O Núcleo da Terra é Incandescente?

Não! O Núcleo da Terra não é incandescente como afirma a Ciência. Esta é mais uma aberração! precipitada pelas relações empíricas dos cientistas que lá nunca foram e nunca colheram amostras do núcleo incandescente da Terra. Tudo fica nas barreiras da hipótese.

Por que o núcleo da terra não é incandescente ou não está em fusão? E os vulcões que expelem lavas incandescentes e destroem tudo? E os vulcões do fundo do mar? Como se explica então tudo isso? Como se esclarece então as altas temperaturas e os gazes altamente tóxicos que exalam?

1º) Primeiramente, devo dizer que se o núcleo da Terra estivesse em fusão, então isto provaria que a Terra não é oca.

2º) Se a Terra fosse oca, onde se localizaria seu núcleo incandescente? Qual afirmação é a maior das aberrações? As duas.

3º) Para mim, ou para a Ciência, núcleo incandescente ou em fusão, quer dizer que haja fogo. Poderá não ser labaredas mas algo está queimando em alta temperatura e, para haver combustão, qualquer estudante primário sabe que precisa haver um agente principal que é o oxigênio, ou seja, sem o oxigênio não há combustão interna do núcleo terrestre ou deverá haver uma grande passagem ou grande rachadura do núcleo até a crosta para que o processo de combustão fosse alimentado, ou seja, por onde deverá entrar o oxigênio. Se houvesse tal rachadura, mesmo que os vulcões fossem considerados como tal, o nosso planeta já se teria partido em duas ou mais partes, pois ele seria uma panela de pressão pronta a explodir ou a “vomitar” todo o seu conteúdo incandescente para fora. A pressão do calor e dos gazes seria gigantesca e o planeta não resistiria com certeza. Além do que essa passagem ou rachadura poderia se dar através do mar e permitir a entrada da água dos oceanos acarretando um grande choque térmico e resfriamento abrupto do núcleo, podendo também ocasionar a desintegração do planeta, explodindo-o ou pelo menos causar-lhe danos e grandes perturbações em sua rotação em torno do seu eixo e em torno do Sol e desequilibrando totalmente a vida na superfície.

4º) Então restariam os vulcões, que inexplicavelmente vomitariam material incandescente e espessa fumaça composta de gases tóxicos. Não seriam vulcões válvulas de escape que entram em erupção à medida que a pressão do calor e dos gases internos aumenta? Podem até ser, não afasto essa hipótese, mas, temos as hipótese anteriores que derrubam esta. E podem ser os vulcões válvulas que deixam escapar gases de diferentes formulações que ao se encontrarem na crosta com o oxigênio, entram em combustão apenas nas proximidades da superfície. O mesmo deve se dar nos oceanos pois a água do mar é constituída de oxigênio.

A meu ver os vulcões são resultado de choque ou reações fisioquímicas que se dão nas camadas da sub crosta terrestre, ou seja, elementos opostos que se chocam. formam gases e por pressão são expelidos para fora da crosta. Como ocorre com o Sol, e com o petróleo, que após milhares de anos de sedimentação e fermentação no subsolo forma-se aquele líquido negro oleoso acompanhado de gases sem combustão e que são expelidos naturalmente ou quando o homem perfura as camadas geofísicas.

Como eu disse, o petróleo não está em combustão no subsolo e nem o Sol, sobre o qual explicarei em capítulo especial.

No caso dos vulcões os elementos que entram em choque, reagem sem o concurso do oxigênio, por exemplo como dois gases diferentes ou dois componentes ácidos que se incandescem aí sim ao aproximarem-se do oxigênio na flor da crosta terrestre. Só nesse momento o vulcão começa a jorrar as lavas incandescentes, essa atividade é mantida enquanto existirem os elementos reagentes em seu interior, os quais, são esgotados à medida que são expelidos. Isso pode levar centenas de anos, durante os quais podem haver interrupções temporárias devido a desvios ou parcial esgotamento de um dos elementos. Formado o elemento, por deformações do subsolo ou devido a outra causa qualquer, novos choques fisioquímicos ocorrem, retornando as erupções vulcânicas. Isto pode acontecer na sub-crosta terrestre ou nas profundezas do mar. Não devemos esquecer também que a água contém o oxigênio que é um dos agentes que provoca a combustão.

Desta forma, como podemos observar, ninguém é dono da verdade, nem eu, sobre alguns fenômenos geológicos que ainda permanecem em mistério, ou melhor, em aparente mistério até que hajam comprovações científicas ou não. “Entre o céu, e as terras da vã filosofia humana”!

Portanto, neste assunto do núcleo incandescente da Terra e dos seus vulcões eu lanço mais essas questões para os grandes sábios tentarem solucionar.

Anúncios

A Terra É Oca?!

Não! A Terra não é oca. Esta é uma afirmação que me atrevo a divulgar sem medo de errar (como as demais faço no decorrer deste volume) pois, além do raciocínio particularmente meu, vai acrescida de respostas que obtive junto aos seres extraterrestres que vasculham o solo e o subsolo terrestre de todas as maneiras, possíveis e imaginárias, visitando pessoalmente os locais em que através de aparelhagens ultra sofisticadas que lhes permite radiografar nosso planeta, como fazemos com nosso corpo para detectarmos possíveis anomalias. “A Terra não é oca e não há civilizações vivendo em seu interior”.

1º) Não é oca em vista da forma pela qual descrevo nos capítulos que se seguem como nascem os sois e planetas, ou seja, do micro para o macrocósmo e não de explosões que depois os transformaram em pedaços ambulantes pelo espaço sideral.

2º) Não é oca, porque não suportaria as grandes pressões externas, tais como: a pressão atmosférica, as forças centrífugas e centrípetas oriundas de sua rotação em torno do seu eixo e em torno do Sol, a pressão dos oceanos, as várias mutações geográficas, terremotos, maremotos, vulcões, além das tremendas vibrações ocasionadas pelas explosões atômicas de experiências subterrâneas que os “gênios” de hoje fazem inadvertidamente. Os que assim afirmam, sempre acham esses buracos sob regiões como o Amazonas, os Andes, e locais de imensa vastidão, nunca dizem que a Terra é oca sob Nova York, São Paulo, Paris, Londres, Moscou, Tóquio!. Por que será?. Será que o advento do trem subterrâneo “o metro”, afastou desses locais o grande oco da Terra?

3º) Não há civilizações subterrâneas e que possuam naves interplanetárias e como afirmam alguns, serem os “discos voadores” de origem do interior da Terra. se tal hipótese fosse verdadeira, há muito tempo essas civilizações já teriam subido à tona ou a crosta e dado um “ultimatum” aos loucos que aqui em cima colocam a vida delas em constante perigo ou as deixam em sobressalto tirando-lhes o sossego, com as experiências irresponsáveis que fazem periodicamente. Se houvesse essas civilizações morando no oco da Terra e possuíssem suas naves tão velozes e tão potentes não iriam racionalmente permanecerem impassíveis vendo o homem pondo fim ao planeta Terra em busca de petróleo e de outras energias. Viriam até ele e o ensinariam a ter “bons modos” para depois ensinar-lhe também como fabricar um “disco voador barato” sem precisar destruir seu “habitat” e o “habitat” deles!.

4º) O que ocorre, são visitas de pesquisadores extraterrestres que por alguns períodos relativos as suas pesquisas adentram com suas naves em algumas formas, cavernas e logo após se retiram para seus planetas. Porém, no campo extrafísico, nas psicosferas, há grande quantidades de seres extraterrestres que lá se projetam com seus corpos astrais e duplo-etéricos permanecendo também por bom tempo em grandes grupos, só que ninguém os vê ou os detecta com aparelhamento ou com olhos físicos, permanecem na 4a. e outras dimensões.