém perguntará: Então temos que abolir esses costumes de nossa sociedade? Respondemos que: devemos procurar não entrar em contato com essas energias, consequentemente, o uso de cores mais suaves e tons mais claros é recomendável. “- Diz-me com quem tu andas que eu te direi quem és”- diz um ditado e neste caso dizemos: mostre-nos as cores e costumes de tua preferência que te diremos quem és e quem te acompanha no astral. É claro que, tudo está na intenção, no propósito de quem usa e faz, porém, o inconsciente humano é sugestionado, é insuflado pelas radiações magnéticas que essas entidades impregnam sobre a mente, que por sua vez induz o cérebro e que por sua vez, também, impele essas pessoas a buscarem as cores e músicas que também transmitem cores, as quais, as colocam em sintonia ente si, ou seja, pessoas com as entidades e entre as pessoas da mesma afinidade, mesmo gosto e comportamento baixo astral.

No momento de transição que o mundo e a humanidade atravessam e a busca desses conhecimentos até agora guardados em segredo pelas Altas Entidades e pelos Sábios se torna mais ávida, mais insistente, achamos que é chegada a hora de algumas providencias serem tomadas para elucidação da grande massa e das entidades que agem soturnamente, ou seja, sorrateiramente, pensando que jamais serão descobertas e punidas.

Agora se aproxima a hora da verdade e, como dizia o Mestre dos Mestres: a hora da separação do joio do trigo, e para aquele que não estiver com sua vibração elevada a um ponto que não seja atingido pelas vibrações negativas que Sidérius, o planeta gigantesco que se aproxima, emite a longa distância.

Ninguém vai conseguir esconder seu grau de negatividade atras de uma boa aparência, ou atras da sua riqueza que não comprará mais nada, nem se esconderá por trás de falsas palavras ou de atos interesseiros. Ele será sugado de conformidade com esse grau de negatividade, e que hoje está aumentando sobre pessoas a olhos vistos sem que elas saibam o porque e nem como fazerem para se livrarem desse círculo vicioso que as carrega para a colheita obrigatória do que semearam, entre esse círculo vicioso se encontra a atuação, a obsessão sobre as pessoas por parte desse tipo de entidade perniciosa que não se dá conta do mal que causa à sociedade e a ela própria. O nosso papel aqui é apenas o de alertar, sem qualquer pretensão de querer endireitar o mundo, cabe a cada um prestar contas de seus atos e assumir, queira ou não queira, suas responsabilidades. É nosso dever transmitir conhecimentos, nada mais.

Respondendo Para o Lado de Lá

Perguntas feitas ao autor por várias entidades espirituais, talvez com intuito de testar seus conhecimentos, e que o autor tenta responder imparcialmente e às vezes com cunho pessoal.

06/10/86 às 2h40

1)                 Pode um espírito evoluído como Mozart, Paganini, Beethoven e outros que se conservam desencarnados no Astral, tendo que reencarnar em outros vultos famosos ou não, voltarem à suas formas de músico ou daquela encarnação que os tornaram conhecidos, após um novo desencarne?

RESP.: Para um espírito evoluído nada é impossível, mais ainda, tudo é possível. Sabemos todos que uma entidade desencarnada conserva aglutinadas sobre seu perispirito, as partículas energéticas de sua última forma física quando vivia, porém, ela pode se transfigurar nas personalidades que quiser, mesmo que nestas configurações ela tenha vivido em remotíssimas encarnações, boas ou más; das quais ela necessite fazer uso para ser reconhecida por aqueles que com ela conviveram na época, ou tenha ela que exercer alguma indução psicossomática kármica ou não, sobre alguém vivo ou do seu mesmo plano astral. O Perispírito, no meu conceito, ainda é matéria, mas rarefeita é claro, mas ainda sim, matéria, e sendo assim pode ser moldada ou plasmada pelo Espírito como ele bem quiser, pois, a semelhança de uma poderosa fita magnética comum, ou uma precisa e ao mesmo tempo preciosa memória cósmico-etérea que registra tudo o que se passou ou o que se passa no Cosmos desde a sua criação personalizada, dando ao Espírito um caráter particular, distinguindo-o dos demais que existem no Universo, dando-lhe também uma freqüência vibratória própria e consequentemente uma sintonia adequada. Por vezes, um Espirito evoluído ou não tendo necessidade de se transfigurar ou trasmutar-se em “alguém” que ele tenha sido, faz uso de processos mediúnicos e extrai os fluídos da aglutinação ou de desaglutinação que vão resultar na transmutação de energias de médiuns (intermediários) do campo físico e do campo astral para os efeitos de indução psicométrico-plasmático sobre aquelas a quem ele desejar ser relembrado.

Deve ser levado em conta nesse processo, que para qualquer Espírito evoluído ou não tem tendências lógicas e karmicas de se fixar sempre na sua última reencarnação pois por mais simples ou mais famosa que esta possa ter sido, ela não pode ser desvalorizada, ao contrário, tem tanto ou mais valor que as anteriores pois será por esta última que ele terá sido qualificado para se situar em patamares de progresso evolutivo correspondente a tudo o que ele tenha produzido no decorrer das suas dezenas ou centenas ou ainda milhares de reecarnações passadas.

Todos os registros encontram-se fixados no Espírito e, basta sua simples vontade para que esses registros venham a tona e sejam energizados ou materializados.

2)                 Pode um espírito de um suicída reencarnar sem os defeitos kármicos que seu ato iria deixar sobre ele?

RESP.: Esta pergunta tem muito haver com a primeira, pois se o Espírito for evoluído ele poderá corrigir sobre si próprio as mazelas provocadas por ele ou por outros. A consciência de um ser é uma parte daqueles registros etéricos que podem elevar ou rebaixar esse ser em todos os graus do progresso psicossomático. Quando falo em consciência, refiro-me não só a do suicída que se sentido culpado (mea-culpa) forma sobre o espirito a desarmonia celular do espirito, resultando nas mazelas que deformarão nas futuras regiões físicas as reencarnar-se mas também nas consciências daqueles que convivem com ele ou foram direta ou indiretamente responsáveis pelo ato suicída, os quais, queira o suicída ou não continuam também com o seu “mea-culpa” e desta forma, ao mentalizarem ou apenas ao relembrarem-se dele o verão nas imagens de suicida e isto ajudará a aglutinar as partículas de desarmonia celular do perispírito e do ambiente que “prende” o ser um sofrimento “ad-eternum” no astral inferior até que todos saiam daquele circulo vicioso negativista que atrasa em anos e não raras vezes, em séculos o progresso livre daquele ser.

Porém, se ele for evoluído entrará em sintonia maior e apesar de ter que passar pelas agruras de seu ato por ter provocado o encurtamento de sua própria vida e ter provocado nos que o amavam a dor e o descontrole emocional, físico e social, poderá atrair mentores afeitos a esse mister, conhecedores profundos da ciência espiritual de como corrigir as desarmonias corpusculares do perispírito e assim, aquele infeliz ser evoluído poderá sanar em menos tempo que o esperado os seus defeitos e retornar ao convívio dos demais seres humanos sem qualquer problema físico ou mental.

Como se vê, a lei do karma é implacável, inexorável em quase todos os pontos, mas, na sua exatidão cósmica deixa aberturas também exatas para que qualquer um de nós seres humanos possamos entrar, desde que possuamos os registros essenciais que são a sabedoria, que é o domínio do conhecimento cósmico, a humildade e o amor ao próximo. Com apenas esses três requisitos dentre outros que poderemos optar no momento de nossa necessidade e compormos nosso “quantum vibratório”, poderá um ser atingido por qualquer infelicidade adentrar aos mundos superiores da mente e do espirito, sem qualquer protecionismo vulgar.

3)                 Pode um espírito reencarnado que tenha sofrido um aborto ou morte prematura logo ao nascer, retornar ao Astral em sua forma anterior de adulto?

RESP.: Igualmente ás perguntas anteriores, pode; desde que não adentre aos círculos vingativos, os quais, por conseqüência são penas kármicas.

Há vários fatores que levam o espírito a ser abortado do ventre de sua nova mãe, entre eles:

  1. Ter sido esse espírito um grande praticante de atos abortivos propositais e maldosos, podendo ter sido uma própria mãe, ou um agente abortador, tais como parteiras, médicos ou criminosos passionais ou criminosos acidentais os quais, pelo “mea-culpa” não se auto-perdoaram e nem receberam o perdão de suas vítimas, provocando sobre si e sobre todos os que participaram dos acontecimentos aquelas desarmonias astrais e psicofísicas.
  2. Um espírito evoluído do astral-terrestre, ou seja, um extraterreno que em nova missão regeneradora a favor dos vivos não consiga se fixar no feto devido ao seu alto grau de potencialidade espiritual, e sua “alta voltagem” mental-espiritual não consegue se estruturar ou se “encaixar” no novo e frágil invólucro carnal, matando-o antes mesmo de nascer. Nestes casos, o Espirito reencarnante poderá voltar imediatamente ao seu estado anterior de evolução, mas as vezes, prefere tentar conservar-se em forma de feto no astral mas com a sua consciência adulta vigilante ao lado afim de melhor poder aglutinar sobre si as novas partículas emanadas do físico em formação para facilitar-lhe novo empreendimento à vida física, mas quase sempre esses espíritos muito evoluídos necessitam de várias tentativas infrutíferas as quais ocasionam a morte prematura de seus fetos e às vezes já na tenra idade até que numa delas possa conseguir seu intento, porém, todos esses fatos são realizados em consonância kármica e muitas vezes eles tentam nascer em úteros de mães com passado de provas kármicas cujos espíritos saberão o por que de tanta “infelicidade” material, mas, mesmo assim podem elas estarem recebendo como prêmio em forma de “faca de dois gumes” um novo avatar com uma missão angelical ou técnico-científico.
  3. A entidade reencarnante pode ser oriunda de um outro planeta (extraterrestre) qualquer, mais evoluído ou não que a Terra, deste sistema solar ou de outro sistema solar dentro da nossa galáxia, a Via-Láctea, ou de outras galáxias, o processo é o mesmo e é o mesmo mecanismo, a diferença está no choque vibratório inter-energético de uma matéria composta de partículas e órgãos diferentes para a nossa matéria carnal com órgãos muito complicados como o pâncreas, os intestinos, os testículos e outras glândulas por vezes inexistentes noutros corpos físicos de extraterrestres.

Um ser extraterrestre além de possuir seu físico de conformidade com seu habitat natural tem consequentemente, uma compleição física até anti-natural à nossa e quando “desencarnam” levam para o Astral de seu planeta todas as partículas energéticas que formavam seu corpo físico, as quais, formarão seu corpo astral ou perispírito que posteriormente ao voltar se encarnar lá mesmo em seu planeta ou aqui na Terra interferirá na formação do seu novo corpo no próprio habitat ou em novo corpo físico na Terra.

Nos casos de reencarnes de seres extraterrestres na Terra há de se levar em conta o fator rejeição natural entre as partículas que o compõe e as outras que formarão o novo feto. Além do que há a temperatura corpórea perispiritual para mais ou para menos, e que influirá na pressão e corrente sangüíneas do novo feto ocasionando distúrbios sem conta no metabolismo e no sistema endócrino do novo feto, os quais, fatalmente acarretarão sua morte física. Muitas vezes nesses casos o feto nem chega a ser animado.

Em todos os casos das três perguntas acima, todos podem voltar ao seu estágio de adulto, alguns retornaram àquele estado quase que sob explosão outros precisam permanecer em estado fetal e outros, como espírito permanecem ao lado da futura mãe sem encarnar, apenas pulsando sobre o novo feto e caso haja o aborto eles acompanham tudo e tudo sentirão também e por vezes ficam ainda mais acabrunhados, sem ação, sem nada poderem fazer apesar de ambas as consciências, a do feto e a do espírito reencarnante estarem intimamente ligadas por laços magnéticos firmes e sensíveis. Ambos sofrem quando o nascimento não dá certo.

4)                 Como fica o fator genético frente às sucessivas reencarnações de um espírito, evoluído ou não, e quais seriam as técnicas e mecanismos que os Mentores Espirituais empregam para fazer o “encaixe” de um espírito reencarnante em células físicas cujo gene tenha que vir desequilibrado na sua contextura a fim de dar àquela entidade a oportunidade de resgate? Há preparações prévias desses desvios genéticos ou tudo ocorre naturalmente?

RESP.: Para os Mentores Reencarnacionistas não existem dificuldades ou embaraço para poderem “encaixar” um espirito reencarnante desequilibrado e que tenha que nascer com defeitos físicos externos ou internos e resgatar, drenar ou desintoxicar seu perispírito em uma vida de sofrimento e provas, pois tudo ocorre “naturalmente” dentro de uma programação preestabelecida.

Mesmo que o fator genético seja um fator preponderável através do qual as Entidades Superiores teriam maior ensejo e facilidades em fazer nascer alguém que precisa resgatar suas dívidas consigo mesmo ou com os elementos humanos contra os quais se responsabilizou, nem sempre esse fator é levado em conta, ou seja, aquela ramificação familiar poderá ter sido em milênios um fator genético imutável, sempre perfeito, sem desvios de qualquer ordem, seja ela psíquica, emocional, ou física, se for necessário, será permitido um desequilíbrio genético momentâneo pelo conteúdo vibratório do espírito reencarnado que, por incapacidade de emitir as pulsações adequadas para o útero de sua mãe, no momento da aglutinação das células matrizes que darão origem a seu novo corpo, dando origem as futuras falhas físicas e mentais das quais será portador durante algum tempo de sua vida ou durante sua vida toda.

Alguém perguntará: Mas o que seus futuros familiares tem a ver com as culpas e resgates pelos quais ele terá que passar? Não será uma injustiça para com aquelas pessoas ou descuido das Entidades Superiores para com elas?

Se o espirito reencarnante vai renascer num determinado lar, ou vai ser filho de mãe solteira e pois irremediavelmente, vai causar sofrimentos a todos inclusive ao pessoal médico e paramédico dos sanatórios, hospitais, cadeias e etc., onde ficará internado, é porque eles tem ligações kármicas com ele e entre si. No lar, ele ficou de ser recebido e amparado. A mãe solteira comprometeu-se com ele em colocá-lo no mundo e nosocômios , todo o pessoal aderiu aquela missão socorrista, porque não só quiseram ganhar mais pontos na espiritualidade mas também estão endividados com seus pacientes.

Tudo é conseqüência de uma reação em cadeia prevista e adrede-preparada “naturalmente” para que os fins sejam atingidos.

Mas e quando não há qualquer ligação kármica com qualquer pessoa hoje reencarnada? É muito difícil não haver, pois nas vidas passadas ele não brotou do nada, sempre houve alguém que concorreu para que ele viesse ao mundo. Mas, digamos que não haja, digamos que ele seja um espírito alienígena que necessita nascer na Terra e não tenha alguém para recebe-lo dando-lhe um novo corpo!. Neste caso, as Entidades Superiores procuram e escolhem para ele seus novos familiares, conversam com eles em espírito, normalmente pessoas que precisam e pedem para ter um filho mesmo que seja para cumprimento de resgates. O fato deles não terem filhos até aquele momento também já é karmico, um karma mais psicológico do que social ou de provas; nestes casos, lhes é concedida a benção de ter um filho e lhes é explicado o objetivo do reencarne doloroso. Eles aceitam em espirito durante o sono e ficam felizes em poder contribuir astralmente. Entre os pesquisados e posteriormente escolhidos para serem os futuros tutores do espirito reencarnante, encontram-se os agrupamentos de prostituição, de viciados em drogas, em bebidas, de degenerados de toda a espécie, entre presidiários, entre doentes mentais, entre retardados, os quais, quase todos por si só, devido suas mazelas, já fornecerão naturalmente um físico deteriorado geneticamente e que o espirito reencarnante irá lançar mão avidamente porque necessita nascer. É uma oportunidade imperdível para ele. Quando não são esses agrupamentos, o espirito reencarnante se “incumbirá”, também devido as suas incapacitações de reproduzir um novo corpo são, de deteriorar sobre si próprio o seu ‘meridiano-genético”.

Aí estão então expostas as técnicas e mecanismos utilizados pelos Mentores Espirituais e os fatores genéticos e preparatórios para o reencarne de um espirito evoluído. Seja qual for seu tipo de dívida, sem esquecermos que a medida em que a Ciência fornece novos meios como os nascimentos de provetas, aqueles mentores terão novos mecanismos para serem utilizados, tudo dentro de uma harmoniosa lei de ação e reação universal.

5)                 Por que Jesus não deixou nada escrito quando esteve na Terra?

RESP.: Jesus, um Avatar, um sábio reencarnado entre os homens e com uma missão restauradora da fé e dos costumes entre aqueles homens de conceitos tribais e patriarcais, quase analfabetos, rústicos e de índole selvagem que não acreditavam em nada, de pouca fé, tinha que deixar algo para o futuro, algo que marcasse sua presença inovadora, mas humilde e redentora cujos atos e exemplos teriam que sobreviver ao tempo, às raças e costumes até o fim dos tempos, até nós homens do século XX, e após.

Ele sabia que haveria confusão sobre a sua vida e sobre os seus atos, pois os homens, sendo inconstantes e matreiros iriam deturpar tudo o que ele fez com boas intenções e, se deixasse alguma coisa escrita do próprio punho, esses mesmos homens teriam a justificativa ou o bode expiatório para aquilo que conviesse aos seus maus propósitos. Haveria, como hoje há aqueles e aquelas facções filosófico-religiosas ou não que brigariam entre si e se matariam tendo como motivos justificáveis as palavras escritas por Jesus e que poderiam ser sempre o “pivot” das tragédias religiosas ou de seus desacordos ou litígios, como ocorre assim mesmo hoje em dia apenas por ouvirem dizer muito vagamente sobre o que ele possivelmente dissera ou não dissera, quanto mais se ele tivesse escrito! Desta forma, prevendo, ou antevendo tudo isso até nossos dias o grande Mestre preferiu que os humanos analisassem e se baseassem no “Espirito das palavras” e não nas “ palavras do Espirito”, preferindo “à confusão sobre o que ele teria dito à confusão sobre o que ele teria escrito”- conforme sabiamente nos retransmitiu o grande Ramatis. E, eu confio nessa maravilhosa sabedoria de Jesus que ‘enxergava” longe.

6)                 Como é possível a um espirito desencarnado conservar o seu perfume predileto que usava quando em vida, a ponto de ser reconhecido, ou sua presença sentida no Astral de uma residência mesmo que as pessoas daquela residência não o conhecessem quando vivia?

RESP.: Partindo do principio e da realidade que os campos paralelos ou astrais ou como eu os denomino: Psicosferas são um fato, ou seja, existem, e sendo uma cópia do outro, tudo o que for materializado no campo físico tem seu ‘duplo” ou cópia no astral ou vice-versa e desta forma inclui-se desde as menores as maiores partículas, que vão desde os perfumes, aromas e odores e até o que é muito mais comum entre espíritos inferiores os maus-cheiros em cujos perispíritos ficam agregados e exalam de seus físicos recém-putrefactos ou das regiões abissais e pantanosas do astral inferior. Tudo fica agregado, dependendo muito do grau de evolução do Espirito para que essa materialização ou a indução seja plasmada ou no campo físico ou no campo astral. Sim, porque no campo espiritual tudo é muito mais sensível e mais concreto e até mais perceptível do que no campo físico. Assim como o perispírito conserva sobre si todos os detalhes e pormenores de sua vida física, é claro que um aroma, um perfume, um odor, um cheiro, bom ou ruim, permanece imantado à ele, o resto é indução ou plasma obtidos através do ectoplasma que sem o saber, os circunstantes, ou moradores fornecem para que as coisas se tornem reais, individual (para um único médium) ou coletivamente. Da mesma forma, tudo pode ser desmaterializado utilizando o perispírito e os mentores, do mesmo processo e do mesmo mecanismo psicofísico. Por isso, antigamente causava espanto as casas ditas “mal assombradas” nas quais, via-se personagens, ouvia-se ruídos e sentia-se os aromas e toda a magia ali reinantes. Ainda elas existem, mas em menor número apenas em locais cujas entidades ainda permanecem em estágios de prova e em lenta evolução espiritual, acrescidas ou mantidas por seres vivos completamente ignorantes ou desconhecedoras do funcionamento prático do campo astral e mental.

7)                 Até onde o que vai escrito na Bíblia é verdadeiro? ocorreu mesmo? há alguma coisa que não condiz com a realidade e por que? O que há de verídico entre o Velho e o Novo Testamento, quais os pontos de confronto e de choque?

RESP.: O que aqui vai é a minha opinião pessoal e com total isenção de ânimo a respeito do Velho e do Novo Testamento, apesar de saber, através do fenômeno da psicometria de minha esposa e de mim próprio, além de possuir mensagens de Entidades de Alta Linhagem, termos participado indiretamente na composição de um dos evangelhos do Novo Testamento, penso que tanto o Velho quanto o Novo Testamento são, em última análise, um conjunto de livros históricos que registra toda uma fase do início das modificações sócio-religiosas e filosóficas que presumiram ou anunciaram para todas as gerações que nos antecederam de lá para cá, o começo do fim de uma era e o início de uma nova era para a Terra, após o ano 2.000.

Nesse conjunto de livros denominado Bíblia não foram agrupados todos os livros existentes e de outros autores da época. Houve de certa forma um escolha preestabelecida pelas autoridades clericais da época de sua confecção, para que fossem juntados os livros que hoje conhecemos publicamente. Desta forma, creio eu que muita coisa não ficou publicada ou registrada na Bíblia, e, aquilo que chegou até nós sofreu muitas alterações devido as dificuldades naturais de tradução ao pé da letra ou melhor “ao pé do real significado”, além do que, sofreu grandes interpolações a gosto dos interessados da época em deter em suas mãos o poder e os conhecimentos subjugando a massa popular dentro daquilo que seus interesses escusos exigiam.

Por isso, para mim, todo o conteúdo bíblico só tem valor quando analisado pelo ângulo do Espírito das Palavras e não pelo ângulo das palavras do Espírito. Para mim não importa quem tenha dito tal ou qual passagem bíblica, mas sim, se aquela passagem pode ser útil para todos os seres humanos como um conjunto e não se ela apenas serve para esta ou aquela facção da humanidade. As verdades ou as realidades só são úteis ou boas e servem a toda a humanidade, caso contrário não são úteis. Mesmo para tudo aquilo que na época eu escrevi procurando sempre não colocar em dúvida o que disseram os demais evangelistas. Era mister que assim se fizesse ou desmoronariam todos os conceitos cristãos e todo um trabalho gigantesco de pessoas e entidades que precederam e sucederam a Cristo e o próprio trabalho e sacrifício do Mestre-dos-Mestres seria destruído, seria em vão. Tudo foi feito conforme os designos do Alto, ou seja, de Entidades mais elevadas que nós.

Há na Bíblia passagens marcantes do feito do ser humano dentro das áreas físicas e psíquicas, lógicas e psicológicas e que não podemos desperdiçar. São lições de vida, científicas sob os aspectos mais rústicos e transcendentais ao mesmo tempo, em que várias gerações patriarcais a partir de Moisés nos legaram seus costumes, suas condutas e seus “modus-vivendi”, dos quais muitos ensinamentos podemos extrair ainda, apesar de estarmos adentrando o século XXI e tudo estar mudando, mas, os fundamentos estão ali sem sombra de dúvida.

Por isso, respeito a Bíblia por esse ângulo de ponto de vista, extraio o que puder para servir ao bem geral da humanidade deixando o restante como arquivo da memória histórica dos povos.

Ninguém tem o direito de impor a outros ou a si próprio o que vai escrito na Bíblia, tem isto sim o dever de analisar e procurar absorver sem fanatismo de qualquer espécie e transmitir da mesma maneira para os outros o que aprendeu, sem precondicionamentos.

8)                 Como se explica aquela melhora de saúde que um paciente terminal passa antes de morrer? Ou seja, todos que estão ao lado dele incluindo os médicos juram que ele vai ficar bom, já está bom e, no entanto horas depois ele vem a falecer, deixando todos constrangidos e atônitos?

RESP.: Quando um paciente terminal bem quisto por seus familiares e seus amigos ou, servirá vivo aos interesses escusos de seus inimigos, forma-se ao seu redor tanto no físico como no astral, uma densa camada de fluidos magnéticos e ectoplasmáticos emitidos e exalados pelos pensamentos e sentimentos daqueles circunstantes que atrelam fortemente o espírito desencarnante altamente susceptível e sensível à esses fluidos o que não lhe permite nem “ir” e nem “ficar”, causando-lhe angústias, medos e sofrimentos diversos. Naquele momento, forma-se uma espécie de “circuito fechado” entre as correntes mentais dos vivos, dos desencarnados ligados ao paciente e do próprio paciente, isto da ensejo a uma “ delongada” sobre vida das células físicas alimentadas pelos fluidos ectoplasmáticos semi-materiais e pelo magnetismo que como um forte imã polariza o espirito mais tempo ao corpo que já não tem mais condições clínicas de vida. Diga-se de passagem que esses recursos ou recursos similares que quando encarnados entrem em estado de “catalepsia programada” mantendo seu físico semimorto nas tumbas e saem em busca do alimento energizador para mantê-los naquele estado por séculos; esse alimento é o sangue humano ou não que os revitaliza e permite a continuidade de seus atos diabólicos, mas, este é um assunto para ser tratado à parte com mais detalhes, farei mais adiante.

Quanto ao paciente que da ares de querer sobreviver, isto é feito pelos Mentores que se utilizam momentaneamente de técnicas reencarnacionistas fazendo-o reanimar-se ao mesmo tempo que induzem aos médicos, os quais, são enganados por seus aparelhamentos a pensarem que realmente ele vai sobreviver. Dão a notícia auspiciosa aos circunstantes e o próprio paciente ouve também e aí dá-se aquele alívio total e neste alívio, ocorre quase que automaticamente e naturalmente a quebra daquele circuito fechado de correntes várias. Todos se retiram aliviados e suspirando alegremente, quando então os Mentores sozinhos com o paciente, adormecem-no, e cortam-lhe os fios principais que prendem seu perispírito ao corpo e imediatamente ele se desliga e parte, falecendo.

Quando os circunstantes e médicos retornam sem ativarem os “por quês” o encontram morto e nada mais podem fazer.

Isto é necessário, justamente para evitar outros sofrimentos psicossomáticos ao moribundo, os quais, podem prejudicá-lo na sua saída ou desencarne. Porque o magnetismo pessoal do moribundo que por desconhecimento esteja sofrendo o pavor de deixar o corpo, esteja negativado, e por que o magnetismo de todos os circunstantes tentando “salvá-lo:, esteja positivado. Nestes casos, a Lei dos opostos prevalece e o positivo “prende” como se tivesse ganchos, o negativo e o faz permanecer no corpo já inerte por muito mais tempo que o necessário, ou o faz prolongar seu desligamento alimentando-o com uma espécie de tonus ou energia suplementar, que só vem a prejudicar sua ascensão ou desvencilhamento da crosta terrestre, ou fisiosfera.