Os Misteriosos Mundos das Dimensões

Capítulo dedicado ao Meu Irmão Francisco e sua Família

07/3/95 – (18/4/68)

Terceira Dimensão, Quarta, Quinta, Mundos Paralelos, Mundos Extradimencionais, ou como eu prefiro denominar, Psicosferas.

As dimensões a que me refiro não são aquelas que o dicionário classifica como tamanho, ou dimensão algébrica, mas sim, localidades situadas nos campos físicos, extrafisicos, mental, extramental, sensorial, extrasensorial, patamares ou degraus unidos que envolvem o globo terrestre no seu baixo – astral ao mais alto astral, etc., até as regiões cósmico – siderais.

São também os “Registros Akashicos” ou “Registros Etéricos” onde ficam registrados todos fatos e atos do ser humano da Terra ou do Universo; registros que contém desde as micro às macro informações em todos os sentidos, “ad-eternum”, jamais se apagam e podemos buscar essas informações fora do tempo e espaço físicos.

Como são essas psicosferas, de que são feitas, quem as faz ou constrói, como são feitas, onde se localizam, como e porque se situam em determinadas regiões próximas ou distantes da crosta terrestre? Conforme fui levado a observar e ao mesmo tempo que era sendo instruído pelos meus amigos Extraterrestres (habitantes vivos de outros planetas) e pelos próprios Extraterrestres (habitantes desencarnados dessas próprias psicosferas ou mundo extradimensionais), elas são como anéis superpostas que envolvem a Terra em todas as direções como meridianos e paralelos imensos que se cruzam uns através dos outros, cada um em sua respectiva faixa vibratória ou freqüência ondulatória, sem interferência entre si, formando, como eu já disse anteriormente, degraus ou patamares, que só conseguem ser localizadas e transitar entre um e outro, tanto para baixo como para cima, as entidades ou seres que conhecem suas vibrações, nas faixas de sintonia. Ou seja, funciona para as Entidades Espirituais, Seres Extraterrestres ou mesmo pessoas físicas com auto poder mental, à guisa de uma sintonia radiofônica ou de TV bem mais fina.

Mas, para se chegar a isso há que se ter conhecimento necessário e a qualidade espiritual adequada. Não fosse isso, as entidades que “vivem” nas pisicosferas de baixo – astral teriam acesso fácil a qualquer outra faixa mais elevada provocando o descontrole e a perturbação psíquica e espiritual na faixa densa da matéria que é a crosta terrestre ou fisiosfera e se situa na Terceira Dimensão. Promoveriam então a total desarmonização e vampirização entre os assim chamados seres vivos.

Ultimamente, isto já está ocorrendo mais amiúde devido os futuros acontecimentos do fim de ciclo planetário e por força do karma e das entidades de baixo padrão vibratório terem conseguido renascer entre os vivos apenas para servirem de “ponte – mediúnica” entre os dois campos, ou seja, a psicosfera do baixo astral e a fisiosfera dos vivos, daí os acontecimentos ultra – diabólicos e de magia negra reinante nestes conturbados anos do estertor terrestre. Dai dizer-se que o “demo foi solto após mil anos”.

Mas as Entidades Positivas estão sempre alertas e quem estiver em sintonia alta com a maior das Emissoras que é Jesus não serão perturbados ou molestados pelos negativos, “Quem não deve não teme”!

Tudo é regido pela Lei Divina das Afinidades, onde os afins se juntam e os não afins se repelem. Desta forma, para passar de uma psicosfera para outra, se for mais alta, a entidade terá que elevar seu padrão vibratório espiritual ou seguir par e passo os “caminhos psicosféricos íngremes” e ultrapassar as barreiras naturais que são formadas naquelas regiões deletérias pelo conjunto ou força mental das próprias entidades negativas que lideram a região. Se uma entidade mais elevada precisar “descer” as regiões psicosféricas mais baixas, terá que reduzir ou “esfriar” suas vibrações para poder seguir pelos mesmos “caminhos” ou projetar-se entre aquela massa de entidades sofredoras. Em ambos os casos não é fácil o empreendimento, muito mais difícil para as entidades negativas e bem mais sofrido para as entidades elevadas.

Essas psicosferas só existem em função da vida existente na crosta de cada planeta, e, esse tipo pode ser racional ou irracional, humana ou animal, vegetal ou mineral. As psicosferas são a principio cópias da vida ou da estrutura molecular preexistente na crosta de cada planeta, digo a principio porque após centenas ou milhares de anos de evolução essas psicosferas invertem sua posição e passam a influenciar e a interferir no “modus-vivendi” do planeta em todos esses reinos, ou seja humano, animal, vegetal, mineral, aquoso, gasoso e etc.

Levando-se em conta que o planeta Terra é relativamente novo em relação aos demais planetas do nosso sistema solar, consequentemente as manifestações de variado tipo de vida inerente a ele ocorreram mais tarde que nos outros, vida que brotava dele mesmo e foi formada também por entidades exiladas de outras orbes principalmente de outros sistemas solares em quantidade maior vinda de Capela, da Constelação “O Cocheiro”.

Consequentemente, a Engenharia Reencarnacionista Cósmica teve que preparar com antecedência nas psicosferas em torno da Terra, as regiões, bolsões ou colônias que alojassem as entidades que chegariam em número e grau com seres e afinidades, “módus-vivendis” anteriores, antes de reencarnarem em corpos físicos terrestres.

Como essa preparação para efeito de reencarnação leva algum tempo, as próprias entidades que reencarnariam foram plasmando, moldando com suas próprias vontades, desejos e forças mentais rebeldes, porém, evoluídas tecnicamente, as colônias e as cidades a seu gosto e de acordo com sua conduta espiritual. Para isso foi usado o plasma ou ectoplasma ou ainda as emulsões exaladas da própria crosta terrestre. Dai se originarem as furnas, locais tenebrosos, locais paradisíacos e assim por diante, e, ainda hoje é feito, desta forma, sempre de conformidade com as afinidades das entidades desencarnadas e em novo preparo para reencarnarem. De acordo também com seus feitos ou suas obras.

Não há pedreiros, nem construtores e sim plasmadores de energias que se amoldam de acordo com suas formações mentais, físicas e espirituais. Por isso, tudo parece ser igual ao que existe na Terra e na maioria das vezes, mais avançadas mais futuristas devido a origem das entidades vindas de orbes mais evoluídos.

As entidades rebeldes, se tornaram “anjos-decaídos” e se transformaram em reis do mal, formando regiões de seu domínio e liderança, sempre inconformadas com a punição celestial recebida. Combatem a Deus, ao Bem e a todos aqueles que são mansos e não pensam como eles. Formaram seu próprio império do Mal e de lá fomentam, artimanham, planejam os distúrbios, as desarmonias, os desequilíbrios entre viventes e entre eles mesmos, esquecendo-se eles que dia virá que seu império e tudo e todos que os acompanham irão de roldão e terão de recomeçar da estaca zero, como primatas em planetas que já estão sendo formados para isso.

O mal e a sua psicosfera poderão não serem exterminados para sempre, porem, serão “exportados” para locais de grande sofrimentos e atraso, até quem sabe, um dia, resolvam elevar-se e seguirem para psicosferas superiores. Deus! O Núcleo Central Cósmico e Seus Engenheiros Siderais não têm pressa. A Eternidade é Seu Tempo Absoluto! Essas psicosferas negativas vivem ou existem em função do atraso mental e espiritual de cada planeta e a tendência é de desaparecerem tão logo o planeta mude de posição no Espaço com a chegada de Sidérius o planeta higienizador, que vem em orbita contrária a orbita do sistema solar e, vem especificamente para essa função milenar.

Essas regiões serão trasmutadas para o astral ou psicosferas de planetas em inicio de evolução espalhadas pela nossa galáxia e mesmo no interior do gigantesco planeta Sidérius que é quase 30 vezes maior que o nosso Sol. Isto no que se refere aos negativos.

Para as entidades positivas e seres vivos positivos que ainda habitam a Terra, já estão sendo formados psicosferas mais evoluídas como Vênus, Marte, Mercúrio, e outros que receberão e acolherão essas entidades e seres com carinho e hospitalidade espiritualizadas.

Nas psicosferas tanto no baixo – astral, médio e alto astral, ouve-se a cor do som e, bem como o som da cor.

O tempo e espaço tem fusos mais elásticos, ou seja, o que na crosta levaríamos um dia inteiro para fazer, lá faríamos em três ou quatro horas. Tudo ocorre com mais fluidez, com mais requinte de detalhamento do que na fisiosfera, apesar de que como eu sempre digo, essas psicosferas mais próximas à crosta ainda são matéria, apesar de mais rarefeita, mais rarefeita pura, mais ainda assim são matéria, tangível e amoldável sob um poderoso fluxo mental, ou força mental.

Tudo parece-se em número e grau com a vida na Terra. As entidades que “vivem” nessas regiões, sentem dor, sentem ódio, rancor, saudades, dramas de consciência e até amor, pois chegam até a se casarem entre si, sentem prazer sexual e outras coisas mais. Portanto, a meu ver, apesar das religiões espiritas e espiritualistas negarem, eu posso afirmar e admito que haja procriação perispiritual entre eles, ou seja, como há o acasalamento também há a procriação. É assim que devem ser gerados alguns “espíritos especiais” tanto para o Mal como para o Bem. Apesar de que eu também sei que espíritos de escol ou alta estirpe ou formação, vem diretamente do Núcleo Central Cósmico e vão gerando outros em escala descendente até chegarem nos Elementais e entidades afins.

Como as Centelhas saídas do Núcleo Central ainda não são lapidadas, necessitam de uma pré-adaptação para habitar um corpo físico em seu novo “habitat” sideral, nada mais justo e técnico do que elas serem “produzidas” biotipicamente, primeiramente em ambiente psicosferico, ou astral, criando sobre elas uma pré-forma fisico-energética antes de irem tomar um corpo na crosta do planeta. Isto evita que a centelha ainda sem forma biológica tenha que ficar procurando um feto para “toma-lo” e não conseguir dar vida nem forma a ele durante várias tentativas.

Porém, isto só é possível em planetas que já possuem humanidade e psicosferas já formadas. Caso contrário, ela terá que fazer seu corpo material que estiver disponível em seu novo “habitat”, seja esse “habitat em qual planeta for, composto ou não das mesmas habitalidades similares as da Terra. Sendo formado um “corpo” energético para as centelhas nas regiões psicosféricas, esse corpo seria menos híbrido que aquele que ela teria que formar por si própria em seu novo “habitat” físico.

Já com as altas psicosferas o procedimento existencial é diferente, pois só as atinge as entidades que por seu esforço próprio, merecimento e alto padrão mental espiritual conseguem se transferir para lá.

Essas psicosferas existem em razão da criatividade cósmico-sideral das quais fazem parte entidades que há muito se desligaram dos vínculos da matéria mais densa que o físico e da “matéria mais rarefeita” que é o perispirito. Muitas das quais já não possuem mais a forma estética, são chamas, de grande iluminação e podem transfigurar-se nas formas e nas esferas que assim desejarem, é o caso dos anjos, arcanjos e seres desencarnados em outros orbes mais elevados e que tencionarem fazer algum trabalho de auxilio espiritual nas psicosferas mais baixas.

Essas altas psicosferas não ficam dependentes do que ocorrer no planeta e as vezes nem sob o que possa ocorrer no sistema solar. Podem ser influenciadas talvez, no que possa ocorrer na galáxia como um todo.

Quando eu e minha esposa fazemos nossas viagens astrais ou “projeção do duplo etérico a longa distancias em estado mental de consciência total ou semiconsciência, notamos que durante essas viagens, quer sejam elas feitas até os Umbrais ou como as chamo de psicosferas inferiores ou quando seguimos para psicosferas superiores, sempre acompanhados de Guias e Entidades especializadas, podemos fazer mais coisas em menos tempo, ou seja, se tivéssemos que fazer as mesmas coisas, tais como visitas, auxílios, palestras, no físico, não conseguiríamos, pois o tempo aqui seria mais curto ou mais rápido, enquanto que naquelas regiões fazemos tudo e parece-nos que o tempo não passa.

Concluí que isso ocorre devido aqui estarmos sujeitos a rotação terrestre em torno do seu eixo, o que nos limita aos fusos horários físicos e ao espaço também físico. Já nas psicosferas, o tempo e o espaço também se tornam mais elásticos, mais amplos parecendo portanto mais lentos, tanto nos períodos de sofrimento como nos períodos de alegria e jubilo.

Desta forma o Núcleo Central Cósmico – Deus – é mesmo Magnânimo e Justo através Suas Leis, pois é dado ao culposo todo o tempo e espaço do Universo para sofrer se arrepender e resgatar suas dividas, desintoxicar-se das mazelas que produziu sobre si mesmo e sobre os outros e aquele que foi justo e de vibração elevada usufruir muito mais ainda do que ele poderia fazer quando no físico.

Fazendo uma comparação muito rústica, tentando trazer o assunto para os tempos atuais, eu diria que o nosso perispirito é uma grande fita de gravação (tape ou video-tape). Quando queremos gravar alguma coisa da TV ou copiar de uma fita para outra devemos pensar, primeiramente, que temos em mãos uma fita virgem que tem “X” metros de comprimento exatamente igual aquela da qual vamos retirar as imagens e se forem imagens da TV, então, temos que levar em conta o tempo do programa a ser transmitido.

Tudo sendo conhecido ou previsto antecipadamente será mais fácil iniciarmos o processo de gravação. Ocorre que queremos aproveitar a fita virgem para gravarmos mais de um programa, por exemplo, programas sinfônicos. Colocamos então o video-tape que vai gravar em velocidade mais lenta do que o normal, para que desta forma aumente o espaço físico da fita e sobre a outra metade da fita para gravarmos o outro programa. Desta forma, apesar das duas fitas não correrem em tempo normal igual (o que aqui represento como o tempo e o espaço na Terra), a gravação, no seu interior, corre mais velozmente (o que aqui represento como o tempo e o espaço extrafísico ou, nas psicosferas), e na hora de assistirmos os programas gravados, os assistiremos na velocidade normal, ou seja, apesar de o conteúdo das gravações (por exemplo uma sinfonia de Beethoven seja alterado, ele continuara o mesmo.

Penso que este exemplo, aproxima o leitor do que ocorre exatamente entre as várias psicosferas e a fisiosfera (Terra) sem complicar-lhe muito o entendimento.

A velocidade normal de uma fita para video-tape é de duas horas, mas podemos reduzi-la para quatro ou seis horas. Nestes dois últimos tempos ou velocidades é como se alargássemos o espaço das fitas para caber aquilo que seria feito em duas horas. Esse “alargamento”, seria o tempo e o espaço nas psicosferas e o conteúdo a ser gravado seriamos nós, quando em visita aquelas regiões. Nada se altera em nossa compleição psicofísica, mas sim, nas regiões que nos rodeiam.

Para que o leitor tenha uma pequena idéia da correlação tempo e espaço entre a fisiosfera (crosta terrestre) e as psicosferas que no caso do relato que farei a seguir trata-se da psicosfera do baixo-astral que, comumente é chamado de umbral, onde quase tudo se assemelha a crosta terrestre, com seus vales, precipícios, furnas, cavernas, casas, castelos, locais pantanosos, lúgubres e atmosfera deletéria, pesada, quase irrespirável para nós que ainda estamos na matéria. O caso em questão já se encontra relatado em capitulo a parte, mas aqui vai a titulo de ilustração no que se refere ao mundo das dimensões.

A Origem de Deus – Núcleo Central Cósmico

Era o Nada Absoluto…, a Não Manifestação da vida, em todos os seus graus, gênero e número, nos campos Físicos, Mental, Espiritual, Cósmico e Sideral. A não manifestação do Tempo e do Espaço, desde o Átimo, desde o Átomo, no Micro e no Macrocósmo. A não manifestação da Inércia pela não manifestação do Movimento e, em não havendo todo as essas manifestações, não há a manifestação da Luz, da Sombra, do Positivo, do Neutro, do Negativo, do Calor, do Frio; não há portanto, a manifestação de Deus ou do Núcleo Central Cósmico. Não há qualquer manifestação Vibratória. E assim, supomos que, sendo nós, cada um de nós, seres ou coisas da Natureza, uma dessas manifestações Divinas ou todas elas reunidas em nós, assim se deu o Início dos Inícios- O Ruído do Silêncio, antes do surgimento de Deus!

Por Auto deformação, ou seja, a deformação operada sobre si mesma(o), e em não havendo as manifestações que mencionei no parágrafo anterior, enfocada no sentido cosmosófico dos acontecimentos, ou ainda, na parte invisível do Espaço Sideral, a Mínima Manifestação que ocorresse, seria a Deformação do “Status Quo” vigente antes do “start” ou partida Inicial ou Inercial, se quiserem alguns. Entenda-se que esse estado de Não Manifestação Geral e considerado por mim e pelos seres extraterrestres, como sendo a formação primária de algo e qualquer modificação oriunda de uma primeira manifestação nada mais! O resto são conjecturas e problemáticas somente resolvíveis por mentes de abertura em ângulo de 360 graus, mentes panorâmicas, jamais pelas mentes obtusas, irracionais, complexadas, sempre em pânico e temerosas de descobrirem a verdade, preferem viver de tabus, de dogmas, preconceitos e subserviência.

Admito que a criatura humana tem seus limites e barreiras naturais do saber, do conhecimento, as quais só serão removidas à medida que sua evolução psicossomática for ocorrendo através dos tempos, que podem ser milênios, mas será que ainda estamos no tempo de ter que admitir a existência daquele “velho barbudo” ligando as chaves dos geradores universais?!…

Nessa Espontânea Geração surgiu a Divina Consciência, posteriormente aglutinou-se Deus e surgiu o Núcleo Central Cósmico após bilhões de anos o que nos dá o sentido de eternidade, pois de lá para cá, houveram outros bilhões de anos para a formação do Plasma Cósmico e dentro dele, ainda no invisível, as partículas cósmicas do futuro universo sideral visível que iria surgir do microcosmo para o macrocosmo. Nada de “Big-Bang”, como insinua a Ciência. Ou seja, Deus começaria pelo fim no dizer da ciência. Faria primeiro uma gigantesca esfera ou bola para depois fazer explodir e espalhar seus pedaços pelo espaço sideral!. Isso não só não seria prático para uma Divindade Maior, como de uma infantilidade a toda prova, além do que seria anti-natural. Subentende-se que tudo deveria ter começado de uma esfera gigante, pois para montar essa esfera gigante Deus teria que começar de uma microesfera até chegar na grande, então não seria mais racional, sendo Ele Deus, já espalhar as microesferas pelo Universo e sobre estas ir revestindo-as com seus “ingredientes” divinos? É claro que essas esferas foram crescendo formando-se em tamanho e volume, alguns milhões delas foram explodindo, bipartindo-se e espalhando outras partículas pelo Universo, isto sim seria natural, seria racional.

Se pedíssemos à uma criança terrestre que após ter ganho um pedaço grande de argila, ela fizesse várias bolas, racional e psicologicamente, ela não iria começar fazendo uma bola gigante e sim já distribuir a argila em várias bolas menores. Penso que Deus “que deve ser mais que uma criança”, faria o mesmo e mais naturalmente!

Voltando ainda ao sentido de eternidade para uma mente limitada como a nossa, é muito vago, mas não é impossível de ser imaginado à mercê da lógica, basta pensarmos que fora dos limites físicos planetários e para Deus, não existem o passado, o presente e o futuro, apenas o Eterno Presente!

O Núcleo Central Cósmico Deus contém dentro de Si, os Raios, a Centelha de cada coisa ou ser existente ou por existir na imensidão universal. Como um Grande Focal, expande de Si suas Radiações para dentro e para fora de Si, formando o Invisível Sideral, o Cósmico, compondo e regendo o Microcosmo.

Sobre esse espalhado microcosmo, refletem-se seus Raios Divinos, que formarão o Visível Sideral que se transformarão mais tarde em gigantesco Macrocosmo.

“No Universo tudo se passa com naturalidade e automatismo-inteligente. O Núcleo Central Cósmico Deus, exala ou irradia seus vários tipos de manifestação, em forma de ondas de comprimento específico, dando à cada uma delas propriedades particulares de geração ou criação, a Luz, os Planetas desde o micro ao macrocosmo, as plantas, as Centelhas, ainda não providas de perispírito, o qual só é adquirida quando essa centelha penetra ou “se resfria “ no mundo das formas, tangíveis ou não, o Fogo, o Calor, a Água, o Ar, os Gases, os Organismos vários existentes na Fauna, na Flora, a Energia, as Radiações Cósmicas, as Radiações Magnéticas, a Matéria, a Anti-Matéria, os Mundos Paralelos ou Esferas Psíquicas (Psicosferas), o Vácuo e outras milhões de manifestações.

O Núcleo Central Cósmico como um Grande Focal, se propaga indefinidamente e não “está preocupado ”em saber ou manter controle se a Centelha Humana ainda não lapidada, vai procurar suas formas neste ou naquele planeta, perto ou distante, no solo no mar, no ar, na floresta, em meio a oxigênio e hidrogênio, ou gases, ou se ela será branca, amarela, vermelha ou negra, se terá mãos, pernas, tronco, cabeça, olhos, ouvidos, boca, sexo, pois sabe que ela se adaptará ao novo “habitat” e o “habitat” se adaptará a ela, um moto-contínuo sem fim. Apenas irradia cada coisa ou ser, expande, gera, cria.”

“As Centelhas, conforme o comprimento de onda no qual foram geradas inicialmente, serão personalizadas pois cada uma, apesar de poderem ser divisíveis, contém partículas infinitesimais que as diferenciam entre si no Tempo e no espaço, além de serem influenciadas pela diferença átimica em que foram geradas e pelas regiões que terá que atravessar no Cosmo até chegar ao seu destino direcional espontâneo, natural e “automático” que foi impulsionada e atraída, quando então escolherá seu “habitat”, seu corpo, seu progresso evolutivo positivo ou negativo. Em todas as escalas ou escolhas nunca haverá retrocesso no seu progresso de volta ao Criador, haverá apenas maior ou menor demora no seu estágio inercial, maior e menor encurtamento da distância que a separa do Núcleo Central Cósmico seu Centro Gerador”.

“Os popularmente chamados buracos negros ou sacos de carvão, ou quasars, cientificamente, espalhados pelo Espaço Sideral, são fontes de energias primárias das quais o Núcleo Central Cósmico se utiliza retirando as energias distribuindo-as pelas galáxias para a manutenção do equilíbrio universal, para a formação dos mundos visíveis (siderais) e invisíveis (cósmicos). Dessas regiões de grande conturbação magnética é que se originam os raios-cósmicos que bombardeiam os sóis e planetas, inclusive a Terra. Esses raios são a maior fonte de energia que alimentam e propulsionam as naves (volitores) ou popularmente ‘discos-voadores’. Os ‘quasars’ fornecem todo material necessário para o equilíbrio e harmonização cósmica; nelas encontram-se também o paralelismo da anti-matéria (ver capitulo “O Sol é Frio”).

“Sou informado de que mesmo numa nave altamente avançada tecnologicamente tem que desviar-se desses ‘quasars’ que são perigosíssimos para a navegação interplanetária, pois se houvesse uma falha e a nave não conseguisse desviar-se seria irremediavelmente tragada e jamais sairia de lá”.

“O Universo não se originou de fantásticas explosões que a Ciência denomino de “Big-Bang”, conquanto, tenham ocorrido explosões de “supernovas” dando origem, pela divisão, em outros sistemas solares, durante esses bilhões de anos de existência do Universo, e este foi sendo gerado pelos vários tipos de radiações exaladas pelo Núcleo Central Cósmico e expandidas pelas vastidões siderais e que foram dando origem gradativa das galáxias, sistemas solares, planetas, planetóides, meteoros, meteoritos, cometas, e tudo o que brota sobre eles”.

“As formas arredondadas dos sois e dos planetas são um simples resultado deles estarem em movimento, girando sobre si mesmos há milhões da anos. E o que os obriga a girar sobre si mesmos e em torno do sol é uma conjugação de fatores formada pelos seus pólos positivos e negativos em relação ao Ponto Magnético Central do Sistema Solar, em torno do qual o Sol também gira, as radiações solares e suas descompensações térmicas (pois cada planeta tem um lado escuro (a noite) e outro lado claro (o dia) dentro do vácuo o que lhes dá uma espécie de impulso inicial e inercial permitindo-lhes aquele moto-contínuo giratório e os mantendo em órbita.

A camada atmosférica de cada planeta com maior ou menor quantidade de oxigênio que dentro do vácuo forma um campo-de-forças planetário (à guisa de uma astronave ou vice-versa) lhes permite viajar no Espaço atraídos e ao mesmo tempo repelidos pelas polaridades magnéticas enquanto as radiações os mantém continuamente em órbita (não devemos esquecer que no vácuo todo corpo tem peso zero).

Os movimentos iniciais lhes foram dados quando ainda eram apenas núcleos invisíveis para depois passaram a ser visíveis em meteoritos, meteoros, planetóides, planetas e sóis. Se um ser vivente pudesse sair para fora da galáxia e pudesse vê-la de uma distância relativa, veria que ela é um corpo gigantesco quase compacto com todos os pontos ligados entre si por linhas magnéticas que são as “estradas siderais” pelas quais navegam as espaçonaves em vertiginosas velocidades, e interligando esses pontos pela luz de cada sistema solar, formando um todo luminoso, sempre dentro do imediato e simultâneo Eterno Presente. Veria que os espaços entre os planetas e seus sois e entre cada sistema solar que, avistados de dentro da Terra são distâncias gigantescas , de fora nada seriam, não sobraria espaço algum parecendo um todo solidificado. Assim como em nosso corpo físico “visto de fora” parece não haver espaço intercelular nenhum, “não há vácuos interatômicos inúteis”, sendo tudo aproveitado e tudo tendo a sua função, a sua razão de ser”.

“Nosso Espírito, Nossa Mente, Nosso Cérebro, estão imersos nessa vasta energia, nesse prana ou Plasma cósmico que lhes permite viver o Eterno Presente e obter o domínio de tudo que existe vencendo as barreiras do conhecimento. Podem plasmar, transformar, transmutar, criar, desintegrar, tudo ao seu livre arbítrio e receber de volta as ondas de retorno. Podem ser o Centro Criador do “habitat” onde se encontrarem (a Força Mental pode ser avassaladora tanto positiva quanto negativamente).

Quando O Mestre dos Mestres, Jesus, dizia “- Vós sois deuses e poderão fazer ainda mais do que eu fiz”, muito humildemente e de uma sabedoria cósmica impar, quis se referir ao Nosso Espírito que possui poderes latentes realmente inacreditáveis para aquelas que ainda não atingiram o grau de conhecimento, de emancipação e de domínio sobre si mesmos suficiente para colocá-los em harmonia com os seres mais evoluídos e com as super-inteligencias do Universo. Realmente, creio sermos todos nós deuses em miniatura, cópias exatas em imagem e semelhança do Deus Maior, O Núcleo Central Cósmico”.

“Feliz do ser racional ou infeliz dele, no dia em que o seu Passado encontrar o seu Presente”, naquele momento dar-se-á o choque-de-retorno e as suas ações pretéritas se transformarão em reações, vindo a baila inexoravelmente tudo o que foi feito de positivo ou negativo, mesmo o que estiver escondido no interior mais recôndito do seu ser.

Se essas ações foram positivas e as ações do seu presente também, tudo continuará positivo, se ao contrário, as ações do passado foram negativas e as do presente também, tudo continuará negativo. Porém, se as ações do presente foram positivas em maior número e grau do que as ações negativas do seu passado, tudo lhe será positivado, ou ao contrário, se suas ações do passado foram maiores em negatividade em número e grau do que as ações positivas do seu presente, tudo lhe será negativado.

Prevalecerá como na álgebra da matemática: sinais iguais = soma, sinais diferentes ≠ diminuição, prevalecendo o sinal do maior. Dar-se-á também, como exemplo, o assim chamado “ponto de viragem da química”, quando a última gota transforma a cor do líquido e assim por “diante”. Neste caso, o ser racional poderá ter a certeza absoluta ‘que receberá de acordo com suas obras” e, se ele “nada deve, nada deverá temer”. Se a soma dos sinais for positiva, não haverá má sorte, abandono por parte de Deus, ou causalidade, ou coincidência, pois ele estará fazendo juz ao que semeou. Se já tem muito dinheiro e muita saúde, terá sempre mais, se “for um pé frio” estará cada vez pior e nem o Criador mudará seu destino, pois o Criador, gerador das Leis que envolvem o Universo é sempre o primeiro a respeitá-las.

Cada um é responsável pelos seus atos como também pelo seu Livre Arbítrio. “A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória” – já dizia o Mestre dos Mestres, Jesus”. Porem, isto não significa um determinismo infalível, sem esperança alguma e para aqueles que viveram na “aparente clandestinidade mental, espiritual”, há sempre a possibilidade do karma ser negociado entre seus mentores e os mentores cósmicos mais elevados objetivando uma nova missão para seus protegidos.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, os Raios que conformarão os pequenos mundos físicos em grandes sois e planetas nas estrelas e cometas. Esses outros gigantescos, mas, pequeninos sois siderais, que por si, tendo a mesma função de um Núcleo Principal Diretor, aglutinarão e aquecerão os mundos que os rodeia, os futuros mundos habitados.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, a Luz, a Sombra, os Movimentos. Cada coisa, cada ser, são resultado do resfriamento de um de seus Raios Siderais. Raios que seguem para todos os quadrantes do Universo. Esses raios contém o átimo de Inteligência, que subcoordenam cada átomo. Chocam-se com cada Sol, Planetas, e neles fazem brotar a Função do Seu Potencial Criador.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, por choque e entrechoques, ações e reações, por pulsação, atração, repulsão, a luz se faz presente, e como ela os seres viventes. Formados o Micro e Macro, leis Mecânicas e Psíquicas se formam no interior do Universo; a Sístole e a Diástole movimentam perpetuamente, o Universo e sua Expansão.

Um tipo de raio forma o solo, outro raio forma a água, outro ainda forma as plantas, mais outro, subdivide as espécies, um outro forma a atmosfera condizente com cada “ habitat”, um novo, dá forma à vida em relação ao “habitat”. Inicialmente, aos tipos primários, em conseqüência, vem os secundários. Novo raio forma os Elementais que brotam, se originam, captam e vão controlar, equilibrar e harmonizar os Elementos dentro dos seus respectivos mundos e, por eles serão os grandes responsáveis, os polonizadores, os pais. Delimitarão e controlarão sua expansão, facilitando ou não, suas fusões ou seus intercâmbios.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Formados o Micro e o Macro, aglutinam-se e lançam-se de si vibrações fisioquímicas, gerando Linhas e Cinturões de Força Magnética, formando Vácuos, Buracos e Bolsões de onde novas energias brotarão. das vibrações sairão novas Leis que determinarão condicionamentos físicos, psíquicos, para a formação dos “habitats”, para a geração e criação de habitantes, para a formação de habitações para que muito mais tarde possam estar aptas a acolher, a vida bruxuleante, a vida rastejante, a vida aquática, a vida volitante, que evoluirão com o Tempo.

Tempo sem Tempo. Espaço sem Espaço para o Núcleo Central Cósmico que está em tudo e em todos, e que nunca retrocede nem regride, só evolui. Mas, ocasiona a existência do Passado, Presente e Futuro, no Seu Eterno Presente! Num moto-contínuo sem fim, Ultra Veloz e Ultra Lento, nada havendo para comparação pois tudo sai de Si e tudo retorna a Si.

Esse imediatismo Divino se resume na inexistência de quaisquer tipo de barreiras, físicas, mentais, espirituais, cósmicas e siderais. Pois as reações se dão instantaneamente para o Núcleo Central Cósmico Deus!

E o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Lança de Si, como um fotônio, a Centelha Humana, pensante, separando por micromilionéssimo de diferença, na geração, na criação, a centelha masculina, da centelha feminina. Dando à feminina os trejeitos e o dom material inato, não se importando em qual planeta ele tenha que formar seu futuro corpo.

As centelhas procuram, procuram seus futuros corpos, como meios de serem tangíveis e de poderem continuar manipulando o Universo agora já criado para elas. Achando para si seus físicos adequados em seus respectivos planetas, onde foram arremessadas e “resfriaram” suas vibrações. Almas conseguem adquirir um corpo mais denso feito de matéria “grosseira” como os dos terrestres e os habitantes do planeta Fesp (o último planeta do sistema solar, além de Plutão), outras só conseguem corpos energéticos, menos densos, porém ainda assim físicos. Muitas delas conseguem uma evolução mais rápida por terem ido parar em um “habitat” mais sutil, mais rarefeito. Estas, alcançando os degraus evolutivos mais rapidamente, conseguem a alta espiritualização e a tecnologia condizente, procuram então ajudar as menos favorecidas, mas todas buscam a caminhada de ascensão, evoluindo e se lapidando sempre e num futuro estágio de volta ao Núcleo, sua fonte geradora.

Brotaram expansivamente do Núcleo Central Cósmico, formaram-se e exploraram seus mundos, algumas rastejantes outras volitantes. Procriaram-se entre si, usando seus dons, seus conhecimentos, dentro de seus respectivos ‘habitats”, palmilharam, do mais baixo ao mais alto nível ou grau, podendo descer, planar ou subir sempre a escala do Progresso Criador Divino, de conformidade com suas índoles que lhes foram forjadas, formadas, criadas, desde o momento que foram “resfriadas”. Percorrem os tortuosos caminhos, na matéria, no astral e no mental. Aquelas que conseguem unir, nivelar o mental, o astral, o físico, em níveis elevados, espiritualizados, tendem sempre a prosseguir alterando, enquanto, as demais estacionam no Tempo e no Espaço e refazem seus aprendizados através de chances infinitas, de reencarnações incontáveis e em situações inimagináveis. Todas, porém, têm chances iguais, e , as Leis formadas antes delas mostram-lhes seus novos caminhos, árduos, penosos e sofridos, ou, fáceis, suaves e elevados.

Formarão e explorarão seus novos mundos físicos ou mundos paralelos (psicosferas). Fomentarão a criatividade e a expansão do progresso físico, mental e espiritual, ou ainda, estacionarão na sua própria inércia. percorrem o micro e o macro, as psicosferas (astral) , e seguem transmutando outros mundos. Novos degraus para as centelhas que são imortais, que resfriadas, se aquecem e voltam lentamente a serem vapor em ascensão habitando os mundos superiores, que por índole ou por dom, essas maravilhosas centelhas divinas se situarão em Altos Patamares.

“O que está embaixo está em cima”.

“O que está em cima está embaixo”.

São o reverso cósmico-sideral contínuo, imutável!

Surgem novos mundos físicos, novos universos paralelos, bruxuleiam novos precisos instantes nos mundos das formas, nos mundos etéricos. E, as centelhas agora homens, as centelhas agora mulheres, sexuadas como nos mundos inferiores, assexuadas, como nos mundos superiores, similarmente nos demais reinos, seguem sempre para o Progresso Evolutivo.

As órbitas dos sóis e planetas. As órbitas das luas e cometas. orbitas por onde essas grandes naves redondas, globais e girantes, caminham. Tudo em perfeita harmonia, numa sinfonia macrocósmica, pelas quais passam pequenos acordes em forma de naves Discoides, Fuseiformes, Esféricas, Trapezoidais, Triangulares, hexagonais e outras. Passam e atravessam, seguem pilotadas por seres que têm dentro de si a centelha e a sabedoria divinas. são seres que encontraram suas metas. “O conhecimento desceu sobre suas chamas”!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, e Ele é tão fantástico e imparcial que, quando as suas criaturas começam a se acomodar em seus “status quo”. nos seus estágios avançados ou não, faz passar um grande corpo celeste com orbita cíclica milenar e em sentido contrário a seus sois, que tem a função de mudar e de deslocar as demais orbitas que pareciam estacionárias, intactas, e dar novos caminhos e novas chances para as respectivas humanidades, e novos traçados cósmico siderais para cada sistema solar. Para os que já evoluíram ou vão evoluir. Àqueles que se sentiam “donos-da-verdade” em seus “habitats” primitivos, e nessa acomodação esqueceram-se uma das outras e de si próprias.

Nada no Universo é ou pode permanecer estático! Tudo é Luz e Movimento.

Por isso, periodicamente, ciclicamente, independentemente da vontade ou inteligência dessas humanidades, essas orbitas são alteradas previamente. Previamente, porque o Núcleo Central Cósmico através dos seus Engenheiros Siderais, fazem nascer nos locais, milhares de anos antes dos acontecimentos, os avatares, os clarividentes, os oráculos, os evangelistas em função de um Jesus e outros, que vêm com a finalidade de alertar as mentes, evoluir os costumes e fazer previsões para que o ser humano mais espiritualizado enfrente esses acontecimentos sem muito sofrimento e possam ser eles próprios deslocados para outras situações em patamares de vida mais condizentes com seu novo “status quo”.

Essas alterações cíclicas são executadas por um gigantesco astro solar, com massa de mais ou menos vinte e nove vezes maior que a do nosso Sol, denominado por nós de “SIDÉRIUS”. O “chupão” que mudará o Zênite, provocará o aparecimento das chamadas “supernovas” e, o nosso sistema solar já está sendo avistado por seres de outros sistemas como uma próxima supernova onde ocorrerão brevemente radicais modificações.

Essas supernovas explodirão, espalhando pelo Cosmos, novos mundos, novos seres, novos horizontes, novas atmosferas, novas localizações no Espaço, tudo para que hajam chances iguais, mesmo que muitos venham a sofrer dores físicas e morais, venham a repetir arduamente, milenarmente suas terríveis lições, seus aprendizados.

Jamais uma Centelha oriunda do Núcleo central Cósmico sofre solução de continuidade, pois ela é o próprio Núcleo Central cósmico, traz dentro de si tudo o que foi formado Nele. Traz dentro de si todos os dons e poderes para poder galgar todos os degraus. Do Positivo, ao Negativo, ao Positivo. dentro desse Infinito Universo que é o Núcleo Central – Deus.

Visto assim “de cima para baixo”, a centelha sentirá que é gigantesca em poder mas também é minúscula e impotente.

Assim como, o Núcleo Criador de tudo, não está nem um pouco preocupado com a região do Espaço Cósmico Sideral onde a Centelha vai nascer, também não está preocupado com a região que seu físico deverá perecer. Tudo se movimenta, tudo circula, tudo se transforma em tudo. “Quem nada dever, nada deverá temer!”. Pois “à cada um de acordo com as suas obras”, receberá exatamente o necessário, nem mais nem menos!

Porém, “Ai de Ti ou Feliz de Ti no dia em que o Teu Passado encontrar o Teu Presente”!

A Lei dos Sinais Cósmicos Algébricos funcionará e o atingirá inapelavelmente, transformando o teu atual momento num acumulado de fatos negativos ou numa somatória de positivismos. E nada, nada mesmo! a não ser a Própria Centelha produtora das ondas vibratórias iniciais, sejam desarmonizantes ou harmonizantes, poderá ter a força de mudar seu Choque de Retorno, sua Reação em Cadeia abrasadora.

Se toda a Centelha é o Núcleo, a ela caberá medir sua conduta, “Pois vós sois deuses e poderão fazer coisas incríveis no Universo”!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar, apenas as centelhas conservam a sua natureza inicial, não se transformam em pó, mas só o que for matéria em volta delas, em seu redor.

As Centelhas saem do Núcleo, percorrem os vários patamares da vida, sempre ascencionalmente. Levam milênios e mais milênios, para depois retornarem ao Núcleo. deixam de ser criaturas, passam a ser Deus! Juntam-se àquelas outras milhões de inteligências que brotaram no Nada Absoluto, durante as convulsões iniciais da Auto-Deformação, da Espontânea Geração, da Aglutinação para a formação do Núcleo Central Cósmico Deus!

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. Mundos voláteis mais avançados, são gerados para a futura morada das Mônadas, dos Espíritos e Mentes Superiores, dos denominados, Arcanjos, Anjos, Serafins, Querubins e outros, para onde seguem sem cessar. Alguns milhares seguem para a formação de corpos físicos ou energéticos em mundos rústicos ou sutis, outras milhares retornam à Fonte e vão engrossar o feixe vibratório que forma o Núcleo Central que é e sempre será sua Pátria Original. O Plasma Cósmico então para existir fica como se “bafejado” pelo Hálito Divino ou ainda como se permanecessem “nadando” na Saliva Divina.

E, o Núcleo Central Cósmico continua a gerar sem parar. E, as Centelhas Primárias que saem da emissões do Núcleo, têm a propriedade de se duplicarem. São, por assim dizer, hermafroditas, podem gerar Centelhas Menores e estas, outras menores e assim subseqüentemente “de cima para baixo”, mas nunca ao contrário, nenhuma Centelha Menor consegue ou tem a propriedade de gerar uma Centelha Superior, porém, por estarem mais próximas dos mundos podem e são responsáveis pela geração ou criação dos Seres Elementais, entidades ligadas à matéria responsáveis dentro de suas características próprias pela expansão e equilíbrio natural dos écos-sistemas de cada mundo. E um dia todas retornam ao Núcleo, num gigantesco ciclo Cósmico-Sideral. assim como toda a matéria. Volta ao pó, ao microcosmo de onde saiu.

Aqui faço um parênteses para explicar que tudo o que aqui foi e vai ser escrito foi obtido pelo processo que denomino de: MENTOGRAFIA.

O Que É O Núcleo Central Cósmico – Deus?

Normalmente aqui na Terra, entre os cientistas, médicos, geneticistas, professores e até políticos, quando se utiliza a palavra núcleo quer se dizer, o centro, o ponto principal do átomo, a reunião de pontos convergentes e para os sociólogos e políticos, núcleo familiar, núcleo residencial, núcleo político e por aí a fora, No nosso caso e dos extraterrestres com os quais dialogamos e viajamos astralmente, quando dizemos Núcleo Central Cósmico queremos dizer Deus.

Mas alguém dirá é apenas mais uma forma de denominarmos Deus dentre outras que já existem há milhares de anos, tais como: Jeová, Criador, O Todo Poderoso, O Onisciente, O Onipresente e muitos outros nomes alguns mais pessoais, tais como Pai, Nosso Pai e etc., mas não é só isso, eu mesmo não me contentaria em ouvir dos extraterrestres, seres desprovidos do sentimentalismo, fanatismo religioso, não sectaristas, não temerosos do desconhecido, não temerosos de encontrar e desvendar a fonte de sua criação, como dizem aqui na Terra: “o ser humano para ser bom tem que forçosamente ser temente a Deus”, e estar sempre submisso aos Seus Desígnios, caso contrario, este ser bondoso estaria desrespeitando ao Pai, ao Senhor do Universo.

Não há dúvidas que assim se faz necessário para o belicoso e beligerante homem da Terra que, para poder viver bem com seus semelhantes tem que temer algo superior a ele. Tem que ficar amedrontado do tremendo castigo que receberá caso cometa um erro, um pecado, caso infrinja as leis religiosas de sua crenças, as leis sociais e morais, as leis políticas, as leis familiares, as leis do núcleo aglutinador onde nascem ou vive. Enquanto perdurar esse nível de conhecimento, as coisas na Terra têm que ser assim mesmo.

Os grandes legisladores já sabiam e foram instruídos para estipularem regras sócio-filosóficas dessa ordem, veja-se Moisés, Jesus, antes deles os grandes Faraós do Egito, os grandes sábios da Grécia e muito antes ainda os grandes avatares dos continentes submersos da Lemuria e da Atlântida. Eles tinham que pôr em pratica leis patriarcais que ajudassem a aglutinar, que contivessem a dispersão étnica, para que houvesse um certo domínio indireto deles e de suas filosofias sobre os membros de suas tribos. A humanidade terrestre era e ainda é, em muitos aspectos, um grande aglomerado tribal e conseqüêntemente, desconhece muita coisa e teme o que não conhece. Mesmo assim matavam-se seus membros entre si, em nome de seus lideres religiosos e em nome de Deus! Quanto mais se essas leis patriarcais não existissem, seria o caos total da humanidade. Mas em nosso caso e no entender dos seres extraterrestres mais evoluídos que nós, Deus não é para ser temido, nem idolatrado, mais sim vivenciado por cada um dos seres existentes em cada planeta do Universo. Suas Leis Naturais são para serem conhecidas e empregadas, mutuamente, entre os seres e as coisas existentes. Elas além de garantirem a sobrevivência natural e normal de cada ser dá a ele os direitos e os deveres como cidadãos do Universo, e bem como lhes dá a certeza que nada que for negativado ou positivado passará despercebido, pois sendo cada ser uma centelha oriunda do Núcleo, são divinas também e têm seu livre arbítrio e a cada ação uma reação equivalente, em sentido contrário as suas ações.

Nós, eu e eles, que procuramos ter uma noção mais ampla e detalhada sobre Deus, vamos indagando uns aos outros, aquelas que possuem maior conhecimento, aqueles que viajam mais longe, mais para o interior do Universo, conseqüêntemente, possuem maior entendimento e maior domínio tecnológico sobre o Cosmos e sobre o Sideral, o que é Deus? Quais são Suas funções no Universo? e etc.

Não entrarei em detalhes que já descrevi ou delineei em outras capítulos para não tornar-me repetitivo e redundante, mas resumirei em algumas linhas as quais para os bons entendedores, os de mentes panorâmicas, não obtusas, certamente será de fácil compreensão ou pelo menos “chegarão perto” do significado que os extraterrestres sempre tentaram passar para minha compreensão e entendimento sobre Deus – O Núcleo Central Cósmico.

Pode parecer uma exorbitância, uma petulância, e até sacrilégio de nossa parte e por parte dos extraterrestres, mas a verdade é a de que Deus não é um ser vingativo, punidor, protecionista, inquiridor, e egocêntrico onde só o que Ele determinar é válido e poderá ser feito Deus não subjugar ninguém e nem tampouco julga quem quer que seja. Ele não é objeto de idolatrias varias como é feito em planetas inferiores como a Terra. Ele só não é material e materialista porque é cósmico e sendo cósmico é invisível à maioria dos efêmeros mortais de qualquer planeta do Universo, e, sendo cósmico é transcendental, e sendo transcendental é impalpável, incomensuravelmente amplo, porém mesmo assim sendo intangível pode ser sentido e suas manifestações serem avaliadas por mentes altamente avançadas, não dogmáticas, as quais aproximando-se mais perto Dele podem descrevê-lo como se Dele fossem parte indivisíveis.

Deus é como uma grande pedra radioativa cósmica que lança esparge suas radiações de vários comprimentos de ondas para os quatro cantos do Universo. Uma dessas radiações é a centelha pensante, racional, que na Terra adquirem forma humana, assim como em outros planetas em estágios mais avançados ainda podem adquirir a forma que quiser, até a forma de uma massa atípica volitante que não precisa de mãos e pernas para viver ou se manifestar, seus poderes mentais são tão fortes que eles conseguem volitar, modificar tudo a sua volta; alteram e administram seu “habitat”. Isto é Deus! e Ele é assim pelo Universo todo. Conseguiu colocar na Terra os seres humanos que nela habitam! ou seja com instintos carnívoros, que não vacilam em deglutir seu semelhante de todas as formas possíveis! Matam-se entre si. Matam o seu semelhante por coisas fúteis e frívolos e coabitam em seus lares com animais peçonhentos e transmissores de terríveis doenças e epidemias! Isto é Deus!

O Núcleo Central Cósmico a guisa de um gigantesco elemento radioativo, emite as centelhas como se fossem radiações para todo o Universo. Ele é composto de bilhões de centelhas hiper-espiritualizadas que no decorrer dos bilhões de anos foram se formando, se aglutinando no Núcleo atraídos de volta, ao seu centro emissor com o único propósito de criar, criar tudo o que existe no visível e no invisível, no sideral e no cósmico. Foram auto-geradas, ou gerada por geração expontânea após bilhões de anos de auto deformação choques de elementos entre, forças centrípetas e centrifugas que o próprio grande vazio do Universo foi originando a medida que o tempo sem tempo ia passando. Geradas essas inteligências, passaram a gerar outras e estas a outras primarias, foram gerando outros e as espargindo para todo o Universo. As primeiras centelhas permaneceram no Interior do Núcleo a fim de reforça-lo e aumentarem o Seu volume dando origem a outras centelhas, só muitos milhões de anos depois, Ele já formado e Consciente iniciou-se a radiação para os quadrantes universais.

Voltando aos elementos radioativos, por exemplo: uma pedra de rádium de cobalto, de césio e outros vamos verificar que eles se formaram no interior da Terra após milhares de anos, durante os quais, vários componentes os foram formando e, entre ações, reações e gerações expontâneas, eles foram tomando formas e adquirindo as potencialidades radiativas das quais são formados atualmente.

A Diferença entre Deus – o Núcleo Central Cósmico e um elemento radioativo é a de que O Núcleo Central Cósmico emite suas radiações entre a centelha racional, a qual, por sua vez, pode gerar outras mais baixas e o Núcleo radioativo de uma pedra de rádium por exemplo, emite radiações não racionais, e tais radiações podem ser construtivas dependendo do uso que se fizer delas. Com as radiações racionais, as centelhas, se dá quase que a mesma coisa, ou seja, dependendo da região na qual ela for resfriar-se, ela poderá possuir um teor positivo ou negativo, por isso, como pude constatar, há muitas centelhas negativas no Universo e que possuem alto teor tecnológico e baixo teor de espiritualidade. Aí entram naquele velho dilema: – O que é o Bem e o Mal? O que é bem para uns é mal para outros e o que é mal para uns é bem para outros!

Porém, de uma coisa, estou convicto, e os extraterrestres também, toda a centelha racional que sai do Núcleo um dia retornará a Ele; poderá levar milhões de anos e os caminhos podem ser vários e nem sempre serão os mesmos caminhos de quando saíram, ou seja, nem sempre serão uma reta, ao contrário, poderão ser, caminhos tortuosos e curvilíneos para adquirirem seus potenciais de ascensão mas retornarão mais cedo ou mais tarde ao Núcleo Central Cósmico, passarão de criaturas a criadoras, a geradoras de novas centelhas e novos mundos. Isto é Deus!

Portanto, Deus “não é um velho barbudo equilibrando os sistemas solares com uma das mãos, as galáxias com a outra mão, os quasars com o pé esquerdo e os vácuos com o pé direito, e de vez em quando, quando cisma, tira uma das mãos e pune rigorosamente aquele que pecou.

Deus é um Focal, composto de bilhões de centelhas inteligentes e sem formas físicas, desprovidas de quaisquer tipo de paixão ou mácula mundana, rastejante. É o Núcleo Central Cósmico que sem qualquer preocupação, disputas, concorrências ou idealismos é formado, é aglutinado apenas para criar, expandir, iluminar, escurecer, multiplicar, somar, dividir, diminuir, tudo naturalmente. Todas as centelhas que Nele estão aglutinadas convergem entre si com exatidão e homogeneidade de propósitos e funções. São tão puros e elevados que somente a outras centelhas parecidas lhes é dado o privilégio de as compreender e entender!

Portanto, o ser humano ou “humanóide” de qualquer planeta têm que saber sintonizar as ondas elevadas que vem do Núcleo Central Cósmico e não teme-lo. Devem aprender que as leis universais são geradas para todos, as ações e reações, a “semeadura é livre e a colheita é obrigatória” são para todos, mesmo para aqueles altamente avançados tecnologicamente que através dos seus conhecimentos podem tentar “driblar” algumas vezes o alcance dessas leis. Podem sim, mas não indefinidamente pois, outras leis irão se formando em torno de seus atos até que eles sejam apanhados. É como uma bactéria ou vírus que vai oferecendo resistência a cada tipo de antibiótico que é ministrado, até que um determinado momento ela não tem mais saída e nem mais resistência e é exterminada. Assim são as leis Universais, são como antibióticos às possíveis bactérias e vírus que surgem no espaço sideral.

E, com para o Núcleo Central Cósmico Tempo é o Eterno Presente, ele não tem pressa e nem preocupação alguma com as ações e reações que as centelhas encarnadas ou não possam provocar.

Em vista do exposto acima, que é minha forma de pensar e de encarar Deus e é como aprendi dos seres extraterrestres, costumo dizer que aquele que aqui na Terra se diz ateu é mais crente e está por vezes em maior sintonia com Deus do que a maioria dos que se rotulam com religiosos e se matam em nome de Deus!

O acaso ou a naturalidade sem aquele determinismo matemático é que fazem parte do Núcleo Central Cósmico, mesmo levando-se em conta a Lei de Causa e Efeito, ou o Kárma, mesmo assim há uma certa elasticidade nas ações e reações cósmico-siderais com relação ao Tempo, ao Espaço aos acontecimentos de forma geral, porém ninguém escapa às suas ações quer sejam elas positivas ou negativas. Entretanto, existem mecanismos cósmico-siderais que permitem o remanejamento de algo o que necessita ser adiado porém não cancelado, de outra forma, teríamos no Núcleo Central Cósmico os protecionistas, os “pistolões”, os nepotistas, ao gosto do ser humano terrestre.

Isto não quer dizer que se o indivíduo cometeu uma ação negativa premeditada, como por exemplo um crime, às 7 horas da manhã de um dia 7, de um mês 7, de um ano qualquer, ele tenha que receber a reação contrária, no mesmo momento, na mesma hora, no mesmo dia, no mesmo mês de um ano futuro qualquer! Justamente ai é que não ocorre o determinismo matemático.

Para Aqueles Que Temem A “Passagem” da Vida Física Para A Vida Espiritual

“A sensação aparente de que nós encarnados, é que estaríamos Vivos”!…

Aquele velho ato de se auto beliscar, de colocar as mãos sobre as outras pessoas ou sobre objetos à nossa volta e que nos trazem a “certeza aparente” de que estamos vivos. O ato de respirar, a pulsação cardíaca, a circulação sangüínea, as funções cerebrais que decretam, para a nossa medicina se o nosso físico está vivo ou morto clinicamente, são apenas sintomas circunstanciais, relativos ao nosso ambiente, a nossa fisiosfera. Para o ser humano encarnado não há outros parâmetros externos de mensuração ou comparação da atividade da vida existencial. O que significa não poder esse ser, ainda falho, ter a certeza absoluta de ser essa a chamada verdadeira vida.

Ele sente-se vivo por não possuir outros elementos que lhe transfiram conhecimentos paralelos. A certeza que esse ser humano tem de estar vivo é quando ele compara seu físico ainda em atividade com outro inerte, cujo espírito a chama vital já tenha abandonado, porém, não lhe dá a certeza de se encontrar na verdadeira vida.

Porém, nas minhas experiências extrafísicas e em contato com as entidades espirituais desencarnadas que “vivem” nos campos paralelos, ou psicosferas que circundam e entrelaçam a Terra ou cada planeta, como se fossem esferas concêntricas, uma sobre as outras, e que se cruzam em vários ângulos e direções e durante minhas projeções Astrais, ou saídas voluntárias momentâneas do corpo físico, pude constatar que tanto as entidades espirituais, como meu espírito têm a sensação clara, de que estamos vivos. Pois temos todos os sentidos mais apurados tais como: as impressões do tato, ao ato de beliscar-se, as pulsações cardíacas, a circulação sangüínea, as funções cerebrais, as funções fisiológicas, o olfato, o paladar, a audição, a visão e até as sensações de sexualidade. Haja visto, os espíritos vampirizadores e viciados em todo o tipo de vício que continuam usufruindo dessas sensações, apesar das mesmas serem fluídicas, e esgotarem as energias de suas vítimas.

Quanto mais atrasadas e estarem em vibrações mais baixas, essas entidades não esclarecidas “vivem” do lado de lá como se vivessem do lado de cá, normalmente. Apenas os diferencia dos “vivos” os campos vibratórios mais rarefeito nos quais se encontram.

Os viciados em drogas, em bebida e outros vícios, inclusive o sexo como as entidades denominadas de “pombas-giras”, exús, e outras; sentem o prazer sexual através do acoplamento com seus “médiuns” que podem ser meretrizes ou não, e com mais intensidade de que quando estavam na vida física. Ainda têm uma vantagem muito grande e importante sobre os denominados “vivos”, que é aquela de poder compararem-se com os vivos e não estarem “presos’ a um casulo limitador que é o corpo físico perecível; estão sim, presos a seus vícios que os atrelam por dezenas e até centenas de anos, vampirizando suas vítimas e seus algozes no decorrer da várias existências. Essas entidades são tão vulneráveis quanto os vivos, apenas “não morrem biológicamente”, a não ser quando têm que renascer no plano físico, ou seja, “morrem lá para viverem cá” em circunstâncias bem mais inferiores e com kármas dolorosos de provação. Portanto, a meu ver, o campo espiritual é que é a verdadeira vida, e as limitações são fornecidas e fornentadas pelo grau de evolução e de conhecimento de cada um que os faz permanecer em seus respectivos e variados níveis ou patamares, de conformidade com suas afinidades e sintonias.

Já o ser extraterrestre, (ser vivo, encarnado, que habita outros planetas), aqueles que tenham atingido o grau de evolução do conjunto: “Espírito, Matéria e Conhecimento” vivem ainda melhor que os extraterrenos (seres espirituais da Terra), com tripla vantagem; estão na matéria, ou seja, possuem um físico tridimensional, vivem em espírito porque têm poucas limitações físicas e têm o conhecimento e a sabedoria, vão para onde quiserem no Universo e não sofrem as barreiras circunstanciais de Tempo, do Espaço e da Velocidade.

Portanto, a meu ver, o Espírito ainda é Matéria, e é ele quem vive a verdadeira vida!. Ele é matéria mais rarefeita, quintessência da, porém, ainda assim é matéria! Energia é matéria rarefeita e matéria é energia condensada!. Assim sendo, tudo é possível e ao mesmo tempo tudo é passível de conjecturas entre aqueles que se consideram “os vivos”, porém, a razão e o raciocínio lógico devem imperar em ambos os parâmetros.

Tanto eu, bem como minha esposa, em nossas viagens astrais na crosta e nos umbrais da Terra e dentro das naves e nos planetas que chegamos a visitar dessa forma, a nítida impressão que tivemos, foi que nos encontrávamos mais vivos do que nunca. Sentimos pavor, medo, os aromas, os odores, detectamos as cores, nos apalpávamos e a tudo presenciamos. Porém, alguém vai dizer: “isto era devido estarmos ligados ao nosso corpo em letargia porém consciente”, posso responder: “Pode ser que isso tenha contribuído muito para que as nossas sensações fossem registradas, porém, há outros fatores pessoais que nos garantem que o espírito sobrevive após a morte física e que sua vida é muito melhor vivida.

Não sou partidário de qualquer filosofia ou religião, mas sim, da lógica e das experiências vividas por nós, conquanto respeitamos a crença e a fé de cada um.