O Que Acontece Após a Morte?

O Que Acontece Após a Morte?

Pergunta:

Olá novamente Sr. Domingos!

Poderia me responder algumas perguntas que me deixam em dúvida dia e noite?

  1. O que acontece quando morremos?
  2. Como é o processo?
  3. Existem seres que ajudam a gente “do outro lado”?
  4. Se existem seres iluminados, como encontrá-los?
  5. Caso não encontrá-los ou caso eles não existirem, o que fazer?

Muito obrigado,
Uerê

Resposta:

Prezado Uerê,

Aqui vão minhas respostas. Quase um livro. Peço a você que divulgue pois, muita gente precisa e vai querer saber desse este assunto:

  1. Não existe desencarne (morte) e reencarne (nascimento) iguais, apesar de aparentemente, parecerem ser idênticos! Ou seja, a morte e o nascimento são diferentes para cada pessoa. O moribundo pode estar sofrendo muito ou não estar sofrendo, mas, seu desprendimento será peculiar, exclusivo para ele, pois, vai depender do grau de adiantamento, de conhecimento e sobretudo, dos níveis de toxidade que ele pode estar carregando sobre si. Entenda-se por toxidade, todos os tipos de vicissitudes que dominam o ser humano, quando em vida, por exemplo, se no momento de sua morte ele estiver, vingativo, invejoso, avarento, odiando, não perdoando, cobiçando, tiver feito mal-uso de seus sentidos, como sexo, voz, olhos, ouvidos, mãos, pés, tiver sido um viciado em álcool, fumo, sexo, drogas, estiver ainda preso aos determinados tipos de alimentação, ter sido criminoso, traficante, desviado o dinheiro público ou de terceiros, mal uso da palavra, mal uso de suas prerrogativas de mando, de poder, seja em que área for, pública ou privada, enfim, ter sido um mal elemento, mesmo que as pessoas não tenham ficado sabendo de seus atos nefandos, e ainda mesmo que aparentemente ele possa não ter qualquer tipo de consciência, tudo ficará registrado nos chamados “Registros Akáshicos” ou seja, registros universais/siderais, tudo, mas, tudo mesmo, será o lastro, ou peso que o manterá por longo tempo dentro do corpo, até que a putrefação das células e moléculas se se desintegrem, arrebentando-lhe o cordão magnético que o prendia ao físico, e após, ele, já com seu teor magnético mesurado, será atraído para as regiões astralinas, tanto no Umbral como nos níveis mais elevados, nos quais, expurgará entre “amigos” comuns, ou seja da mesma afinidade ou como se diz na gíria, (da mesma laia) até que devidamente desintoxicado em seu Períspirito ele possa ser atraído para seu antigo clã familiar, de preferência e lá poder receber seu novo corpo. Devo frisar, que nem sempre o tempo que ele permanecer no astral, até que ele seja atraído para o novo corpo pode ser suficiente para ele se desintoxicar plenamente, daí ele trazer para sua nova vida, todos os sintomas das doenças ou dos vícios (os quais, também podem ser emocionais, mentais e etc.) e desta forma, volta para drenar suas toxinas em forma de doenças graves e de variadíssimos tipos. Teremos então, os elementos com deficiências graves, como câncer na laringe, no estomago, nos intestinos, fígado, baço, pâncreas, órgãos externos e outros órgãos internos, como olhos, voz, ouvido (os surdo-mudo) os aleijados, os portadores das doenças e tumores cerebrais, os portadores de síndrome de down e outras síndromes, incluindo-se as várias manifestações de epilepsia, catalepsia, loucura definitiva, aquela que é incurável, por sérias lesões cerebrais e mentais, de nascimento e por ações externas, tais como, choques, traumas e etc., bem como, as esquizofrenias, as depreções, os medos e tabus, os quais, também poderão estar ligados ao excesso de substância dopamina no cérebro, além dos distúrbios de mediunidade descontrolada ou mediunidade aberta. Todos esses sintomas e doenças, em sua maior parte, o indivíduo traz dentro desi karmicamente, pois ele retornou a vida com esses tipos de deficiência ou de carência, que com certeza, os especialistas das áreas da psiquiatria e psicologia, saberão como atenuar. É preciso salientar que, NÃO EXISTE INJUSIÇA DIVINA, tudo o que o ser humano aqui plantar, aqui ele colherá, mesmo que seja em reencarnações subsequentes. Eu vou mais longe dizendo que ” A BALA PERDIDA SÓ PEGA EM QUEM A ATIROU ANTES”, quer dizer que, não existe vítimas perante o Criador, apesar de no momento do acontecido, quando uma criança inocente é atingida, ela e seus parentes, inconformados, não sabem e não aceitam a fatalidade, mas, o espirito do que foi atingido sabe ou vai saber. O Mestre dizia “Eu Não vim para Mudar a Lei mas sim para cumpri-la” e Ele, sem exceção também foi aparentemente vítima da Lei Universal (veja o capitulo especifico sobre a Morte e a Missão de Jesus no meu segundo livro “O DNA Do Espirito E Os Extraterrestres“! Há outros casos de desencarne como aqueles provocados por acidentes, por assassinatos e outros que ocorrem inesperadamente, mesmo nestes casos, quando o espírito é expulso do físico, repentinamente ou abruptamente, estarão sujeitos ao peso das toxidades e ao tempo de desintoxicação. Há também os casos de suicídio, quando a pessoa, por covardia ou desespero, dá fim a sua própria vida pensando que assim se libertará de seus problemas, ledo engano! Ela, entrará num estágio tão penoso quanto, ou pior do aquele em que se encontrava quando em vida! Terá contra si, todo o peso de suas toxidades, mais uma agravante que é a de ter fugido da vida e a ter encurtado no seu tempo real programado para seu destino. Além de que, sofrer os traumas espirituais ou perispirituais do tipo de morte que provocou sobre si, ou seja, se foi por tiro, por veneno, por ter se atirado debaixo de um trem ou de um veículo qualquer e agora, por terem se utilizado de cartuchos de dinamites em volta do corpo, matado a si e a outras centenas de pessoas, que estarão atrás dela lá nas regiões umbralinas, em locais específicos só para os suicidas.
  2. Respondido acima.
  3. Sim, há seres socorristas do lado de lá que fazem o possível dentro de suas limitações para guiarem o desencarnado em seu novo “status”, bem como, preparando-os para a nova reencarnação, no exato momento para isso. Mas, essa ajuda não livrará aqueles que devem passar ou arcar com seus processos e responsabilidades.
  4. Sim, há seres iluminados do lado de lá, mas, como se encontram em patamares vibratórios mais elevados, só poderão ser encontrados, se o ser humano tiver também sua vibração elevada, ou se eles baixarem suas vibrações, o que é um grande sacrifício para eles, descerem até o ser menos elevado.
  5. Na verdade, a reencarnação é automática, ou seja, o ser desencarnado encontra-se do lado de lá necessitando retornar á matéria, pois essa é uma das cláusulas da Lei Universal, ele será atraído automaticamente para o seio do seu antigo clã, de preferência familiar, mas, para isso ocorrer, será necessário que haja alguém para dar à luz a ele e disposto a recebê-lo. Normalmente, já deverá ter havido um acordo para essa aceitação entre eles. A ajuda dos seres mais elevados Reencarnacionistas se dá no sentido de resguardar o nascimento de intromissões indesejáveis, tais como, inimigos do reencarnante, da futura mamãe e outros, que, por qualquer motivo, até pelo tipo de “habitat” inóspito, colocarem dificuldades várias! Vou dar um exemplo aqui, um tanto “animalesco”, mas, que penso, facilitará o entendimento de todos os que se interessarem pelo assunto. Temos aqui na Terra um exemplo típico que nos mostra como funciona essa questão do reencarne ou renascimento: A humanidade da Terra , é carnívora por excelência, então, assistimos a morte de milhões de animais bovinos, suínos e conforme os países, todos os outros tipos de animais, deveria haver a pergunta: Se existe a Justiça Divina e ela é igual para todos, como permite toda essa matança? Os mais afoitos dirão: Os animais vieram para alimentar o ser humano, consequentemente não há por que ter pena deles: Eu respondo: Sim, de certa forma, o nosso habitat permite e facilita a ingestão de carne de animais, o que não ocorrem em outros planetas evoluídos, sempre salientando, evoluídos, desta forma, aqui, quanto mais os animais são mortos, mais eles se reproduzem e retornam “dentro daquele bendito esquecimento” que já mencionei em capito especial do meu livro e dentro do meu site, e, quando o fazem, não retornam vingativos, ao contrário, voltam mansos, e se sujeitam a serem mortos até cruelmente para serem ingeridos de várias maneiras, quando que se no lugar deles, fossem os seres humanos a serem massacrados dessa forma, com certeza viriam vingativos e o círculo vicioso do kharma se instituiria “ad eternum”, ou seja, para sempre, mas, os animais, logo após serem sacrificados, são imediatamente atraídos para o seu meio, e não lembram do que passaram anteriormente, daí a reprodução continua, o que é uma “dádiva” para os criadores e pecuaristas que se enriquecem cada vez mais com essa indústria da morte de animais! Para evitar isso, conto aqui uma passagem pessoal comigo: tive uma cachorra da raça dogue alemão, grande, toda dourada, olhos dourados, nariz vermelho, de nome DAPHNÉ, em homenagem a suíte Daphnis et Clohé, de Ravel, que estava tocando no meu rádio, no momento exato em que eu a puxava do ventre da mãe dela no ato do seu nascimento. Ela só falta falar e eu aprendi com ela a sua linguagem que era, e é, pelos sopros do nariz, ou seja três curtos, três longos, um curto dois longos e assim por diante. Assim, criei uma afeição por ela e, quando por uma fatalidade, minha casa passou por uma grande enchente, não pude salvá-la, o que foi uma dor horrível para mim, como se eu tivesse perdido um ente da família, então num ato de desespero e para evitar esse “reencarne automático” que já mencionei, pedi ao meus Guias da terra, que não permitisse que ela reencarnasse, pois, gostaria de reencontrá-la quando eu retornasse ao campo espiritual. E assim foi feito! Hoje ela serve de cão guia para os socorristas que adentram ao Umbral para buscar alguns necessitados e eles a trazem para mim que a vejo, balançando sua cauda de contentamento quando me vê! Portanto, a todos aqueles que têm os mesmos princípios, podem fazer o mesmo com seus animais de estimação!

Todas essas informações apesar de eu ter-me alongado, ainda poderiam ser mais profundas, mas, para não ser cansativo e extenuante, pararei por aqui, não sem antes informar que, todas elas eu as recebi de seres mais evoluídos que eu, ou seja eu as verifiquei “in loco”, ou seja pessoalmente, mas, assim mesmo não me dá o direito de ser infalível. E ainda, que em planetas mais evoluídos, tudo ocorre diferentemente, devido ao nosso “habitat” ser um tanto grosseiro e dar margem a todas essas mazelas descritas!

O ser terráqueo não faz ideia nem de longe o que vem a ser a vida e o renascimento entre seres evoluídos!

Um forte Abraço e por favor divulgue sem exceção!
DYezzi::.

Tudo no plano físico tem cópia, ou "duplo" no Astral

Everything on the physical plane has a copy, or "double" in the Astral

Pergunta:

Sr. Domingos,

Estou lendo o seu primeiro livro e no capítulo sobre o violinista Paganini o senhor cita um detalhe que há muito tempo tinha curiosidade em saber. Por favor, me explique melhor: “Vimos Paganini no Astral em nossa casa … e seu inseparável Guarnérius …” se referindo ao violino. Pergunta: Um espírito recria no astral um objeto seu preferido com as mesmas características do original ou ele por algum processo desconhecido leva o objeto com ele e deixa aqui uma cópia? Obrigada.

Abraços,
Rosa

Resposta:

Prezada Rosa,

Grato por sua pergunta.

Conforme sou informado e pelas vivências que tenho tido em constante contato com o Astral, ou seja, o campo espiritual, ou o mundo paralelo energético, que circunda a Terra e que consequentemente nos envolve a todos, tudo o que existe em nosso plano físico tem sua cópia, ou “duplo” no Astral, principalmente, objetos ou coisas que nos acompanham ou acompanharam quando em vida. É o caso de Paganini, o grande virtuoso que não se separava do seu violino Guarnérius Del Gesu. Ele deixou o original dele aqui e que se encontra no museu relativo a ele em sua cidade natal na Itália.O instrumento original é utilizado ainda hoje por grandes concertistas que o tomam emprestado do museu, para gravações e concertos públicos.

Devo lembrar também, que o espírito humano quando deixa o corpo físico não se desintegra com a morte e se torna uma cópia “viva” com todos os seus detalhes de anatomia e de personalidade no astral, ou seja, é uma copia verdadeira do que ele era quando em vida. Não é só Paganini, mas se aplica a qualquer um de nós. Eu também digo no livro, que o Espírito, quando desencarnado, em estado perispiritual é semi-material, apesar de ser invisível aos olhos comuns, é matéria rarefeita, ou quintessenciada, podendo se tornar visível e tangível em determinadas situações. Portanto, o Espírito ainda é Matéria, mesmo que algumas religiões digam o contrário. Leva para o lado de lá todos os resquícios de sua vida na carne, tais como, vicios, vontades, desejos, doenças e maldades.

No caso mencionado, ele, Paganini, leva consigo, energizado, o seu violino em sua essência, o qual, pode ser tocado e ouvido até melhor do que seu original, pois ambos, Paganini e seu Guarnérius se encontram no mesmo plano vibratório, portando, estão interligados vibratóriamente “ad perpetuum”. Entretanto, se faz necessária aqui uma explicação pessoal, particular: Enganam-se aqueles que, pensando que tudo será encontrado no mesmo patamar vibratório após sua morte física, exemplo, perdem um ente querido e se suicidam pensando que irão se juntar a ele após a morte, raramente se juntarão imediatamente, pois cada um tem seu teor vibratório peculiar, uns vibrando mais alto, outros mais baixo e, após cometerem esse desatino, verificam que seu ente querido não se encontra onde ele esperava encontrá-lo, se desesperam e até enlouquecem espiritualmente, exigindo um longo tratamento energético no campo espiritual por parte das entidades espirituais afeitas socorristas, afeitas às tais situações, que não são raras, ocorrem desde que o ser humano começou a ordenar sua razão.

Espero ter esclarecido, caso contrário, volte a escrever.

Abraços,
DYezzi::.

[box type=”note”]Translation: Everything on the physical plane has a copy, or “double” in the Astral[/box]

A Dor, A Desgraça, A Saúde, A Alegria, A Sublimação

Olho para mim mesmo, olho para minha mulher em estado quase vegetativo em seu leito, imóvel há quase três anos após um derrame cerebral agudo, olho para minha querida filha agora recém casada, olho para meus irmãos de sangue, e vejo um passado de grande labuta e sofrimentos vários. Chego até meus finados pais, meus finados sogros, todos sem exceção sofredores, que nada tiveram em vida a não ser dor, desgraças e sofrimentos e lamentos, e agora choro muito mais ao tentar ajudar minha querida companheira.

Tenho ímpetos de revolta interior e exterior, chego a dar murros nas paredes, erguendo os punhos para o Alto e blasfemando em alta voz contra tudo e contra todos. Ninguém escapa de alto a baixo e vice-versa. Culpo a tudo e a todos.

Sinto-me completamente abandonado mesmo vendo-me cercado por Entidades Extraterrestres Superiores e Entidades Espirituais da Terra, tidas como angelicais.

Mesmo assim não me conformo. Acho que estou semeando na pedra ou dando pérola à porcos. Vejo que optei pelo mais difícil “o querer ser bom”, e de pouco me valeu. Só aumentou ainda mais meus sofrimentos e o sofrimento dos entes que eu amo.

Apesar de saber as causas desta luta para a sobrevivência digna, causas registradas em vidas anteriores e que me foram mostradas através da psicometria na minha tela mental-astral, acho que as coisas poderiam ter sido mais facilitadas e proteladas “sine-die”, mas justamente agora que nos propusemos disseminar o conhecimento por nós acumulado no decorrer de milênios de nossas existências, justamente agora quase não nos é permitido faze-lo.

Mas alguém mais elevado, do “lado de lá” nos “cutuca” os ouvidos mentais dizendo: – “Olhe para traz e para baixo e você se sentirá bafejado pela sorte. Você verá que há casos bem piores que o seu”! E eu respondo acintosamente: – “Por que só devo olhar para baixo? Por que não para cima? Será que é para que não veja os que estão melhores que eu?”

Logo vem a resposta: – “Cada um tem exatamente o que merece. E você deve agradecer pelo que recebe, pois é exatamente o que esta merecendo no momento. Você mesmo poderá melhorar seu padrão de merecimento”.

Tenho é que me conformar e continuar lutando para melhorar minhas vibrações e as vibrações de toda a humanidade terrestre, através do meu positivismo e dos conhecimentos que tento trazer até ela. Passados alguns momentos de reflexão e de relaxamento, entrei em movimento de projeção astral e psicométrica, quando me foi mostrado o seguinte:

A parte emotiva, emocional, sentimental de uma humanidade, que abrange todo e tipo de sentimento, negativo ou positivo. Sentimentos esses que podem ser controlados e dirigidos, só são produzidos por seres irracionais, pois estes apenas possuem o ato de sobrevivência que consiste em defesa e ataque, emitindo as emoções mentais da dor física. As emanações resultantes dessas dores físicas vão se aglutinando nas psicosferas rústicas de cada planeta, mais próximas às crostas desses planetas, como se fossem uma camada rarefeita de matéria deletéria, invisível a olho nu. Portanto, compondo uma espécie de amálgama poderoso para o interior do qual retornam os perispiritos desses animais após seus desencarnes, para posteriormente, recompostos energicamente serem atraídos para o renanscimento em novos corpos físicos.

Isto é feito quase que mecanicamente, instintivamente, dando prosseguimento a manutenção de cada espécie e para aquisição do progresso ascensional lento, mas sempre em direção ao aperfeiçoamento físico e espiritual.

Portanto, as regiões umbralinas, ou as psicosferas negativas , ou chamadas também de baixo astral, em inglês “undergrownd”, só começaram a existir após o advento do ser humano na crosta visível de cada planeta. O próprio ser humano tido como ser racional ao emitir seus pensamentos negativos e atos correspondentes dirigidos contra si próprio, contra seus semelhantes, contra a natureza, resultam como conseqüência, a formação do mesmo tipo de amalgama, psicosferas ou bolsões de matéria deletéria, quintessenciada e dando origem aos chamado mundos paralelos compostos de campos em afinidade ou em sintonia direta com aquele tipo de ser, dentro dos quais esse mesmo ser irá “habitar” após seu desencarne. Para lá seu perispirito será atraído e reenergizado, desintoxicado à semelhança dos reagentes homeopáticos, ou seja “o semelhante com o semelhante se cura”.

No inicio da existência da vida na Terra, quando o “habitat” terrestre era rústico e o ser humano vivia em cavernas, furnas, na floresta, e outras habitações bucólicas, quando este ser humano desencarnava quais eram as suas “formas pensamento”? Quais eram suas emanações mentais?

É claro que só podiam ser aquilo que avistavam antes de morrer, ou seja : seu “habitat” inóspito, com suas cavernas, furnas, lodaçais, animais monstruosos, seus semelhantes humanos peludos, belicosos, horrendos, medrosos e a total falta de conhecimento do que o esperava do lado de lá. Nem sabia se havia o “outro lado”.

Desta forma, tudo que ia se formando na psicosfera condizente a ele era de conformidade às suas plasmias mentais. Após seu desencarne ele ia sendo atraído para aquela região e nela, como se ainda estivesse vivo, dava continuidade ao seu ciclo de vida animalesca.

Já em sua respectiva psicosfera o ser “homo-sapiens” ou o primata “contruia” em seu novo habitat o que imaginava ser bom para ele e lá ia “vivendo”, até ser novamente atraído para novas reencarnações. Assim, durante milênios, tudo ia sendo forjado tanto do lado de cá da vida, como do lado de lá. Essas regiões não foram desfeitas e serviriam, como servem hoje em dia, para receber os espíritos que apesar de serem mais modernos, vivem mental e fisicamente à maneira dos seres primitivos.

Porém, outros seres foram surgindo, mais avançados espiritualmente, vindo de outras orbes e suas emanações mentais foram resultando no aparecimento de outras regiões paralelas, outros bolsões astrais condizentes com cada grupo que ia desencarnando e automaticamente para lá atraídos.

Foram surgindo as esferas dos suicidas, dos viciados em álcool, viciados em sexo, em drogas, os que ficaram presos a determinadas doenças, os que se dedicaram as curas dessas doenças, as esferas dos socorristas, dos médicos, dos políticos, dos militares, dos religiosos, dos magos, dos místicos, dos hipócritas, dos criminosos, dos afetados pelos dolos culposos, e milhares de outras regiões.

Foram surgindo as esferas dos músicos, dos mentalistas, dos místicos, dos elementais , dos angelicais e sublimando cada vez mais de conformidade com seus novos habitantes, até chegar ao mais alto cosmo, as esferas dos engenheiros siderais e assim por diante. Não é difícil de se entender do porque de haver tantas regiões no “céu” como na Terra.

O grande Mestre Jesus dizia: – “O que se liga na terra será ligado no Céu”, o que se desliga na Terra também será desligado no “Céu”. Ele, melhor que ninguém sabia disso tudo e também dizia: -”Na casa de meu pai há muitas moradas”.

Como definiria visualmente essas esferas e as denomino psicosferas? Trazendo as imagens para o leitor moderno diria que elas são como gigantescos “compact-discs” ou “Cds” uns sobrepostos aos outros em sentido horizontal e outros em sentido vertical, outros ainda intercalando-se ou sobrepondo-se a eles em sentido diagonal, sendo o orifício central desse CD imaginário, seria o globo terrestre. Para que o leitor visualize um pouco melhor é como se Terra fosse o planeta Saturno e tivesse centenas de gigantescos anéis uns sobre os outros horizontalmente, verticalmente e em diagonais. Esses anéis ou psicosferas são invisíveis a olho nu, só são visíveis mediunicamente ou através das aparelhagens super sensíveis e sofisticadas dos seres extraterrestres, super evoluídos.

A passagem de uma esfera inferior para as superiores se dá através de ligações energéticas ou vórtices cuja entrada só é descoberta ou conhecida pelos seres que habitam as psicosferas mais adiantadas, caso contrario, todo e qualquer ser inferior, malévolo, diabólico ou mesmo doente psiquicamente, invadiria as esferas que não lhes dizem respeito e não lhes são afins, Isto evita a desarmonização entre as psicosferas que passam a ser mundos estanques com seu “Modus – Vivendi” próprio. Entretanto, dentro de sua respectiva psicosfera o ser inferior poderá se locomover como quando em vida na terra.

Essas locomoções se fazem através da mente, das vibrações de volitação ou de projeção do pensamento para os espíritos superiores, cuja vontade é suficiente para os levar para onde quiserem ir. Entretanto, mesmo os mais poderosos tem dificuldades pois necessitam baixarem suas vibrações para poderem descer as psicosferas inferiores e mesmo até nós na crosta terrestre. Cada psicosfera possui os veículos adequados para trafegarem de uma esfera à outra, conforme as necessidades.

Por isso cada forma pensamento tem endereço certo, chegam ou não ao objetivo de quem as pensa, dependendo da força e vontade inerciais imprimidas ao pensamento. Se, o alvo a ser atingido por outra pessoa do mesmo quilate e teor mental negativo do “remetente”, o alvo será atingido, inapelavelmente, tendo os feixes vibratórios e ondulatórios mentais “engrossados” por outras emissões negativas de outros inimigos daquela pessoa.

Porém, se a pessoa visada for positivo, tiver seus pensamentos sempre com tendências elevadas, sua aura, que é o seu campo de força, estará acesa e continuamente alimentada pelas correntes mentais de seu pensamento positivo, queimará, destruindo por completo as emanações negativas contra, ou as rechaçará de volta aos seus emissores pegando-os de surpresa pois estarão com seus campos de força abertos, desguarnecidos e neste caso, absorverão todos os miasmas emitidos por eles próprios. Assim, também, funcionam os campos de força das naves extraterrestres que volitam no espaço sideral sem nada temerem.

Devo lembrar que as formas pensamento adquirem o formato que idealizamos, ou seja um punhal, um revolver, um chicote, uma espada, ou apenas faiscas com ondulação potente, enfim, tudo aquilo que imaginarmos a nossa mente plasmara e remeterá para onde quisermos, assim como, quando fazemos nossas orações, se as fizermos bem dirigidas pensando nas palavras que estamos dizendo e no mentor à quem solicitamos, elas atingirão o alvo, seremos ouvidos e o retorno será sempre favorável a nós.

O ser humano ainda não avaliou o seu potencial mental. Se esse potencial for alguém como um mago, que esta acostumado a lidar com essas energias, elas serão mais potentes ainda, e atingirão o alvo na região certa e com precisão, mesmo que ele seja negativo, pois é necessário que o alvo ou pessoa em questão seja mais potente e positivo que ele, para não ser atingido. Daí, haver muita feitiçaria e muita desarmonia entre os vivos, pois, o mago, ou feiticeiro não precisa estar entre os vivos, pode estar entre os desencarnados e se aliar aos canais redivivos (médiuns e pessoas malignas) aqui na Terra para dar soluções e maquinar suas más intenções juntamente com quem o invocou.

Mas, a Lei de Reação é implacável, para quem faz o mal uso de seus potenciais ou poderes, colherá de volta o que lançou, se houver tempo colherá na própria existência ou então irremediavelmente nas próximas, quando estiver indefeso.

As entidades desencarnadas além de sofrerem a auto punição (as vezes sem que se dêem conta) permanecendo em seu estado negativo por dezenas, centenas de anos não usufruindo do maravilhoso progresso cósmico sideral, receberá de volta também quando retornar ao corpo físico, corpo este que já nascerá sob as mais dolorosas situações e mazelas.

Portanto, a dor física e moral, as desgraças, as desarmonias gerais, a saúde, a felicidade, a sorte, a alegria, a sublimação e todos os demais fatores e sentimentos que movem o ser humano ou o imobilizam em situações várias, são resultado do “quantum” vibratório e da força mental de cada um, pensamento ruim resultado, péssimo, pensamento bom, resultado ótimo.

O pensamento além de poder ser controlado e dirigido, têm um predomínio sobre os demais requisitos de um ser humano, porque além dele poder ser lançado, pode ser captado e sobre tudo ele pode ser sintonizado sem que hajam barreiras para impedir que as emanações irradiantes possam ser impedidas de seguir em seu curso inicial, a não ser pelo próprio ser emissor das ondas mentais.

São Paulo, 24/ 02/ 96 – 13h53

A Entidade “Pomba Gira”

Por longos anos vim estudando o comportamento de determinadas entidades e suas influências sobre os seres humanos, no caso da entidade denominada de “Pomba Gira”, na Umbanda e no Candomblé e bem como nas correntes negativas como na quimbanda. Posso dizer que são entidades arraigadas ao sexo e tudo o que provém de suas funções e disfunções. São entidades cujo teor vibratório, cuja sintonia com as aberrações e induções sexuais, são muito fortes e profundas. São como os Elementais da Natureza que cada um é ligado ao meio em que brotou e nesse meio, seja a água, mar ou rio, cachoeira, mata, ar, fogo, animais, minerais e outros, possuem o poder de manipular, unir, aglutinar, harmonizar, desarmonizar, construir ou destruir.

No caso específico dessas entidades “Pomba Gira” que são incumbidas dessas funções ligadas ao sexo das mulheres, não se trata de um elemental mas sim de espíritos desencarnados, femininos, cujo karma espiritual e cujo desencarne ocorreu por desapontamentos sentimentais dolorosos nas suas últimas reencarnações na Terra, na maioria deles, tendo perdido a vida na prática do sexo ilícito, ou tendo sido assassinadas nos momentos do exercício sexual, ex-mundanas que sem ter outra escolha e tendo aquela afinidade no Astral formam-se em agrupamentos afins com o firme propósito da vingança sobre seus algozes agora reencarnados como mulheres ou como homens ou ainda como homoxessuais masculinos ou femininos. São atraídos por grupos de magia ou de “religiosos” das religiões ou seitas afro-brasileiras, no caso do Brasil, para agirem dentro do campo de sua atuação, que é a função sexual, através de paixão ou do amor forçado, para aumentar a atração sexual entre casais antagônicos que nunca se imaginariam juntos, ou destruir em nome de outros a atração natural entre casais normais que se amam. São “comprados”, através de presentes e oferendas além de satisfazerem sua índole vingativa e se satisfazerem também sexualmente. Muitas e muitas vezes perseguem seus algozes durante várias vidas sempre tentando saciar sua sede de vingança levando-os a cometerem os piores desatinos e aberrações sexuais, transformando-os também por sua vez em outras “Pombas Giras” ou “Exús”, que são os mesmos tipos de entidades ligadas ao masculino.

Essas entidades agem sorrateiramente freqüentando locais de baixo astral, quartos de motéis, dancing, locais de vícios e orgias, onde se bebe e se adentra aos caminhos sem volta das drogas. A mulher ou homem, ou os homossexuais de pensamento em afinidade com essas entidades, são impelidas e compungidas a fazer sexo nas piores situações e contra as suas índoles pois são semi tomadas à distância e mais ainda no momento do ato sexual, e aí passam a se comportar como se fossem outra pessoa, fugindo dos seus critérios habituais, atraindo para si e, principalmente, para as partes genitais as piores doenças provocadas por protozoários (outras entidades disformes) que se imantam sobre aquelas partes e sobre a pessoa, intoxicando-a e ao seu perispírito, também pelos “miasmas”, ou seja, bactérias que ficam no ar e no astral produzidas pelas pessoas envolvidas. Nestes casos, se for uma pessoa que possui família que está em casa e nada tem a ver com o que aquelas pessoas fazem fora do lar, são “contaminadas” também indiretamente, surgindo daí doenças, mal estares e desarmonias inexplicáveis, no meio científico.

Portanto, não vai aqui qualquer intenção de semearmos um falso puritanismo ou conservadorismo fora de propósito, mas sim, alertarmos para o que tecnicamente ocorre.

Imaginemos pois, dentro do contexto já explicado, que, se os “miasmas” e “Protozoários” permanecem nos locais de baixo astral, penetrando ou interpenetrando a tudo e a todos os locais, tais como motéis, bares, “dancings” e outros antros de meretrício, são contaminadas astralmente e depois ingeridas pelos freqüentadores inadvertidos.

Portanto, não estamos aqui, contra isto ou aquilo, nada temos contra essas entidades, as quais dentro do contexto universal fazem o seu papel e, muitas vezes, são “utilizadas” por outras entidades com finalidade de fazerem renascer espíritos que nunca seriam aceitos por uma mãe normal. Veja-se o gigantesco número de mães solteiras existentes no mundo e a enorme quantidade de menores jogados pela ruas, na maior parte, frutos de nascimentos forçados ou forjados por essas entidades. Isto não significa que todas as crianças nascidas de encontros fortuitos ou casuais seriam espíritos que não nasceriam se não fossem usados esses métodos astrais, apenas, tiveram que nascer assim e só poderiam vir ao mundo através da concorrência ou ajuda daqueles pais e que foram “ajudados “ por essas entidades vingativas e zombeteiras. Mas, nestes casos, as seqüelas kármicas recaem mais sobre a mãe-solteira que tem que carregar em seu ventre aquela criança indesejável ou inesperada para aquele momento, e mantê-la sob sua guarda e manutenção, às vezes na pior situação de vida e na penúria total, enquanto o pai inescrupuloso retorna a seu “lar doce lar’ se for casado, ou desaparece no mundo sem deixar vestígios. Se for solteiro, pouco se importando com o que vai acontecer com aquela mãe infeliz e com o destino daquela criança que fez nascer.

O mesmo acontece com aquela entidade, que se diverte no astral presenciando a desgraça ou o desconforto em que colocou ou provocou para aquela mãezinha que vai ter que fazer das tripas coração para assumir sozinha o seu novo filho. Muitas não suportam o peso, doam ou vendem seus filhos e no auge do desespero cometem suicídio indo parar ao lado da entidade vingativa que, por sua vez se compras, se regala de satisfação em ver sua vingança concretizada e ter sua ex-algoz agora ao seu lado como mais uma “Pomba Gira”.

Essas entidades também tem muita força sobre outras “Pombas Giras” reencarnadas e que vem ao mundo para servirem de instrumento de discórdia e desarmonia entre lares e seres humanos honestos e que gostariam de passar por esses terríveis momentos.

O importante é afastar essas entidades através de trabalhos e orações especiais que as levem para tratamentos espirituais e emitir-lhes muita luz, pois quem está iluminado não pode e nem quer fazer mal a ninguém.

Seria conveniente, doravante, que os proprietários e freqüentadores desse locais se preocupassem com a limpeza Prévia do Astral e das instalações ambientais para pelo menos não permitirem essas contaminações. “Porém, sei que isto é uma utopia, ou seja, jamais será feito pois esses ambientes só dão lucro se forem quanto mais ruim, melhor”.

Outro detalhe que observei e observo e pode ser notado por qualquer pessoa, é que as mulheres que tem afinidade com essa entidade ou que sejam “Pombas Giras” reencarnadas tem predileção pelo uso das cores vermelho e preto. Vai desde o batom, as roupas íntimas, as coisas que escolhem e o ambiente que freqüentam. Portanto, o carmim (vermelho vivo), o preto é uma indicação vulgar dessas entidades e as coloca em sintonia direta com as energias negativas e maléficas. E as “médiuns” usadas por estas entidades afeitas a luxúria e ao esplendor da vaidade, vivem pintando as unhas, repintando-as, quase que diariamente e vivem diuturnamente frente ao espelho a se contemplarem. Na verdade, é a Entidade Pomba Gira que se regala com tudo isto e absorve os fluídos que exalam dessas condutas da fraqueza feminina.

Alguém perguntará: Então temos que abolir esses costumes de nossa sociedade? Respondemos que: devemos procurar não entrar em contato com essas energias, consequentemente, o uso de cores mais suaves e tons mais claros é recomendável. “- Diz-me com quem tu andas que eu te direi quem és”- diz um ditado e neste caso dizemos: mostre-nos as cores e costumes de tua preferência que te diremos quem és e quem te acompanha no astral. É claro que, tudo está na intenção, no propósito de quem usa e faz, porém, o inconsciente humano é sugestionado, é insuflado pelas radiações magnéticas que essas entidades impregnam sobre a mente, que por sua vez induz o cérebro e que por sua vez, também, impele essas pessoas a buscarem as cores e músicas que também transmitem cores, as quais, as colocam em sintonia ente si, ou seja, pessoas com as entidades e entre as pessoas da mesma afinidade, mesmo gosto e comportamento baixo astral.

No momento de transição que o mundo e a humanidade atravessam e a busca desses conhecimentos até agora guardados em segredo pelas Altas Entidades e pelos Sábios se torna mais ávida, mais insistente, achamos que é chegada a hora de algumas providencias serem tomadas para elucidação da grande massa e das entidades que agem soturnamente, ou seja, sorrateiramente, pensando que jamais serão descobertas e punidas.

Agora se aproxima a hora da verdade e, como dizia o Mestre dos Mestres: a hora da separação do joio do trigo, e para aquele que não estiver com sua vibração elevada a um ponto que não seja atingido pelas vibrações negativas que Sidérius, o planeta gigantesco que se aproxima, emite a longa distância.

Ninguém vai conseguir esconder seu grau de negatividade atras de uma boa aparência, ou atras da sua riqueza que não comprará mais nada, nem se esconderá por trás de falsas palavras ou de atos interesseiros. Ele será sugado de conformidade com esse grau de negatividade, e que hoje está aumentando sobre pessoas a olhos vistos sem que elas saibam o porque e nem como fazerem para se livrarem desse círculo vicioso que as carrega para a colheita obrigatória do que semearam, entre esse círculo vicioso se encontra a atuação, a obsessão sobre as pessoas por parte desse tipo de entidade perniciosa que não se dá conta do mal que causa à sociedade e a ela própria. O nosso papel aqui é apenas o de alertar, sem qualquer pretensão de querer endireitar o mundo, cabe a cada um prestar contas de seus atos e assumir, queira ou não queira, suas responsabilidades. É nosso dever transmitir conhecimentos, nada mais.

Respondendo Para o Lado de Lá

Perguntas feitas ao autor por várias entidades espirituais, talvez com intuito de testar seus conhecimentos, e que o autor tenta responder imparcialmente e às vezes com cunho pessoal.

06/10/86 às 2h40

1)                 Pode um espírito evoluído como Mozart, Paganini, Beethoven e outros que se conservam desencarnados no Astral, tendo que reencarnar em outros vultos famosos ou não, voltarem à suas formas de músico ou daquela encarnação que os tornaram conhecidos, após um novo desencarne?

RESP.: Para um espírito evoluído nada é impossível, mais ainda, tudo é possível. Sabemos todos que uma entidade desencarnada conserva aglutinadas sobre seu perispirito, as partículas energéticas de sua última forma física quando vivia, porém, ela pode se transfigurar nas personalidades que quiser, mesmo que nestas configurações ela tenha vivido em remotíssimas encarnações, boas ou más; das quais ela necessite fazer uso para ser reconhecida por aqueles que com ela conviveram na época, ou tenha ela que exercer alguma indução psicossomática kármica ou não, sobre alguém vivo ou do seu mesmo plano astral. O Perispírito, no meu conceito, ainda é matéria, mas rarefeita é claro, mas ainda sim, matéria, e sendo assim pode ser moldada ou plasmada pelo Espírito como ele bem quiser, pois, a semelhança de uma poderosa fita magnética comum, ou uma precisa e ao mesmo tempo preciosa memória cósmico-etérea que registra tudo o que se passou ou o que se passa no Cosmos desde a sua criação personalizada, dando ao Espírito um caráter particular, distinguindo-o dos demais que existem no Universo, dando-lhe também uma freqüência vibratória própria e consequentemente uma sintonia adequada. Por vezes, um Espirito evoluído ou não tendo necessidade de se transfigurar ou trasmutar-se em “alguém” que ele tenha sido, faz uso de processos mediúnicos e extrai os fluídos da aglutinação ou de desaglutinação que vão resultar na transmutação de energias de médiuns (intermediários) do campo físico e do campo astral para os efeitos de indução psicométrico-plasmático sobre aquelas a quem ele desejar ser relembrado.

Deve ser levado em conta nesse processo, que para qualquer Espírito evoluído ou não tem tendências lógicas e karmicas de se fixar sempre na sua última reencarnação pois por mais simples ou mais famosa que esta possa ter sido, ela não pode ser desvalorizada, ao contrário, tem tanto ou mais valor que as anteriores pois será por esta última que ele terá sido qualificado para se situar em patamares de progresso evolutivo correspondente a tudo o que ele tenha produzido no decorrer das suas dezenas ou centenas ou ainda milhares de reecarnações passadas.

Todos os registros encontram-se fixados no Espírito e, basta sua simples vontade para que esses registros venham a tona e sejam energizados ou materializados.

2)                 Pode um espírito de um suicída reencarnar sem os defeitos kármicos que seu ato iria deixar sobre ele?

RESP.: Esta pergunta tem muito haver com a primeira, pois se o Espírito for evoluído ele poderá corrigir sobre si próprio as mazelas provocadas por ele ou por outros. A consciência de um ser é uma parte daqueles registros etéricos que podem elevar ou rebaixar esse ser em todos os graus do progresso psicossomático. Quando falo em consciência, refiro-me não só a do suicída que se sentido culpado (mea-culpa) forma sobre o espirito a desarmonia celular do espirito, resultando nas mazelas que deformarão nas futuras regiões físicas as reencarnar-se mas também nas consciências daqueles que convivem com ele ou foram direta ou indiretamente responsáveis pelo ato suicída, os quais, queira o suicída ou não continuam também com o seu “mea-culpa” e desta forma, ao mentalizarem ou apenas ao relembrarem-se dele o verão nas imagens de suicida e isto ajudará a aglutinar as partículas de desarmonia celular do perispírito e do ambiente que “prende” o ser um sofrimento “ad-eternum” no astral inferior até que todos saiam daquele circulo vicioso negativista que atrasa em anos e não raras vezes, em séculos o progresso livre daquele ser.

Porém, se ele for evoluído entrará em sintonia maior e apesar de ter que passar pelas agruras de seu ato por ter provocado o encurtamento de sua própria vida e ter provocado nos que o amavam a dor e o descontrole emocional, físico e social, poderá atrair mentores afeitos a esse mister, conhecedores profundos da ciência espiritual de como corrigir as desarmonias corpusculares do perispírito e assim, aquele infeliz ser evoluído poderá sanar em menos tempo que o esperado os seus defeitos e retornar ao convívio dos demais seres humanos sem qualquer problema físico ou mental.

Como se vê, a lei do karma é implacável, inexorável em quase todos os pontos, mas, na sua exatidão cósmica deixa aberturas também exatas para que qualquer um de nós seres humanos possamos entrar, desde que possuamos os registros essenciais que são a sabedoria, que é o domínio do conhecimento cósmico, a humildade e o amor ao próximo. Com apenas esses três requisitos dentre outros que poderemos optar no momento de nossa necessidade e compormos nosso “quantum vibratório”, poderá um ser atingido por qualquer infelicidade adentrar aos mundos superiores da mente e do espirito, sem qualquer protecionismo vulgar.

3)                 Pode um espírito reencarnado que tenha sofrido um aborto ou morte prematura logo ao nascer, retornar ao Astral em sua forma anterior de adulto?

RESP.: Igualmente ás perguntas anteriores, pode; desde que não adentre aos círculos vingativos, os quais, por conseqüência são penas kármicas.

Há vários fatores que levam o espírito a ser abortado do ventre de sua nova mãe, entre eles:

  1. Ter sido esse espírito um grande praticante de atos abortivos propositais e maldosos, podendo ter sido uma própria mãe, ou um agente abortador, tais como parteiras, médicos ou criminosos passionais ou criminosos acidentais os quais, pelo “mea-culpa” não se auto-perdoaram e nem receberam o perdão de suas vítimas, provocando sobre si e sobre todos os que participaram dos acontecimentos aquelas desarmonias astrais e psicofísicas.
  2. Um espírito evoluído do astral-terrestre, ou seja, um extraterreno que em nova missão regeneradora a favor dos vivos não consiga se fixar no feto devido ao seu alto grau de potencialidade espiritual, e sua “alta voltagem” mental-espiritual não consegue se estruturar ou se “encaixar” no novo e frágil invólucro carnal, matando-o antes mesmo de nascer. Nestes casos, o Espirito reencarnante poderá voltar imediatamente ao seu estado anterior de evolução, mas as vezes, prefere tentar conservar-se em forma de feto no astral mas com a sua consciência adulta vigilante ao lado afim de melhor poder aglutinar sobre si as novas partículas emanadas do físico em formação para facilitar-lhe novo empreendimento à vida física, mas quase sempre esses espíritos muito evoluídos necessitam de várias tentativas infrutíferas as quais ocasionam a morte prematura de seus fetos e às vezes já na tenra idade até que numa delas possa conseguir seu intento, porém, todos esses fatos são realizados em consonância kármica e muitas vezes eles tentam nascer em úteros de mães com passado de provas kármicas cujos espíritos saberão o por que de tanta “infelicidade” material, mas, mesmo assim podem elas estarem recebendo como prêmio em forma de “faca de dois gumes” um novo avatar com uma missão angelical ou técnico-científico.
  3. A entidade reencarnante pode ser oriunda de um outro planeta (extraterrestre) qualquer, mais evoluído ou não que a Terra, deste sistema solar ou de outro sistema solar dentro da nossa galáxia, a Via-Láctea, ou de outras galáxias, o processo é o mesmo e é o mesmo mecanismo, a diferença está no choque vibratório inter-energético de uma matéria composta de partículas e órgãos diferentes para a nossa matéria carnal com órgãos muito complicados como o pâncreas, os intestinos, os testículos e outras glândulas por vezes inexistentes noutros corpos físicos de extraterrestres.

Um ser extraterrestre além de possuir seu físico de conformidade com seu habitat natural tem consequentemente, uma compleição física até anti-natural à nossa e quando “desencarnam” levam para o Astral de seu planeta todas as partículas energéticas que formavam seu corpo físico, as quais, formarão seu corpo astral ou perispírito que posteriormente ao voltar se encarnar lá mesmo em seu planeta ou aqui na Terra interferirá na formação do seu novo corpo no próprio habitat ou em novo corpo físico na Terra.

Nos casos de reencarnes de seres extraterrestres na Terra há de se levar em conta o fator rejeição natural entre as partículas que o compõe e as outras que formarão o novo feto. Além do que há a temperatura corpórea perispiritual para mais ou para menos, e que influirá na pressão e corrente sangüíneas do novo feto ocasionando distúrbios sem conta no metabolismo e no sistema endócrino do novo feto, os quais, fatalmente acarretarão sua morte física. Muitas vezes nesses casos o feto nem chega a ser animado.

Em todos os casos das três perguntas acima, todos podem voltar ao seu estágio de adulto, alguns retornaram àquele estado quase que sob explosão outros precisam permanecer em estado fetal e outros, como espírito permanecem ao lado da futura mãe sem encarnar, apenas pulsando sobre o novo feto e caso haja o aborto eles acompanham tudo e tudo sentirão também e por vezes ficam ainda mais acabrunhados, sem ação, sem nada poderem fazer apesar de ambas as consciências, a do feto e a do espírito reencarnante estarem intimamente ligadas por laços magnéticos firmes e sensíveis. Ambos sofrem quando o nascimento não dá certo.

4)                 Como fica o fator genético frente às sucessivas reencarnações de um espírito, evoluído ou não, e quais seriam as técnicas e mecanismos que os Mentores Espirituais empregam para fazer o “encaixe” de um espírito reencarnante em células físicas cujo gene tenha que vir desequilibrado na sua contextura a fim de dar àquela entidade a oportunidade de resgate? Há preparações prévias desses desvios genéticos ou tudo ocorre naturalmente?

RESP.: Para os Mentores Reencarnacionistas não existem dificuldades ou embaraço para poderem “encaixar” um espirito reencarnante desequilibrado e que tenha que nascer com defeitos físicos externos ou internos e resgatar, drenar ou desintoxicar seu perispírito em uma vida de sofrimento e provas, pois tudo ocorre “naturalmente” dentro de uma programação preestabelecida.

Mesmo que o fator genético seja um fator preponderável através do qual as Entidades Superiores teriam maior ensejo e facilidades em fazer nascer alguém que precisa resgatar suas dívidas consigo mesmo ou com os elementos humanos contra os quais se responsabilizou, nem sempre esse fator é levado em conta, ou seja, aquela ramificação familiar poderá ter sido em milênios um fator genético imutável, sempre perfeito, sem desvios de qualquer ordem, seja ela psíquica, emocional, ou física, se for necessário, será permitido um desequilíbrio genético momentâneo pelo conteúdo vibratório do espírito reencarnado que, por incapacidade de emitir as pulsações adequadas para o útero de sua mãe, no momento da aglutinação das células matrizes que darão origem a seu novo corpo, dando origem as futuras falhas físicas e mentais das quais será portador durante algum tempo de sua vida ou durante sua vida toda.

Alguém perguntará: Mas o que seus futuros familiares tem a ver com as culpas e resgates pelos quais ele terá que passar? Não será uma injustiça para com aquelas pessoas ou descuido das Entidades Superiores para com elas?

Se o espirito reencarnante vai renascer num determinado lar, ou vai ser filho de mãe solteira e pois irremediavelmente, vai causar sofrimentos a todos inclusive ao pessoal médico e paramédico dos sanatórios, hospitais, cadeias e etc., onde ficará internado, é porque eles tem ligações kármicas com ele e entre si. No lar, ele ficou de ser recebido e amparado. A mãe solteira comprometeu-se com ele em colocá-lo no mundo e nosocômios , todo o pessoal aderiu aquela missão socorrista, porque não só quiseram ganhar mais pontos na espiritualidade mas também estão endividados com seus pacientes.

Tudo é conseqüência de uma reação em cadeia prevista e adrede-preparada “naturalmente” para que os fins sejam atingidos.

Mas e quando não há qualquer ligação kármica com qualquer pessoa hoje reencarnada? É muito difícil não haver, pois nas vidas passadas ele não brotou do nada, sempre houve alguém que concorreu para que ele viesse ao mundo. Mas, digamos que não haja, digamos que ele seja um espírito alienígena que necessita nascer na Terra e não tenha alguém para recebe-lo dando-lhe um novo corpo!. Neste caso, as Entidades Superiores procuram e escolhem para ele seus novos familiares, conversam com eles em espírito, normalmente pessoas que precisam e pedem para ter um filho mesmo que seja para cumprimento de resgates. O fato deles não terem filhos até aquele momento também já é karmico, um karma mais psicológico do que social ou de provas; nestes casos, lhes é concedida a benção de ter um filho e lhes é explicado o objetivo do reencarne doloroso. Eles aceitam em espirito durante o sono e ficam felizes em poder contribuir astralmente. Entre os pesquisados e posteriormente escolhidos para serem os futuros tutores do espirito reencarnante, encontram-se os agrupamentos de prostituição, de viciados em drogas, em bebidas, de degenerados de toda a espécie, entre presidiários, entre doentes mentais, entre retardados, os quais, quase todos por si só, devido suas mazelas, já fornecerão naturalmente um físico deteriorado geneticamente e que o espirito reencarnante irá lançar mão avidamente porque necessita nascer. É uma oportunidade imperdível para ele. Quando não são esses agrupamentos, o espirito reencarnante se “incumbirá”, também devido as suas incapacitações de reproduzir um novo corpo são, de deteriorar sobre si próprio o seu ‘meridiano-genético”.

Aí estão então expostas as técnicas e mecanismos utilizados pelos Mentores Espirituais e os fatores genéticos e preparatórios para o reencarne de um espirito evoluído. Seja qual for seu tipo de dívida, sem esquecermos que a medida em que a Ciência fornece novos meios como os nascimentos de provetas, aqueles mentores terão novos mecanismos para serem utilizados, tudo dentro de uma harmoniosa lei de ação e reação universal.

5)                 Por que Jesus não deixou nada escrito quando esteve na Terra?

RESP.: Jesus, um Avatar, um sábio reencarnado entre os homens e com uma missão restauradora da fé e dos costumes entre aqueles homens de conceitos tribais e patriarcais, quase analfabetos, rústicos e de índole selvagem que não acreditavam em nada, de pouca fé, tinha que deixar algo para o futuro, algo que marcasse sua presença inovadora, mas humilde e redentora cujos atos e exemplos teriam que sobreviver ao tempo, às raças e costumes até o fim dos tempos, até nós homens do século XX, e após.

Ele sabia que haveria confusão sobre a sua vida e sobre os seus atos, pois os homens, sendo inconstantes e matreiros iriam deturpar tudo o que ele fez com boas intenções e, se deixasse alguma coisa escrita do próprio punho, esses mesmos homens teriam a justificativa ou o bode expiatório para aquilo que conviesse aos seus maus propósitos. Haveria, como hoje há aqueles e aquelas facções filosófico-religiosas ou não que brigariam entre si e se matariam tendo como motivos justificáveis as palavras escritas por Jesus e que poderiam ser sempre o “pivot” das tragédias religiosas ou de seus desacordos ou litígios, como ocorre assim mesmo hoje em dia apenas por ouvirem dizer muito vagamente sobre o que ele possivelmente dissera ou não dissera, quanto mais se ele tivesse escrito! Desta forma, prevendo, ou antevendo tudo isso até nossos dias o grande Mestre preferiu que os humanos analisassem e se baseassem no “Espirito das palavras” e não nas “ palavras do Espirito”, preferindo “à confusão sobre o que ele teria dito à confusão sobre o que ele teria escrito”- conforme sabiamente nos retransmitiu o grande Ramatis. E, eu confio nessa maravilhosa sabedoria de Jesus que ‘enxergava” longe.

6)                 Como é possível a um espirito desencarnado conservar o seu perfume predileto que usava quando em vida, a ponto de ser reconhecido, ou sua presença sentida no Astral de uma residência mesmo que as pessoas daquela residência não o conhecessem quando vivia?

RESP.: Partindo do principio e da realidade que os campos paralelos ou astrais ou como eu os denomino: Psicosferas são um fato, ou seja, existem, e sendo uma cópia do outro, tudo o que for materializado no campo físico tem seu ‘duplo” ou cópia no astral ou vice-versa e desta forma inclui-se desde as menores as maiores partículas, que vão desde os perfumes, aromas e odores e até o que é muito mais comum entre espíritos inferiores os maus-cheiros em cujos perispíritos ficam agregados e exalam de seus físicos recém-putrefactos ou das regiões abissais e pantanosas do astral inferior. Tudo fica agregado, dependendo muito do grau de evolução do Espirito para que essa materialização ou a indução seja plasmada ou no campo físico ou no campo astral. Sim, porque no campo espiritual tudo é muito mais sensível e mais concreto e até mais perceptível do que no campo físico. Assim como o perispírito conserva sobre si todos os detalhes e pormenores de sua vida física, é claro que um aroma, um perfume, um odor, um cheiro, bom ou ruim, permanece imantado à ele, o resto é indução ou plasma obtidos através do ectoplasma que sem o saber, os circunstantes, ou moradores fornecem para que as coisas se tornem reais, individual (para um único médium) ou coletivamente. Da mesma forma, tudo pode ser desmaterializado utilizando o perispírito e os mentores, do mesmo processo e do mesmo mecanismo psicofísico. Por isso, antigamente causava espanto as casas ditas “mal assombradas” nas quais, via-se personagens, ouvia-se ruídos e sentia-se os aromas e toda a magia ali reinantes. Ainda elas existem, mas em menor número apenas em locais cujas entidades ainda permanecem em estágios de prova e em lenta evolução espiritual, acrescidas ou mantidas por seres vivos completamente ignorantes ou desconhecedoras do funcionamento prático do campo astral e mental.

7)                 Até onde o que vai escrito na Bíblia é verdadeiro? ocorreu mesmo? há alguma coisa que não condiz com a realidade e por que? O que há de verídico entre o Velho e o Novo Testamento, quais os pontos de confronto e de choque?

RESP.: O que aqui vai é a minha opinião pessoal e com total isenção de ânimo a respeito do Velho e do Novo Testamento, apesar de saber, através do fenômeno da psicometria de minha esposa e de mim próprio, além de possuir mensagens de Entidades de Alta Linhagem, termos participado indiretamente na composição de um dos evangelhos do Novo Testamento, penso que tanto o Velho quanto o Novo Testamento são, em última análise, um conjunto de livros históricos que registra toda uma fase do início das modificações sócio-religiosas e filosóficas que presumiram ou anunciaram para todas as gerações que nos antecederam de lá para cá, o começo do fim de uma era e o início de uma nova era para a Terra, após o ano 2.000.

Nesse conjunto de livros denominado Bíblia não foram agrupados todos os livros existentes e de outros autores da época. Houve de certa forma um escolha preestabelecida pelas autoridades clericais da época de sua confecção, para que fossem juntados os livros que hoje conhecemos publicamente. Desta forma, creio eu que muita coisa não ficou publicada ou registrada na Bíblia, e, aquilo que chegou até nós sofreu muitas alterações devido as dificuldades naturais de tradução ao pé da letra ou melhor “ao pé do real significado”, além do que, sofreu grandes interpolações a gosto dos interessados da época em deter em suas mãos o poder e os conhecimentos subjugando a massa popular dentro daquilo que seus interesses escusos exigiam.

Por isso, para mim, todo o conteúdo bíblico só tem valor quando analisado pelo ângulo do Espírito das Palavras e não pelo ângulo das palavras do Espírito. Para mim não importa quem tenha dito tal ou qual passagem bíblica, mas sim, se aquela passagem pode ser útil para todos os seres humanos como um conjunto e não se ela apenas serve para esta ou aquela facção da humanidade. As verdades ou as realidades só são úteis ou boas e servem a toda a humanidade, caso contrário não são úteis. Mesmo para tudo aquilo que na época eu escrevi procurando sempre não colocar em dúvida o que disseram os demais evangelistas. Era mister que assim se fizesse ou desmoronariam todos os conceitos cristãos e todo um trabalho gigantesco de pessoas e entidades que precederam e sucederam a Cristo e o próprio trabalho e sacrifício do Mestre-dos-Mestres seria destruído, seria em vão. Tudo foi feito conforme os designos do Alto, ou seja, de Entidades mais elevadas que nós.

Há na Bíblia passagens marcantes do feito do ser humano dentro das áreas físicas e psíquicas, lógicas e psicológicas e que não podemos desperdiçar. São lições de vida, científicas sob os aspectos mais rústicos e transcendentais ao mesmo tempo, em que várias gerações patriarcais a partir de Moisés nos legaram seus costumes, suas condutas e seus “modus-vivendi”, dos quais muitos ensinamentos podemos extrair ainda, apesar de estarmos adentrando o século XXI e tudo estar mudando, mas, os fundamentos estão ali sem sombra de dúvida.

Por isso, respeito a Bíblia por esse ângulo de ponto de vista, extraio o que puder para servir ao bem geral da humanidade deixando o restante como arquivo da memória histórica dos povos.

Ninguém tem o direito de impor a outros ou a si próprio o que vai escrito na Bíblia, tem isto sim o dever de analisar e procurar absorver sem fanatismo de qualquer espécie e transmitir da mesma maneira para os outros o que aprendeu, sem precondicionamentos.

8)                 Como se explica aquela melhora de saúde que um paciente terminal passa antes de morrer? Ou seja, todos que estão ao lado dele incluindo os médicos juram que ele vai ficar bom, já está bom e, no entanto horas depois ele vem a falecer, deixando todos constrangidos e atônitos?

RESP.: Quando um paciente terminal bem quisto por seus familiares e seus amigos ou, servirá vivo aos interesses escusos de seus inimigos, forma-se ao seu redor tanto no físico como no astral, uma densa camada de fluidos magnéticos e ectoplasmáticos emitidos e exalados pelos pensamentos e sentimentos daqueles circunstantes que atrelam fortemente o espírito desencarnante altamente susceptível e sensível à esses fluidos o que não lhe permite nem “ir” e nem “ficar”, causando-lhe angústias, medos e sofrimentos diversos. Naquele momento, forma-se uma espécie de “circuito fechado” entre as correntes mentais dos vivos, dos desencarnados ligados ao paciente e do próprio paciente, isto da ensejo a uma “ delongada” sobre vida das células físicas alimentadas pelos fluidos ectoplasmáticos semi-materiais e pelo magnetismo que como um forte imã polariza o espirito mais tempo ao corpo que já não tem mais condições clínicas de vida. Diga-se de passagem que esses recursos ou recursos similares que quando encarnados entrem em estado de “catalepsia programada” mantendo seu físico semimorto nas tumbas e saem em busca do alimento energizador para mantê-los naquele estado por séculos; esse alimento é o sangue humano ou não que os revitaliza e permite a continuidade de seus atos diabólicos, mas, este é um assunto para ser tratado à parte com mais detalhes, farei mais adiante.

Quanto ao paciente que da ares de querer sobreviver, isto é feito pelos Mentores que se utilizam momentaneamente de técnicas reencarnacionistas fazendo-o reanimar-se ao mesmo tempo que induzem aos médicos, os quais, são enganados por seus aparelhamentos a pensarem que realmente ele vai sobreviver. Dão a notícia auspiciosa aos circunstantes e o próprio paciente ouve também e aí dá-se aquele alívio total e neste alívio, ocorre quase que automaticamente e naturalmente a quebra daquele circuito fechado de correntes várias. Todos se retiram aliviados e suspirando alegremente, quando então os Mentores sozinhos com o paciente, adormecem-no, e cortam-lhe os fios principais que prendem seu perispírito ao corpo e imediatamente ele se desliga e parte, falecendo.

Quando os circunstantes e médicos retornam sem ativarem os “por quês” o encontram morto e nada mais podem fazer.

Isto é necessário, justamente para evitar outros sofrimentos psicossomáticos ao moribundo, os quais, podem prejudicá-lo na sua saída ou desencarne. Porque o magnetismo pessoal do moribundo que por desconhecimento esteja sofrendo o pavor de deixar o corpo, esteja negativado, e por que o magnetismo de todos os circunstantes tentando “salvá-lo:, esteja positivado. Nestes casos, a Lei dos opostos prevalece e o positivo “prende” como se tivesse ganchos, o negativo e o faz permanecer no corpo já inerte por muito mais tempo que o necessário, ou o faz prolongar seu desligamento alimentando-o com uma espécie de tonus ou energia suplementar, que só vem a prejudicar sua ascensão ou desvencilhamento da crosta terrestre, ou fisiosfera.

A Utilidade do Negativo ou do Não Positivo

Não é minha intenção fazer aqui a apologia do negativo, muito menos do negativismo, que seria o oposto do positivo e do positivismo, assim como a sombra é o oposto da luz, a esquerda é oposta da direita, a cor preta seria o oposto da cor branca, e no fanatismo separatista, o negro é o oposto do branco; o que é uma infantilidade, um retrocesso social, mental e espiritual do homem terrestre.

Na energia elétrica os fotônios que dão origem a luz dentro de uma lâmpada não existiriam sem o fio negativo e penso, dentro do meu humilde conhecimento cósmico, que, a luz sideral que ilumina os mundos, as galáxias, os sistemas solares, do astral superior ao astral inferior passando pelo físico visível, também é fruto de energias ou reagentes opostos.

Já são conhecidas nossas teorias e afirmações sobre a origem da Luz Solar, teorias estas que, já estão “revolucionando silenciosamente” o meio científico e haverão de ser constatadas ao longo dos futuros anos, antes do final do ciclo planetário.

Porém, apesar de ter certeza do que aqui vou analisar, sabedor de que não há efeito sem causa e que, a lei de Causa e Efeito ou Lei Karmica é a Lei que combina ou reconcilia os opostos, interliga o mal que é o oposto do bem, eu afirmo que o bem num planeta em evolução como a Terra não progrediria sem o mal que lhe serve de muletas e muitas vezes de ponta de lança, como obstáculo a ser vencido para aqueles que buscam a ascensão em todos os níveis quer sejam físicos ou espirituais.

Na verdade não há apenas uma dualidade cósmica nisso tudo; a meu ver há pelo menos uma tríade e que algumas religiões chamaram-na Santíssimas Trindade, que figurativamente, simbolicamente foi extraída do Positivo, do Neutro e do Negativo que são três fases magnético-astral que fornecem o movimento rotatório aos mundos e a tudo o que existe sobre eles. Por isso existe o dia, a tardinha, e a noite ou a noite, a alvorada, e o dia, aproveitando dessas faculdades próprias, a Natureza se faz conhecer com seus elementais e elementos que dominam especificamente de acordo com sua formação, cada uma dessas fases e ali Ela é a rainha, a dominadora pois é senhora de sua polaridade natural não interferindo nas demais polaridades, a não ser que se forme um conduto ou um intermediário, que no caso do mal e do bem é o próprio homem com sua mediunidade de várias gamas ou matizes.

Tudo na Terra tem como objetivo a meta do positivo ou do positivismo, tudo que gira sobre si próprio na Terra, gira da esquerda para a direita, isto por que a própria Terra gira também no eixo imaginário, da esquerda para a direita. Então, as tendências internas, todas elas, sejam físicas ou espirituais seguem para o bem, seguem para a direita, seguem do baixo para o alto. As próprias vibrações das coisas e de cada ser a tendência final é seguirem do baixo para o alto, daí as expressões: baixo astral (negativo ou esquerdo ou ainda o mal) e o alto astral (positivo ou direito ou ainda o bem). E todos sabemos que o que é torto não é direito e se não é direito não é bom e se não é bom é porque não serve para a maioria dos viventes ou dos desencarnados.

A vida e a morte; uma se opõe à outra; para as Entidades Astrais a vida é a morte, pois devem morrer no Astral para nascerem no corpo físico ou reencarnarem. Para os Viventes da Crosta Terrestre a morte é a vida pois também devem morrer no físico para renascerem em espírito. Desta forma, tendo-se como a vida física como sendo o meio do espirito resgatar pela dor seus males, e a vida espiritual como sendo o meio do espirito vivenciar e restaurar suas energias para novos empreendimentos, aquela (física) seria a parte negativa e esta (espiritual) a positiva.

Partindo do princípio que a luz é positiva para tudo que é positivo, ela seria então a “célula-mater” da Criação ou de tudo o que é Criado dentro do Universo. Uma das frases que costumo dizer é: “- O Sol não está preocupado se ao amanhecer na Terra ele extermina as bactérias das sombras e da umidade, simplesmente ele nasce e segue para Zênite “queimando” tudo, esquentando tudo dentro do alcance dos seus raios”- O Sol, também, não está preocupado se ao entardecer na Terra, novas bactérias da escuridão, novos fungos da umidade surgirão, esconde-se, para fazer a mesma coisa do outro lado do planeta”. Isto significa que aquilo ou aqueles que querem viver nas sombras, à margem da luz, esconder-se-ão do Sol e formarão um habitat próprio onde os raios solares não os alcançarão.

Penso que os antigos egípcios diziam: “Osiris segue com sua barca iluminada indiferente às fraquezas do homem, entretanto, ele é complacente à essas fraquezas e permite que durante os ciclos mensais, sua companheira Íris (a Lua), vele, iluminando com sua luz magnética o caminho noturno dos mortais”. Assim mesmo há aqueles, os ditos mortais e até os imortais, que vivem nos vários patamares ou biosferas astrais, ou psicosferas, que fazem uso ou mal uso dessas influências magnética lunares, com finalidades destrutivas, negativistas, mal sabendo eles que nesse momento são utilizados como “testas de ferro” ou pontas de lança em atividades regeneradoras karmicas ou não, da qual as entidades da Luz fazem uso em auxilio ao próprio planeta e aos seus habitantes. Por isso, nada se perde, tudo se transforma na Natureza, e, o sábio Lavoisier estava e está até hoje, sempre, certo.

Durante mais de 40 anos de pesquisas sobre o psiquismo humano e no contato direto com os seres extraterrenos (entidades desencarnadas da Terra) e com os seres extraterrestres (entidades encarnadas e habitantes de outros planetas), eu e minha esposa fomos levados a presenciar várias facetas do aproveitamento útil dessas transformações que a Natureza nos oferece e, é claro, procuramos absorver transmitindo a outros tudo o que aprendemos e que nos é permitido divulgar em forma de novos conhecimentos. Numa das sessões fechadas que fazíamos, de 3 a 4 vezes por semana, com esses seres, um fato nos chamou atenção e muito nos comoveu. Passarei a relatar, juntando explicações de entidades desses dois campos (extraterreno e extraterrestre), objetivados e legados tão espontaneamente por seres superiores a nós, no que diz respeito, principalmente, a Utilidade do Negativo suas funções e disfunções e sobre tudo a missão que, sem o saberem, estão encarregados durante milênios na eternidade do espirito.

Há mais ou menos uns 20 anos atrás, conforme nosso relato da época, fomos levados a assistir um quadro dantesco, ou seja, com a possibilidade de projeção do nosso duplo-etérico conservando nosso corpo físico bem instalados em nossas poltronas. Descemos vibracionalmente até as regiões abissais do Astral Inferior da Terra, levados por amigos invisíveis do plano espiritual. Entre eles um antiquíssimo amigo de nome DARMÁTSA que era o principal interessado em ir socorrer sua progenitora, a qual permanecia presa aquelas regiões, perdida que estava em seus “mil e um mea-culpa” numa espécie de circulo vicioso negativo sem fim, baldados os esforços daquele seu filho e de outras entidades mais elevadas.

Ocorria que, ela própria parecia não desejar sair daquela negra situação pois além de querer auto punir-se, ainda alimentava resquícios de mágoas e sobre tudo de vingança, o que a levou à uma tal degeneração de energia tendo conseguido destruir suas formas perispirituais. Ela havia se transformado em ovóide fazendo parte da grande legião de seres em forma de protozoários encrostada nos charcos existentes naquela medonha região.

É simplesmente indescritível o que fomos presenciando durante nossa ida até lá em breve permanência a fim de poder resgatarmos aquela infeliz criatura! Gostaríamos de que houvesse possibilidade de filmarmos aqueles acontecimentos e aquelas regiões e depois termos a permissão de exibirmos aqui em cima, na crosta terrestre, para os viventes tão desleixados, tão remitentes, maldosos, egoístas, corruptos etc., afim de que eles analisassem e vislumbrassem o que os aguardará se não mudarem seu atual “status vivendis”.

Podemos afirmar que Dante foi até suave e ameno quando descreveu suas visões do inferno. É simplesmente horrível, horripilante e não existem palavras que possam traduzir o que presenciamos. Contudo, lá chegamos após passarmos grandes medos e apreensões que nos sufocavam pouco a pouco a alma e não víamos a hora de retornar. A criatura a quem buscávamos era já uma larva mas seus pensamentos eram dilacerantes e tão doidos que nos causavam pena, dor, lástima, horror, e dilaceravam nosso coração, nosso sentimento.

A região era pútrida e exalava um cheiro nauseabundo, afastando todo aquele que de lá tentasse se aproximar, e quanto mais elevado fosse o ser mais longe dali gostaria de estar. Eram gemidos, gritos, uivos, gargalhadas de loucura, insanidades várias, gases tóxicos, escuridão total, a não ser o facho de luz que seguia a nossa frente produzido por uma fonte ou holofote, vindo do alto, sem sabermos a sua exata origem ou por quem era manipulado, apenas iluminava o suficiente para caminharmos enquanto pressentíamos sombras, vultos monstruosos a nos espreitar, e o nosso corpo, no sofá, em semi-letargia, estremecia querendo nos defender e almejando nossa volta imediata, um instinto claro de autodefesa, mas, nós não nos deixávamos levar pelas inquietações e apavoramentos e lá continuávamos persistentes ligados ao nosso objetivo de resgatar aquela alma sofredora.

Como Se Dá a Habitabilidade dos Mundos

Sendo Deus, O Núcleo Central Cósmico, esparge de Si para todos os quadrantes do Universo os seus raios-pensantes que aqui chamarei de Centelhas.

Essas centelhas por diferenciação de micro-pulsações no momento de sua geração levam um “Y” a mais ou a menos para que, quando busquem seus invólucros (corpos) nos seus “habitats” escolham a genética feminina ou masculina. Aqui não me refiro a sexo pois em grande parte dos planetas avançados seus habitantes são assexuados, ou seja, apesar de terem a diferenciação entre homem e mulher, macho e fêmea, masculino e feminino, não possuem sexo, por isso, as centelhas nesses casos, buscam aproximação dos indivíduos cujas cadeias genéticas lhes sejam mais afim. Por que em todos os mundos que avistei e que mantive contato com seus habitantes, distingui sempre o gênero feminino do masculino, tanto pelos trejeitos delicados, linhas de contorno delicadas, e principalmente pelo instinto maternal.

Comparados com as mulheres da Terra, o gênero feminino desses habitantes assexuados são mais delicados, mesmo não possuindo os “contornos esculturais” como as mulheres da Terra. E os homens, apesar de apresentarem uma característica própria são bem mais delicados que os homens da Terra, porém, bem masculinos na acepção do termo.

Há planetas avançados e outros em evolução, habitados apenas por hermafroditas, ou seja, contendo o gênero feminino e o masculino no mesmo corpo, apesar de serem assexuados, e nos planetas em evolução, há os habitados por hermafroditas portadores dos dois sexos, macho e fêmea. Nestes casos, variam muito os contornos físicos e sua estéticas, mas, pude observar a predominância da delicadeza racional e material e bem como o toque e a responsabilidade masculina. São seres ambíguos que, para os terráqueos, suscitariam espanto e incompreensão.

Mas o Núcleo Central Cósmico Deus, composto por milhões de inteligências que vieram se formando ao longo de bilhões e bilhões de anos, através da autotransformação, geração expontânea, auto-deformação, não está preocupado com o Anti-natural que é uma conseqüência do Natural, ou seja, O Núcleo Central age naturalmente expandido-se através de seus raios-pensantes ou centelhas seguem em busca de habitar um “habitat”. O “habitat” ou mundo que naturalmente foi formado antes, adquire características de atração, absorção, repulsão dos seus afins e não afins, assim sendo, cada centelha é atraída para a periferia daquele mundo que a atraiu, ali permanecendo por vários séculos burilando o ambiente físico e as psicosferas ao redor e em seu interior que lhe permitirão o bruxuleio de uma forma de vida física ou energética, tangível ou intangível, com braços, pernas, tronco e cabeça, olhos, ouvidos, aparelhos circulatórios, aparelhos respiratórios, nervos, músculos e veias, intestinos ou bolsas estomacais, ou apenas uma chama, uma forte luz que se alimenta da Fonte Maior, O Plano Divino.

Cada centelha formará com as outras que lhe são afins o seu próprio “habitat” e, enquanto o trabalho de burilamento astral é lentamente elaborado, formado assim as regiões chamadas “espirituais”, onde se situarão os anjos, os arcanjos, os espíritos de grande magnitude que abrirão caminho para as centelhas que habitarão o solo, a crosta planetária vai sofrendo as mutações ambientais que darão origem a um tipo de vida racional e progressista, visando sempre o retorno à sua fonte criadora, O Núcleo Central.

Desta forma, os mundos vão se originando com características próprias e aqueles que por naturalidade forem mais grosseiras terão chances de elevação para os mundos imediatamente superiores a eles, os quais, também se formaram naturalmente e assim sucessivamente.

Quando as centelhas conseguirem habitar seus próprios “habitats” e alcançarem mais rapidamente o progresso servirão de “professoras” para os mais atrasados, estes por sua vez, servirão de expiação ou de expurgo para aquelas centelhas retardatárias que não conseguiram se harmonizar e até desarmonizaram seus “habitats”, estas serão compungidas a irem até os mundos ou “habitats” mais inferiores e darem lá seus exemplos de vida e de conhecimento, porém, muitas vezes, essas centelhas se tornam revoltadas, e negativas e se voltam contra seus superiores e seu Criador, transformando-se nos “tais” “anjos-decaídos”, ou demônios, e outros congêneres de que são chamados pelos que habitam aqueles mundos mais inferiores, e que por serem inferiores passam a adorá-los e serem dominados por eles, que na sua ira e negatividade transformam aquele “habitat” em caos total e obrigando então aos Engenheiros Siderais, centelhas que como eles tiveram a mesma origem mas alcançaram a elevação mais firmemente, coloquem um sistema de drenagem ou de expurgo através de um planeta como o Sidérius, “coletador de negativos” e promovam uma limpeza e higienização dos “habitats” inferiores.

A Terra é considerada hoje um desses planetas inferiores onde haverá uma grande massa de expurgados para “habitats” mais rudimentares ainda que ela.

Após as centelhas se fixarem nas regiões periféricas do “habitat” para o qual foram atraídas e lá durante milhares de anos fomentarem o “status-quo” para habitá-lo, começam a baixar em direção a crosta ou aos mares em busca do futuro organismo com o qual se revestirão (no caso da Terra é com certeza que a primeira origem orgânica foi através de batráquios que tanto vivem na água como na terra e não apenas do macaco que pode ser uma ramificação posterior, Karmática-evolutiva do ser terrestre), encontrando-o dá-se então a “incorporação” da centelha que através de pulsações começa a dar ao organismo escolhido os primeiros indícios de personalidade, racionalidade, direção grupal, de vontade própria, independente daqueles da mesma espécie que não foram incorporados, e após outros milhares de anos de “fusões e confusões” começa a adquirir forma humanoide no caso de planetas como a Terra, e outras formas, no caso de planetas mais sutis ou menos densos e rudimentares. Aí vem o primata, o “homosapiens” e outros. Já nesse estado, começam então os processos morfológicos onde seres de planetas mais evoluídos aportam fazendo os cruzamentos necessários com as fêmeas a fim de fortalecer geneticamente o ser. São as chamadas “injeções-sangüíneas”, dando-se assim a formação do que eu chamo de “meridiano genético”; ramificação onde vamos encontrar vários seres em várias e indefinidas gerações com as mesmas características de traços, costumes, maneirismos, e outros detalhes, os quais não vem a ser apenas a “árvore genealógica” conhecida pela ciência, pois nesta inclui-se de preferência os antepassados e no “meridiano genético” nós vamos encontrar seres de raças diferentes, países opostos em localização, distantes, mas que as pessoas se parecem em tudo e fazem quase que as mesmas coisas, ou os mesmos trejeitos e condutas.

As Centelhas quando saem do Núcleo Central, são ainda embrutecidas, cruas e virgens, por isso necessitam das pré-adaptações nas psicosferas de seus futuros habitats e só muito tempo depois é que “nascem” em seus novos organismos ou invólucros e iniciam a jornada de exploração planetária, a vida propriamente dita e é quando então são regidas pelas Leis Kármicas que medirão suas ações e reações, obrigando-as a permanecerem ou não naquele estágio de evolução, permitindo-lhes sempre o uso de seu livre arbítrio, porém, compungindo-as “a colherem obrigatoriamente o que plantaram”, se positivos colhem positivos, se negativos colhem negativos, e, assim em todos os demais detalhes e nuânces da vida. Sempre buscando-lhes suas lapidações, suas ascensões de retorno ao Núcleo Central, e quando, milhares ou milhões de anos de árdua ascensão chegarem ao Núcleo, voltam a ser Deus, ou Engenheiros Siderais que semeiam e controlam tudo no Universo, mais especialmente o setor, o Meridiano Cósmico por onde passaram, viveram e se tornaram especialistas. Tal como, Gósbolau, que se situa na Galáxia Centrífugas, a cem milhões de anos luz distante nós, mas é responsável pelo Nosso Sistema Solar.

Contrariando o pensamento exclusivista da Ciência, eu diria que em todo os locais do Universo poderá haver espaço para uma centelha racional ou raio-pensante que é espargido do Núcleo Central, portanto, como a própria centelha faz seu “habitat” e o “habitat” faz a centelha, a Terra é apenas mais um entre esses trilhões de locais e por sinal um ínfimo local. Como as centelhas vão para todos os quadrantes, podem muito bem irem também alojarem-se nos mundos dos “quasars”, ou buracos negros e se o local contém energia negativa ou a anti-matéria do Universo, essas poderão ter um imenso potencial negativo e se escapam daqueles locais, promovem o desequilíbrio harmônico do Universo. Portanto, a meu ver, e analisando o que os meus amigos extraterrestres dizem, aqueles com os quais mantenho contato, as centelhas saem do Núcleo, como diamantes brutos a serem lapidados, e as lapidações se dão dentro dos “habitats’ para os quais elas foram atraídas e neles, bruxuleiam a vida e a sua ascensão de volta ao Núcleo Central para de novo participarem da criação do Universo, não mais como criaturas mas já como Criadoras.

Mas, caberia a pergunta: Por que é necessário todo esse trajeto para o círculo evolutivo, como um “moto-perpétuo” se a centelha poderia permanecer dentro do Núcleo e lá mesmo evoluir?

Porque o Núcleo Central Cósmico-Deus, é expansão, criação dinâmica, mutação contínua e a centelha segundos após espargida perde o teor vibratório Central, e vai perdendo mais e mais à medida que avança para o Universo e se distancia do seu Emissor. É como se ela fosse “quentíssima” no Núcleo, ao sair dele fosse gradativamente se “resfriando” até parar no “habitat” para o qual foi atraída.

Um exemplo simples para que o leitor possa visualizar melhor o que estou dizendo, basta pensar numa pedra de radium ou qualquer outro material radioativo ou não, como por exemplo uma lâmpada comum. Seria como se quiséssemos que as radiações ou os fotônios espargidos de cada uma daquelas fontes, voltassem ou não, saíssem do núcleo radioativo ou emissor dos fotônios. Impossível, porque depois de emitidos não tem mais retorno e se puséssemos um espelho refletor revestido de chumbo na frente do Núcleo emissor, as partículas radioativas ou fotonicas bateriam no espelho e retornando se chocariam com as outras partículas que estariam sendo emitidas. Ambas se chocariam e se desviariam uma da outra formando buracos ou manchas, como no Solo, e ao se chocarem, buscariam a periferia do seu Núcleo emissor e iriam nos parecer labaredas devido a grande quantidade e grande continuidade das emissões.

Outro exemplo, um tanto “simplista”, mas que retrata bem o que quero dizer é aquele de se querer fazer o espermatózoide retornar ao saco escrotal depois de ejaculado. Impossível. E, mesmo que o colocássemos de volta lá dentro, por meios artificiais, ele já não seria o mesmo, já se teria resfriado, morrido e poderia disseminar a morte dos demais em seu interior. Busquei este exemplo porque ele faz parte do quotidiano do ser humano.

E os elementais? São centelhas também? Como se originam? De onde vem?

Da mesma forma que as centelhas que saem do Núcleo Central buscam seu “habitat” condizente com seu teor vibratório, os elementais, centelhas racionais que são também, buscam no elemento da natureza, que forma seu “habitat”, a manifestação de seu físico ou do seu veículo biotípico para explorarem seu meio-ambiente. Alguns se formam das árvores e florestas; outros, das águas dos mares, das águas dos rios; outros do fogo, outros dos ambientes mais grosseiros, grotescos e até macabros, outros do ar e etc.

Muitos desses elementais são por assim dizer formas, pensamentos de seres humanos que por ali viveram durante centenas de anos e por ali mesmo desencarnaram. São como se fossem radiações de centelhas mais rudimentares que só mantiveram contato com os elementos e com a natureza do “habitat’ e do seu próprio ser que os leva a procurar seu magnetismo, condizente com seu teor vibratório.

Ainda hoje, os gnomos, elementais das cavernas, das pedras das minas, ainda nos aparecem vestidos ao tempo da idade-média, porque, estes brotaram naquela época e se mantém como se originaram. Outros são de épocas mais remotas, mas pelo que pude avaliar, vão desaparecendo ou sendo transladados para outros locais dentro do planeta ou para outro planeta à medida que os tempos vão mudando em seu “habitat” natural. Eles são frutos do meio-ambiente e do meio-pensante da época e de um povo. Passados esse ambiente, essa época, e esse pensamento conjugado, eles desaparecem. Não morrem, simplesmente passam a viver nas suas respectivas psicosferas que não se alteram ou, são transportados para planetas onde possam se manifestar livremente.

É claro que devem estar surgindo elementais modernos afeitos ao novo ambiente, já completamente alterado, onde impera a devastação do eco-sistema, onde o ser humano mais robotizado, não tem mais aquele cuidado e respeito pelo seu “habitat”, onde também, impera o crime, as drogas, os vícios de toda a ordem. Desse ambiente soturno e às vezes macabro e desumano surgem fatalmente elementais que brotam desse meio e auxiliados pela força mental da humanidade atual e das centelhas embrutecidas se locupletam dessa situação de caos dominante.

Há também os casos, se bem que reduzidos, de centelhas que habitaram corpo humano e que por circunstâncias inóspitas e inesperadas, e desencanto com o mundo do ser humano (o caso daquela entidade de nome ZAIDA que tem a parte superior do corpo mulher e a inferior, uma cauda de serpente), passam a adotar o meio elemental onde tiveram que viver e desencarnar. E, os casos de animais muito inteligentes, que conseguem subir os degraus da centelha dos elementais, para darem prosseguimento a sua evolução.

Mas há também os casos das aberrações kármicas entre as centelhas humanas, que por uma atuação muito negativa em seu passado, vem reencarnadas como seres humanos mas, com a mediunidade de transfiguração, que sob influência do magnetismo lunar transformam-se em animais principalmente em lobisomem, em vampiros e outros, mas estes não são considerados elementais são, isto sim, portadores de um pesado karma tóxico que os obriga a perambular pelas noites como mortos-vivos.

Assim também não são considerados elementais apesar de viverem, vampirizarem os viciados e seus vícios, as entidades do baixo-astral, tais como: Pombas-Giras, Exús, e outros que sugam os fluidos do prazer sexual, da bebida, do tabaco, das drogas, das doenças de modo geral, dos ambientes de jogos e prostituição, dos ambientes mórbidos, dos ambientes de crimes, das artimanhas, dos setores dos lesa-pátria, das cadeias, dos manicômios, enfim, esferas e psicosferas negativas. Apesar de que, detectei vários tipos de elementais perniciosos que também brotam desses ambientes e se alimentam dos fluidos e miasmas ali gerados. Tais entidades, muitas vezes antiquíssimas, possuidoras tanto de grande sabedoria quanto de domínio das forças malignas, nada mais são que aquelas centelhas das quais falei anteriormente que, revoltadas contra tudo e contra todos, principalmente contra o Criador passaram de Anjos Elevados à Anjos Decaídos, carregando seus perispíritos e os de suas pseudo-vítimas, na maior parte das vezes seus antigos algozes, de alto teor de toxinas negativas que não lhes permite mais voltar ao que eram, a não ser através de grandes sofrimentos drenadores pelos quais irremediavelmente, mais cedo ou mais tarde terão que enfrentar. Terão que espontaneamente perdoar, serem perdoados e antes de tudo, se auto-perdoarem.

Por isso, encontramos elementais de toda natureza e todo o tipo de conduta, tais como: conduta bondosa e prestativa, conduta maldosa e negativa, conduta zombeteira que fazem o mal e o bem ao mesmo tempo ou não fazem nenhum dos dois, conduta passiva, defensiva, e neutra, mas, tratando-se de elementais quase todos são puros e produtos do meio, podendo ser controlados por mentes mais poderosas que as deles. Na verdade, muitas vezes são utilizados por entidades maiores como instrumentos de efeitos físicos sobre a natureza humana e sobre o eco-sistema.

Entretanto, é bom salientar que essas entidades são também muito úteis nos trabalhos reversivos ou de correção do mal ou desarmonias praticados por outros ou por elas próprias. É a utilidade racional do negativo empregada pelas Entidades Superiores.

D. Yezzi
S.P., 27/11/95

O Que Está Embaixo Está Em Cima E O Que Está Em Cima Está Embaixo

O que significam as frases acima, o que eu quis dizer com elas?

Significam em primeiro lugar, que as aparências enganam! E o ser humano da Terra é movido e motivado pelas aparências ou seja, o que está em melhor situação financeira, o rico, desdenha o pobre e humilde, por ele rico, pensar que esta “em cima, no alto” e o “pobre lá embaixo”, e é ai que ele se engana, pois perante o Núcleo Central Cósmico o que vai valer mais é a humildade, seja ela do rico ou do pobre.

Quase sempre a riqueza traz consigo a pobreza de espírito, traz o pedantismo, a presunção, o orgulho, o egoísmo, a usura, o protecionismo vicioso, o crime e milhares de outros defeitos que dificultam a ascensão espiritual de um rico, sem contar as injustiças e o ódio que ele angaria de inimigos ferozes e inimigos invejosos gratuitos, enquanto o pobre se apenas for pobre, mas é simples e humilde, pensa que está “embaixo” e que Deus jamais se lembrará dele, ao contrário, ele, pobre, tem mais consistência na hora do desencarne do que aquele rico, é ele quem já está em cima e o rico embaixo!

Tudo o que for “peso e intoxicante” para o espirito o colocará embaixo pois, descaracteriza sua espiritualização, portanto, neste exemplo, comum “quem pensa que está em cima está embaixo e quem pensa que está embaixo esta em cima”.

A Natureza Cósmica-Sideral nos dá exemplos claros e evidentes do “estar embaixo ou em cima” e que o ser humano não se dá conta disso, senão vejamos: Vamos olhar a humanidade e o globo terrestre, um homem que esteja do lado escuro da Terra, eu seja, onde é noite, por exemplo, um brasileiro. Ele anda em pé sobre a Terra e pensa que está de pé, olha para cima e vê uma estrela. Para ele aquela estrela está no alto mas, se ele sair fora do globo terrestre ele verá que aquela estrela poderá estar em nível mais baixo que a Terra se a olharmos comparativamente com a sua posição na Galáxia e perceberá também que ele tinha a impressão de estar em pé, porém estava realmente de cabeça para baixo como se pendurado pelos pés ao planeta não fosse a força gravitacional e a massa atmosférica. Assim também o japonês que na sua pátria naquele momento tem o sol a pino sobre sua cabeça; ele esta crente que é ele quem está de pé e não o brasileiro, mas, ambos estão de cabeça para baixo como se estivessem dependurados pelos próprios pés. E assim, todos os seres humanos da Terra e de qualquer outro planeta, pois, sendo seus orbes redondos e girando no Espaço vazio tem todos a mesma impressão, porém, a verdade é “Que o que está embaixo esta em cima e o que está em cima está embaixo”.

Para quem está dentro de um planeta, tudo para ele representa estar em cima, mas ao sair fora a uma distância da qual ele possa avistar o seu planeta e os demais, assim como eu tive o privilégio em minhas viagens astrais dentro de naves extraterrestres, verá que as alturas entre um e outro são bem diferentes do que aparentam ser.

Desta forma, este ditado entrou no meu poema gênesis justamente para dar a entender que para o Núcleo Central Cósmico -Deus, não valem as aparências mas sim o conteúdo vibratório de cada um, e cada ser não deve e nem pode achar-se superior a outros, pois, somente as Leis Cósmico Siderais é que vão mensurá-lo e indicar se ele é um ser superior ou um ser inferior, ou seja, se ele “está embaixo ou está em cima”!

“O que cai aos nossos olhos
Sobe ao olhar cósmico, e o que
Sobe aos nossos olhos, cai ao olhar cósmico”

D.Yezzi
02 dez. 95

Para Aqueles Que Temem A “Passagem” da Vida Física Para A Vida Espiritual

“A sensação aparente de que nós encarnados, é que estaríamos Vivos”!…

Aquele velho ato de se auto beliscar, de colocar as mãos sobre as outras pessoas ou sobre objetos à nossa volta e que nos trazem a “certeza aparente” de que estamos vivos. O ato de respirar, a pulsação cardíaca, a circulação sangüínea, as funções cerebrais que decretam, para a nossa medicina se o nosso físico está vivo ou morto clinicamente, são apenas sintomas circunstanciais, relativos ao nosso ambiente, a nossa fisiosfera. Para o ser humano encarnado não há outros parâmetros externos de mensuração ou comparação da atividade da vida existencial. O que significa não poder esse ser, ainda falho, ter a certeza absoluta de ser essa a chamada verdadeira vida.

Ele sente-se vivo por não possuir outros elementos que lhe transfiram conhecimentos paralelos. A certeza que esse ser humano tem de estar vivo é quando ele compara seu físico ainda em atividade com outro inerte, cujo espírito a chama vital já tenha abandonado, porém, não lhe dá a certeza de se encontrar na verdadeira vida.

Porém, nas minhas experiências extrafísicas e em contato com as entidades espirituais desencarnadas que “vivem” nos campos paralelos, ou psicosferas que circundam e entrelaçam a Terra ou cada planeta, como se fossem esferas concêntricas, uma sobre as outras, e que se cruzam em vários ângulos e direções e durante minhas projeções Astrais, ou saídas voluntárias momentâneas do corpo físico, pude constatar que tanto as entidades espirituais, como meu espírito têm a sensação clara, de que estamos vivos. Pois temos todos os sentidos mais apurados tais como: as impressões do tato, ao ato de beliscar-se, as pulsações cardíacas, a circulação sangüínea, as funções cerebrais, as funções fisiológicas, o olfato, o paladar, a audição, a visão e até as sensações de sexualidade. Haja visto, os espíritos vampirizadores e viciados em todo o tipo de vício que continuam usufruindo dessas sensações, apesar das mesmas serem fluídicas, e esgotarem as energias de suas vítimas.

Quanto mais atrasadas e estarem em vibrações mais baixas, essas entidades não esclarecidas “vivem” do lado de lá como se vivessem do lado de cá, normalmente. Apenas os diferencia dos “vivos” os campos vibratórios mais rarefeito nos quais se encontram.

Os viciados em drogas, em bebida e outros vícios, inclusive o sexo como as entidades denominadas de “pombas-giras”, exús, e outras; sentem o prazer sexual através do acoplamento com seus “médiuns” que podem ser meretrizes ou não, e com mais intensidade de que quando estavam na vida física. Ainda têm uma vantagem muito grande e importante sobre os denominados “vivos”, que é aquela de poder compararem-se com os vivos e não estarem “presos’ a um casulo limitador que é o corpo físico perecível; estão sim, presos a seus vícios que os atrelam por dezenas e até centenas de anos, vampirizando suas vítimas e seus algozes no decorrer da várias existências. Essas entidades são tão vulneráveis quanto os vivos, apenas “não morrem biológicamente”, a não ser quando têm que renascer no plano físico, ou seja, “morrem lá para viverem cá” em circunstâncias bem mais inferiores e com kármas dolorosos de provação. Portanto, a meu ver, o campo espiritual é que é a verdadeira vida, e as limitações são fornecidas e fornentadas pelo grau de evolução e de conhecimento de cada um que os faz permanecer em seus respectivos e variados níveis ou patamares, de conformidade com suas afinidades e sintonias.

Já o ser extraterrestre, (ser vivo, encarnado, que habita outros planetas), aqueles que tenham atingido o grau de evolução do conjunto: “Espírito, Matéria e Conhecimento” vivem ainda melhor que os extraterrenos (seres espirituais da Terra), com tripla vantagem; estão na matéria, ou seja, possuem um físico tridimensional, vivem em espírito porque têm poucas limitações físicas e têm o conhecimento e a sabedoria, vão para onde quiserem no Universo e não sofrem as barreiras circunstanciais de Tempo, do Espaço e da Velocidade.

Portanto, a meu ver, o Espírito ainda é Matéria, e é ele quem vive a verdadeira vida!. Ele é matéria mais rarefeita, quintessência da, porém, ainda assim é matéria! Energia é matéria rarefeita e matéria é energia condensada!. Assim sendo, tudo é possível e ao mesmo tempo tudo é passível de conjecturas entre aqueles que se consideram “os vivos”, porém, a razão e o raciocínio lógico devem imperar em ambos os parâmetros.

Tanto eu, bem como minha esposa, em nossas viagens astrais na crosta e nos umbrais da Terra e dentro das naves e nos planetas que chegamos a visitar dessa forma, a nítida impressão que tivemos, foi que nos encontrávamos mais vivos do que nunca. Sentimos pavor, medo, os aromas, os odores, detectamos as cores, nos apalpávamos e a tudo presenciamos. Porém, alguém vai dizer: “isto era devido estarmos ligados ao nosso corpo em letargia porém consciente”, posso responder: “Pode ser que isso tenha contribuído muito para que as nossas sensações fossem registradas, porém, há outros fatores pessoais que nos garantem que o espírito sobrevive após a morte física e que sua vida é muito melhor vivida.

Não sou partidário de qualquer filosofia ou religião, mas sim, da lógica e das experiências vividas por nós, conquanto respeitamos a crença e a fé de cada um.